Topo
pesquisar

Sociologia

Sociologia

PUBLICIDADE

Sociologia é uma ciência situada dentro do conjunto das ciências humanas. O objetivo da sociologia é estudar, entender e classificar as formações sociais, as comunidades e os agrupamentos humanos, para que outras ciências e técnicas possam apresentar propostas de intervenção social que resultem em melhorias na sociedade. Nesse sentido, educadores, médicos, psicólogos, engenheiros, arquitetos, urbanistas, juristas, advogados, publicitários, jornalistas, economistas, enfim, quase todos os profissionais e pesquisadores de quase todas as áreas necessitam das teorias apresentadas pela sociologia.

A sociologia é feita por meio da investigação científica das estruturas sociais.
A sociologia é feita por meio da investigação científica das estruturas sociais.

Veja também: Desigualdade social: tema amplamente discutido no âmbito sociológico

Como surgiu a sociologia

A partir do século XV, a sociedade europeia vê-se em um turbilhão de mudanças significativas. Em primeiro lugar, temos o surgimento do capitalismo em sua forma mercantilista — quando os Estados recém-formados e unificados começam a traçar acordos comerciais e estabelecer novas rotas para compra e venda de produtos. Ademais, temos uma classe social que havia surgido no fim da Idade Média e começava a fortalecer-se, sobretudo em alguns lugares da Europa, como França e Itália, devido à participação no comércio mercantilista: essa classe é a burguesia.

O fortalecimento da burguesia levou ao maior investimento na navegação e na descoberta de novas rotas comerciais pelos oceanos. Todo esse processo culminou na chegada e colonização dos povos europeus (em especial portugueses, espanhóis e, mais tarde, ingleses) em terras do continente americano, que até então eram desconhecidas pelos povos da Europa, da Ásia, da Índia e da África.

O contato do homem branco com os nativos da América despertou nos europeus, detentores de uma maior tecnologia para a época em alguns aspectos, a ideia de que eram superiores culturalmente. Ao mesmo tempo, o europeu tinha curiosidade pela cultura e pelo modo de vida dos povos americanos, o que levou os primeiros exploradores das terras americanas a tentarem entender e classificar a cultura nativa.

Isso resultou em um contato extremamente etnocentrista, pois o europeu via o nativo como inferior. Não obstante, esse contato também serviu como base para os primeiros sinais de um conhecimento que mais tarde fará parte do amplo conjunto de estudos, que, junto à sociologia, faz parte das ciências sociais: a antropologia.

Mais tarde, a Europa viveu outras revoluções, dessa vez mais rápidas e intensas: a Revolução Francesa e a Revolução Industrial. Na Inglaterra começam a surgir as primeiras indústrias, empreendidas por uma parte da burguesia que havia enriquecido muito com o comércio e com o empréstimo de dinheiro. No início do século XIX, o modo de produção industrial tomava conta de grandes centros urbanos europeus, como Londres e Paris.

Por conta disso, houve intenso êxodo rural nesses locais, o que ocasionou uma explosão demográfica, seguida por vários problemas sociais decorridos da falta de emprego para todos: fome, miséria, violência, condições precárias de saneamento e, consequentemente, alastramento de epidemias. A vida nos centros urbanos para a população mais pobre era caótica. Mesmo para aqueles que conseguiam trabalhar nas indústrias, a vida era difícil, devido à desumana exploração de sua mão de obra por parte da burguesia, o que resultou em exaustivas jornadas de trabalho e baixa remuneração.

No final do século XVIII, a Revolução Francesa causou um longo período de instabilidade política para os franceses, que, após o fim do Antigo Regime (a monarquia), viram-se diante de um vazio político que resultou em diversas experiências políticas, muitas das quais fracassaram. O cenário era de instabilidade política e econômica, fome, violência e desordem social.

Diante disso, o filósofo francês Augusto Comte idealizou um projeto de melhoria e progresso social com base em um movimento que ficou conhecido como positivismo. O positivismo tinha como objetivo trazer o progresso à sociedade por meio do avanço científico, tecnológico, da ordem social e da disciplina individual.

Auguste Comte foi o criador do positivismo.
Auguste Comte foi o criador do positivismo.

Para concretizar o seu projeto, Comte aceitou como necessária a criação de uma nova ciência que, tal como as ciências naturais, estudasse e classificasse a sociedade, a fim de entendê-la e modificá-la. No início, essa ciência foi batizada por Comte de física social. Mais tarde, ela seria nomeada pelo mesmo pensador como sociologia, que significa: ciência da sociedade. Assim, Comte ficou conhecido como o “pai” da sociologia.

Apesar de propor a criação da ciência da sociedade, o trabalho de Comte, assentado no positivismo, não foi capaz de estabelecer um método preciso e único para o correto funcionamento da sociologia, pois não avançou muito além da especulação e da problematização filosófica. Diante disso, o escritor, professor, psicólogo e filósofo francês Émile Durkheim, ao resgatar e criticar o positivismo de Comte, estabelece o primeiro método de análise sociológica, baseado no que o pensador chamou de reconhecimento dos fatos sociais.

Esse feito foi considerado o estabelecimento da sociologia como ciência bem estruturada, o que tornou Durkheim o primeiro sociólogo de fato. Esse, que era professor universitário, também introduziu a sociologia como disciplina no Ensino Superior, nos cursos de Direito, Psicologia e Pedagogia.

Além de Durkheim, Karl Marx e Max Weber apresentaram métodos significativos para os estudos sociológicos, o que colocou esses três pensadores como a tríade da sociologia clássica. Para Marx, a sociologia deveria basear-se na produção material da sociedade, vista pelo pensador como uma histórica luta de classes entre exploradores e explorados, o que deu origem ao método materialista histórico dialético. Para Weber, a sociedade era composta pelo conjunto de ações humanas individuais, que deveriam pautar-se por modelos ideais para que fossem analisadas e comparadas.

O trabalho de Max Weber influenciou as áreas da sociologia, filosofia, ciência política, administração e do direito.
O trabalho de Max Weber influenciou as áreas da sociologia, filosofia, ciência política, administração e do direito.

Por meio dos três primeiros métodos clássicos, a sociologia desenvolveu-se e incorporou a si o estudo de outras ciências que, juntas, compõem o conjunto das ciências sociais. São elas: a antropologia, a ciência política e a economia. Para aprofundar-se mais no tema, leia o texto: Surgimento da sociologia.

Para que serve a sociologia

A importância da sociologia é compreendida com base em seu modelo utilitário, o que a difere da filosofia. Enquanto esta se apresenta como um conjunto de saberes não organizados cientificamente e que têm uma finalidade em si mesmos, ou uma finalidade no próprio conhecimento, aquela é uma ciência. Enquanto ciência, a sociologia tem uma finalidade exterior a si.

O trabalho do sociólogo serve para identificar, classificar e analisar a organização social como um todo. Partindo do comportamento individual (com elementos da psicologia) e do comportamento social, o sociólogo tenta compreender a sociedade a fim de apresentar teorias que possam permitir a intervenção social por meio de outras ciências e técnicas.

A sociologia tenta entender a sociedade como um todo, mas busca elementos nas suas áreas afins, como a economia (que estuda os aspectos econômicos gerais de uma sociedade, como produção e relação financeira), a antropologia (que estuda o ser humano por meio sua cultura e de suas origens) e a ciência política (que se dedica a entender as organizações políticas e os modos de organização do ser humano em sociedade, envolvendo noções como governo, Estado etc.).

Os resultados científicos obtidos pela sociologia servirão de base para a intervenção social de outros profissionais de outras áreas do conhecimento. Um jurista ou um advogado, por exemplo, precisam conhecer bem essa área para que tenham uma visão maior e mais ampla dos crimes e das leis, entendendo esses elementos como peças de uma complexa sociedade. Um arquiteto urbanista precisa compreender a sociedade e suas organizações para estabelecer os melhores meios de projetar casas e cidades que melhor satisfaçam as necessidades sociais.

Quando um médico depara-se com uma possível epidemia ou com a simples repetição de doenças e sintomas, ele pode aliar os estudos de diagnóstico clínico individual nos pacientes aos conhecimentos sociológicos, para tentar compreender uma possível origem social dos problemas de saúde.

Acesse também: Intolerância religiosa: uma questão enraizada na sociedade

O que a sociologia estuda

O sociólogo tem a missão de estudar a sociedade como um todo organizado por pessoas em comunidades. Os meios para isso são hoje os mais variados, o que permite ao profissional em questão tentar compreender vários aspectos sociais, como violência, globalização, guerras, consumo, expectativa de vida, organização das cidades, exclusão social etc.

A sociologia tem como objetivo a compreensão da sociedade.
A sociologia tem como objetivo a compreensão da sociedade.

Os métodos para essa compreensão também são variados. Como a sociologia é uma ciência, ela precisa de garantias metodológicas para que o seu trabalho seja confiável. Por isso, é necessário que o sociólogo atente-se para padrões de repetição dos fenômenos, a fim de estabelecer um padrão de comportamento social. Além disso, o sociólogo utiliza dados fornecidos por entrevistas individuais com pessoas de um mesmo grupo social ou de grupos diferentes e, como ferramenta de comparação, utiliza um ramo da matemática chamado estatística.

Leia também: Direitos humanos: categoria de direitos básicos e inalienáveis

Sociologia e psicologia

Em alguns aspectos, podemos dizer que a sociologia e a psicologia caminham juntas e que têm métodos parecidos, porém com amplitudes diferentes. Enquanto a sociologia busca compreender o social, a psicologia procura a compreensão do individual. Enquanto a sociologia busca compreender uma sociedade por meio de seus indivíduos (e recorre à psicologia para compreender o que é da ordem do individual), a psicologia busca entender o indivíduo baseando-se muitas vezes na sociedade em que esse está inserido (recorrendo à sociologia para tal compreensão).

Sociologia e filosofia

Muitas pessoas pensam que sociologia e filosofia são a mesma coisa ou que são essencialmente parecidas. Essa crença, no entanto, é fruto de uma generalização do senso comum. Assim como as outras tantas ciências, a sociologia surgiu graças a um trabalho filosófico iniciado pelos primeiros pensadores ocidentais no século VI a.C. No entanto, são várias as especificações que a tornam uma ciência e um ramo do saber completamente distinto da filosofia.

Muitas vezes os sociólogos recorrem à filosofia para desenvolverem seus estudos. No entanto, somente isso não é suficiente para estabelecer um vínculo de igualdade entre as duas áreas do saber, inclusive porque, enquanto a sociologia é considerada uma ciência, a filosofia é considerada um conjunto teórico de conhecimentos que visam produzir e movimentar o saber teórico e abstrato.

 

Por Francisco Porfírio
Professor de Sociologia

Listagem de Artigos

Assista às nossas videoaulas

artigos Sociologia

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola