Geração Z

Sociologia

PUBLICIDADE

A geração Z é composta por quem nasceu na primeira década do século XXI. Por não haver uma exatidão na contabilização do tempo em relação ao surgimento das diferentes gerações, podemos considerar como geração Z quem nasceu no fim da década de 1990. O mais marcante dessa geração é a sua íntima relação com a tecnologia e com o meio digital, considerando que ela nasceu no momento de maior expansão tecnológica proporcionada pela popularização da internet.

Leia também: Cyberbullying – prática agressiva de intimidação e perseguição em ambiente virtual

Gerações X, Y e Z

A internet foi projetada para ser uma rede de comunicação militar estadunidense, ainda na década de 1960, e quem nasceu naquela época pertence à geração baby boomer. Nesse momento, os computadores ainda eram grandes máquinas que precisavam de um profundo conhecimento especializado para serem operados.

O que aconteceu nas décadas de 1970 e 1980 foi uma drástica mudança no modo como os computadores eram pensados. De máquinas utilizadas por militares e cientistas especializados, os computadores tornaram-se cada vez mais versáteis, menores e intuitivos. Grande parte dessa revolução deve-se à empresa estadunidense Apple, que se dedicou a tornar essas máquinas esteticamente agradáveis, além de facilmente manuseáveis.

Foi nesse meio que surgiu a geração X. Filha dos baby boomers, a geração X compreende as pessoas que nasceram entre o fim da década de 1960 e o meio da década de 1980. São pessoas que viram a revolução tecnológica informacional acontecer, que vivenciaram a Guerra Fria, que viram a corrida armamentista e que temeram um possível retorno a uma guerra tão horrível quanto ou pior que a Segunda Guerra Mundial.

A geração X não aceitou de imediato aquilo que seus pais projetavam como ideal de vida:

  • conseguir um bom emprego
  • comprar uma casa
  • formar uma família

Foi na geração X que as coisas começaram a mudar, talvez pela descrença nas antigas estruturas sociais formadas pelas gerações anteriores.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Na década de 1980 a internet já era utilizada em redes bancárias e financeiras. Em 1990, o físico e cientista da computação inglês Tim Burns Lee criou o sistema World Wide Web (WWW), que finalmente tornou a internet um local navegável por qualquer pessoa alfabetizada, com um mínimo de acesso à rede e conhecimentos básicos de operação de computadores.

A proximidade com a internet e a informática fez da geração Y o gérmen de uma nova sociedade totalmente conectada. É bem verdade que nem todo mundo tem acesso à rede, à internet ou a qualquer interface de comunicação, como um computador ou smartphone, e isso revela uma situação peculiar da geração Y e das gerações seguintes: estamos falando de uma parcela pequena da população que tem acesso à rede, à internet e à tecnologia.

A geração Y é a que surge numa crescente da gama de conexão (ainda extremamente restrita — não que hoje não exista restrições ao acesso à internet, mas hoje isso acontece por questões estritamente econômicas), mas que nasceu e viveu num momento de grande expansão tecnológica. Também chamados de millenials (por terem nascido próximo da virada do milênio), essa geração, que se encontra numa faixa etária entre 20 e 35 anos de idade, representa uma completa revolução em relação às gerações passadas.

São pessoas que levaram as mudanças iniciadas pela geração X aos seus limites. Essa geração vive em um mundo completamente instável, onde as oscilações do mercado financeiro e outros sintomas do capitalismo tardio promovem um mundo competitivo e extremamente desigual. Por um lado, os millenials não têm muita expectativa de uma vida segura. Por outro lado, os mais abastados conseguem estender seu poder por meio da inovação e do que chamam de empreendedorismo.

A geração Z foi a primeira que nasceu num ambiente completamente digital. São aqueles que nasceram entre o fim da década de 1990 e 2010. Essa geração não precisou, como as anteriores, fazer cursos de informática básica para lidar com computadores.

Leia também: Fake news – como surgiram e quais são os perigos?

Essa imagem mostra a diferença de gerações, com a ressalva de que membros da geração Z podem estar mais velhos, próximos de seus 20 anos.
Essa imagem mostra a diferença de gerações, com a ressalva de que membros da geração Z podem estar mais velhos, próximos de seus 20 anos.

Características da geração Z

Também chamados de nativos digitais, quem nasceu na geração Z tem uma íntima relação com o mundo digital, com a internet e com a informática. São pessoas que cresceram jogando videogames, que acompanharam de perto as inovações tecnológicas e que gostam de consumir essas inovações quando possível.

É uma geração que não costuma criar muitos vínculos duradouros com as pessoas. São pessoas que aprenderam a relacionar-se pelas redes sociais e por aplicativos, que evitam sair de casa. Quando podem, usam serviços delivery para não precisarem sair. Isso também evidencia uma forte característica dessa geração: a desigualdade social.

Enquanto uns utilizam serviços delivery para não sair de casa, outros têm que trabalhar para o delivery, evidenciando outro fator marcante do mundo habitado por millenials e nativos digitais: a dissolução cada vez maior de vínculos empregatícios (e, com isso, a dissolução dos direitos trabalhistas), que impõem aos trabalhadores mais pobres (que são, hoje, jovens das gerações Y e Z) uma rotina exaustiva, pouca remuneração e a falsa ideia de que são empreendedores.

A geração Z cresceu num ambiente inóspito e de completa insegurança em relação ao futuro. Uma graduação universitária, por exemplo, que era significado de um bom emprego para a geração X, já não tem mais valor. O mundo é marcado pela alta competitividade e pela falta de emprego. A socialização pela internet levou a uma nova configuração social dessa geração e a novos hábitos de consumo. A internet, que deixou de ser aquela rede acessível apenas em casa pelos computadores, tornou-se uma companheira constante através dos smartphones.

Essa combinação de elementos evidencia os moldes da geração Z. Uma geração que cresceu acostumada com a individualidade e com a tecnologia. Uma geração que, no caso dos mais pobres, percebeu a desigualdade social pelo fato de que não pode acessar os mesmos espaços que a classe mais alta. A classe mais alta da geração Z, filha da geração X, também percebe essas contradições do mundo contemporâneo. Alguns se revoltam e fazem da internet a interface de uma luta política, e outros (a maioria da geração Z de classe média ou alta) estão inebriados pela alta conectividade tecnológica em que estão imersos, acostumados a receberem tudo pronto dos pais.

Veja mais: Zygmunt Bauman – sociólogo que estudou a liquidez das relações, traço determinante da geração Z

Geração Z e baby boomers

Os baby boomers são as pessoas que nasceram entre o fim da Segunda Guerra Mundial e a década de 1960. Essas pessoas pegaram um mundo muito mais estável e que se reconstruía após a guerra. Por ser um mundo de reconstrução e certa estabilidade, houve um expressivo aumento do número de nascimento de bebês, por isso a expressão baby boomer, derivada de baby boom (explosão de bebês).

Os baby boomers são a geração ainda majoritariamente viva que mais se contrasta com a geração Z. Se comparados aos jovens da geração Z, eles são extremamente diferentes culturalmente — não são acostumados à tecnologia e muito menos são afeitos à volatilidade da geração Z com em relação ao emprego e à vida amorosa.

A geração Z é hiperconectada.
A geração Z é hiperconectada.

Geração Z no mercado de trabalho

A geração Z tem chegado ao mercado de trabalho nos últimos anos. Para a maioria desses jovens, o que os aguarda é o subemprego e a exploração por conta da alta competitividade e da crescente flexibilização das leis e das relações trabalhistas. A chamada “uberização|1| dos serviços está cada vez mais comum entre motoristas de aplicativos e entregadores. Também são comuns os contratos intermitentes, os serviços por diária (diaristas) e outras formas de explorar-se o trabalho de modo a não gerar ônus para as empresas e a gerar muito prejuízo para os trabalhadores.

Essa situação é comum entre as camadas mais baixas da população. A classe média é privilegiada por não estar refém desse sistema e a classe alta é a dona do sistema. Entre a classe média e alta aumentam-se cada vez mais o número de pessoas que trabalham com a produção de conteúdo digital. Seja conteúdo escolar, de finanças, de moda e de várias formas de arte, seja o mais fútil conteúdo que expõe um cotidiano vazio de sentido e cheio de dinheiro, as pessoas que têm melhor condição financeira fazem carreira cada vez mais oferecendo esse conteúdo digital via redes sociais e YouTube. Esse novo nicho é algo jamais imaginado por um baby boomer, visto com desconfiança pela geração X e compreendido apenas a partir dos millenials.

Nota

|1| Neologismo criado em referência a um aplicativo de serviço de táxi. O trabalho uberizado é aquele em que o trabalhador não tem vínculo empregatício com a empresa para qual ele presta serviços, não tendo também direitos garantidos, e recebendo uma remuneração baixa e geralmente proporcional à produtividade e que passa a falsa ideia de que o trabalhador é um empreendedor de si mesmo.

 

Por Francisco Porfírio
Professor de Sociologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PORFíRIO, Francisco. "Geração Z"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/geracao-z.htm. Acesso em 28 de novembro de 2020.