Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Revolução Russa

A Revolução Russa, considerada um dos maiores acontecimentos do século XX, vai além do fim do czarismo. Seu legado esteve presente em diversos fatos históricos posteriores.

Cabeça da estátua de Alexandre III derrubada durante a Revolução Russa de 1917.
Cabeça da estátua de Alexandre III derrubada durante a Revolução Russa de 1917.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

A Revolução Russa, de 1917, foi a concretização de uma série de revoltas pelas quais o país passava desde 1905 e que tiveram várias consequências, como o fim do czarismo (monarquia) e a tomada de poder pelos socialistas.

Naquele contexto, a Rússia poderia ser chamada de atrasada, pois, em pleno XX, preservava práticas ainda feudais, era agrária e dominada por czares (imperadores). As primeiras revoltas, que antecederam a revolução, foram contra os privilégios da nobreza e clero, mas também contra gastos de guerra (contra o Japão, batalha que a Rússia perdeu).

Vemos as consequências da Revolução Russa como fato histórico até, no mínimo, 1989, com a queda do Muro de Berlim, já que a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), formada depois da revolução, existiu até a década de 1990 e, em anos anteriores, confrontou os EUA, dividindo o mundo entre socialistas e capitalistas na Guerra Fria.

Leia também: História de Moscou — a trajetória da mais importante cidade russa

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a Revolução Russa

  • A Revolução Russa data de 1917, mas pelo menos desde 1905 existiam manifestações no país que culminaram na tomada do poder pelos sovietes.

  • A Rússia antes da revolução era agrária, “feudal”, dominada por clero (Igreja Ortodoxa), nobreza e czares (imperadores).

  • A população se revoltou contra essas camadas sociais que tinham privilégios sociais enquanto passava fome.

  • Somou-se a isso a perda da guerra para o Japão, em 1905. Diante dos grandes gastos bélicos, a população continuava à míngua. Assim, aconteceu a Revolução de 1905.

  • A população revoltosa estava organizada no Partido Operário Social-Democrata, que, por sua vez, era dividido entre mencheviques e bolcheviques (minoria e maioria, respectivamente). Uns pensavam que deveriam acontecer reformas burguesas antes da revolução, e outros queriam a revolução proletária prontamente.

  • Em 1914, na I Guerra Mundial, a Rússia esteve na Tríplice Entente, junto da Inglaterra e França, porém, perdeu importantes batalhas.

  • Em fevereiro de 1917, após grandes rebeliões, aconteceu a renúncia do czar, que assumiu um governo provisório.

  • Em outubro de 1917, os bolcheviques realizaram a tomada do Palácio de Inverno, e aconteceu a Revolução Russa, de fato, tendo Lenin como primeiro governante.

  • Várias medidas foram adotadas na economia. A Rússia também se retirou da I Guerra Mundial, porém, os opositores da revolução organizam um exército, e ocorreu uma guerra civil na Rússia.

  • Após a guerra civil, visando à unificação e coesão, foi formada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), que perdurou até 1991, porém, já com ideais muito diferentes dos revolucionários de 1917.

Videoaula sobre a Revolução Russa

Antecedentes históricos da Revolução Russa

A Rússia no início do século XX era o que o restante da Europa poderia considerar “atrasada”, já que era majoritariamente rural, e seus poderes, ainda divididos quase como na Idade Média: entre nobreza (no caso, proprietários rurais) e clero (nesse caso, a Igreja Ortodoxa).

Foram vãs as tentativas, ainda no século XVIII, do czar Pedro, O Grande de modernizar o país, que adotou novos modelos de educação e administração, transferiu a capital de Moscou para São Petersburgo para torná-la uma “janela para a Europa” — enfim, ele desejou ocidentalizar a Rússia. Somente em meados de XIX começaram os primeiros movimentos no sentido da industrialização e modernização, que sempre se chocavam com a estagnação rural comandada pelos grandes proprietários de terra, chamados boiardos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A Rússia era governada pelos czares (o mesmo que “imperadores”). Lá, uma mesma dinastia estava no poder desde 1613: os Romanov. A burguesia, vendo o que acontecia na Europa, almejava o mesmo: industrializar-se para também obter dividendos e não continuar servindo ao Estado, como sempre fora.

Os últimos czares antes da revolução começaram a se preocupar com a modernização russa, mas já era tarde demais. Alexandre II aboliu a servidão e eliminou dívidas, mesmo assim, acabou assassinado por revolucionários. Alexandre III, seu herdeiro, reprimiu anarquistas e marxistas e, finalmente, conseguiu impulsionar a indústria, porém, com capital francês, inglês, belga e alemão.

A Rússia passou a ter, então, por um lado, alguns elementos modernos e, por outro, a oligarquia agrária. Nicolau II, o último czar, não fugindo à tradição (que também incomodava o povo: os altíssimos gastos em guerras), disputou e desta vez perdeu a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905).

Nicolau II — o último dos czares.
Nicolau II — o último dos czares.

Mencheviques e bolcheviques

Como vimos, os czares tinham muitos opositores. Entre esses, alguns se organizaram por seus ideais políticos, como os niilistas (anarquistas defensores das ideias de Bakunin), socialdemocratas (acreditavam na social-democracia, mas não como é hoje, já que incorporavam alguns ideais marxistas), narodnikis (a tradução literal é “ir ao povo”, logo, eram populistas) e os que mais se destacaram: os mencheviques e os bolcheviques.

Esse destaque veio com o Congresso do Partido Socialdemocrata (POSDR), em 1903, que dividiu ambos em lados diferentes de acordo com o que pensavam sobre o desenvolvimento da Rússia. Assim:

  • Mencheviques: eram os minoritários. Achavam que primeiramente seria necessário que o capitalismo russo se desenvolvesse para depois lutarem pelo socialismo. Para isso, eram necessárias reformas progressistas, feitas na Duma (Parlamento), que seriam lideradas pela burguesia (Revolução Burguesa) contra o czarismo.

  • Bolcheviques: eram majoritários. Defendiam que a Revolução Socialista ocorresse de forma imediata, com a instalação da Ditadura do Proletariado e a aliança entre operários e camponeses. Seu líder era Lenin e tinham o apoio dos sovietes, conselho de trabalhadores e soldados que, a partir da Revolução de 1905, obteve poderes executivos e legislativos, com representantes advindos de quartéis e fábricas.

Leia também: Karl Marx — o autor que embasou o chamado socialismo científico

Revolução de 1905

A Revolução de 1905 foi, na verdade, uma série de movimentos da população russa, faminta, contrária às medidas czaristas, à crise econômica que enfrentava e à participação da Rússia em uma guerra contra o Japão, que gerou enormes gastos bélicos.

A Guerra Russo-Japonesa foi uma disputa imperialista (ou seja, por mais terras) da Rússia e do Japão pela Crimeia e a Manchúria. O estrondoso fracasso do czar estimulou as forças de oposição, que, como vimos, já eram muitas.

Nicolau II, percebendo tal movimentação, passou a conter, com muita violência, atos que seriam até então pacíficos. Como foi o caso do que depois ficou conhecido como “Domingo Sangrento”, quando pessoas, mesmo cantando o hino “Deus salve o czar”, foram exterminadas, apenas por apresentarem, também, algumas queixas.

Com isso, Nicolau II caiu mais ainda em descrédito e se viu obrigado a assinar o Tratado de Portsmouth, que acabou com a guerra, em 5 de setembro de 1905, entregando ao Japão partes importantes de seu território — entre eles, a Coreia.

Os sovietes foram criados nesse contexto, quando o czar lançou o Manifesto de Outubro, em que prometia uma monarquia constitucional e parlamentar. Assim, não só os sovietes passaram a existir, como também a Duma (Parlamento, também já mencionado). O problema era que Nicolau II não largaria o poder tão facilmente e lançou decretos que o colocavam acima da Duma.

Parlamentares não satisfeitos protestaram, ao passo que o czar dissolveu a instituição, colocando em seu lugar outro Parlamento, agora censitário, ou seja, com base em quem tinha posses. Esse sistema perdurou até 1911, sob a liderança de Stolypin, que, mais tarde naquele ano, foi assassinado por forças opositoras

Todo esse período, desde 1905, é considerado por alguns como um “ensaio da Revolução Russa”.

Quais as causas da Revolução Russa?

A Rússia seguia, como vimos, um modo de produção bastante atrasado. Era majoritariamente rural e se encontrava em um regime ainda feudal. As tentativas de industrialização, ao longo da história, várias vezes não deram certo, o que fez com que a aristocracia, ou seja, os nobres, concentrasse toda a riqueza, enquanto o restante do povo vivia na miséria e na fome.

Com o tempo, várias ideias contrárias à monarquia absolutista foram surgindo, algumas delas revolucionárias, como as dos mencheviques e bolcheviques, por exemplo. Essas ideias ganharam adesão junto ao povo que passava fome.

As repressões do czar, como a do Domingo Sangrento, foram o estopim para a Revolução de 1917.

Estouro da Revolução Russa

O que chamamos de Revolução Russa, de fato, foi o estopim, ou seja, a tomada de poder pelos sovietes, em outubro de 1917, que vinham se organizando com a população desde pelo menos 1905, em protesto contra os czares e seus privilégios, a fome e a repressão.

Assim como a Guerra contra o Japão foi um gatilho em 1905, a partir de 1914, a Primeira Guerra Mundial também mexeu com a conjuntura interna russa — sendo inclusive apontada por muitos como um dos motivos da revolução —, pois a Rússia fez parte da Tríplice Entente (junto da Inglaterra e França) e, como era um país atrasado, não possuía os mesmos meios tecnológicos das demais nações, o que fez com que perdesse diversas batalhas, inclusive algumas importantíssimas para a Alemanha, que conquistou parte de seu território.

Como sabemos, a I Guerra Mundial teve objetivos imperialistas e, no que tange especialmente a Rússia, havia o temor da ascensão alemã e invasão de territórios, pois ela havia passado recentemente por unificação e ameaçava outras nações.

O fim do czarismo estava próximo, com os problemas econômicos, a repressão e, agora, mais uma derrota militar, e aconteceu em fevereiro de 1917, como veremos a seguir.

  • Revolução de Fevereiro (Revolução Branca)

Em fevereiro de 1917, o czar abdicou de todo o seu poder, após tantos problemas, como crise econômica, derrotas em batalhas importantes e reiteradas manifestações da população durante anos. Assumiu, então, o Governo Provisório, que funcionou como um Parlamento liberal europeu.

À frente desse governo estava Alexander Kerenski, que era socialista, porém, reformista (menchevique, como vimos). Esse período é chamado de República da Duma, Revolução de Fevereiro, Revolução Branca ou ainda Revolução Menchevique.

Entretanto, a Rússia não tinha saído da guerra, e as pessoas ainda passavam fome, logo, seriam necessárias outras mudanças. Com isso, a oposição bolchevique se fortaleceu nos sovietes. Liderada por Lenin e Trotsky, sob o lema “pão, paz e terra”, indicava, além da saída da guerra, a redistribuição (expropriação e divisão) das grandes propriedades de terra, a fim de ajustar o fornecimento interno de comida para a população.

Paralelamente, a Guarda Vermelha ia sendo formada por Trotsky. Posteriormente, essa guarda passou a se chamar Exército Vermelho, pós-revolução. Até então, ela era um grupo revolucionário e armado dos bolcheviques, que visava à tomada do poder.

  • Revolução de Outubro (Revolução Vermelha)

Vladimir Lenin
Vladimir Lenin foi um dos líderes da Revolução de Outubro

Em 7 de novembro de 1917 ou 25 de outubro no calendário juliano (que a Rússia ainda usava), os Bolcheviques tomaram o Palácio de Inverno, bombardeando-o, e depois todos os outros prédios públicos russos, que passaram a ser chamados de Conselhos de Comissários do Povo.

Kerensky, menchevique que estava à frente do Governo Provisório, fugiu, e assim teve início o governo bolchevique, cuja primeira publicação oficial foi o “Apelo aos trabalhadores e camponeses”, de Lenin, primeiro governante revolucionário. Por meio dela, foi dado “todo o poder aos sovietes”. Uma das primeiras medidas foi também retirar o país da I Guerra Mundial.

Quais as consequências da Revolução Russa?

A Revolução Russa não é um fato histórico que possa ser explicado apenas pela sucessão de acontecimentos, pois vemos suas consequências até, no mínimo, 1989, com a queda do Muro de Berlim ou, para alguns, até hoje.

Mas, se quisermos considerar as consequências imediatas, temos:

  • nacionalização de todas as indústrias e bancos russos;

  • saída da guerra, com a perda de territórios como a Letônia, Lituânia, Estônia, Finlândia, Ucrânia e Polônia;

  • redistribuição das terras no campo.

Outra consequência foi a Guerra Civil Russa, como veremos a seguir.

Guerra Civil Russa

Claro que tantas mudanças assim não agradaram a todos. Dessa forma, houve a oposição ao governo de Lenin, formada por antigas forças czaristas e mencheviques, que se uniram também aos países que não aceitaram a saída russa da guerra. Esses contrarrevolucionários se organizaram com armas no Exército Branco (em contraposição ao Vermelho) e promoveram uma verdadeira guerra civil, em 1918, que durou até 1921, quando os bolcheviques, mais uma vez, saíram vitoriosos.

A saída da Rússia da guerra só foi possível por meio da assinatura de um acordo com a Alemanha, chamado Tratado Brest-Litovsk. Os opositores acreditavam que essa aliança havia prejudicado muito os russos, que perderam territórios e reservas de carvão. Por outro lado, Trotsky, comandante do Exército Vermelho, percebia o quanto este estava enfraquecido para mais batalhas. Lenin, por sua vez, entendia que a guerra era impopular entre o povo desde o começo.

Além dos dois exércitos internos, soldados estrangeiros invadiram a Rússia, almejando ajudar a restaurar a monarquia e instabilizar os bolcheviques. Ao longo de três anos, muitos foram mortos em batalhas — estima-se que de quatro a dez milhões de pessoas. Os opositores se enfraqueceram após a vitória final bolchevique, em 1921.

A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) foi criada após a Guerra Civil Russa, em 1922, como forma de reunificar o país e outras nações após tantos confrontos.

Confira no nosso podcast: Ditadores que marcaram a história

Exercícios resolvidos sobre a Revolução Russa

QUESTÃO 1

(ESPM 2018)

Quando os bolcheviques — até então um partido de operários — se viram em maioria nas principais cidades russas, e sobretudo na capital, Petrogrado e Moscou, e depressa ganharam terreno no exército, a existência do Governo Provisório tornou-se cada vez mais irreal; em especial quando teve de apelar às forças revolucionárias na capital para derrotar uma tentativa de golpe contrarrevolucionário de um general monarquista em agosto. A onda radicalizada de seus seguidores inevitavelmente empurrou os bolcheviques para a tomada do poder. O Governo Provisório, sem mais ninguém para defendê-lo, simplesmente se esfumou.

(Eric Hobsbawm. Era dos Extremos: o breve século XX — 1914-1918)


Assinale a alternativa que apresenta, respectivamente, quem liderava o Governo Provisório derrubado pela Revolução Bolchevique e quem assumiu a presidência do Conselho de Comissários do Povo, organizado após a revolução de 25 de outubro (7 de novembro no calendário gregoriano):

a) Príncipe Lvov – Stálin

b) Kerenski – Lenin

c) Kornilov – Trotsk

d) Koltchak – Bukharin

e) Denikine – Kamenev

Resolução:

Letra B

Como vimos, Lenin foi o primeiro líder bolchevique a assumir o governo após a tomada do poder em 1917.

QUESTÃO 2

(PUC-RJ 2018)

A Revolução Socialista na Rússia, em 1917, foi um dos acontecimentos mais significativos do século XX, uma vez que derrubou o regime tzarista e estabeleceu o socialismo no país. Sobre o contexto sociopolítico anterior à revolução, analise as afirmativas a seguir:

I. A maior parte da população estava no campo, submetida a condições de trabalho muito precárias devido a um sistema fundiário concentrado.

II. A indústria e o setor financeiro se desenvolveram muito ao longo do século XIX e se tornaram a base de uma forte burguesia nacional.

III. A Igreja Ortodoxa mantinha forte influência sobre a elite aristocrática e era um dos pilares ideológicos do regime monárquico.

IV. No decorrer do século XIX, o operariado russo tornou-se a principal oposição ao regime monárquico por meio de uma sólida rede de sindicatos e partidos.

Estão corretas SOMENTE as afirmativas:

a) I e II.

b) II e III.

c) I e III.

d) I e IV.

e) III e IV.

Resolução:

Letra C

A afirmativa II está errada, pois a Rússia delongou a entrada na era industrial, que aconteceu três séculos depois da Revolução Industrial Inglesa. A afirmativa IV também está errada, pois o único partido operário da Rússia era o POSDR, fragmentado em bolcheviques e mencheviques, ambos perseguidos pelos czares.

 

Por Mariana de Oliveira Lopes Barbosa
Professora de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

BARBOSA, Mariana de Oliveira Lopes. "Revolução Russa"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/revolucao-russa.htm. Acesso em 16 de agosto de 2022.

Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

(AMEOSC - adaptado) O partido Bolchevique, antes da queda do Czar, era liderado por:

a) Kerenski.

b) Trotsky.

c) Lenin.

d) Stalin.

e) Lvov.

Exercício 2

(AGIRH - adaptado) Entre os anos de 1904 e 1905, uma série de derrotas militares do Império Russo em guerra contra o Japão abalou a já fragilizada base do governo czarista de Nicolau II. Essas derrotas pioraram ainda mais as condições de vida da maioria da população pobre e miserável. No dia 22 de janeiro de 1905, trabalhadores russos organizaram uma manifestação pacífica para reivindicar melhores salários e redução da jornada de trabalho. O czar ordenou que os guardas imperiais reprimissem os manifestantes, matando centenas de homens, mulheres e crianças. Esse episódio ficou conhecido como:

a) Domingo Sangrento.

b) Revolução Vermelha.

c) Revolução Branca.

d) Revolução Soviete.

e) Revolução Menchevique.

Artigos Revolução Russa


Czar Nicolau II: conservadorismo absolutista alheio às agitações políticas dos trabalhadores russos
História Geral

Antecedentes da Revolução Russa

O conservadorismo e a crise econômica que afetavam a Rússia antes da queda do regime czarista.

História Geral

Controle operário na Rússia

Entenda como os operários exerceram o poder nas fábricas com o controle operário na Revolução Russa.

Lênin enfrentou a guerra civil e buscou alternativas para recuperar a economia do país
História Geral

Governo Lênin

O governo que consolidou a vitória bolchevique na Rússia.

História Geral

Kronstadt e a terceira Revolução Russa

Conheça a revolta de Kronstadt de 1921, definida por seus defensores como a terceira Revolução Russa.

Leon Trotsky foi um revolucionário russo que teve atuação destacada durante a Revolução de Outubro de 1917.[1]
História Geral

Leon Trotsky

Clique no link para conhecer detalhes da vida de Leon Trotsky, um dos revolucionários mais importantes da Revolução Russa. Veja como foi o final de sua vida.

Reunião entre o líder bolchevique, Lênin (primeiro à esquerda), e proprietários da iniciativa privada para a implantação da Nova Política Econômica, n
História Geral

Nova Política Econômica (NEP)

Saiba mais sobre a implantação da Nova Política Econômica (NEP), na Rússia, no ano de 1921, por Vladimir Lênin.

Domingo Sangrento: o trágico episódio que mobilizou vários agentes políticos contra o regime czarista
História Geral

O ensaio revolucionário de 1905

As tensões que antecederam a Revolção Russa de 1917.

A Revolução de Fevereiro deu fim a regime czarista russo
História Geral

Revolução de Fevereiro

A revolução burguesa que minou a hegemonia política do czarismo na Rússia.

Revolução de Outubro: o momento em que Lênin chega ao poder com o apoio dos sovietes
História Geral

Revolução de Outubro

O levante que luta pela inserção dos bolcheviques no poder.

Stálin: o polêmico dirigente soviético que ampliou os poderes de atuação do Estado
História Geral

Stalinismo

Acesse e saiba mais sobre o stalinismo. Saiba quando Stalin ascendeu ao poder político da União Soviética e entenda as principais ações realizadas por esse regime.

História Geral

Vladimir Lenin

Clique e conheça detalhes da vida de Lenin, um dos maiores revolucionários russos. Entenda como ele aderiu ao socialismo e qual foi seu papel na Revolução Russa.

PUBLICIDADE

Estude agora


Eça de Queirós: vida e obra

Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais sobre a vida e a obra do escritor português Eça de Queirós....

Talibã e a retomada do poder no Afeganistão

Assista à videoaula e conheça o grupo radical fundamentalista Talibã. Entenda seu processo de formação e ascensão...