close
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Skinheads

Os skinheads surgiram como um movimento contracultural na Inglaterra em 1967.

A cabeça rapada é característica marcante dos skinheads
A cabeça rapada é característica marcante dos skinheads
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Surgimento da subcultura Skinhead

A história da subcultura chamada skinhead entrelaça-se com o grande número de movimentos contraculturais que surgiram entre as décadas de 1960 e 1970 no Reino Unido. Embora nos dias de hoje sejam comumente associados a movimentos neonazistas e de extrema-direita, os skinheads possuem um enorme número de representações de ideologias e posicionamentos políticos diversos.

Os primeiros sinais do surgimento dos skinheads começaram a ser vistos em 1967 nas cidades inglesas. Tudo começou como resposta ao também crescente movimento “hippie”, que surgia em meio à classe média e espalhava-se pelo mundo. Os skins, como também ficaram popularmente conhecidos, eram jovens da classe trabalhadora que passaram a identificar-se com certos aspectos da cultura jamaicana trazida por imigrantes afro-caribenhos que chegavam à Inglaterra. A cultura skin foi sendo construída por meio da música, como o reggae e o ska, vestimentas e ideologias variadas que cada grupo adotava. Os cabelos raspados, os sapatos bem cuidados e as roupas bem passadas que os primeiros skinheads adotaram contrastavam com a imagem despreocupada e relaxada dos hippies, que era vista pelos skins como uma imagem afeminada.

O movimento inicialmente não possuía nenhuma pretensão de segregação racial entre pessoas negras e brancas. No entanto, a partir da década de 1970, a crise econômica que se intensificava no Reino Unido passou a fragilizar as relações com os imigrantes. Enquanto paquistaneses, por exemplo, começavam a chegar em grande quantidade, o número de empregos diminuía e a concorrência tornava-se cada vez maior.

Esse contexto levou ao surgimento de grupos dissidentes do movimento original, que agora carregavam a bandeira de ódio aos imigrantes, principalmente em relação aos que viam do Paquistão. A violência contra imigrantes crescia, e os incidentes estavam geralmente ligados a grupos de extrema-direita, isto é, aqueles que defendiam ou defendem ideias conservadoras, como a manutenção da hierarquia social, são contrários à noção de igualitarismo e defensores da ideia de que grupos que acreditam ser superiores devem, por direito, dominar e explorar os grupos vistos como inferiores. Os ideais de extrema-direita também estão ligados ao ultranacionalismo e ao fascismo, outra ideologia extremista que entende que a dominação autoritária de um Estado e a disciplina militar aplicada à sociedade são as únicas formas legítimas de governo de uma nação. Alguns grupos que podem ser usados como exemplos desse tipo de ideologia são o “Movimento Britânico” e o “Fronte Nacional”, que, nessa época, ganharam força em números e nas agressões voltadas aos imigrantes paquistaneses e mesmo aos jamaicanos, que haviam sido parte fundamental na fundação dos primeiros skinheads.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Skinheads nas Américas

Nos anos 1980, a cultura skin cruzou os mares e ganhou território entre a juventude nos Estados Unidos. Espalhando-se inicialmente pelo submundo da cultura punk, os skinheads de extrema-direita passaram a ganhar notoriedade em seus atos de vandalismo e violência praticados contra imigrantes latinos, judeus, homossexuais e negros. O grupo que havia começado como multiétnico tornava-se agora conhecido pelo contexto nazifascista dos grupos de extrema-direita, que ganhavam cada vez mais destaque na mídia.

Embora os skinheads estejam mais associados à ideologia nazista, que é a culminação dos ideais de extrema-direita que vimos acima, é importante destacarmos que existiam e existem várias vertentes do estilo skin. Os “Redskins” são um exemplo de um grupo skin que adota uma postura completamente antagônica à dos famigerados “naziskins”. Já os “Trad skins” são o grupo que ainda se identifica com a visão tradicional do movimento skinhead, quando o reggae, o ska e a influência jamaicana eram fortes.

No Brasil, o movimento existe, mas nunca ganhou força como os grupos que existiram nos Estados Unidos e na Inglaterra. Os grupos de skinheads brasileiros são geralmente ligados a ideologias de extrema-direita e neonazistas. Existe ainda uma forte rixa entre os integrantes do movimento punk e os “naziskins”, em razão da forte ideologia libertária que existe no meio punk.


Por Lucas Oliveira
Graduado em Sociologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

RODRIGUES, Lucas de Oliveira. "Skinheads"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/skinheads.htm. Acesso em 25 de maio de 2022.

De estudante para estudante


Estude agora


Receptores elétricos

Receptores elétricos são dispositivos que convertem diversas formas de energia em energia mecânica, como fazem os...

Jean Bodin

Filósofo, teórico político e jurista, Jean Bodin era um defensor da monarquia absolutista e fundou uma teoria...