Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

República Velha

República Velha, também conhecida como Primeira República, foi um período da história brasileira que se estendeu de 1889 a 1930 e ficou marcado pela força das oligarquias.

Washington Luís foi o último presidente da República Velha e governou de 1926 a 1930. Foi deposto durante a Revolução de 1930.*
Washington Luís foi o último presidente da República Velha e governou de 1926 a 1930. Foi deposto durante a Revolução de 1930.*
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

República Velha é o período da história do nosso país que se estendeu de 1889 a 1930. Os marcos que estipulam o início e o fim desse período são a Proclamação da República e a Revolução de 1930. Esse período é mais conhecido entre os historiadores como Primeira República, por se tratar do primeiro período da República no Brasil.

Tópicos deste artigo

Resumo

→ A República Velha é chamada pelos historiadores de Primeira República.

→ Esse período foi iniciado com a Proclamação da República, que fez com que Deodoro da Fonseca assumisse a presidência.

→ O período de 1889 a 1894 é também conhecido como República da Espada.

→ A República Velha contou, ao todo, com treze presidentes e com outros dois que não puderam assumir a presidência.

→ O mandonismo, clientelismo e coronelismo são características importantes desse período.

→ A política dos governadores e a política do café com leite foram práticas importantes do arranjo político das oligarquias.

→ O Brasil experimentou um avanço industrial embrionário nesse período, que resultou no nascimento do movimento operário no país.

→ A desigualdade social e a política corrupta desse período motivaram revoltas em diversas partes do país.

→ A Revolução de 1930 foi o acontecimento que precipitou o fim desse período e inaugurou a Era Vargas.

Contexto histórico

A República Velha iniciou-se em 1889, quando aconteceu a Proclamação da República, no dia 15 de novembro. Esse acontecimento iniciou-se pela manhã do dia citado quando os militares liderados pelo marechal Deodoro da Fonseca derrubaram o Visconde de Ouro Preto do Gabinete Ministerial. Na sequência do dia, José do Patrocínio, vereador no Rio de Janeiro, proclamou a República.

Após a Proclamação da República, Deodoro da Fonseca foi escolhido como presidente provisório. Em 1891, o marechal foi eleito presidente do Brasil para um mandato de quatro anos, mas renunciou ao cargo e foi sucedido pelo seu vice, o marechal Floriano Peixoto, que permaneceu no cargo até o ano de 1894. Esse período de 1889 a 1894, em que o país foi governado por dois presidentes militares, é conhecido como República da Espada.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Presidentes da República Velha

Ao todo, a República Velha estendeu-se de 1889 a 1930 e contou com treze presidentes que assumiram funções. Ao longo desse período, também aconteceu de dois presidentes eleitos não terem assumido a função, por motivos de saúde ou políticos. Os presidentes do período foram:

1. Deodoro da Fonseca (1889-1891);

2. Floriano Peixoto (1891-1894);

3. Prudente de Morais (1894-1898);

4. Campos Sales (1898-1902);

5. Rodrigues Alves (1902-1906);

6. Afonso Pena (1906-1909);

7. Nilo Peçanha (1909-1910)

8. Hermes da Fonseca (1910-1914);

9. Venceslau Brás (1914-1918);

10. Delfim Moreira (1918-1919);

11. Epitácio Pessoa (1919-1922);

12. Artur Bernardes (1922-1926);

13. Washington Luís (1926-1930).

Os dois presidentes que foram eleitos e não assumiram foram Rodrigues Alves (segundo mandato) e Júlio Prestes. Rodrigues foi eleito para um segundo mandato em 1918, mas, antes de assumir, faleceu por conta da gripe espanhola. Seu vice, então, assumiu, para que uma nova eleição fosse marcada (e nela Epitácio Pessoa foi eleito). Já Júlio Prestes foi impedido de assumir a presidência por conta da Revolução de 1930.

Acesse também: I Guerra Mundial e a Gripe Espanhola: inimigos visíveis e invisíveis

Mapa Mental - Primeira República

* Para baixar o mapa mental, clique aqui!

Características

A grande marca da República Velha e pela qual todos a conhece é o domínio que as oligarquias exerciam no país. As oligarquias eram pequenos grupos (a maioria deles era associada com a agricultura e pecuária) que detinham grande poderio econômico e político. O controle das oligarquias no Brasil dava-se por meio de práticas conhecidas como mandonismo, coronelismo e clientelismo.

Vejamos uma definição simples a respeito de cada um desses conceitos:

  • Mandonismo: é o nome que se dá para o controle exercido por determinadas pessoas, sobre outras, por possuírem uma grande posse de terra. No caso da República Velha, os grandes proprietários exerciam influência sobre a população local.
  • Coronelismo: prática em que o coronel (grande proprietário de terra) exercia seu domínio sobre as populações locais, de forma a conquistar os votos que eram necessários para atender os interesses da oligarquia estabelecida e do Governo Federal. A conquista do voto da população local acontecia, por exemplo, por meio da distribuição de cargos públicos que estavam sob controle do coronel ou também pela intimidação.
  • Clientelismo: é a troca de favores que é praticada entre dois atores politicamente desiguais. Essa prática não precisa da figura do coronel para acontecer, pois toda entidade politicamente superior que realiza um favor a outra política inferior, em troca de um benefício, está praticando o clientelismo.

Outro ponto importante sobre a Primeira República é o que diz respeito a duas práticas bastante conhecidas: a política do café com leite e a política dos governadores, dois mecanismos que davam sustentação ao domínio político das oligarquias.

  • Política dos governadores

A política dos governadores (ou política dos estados) foi criada durante o governo de Campos Sales e estruturou o funcionamento de toda a política brasileira durante o período da República Velha. Sua atuação foi responsável por consolidar uma aliança entre Executivo e Legislativo ao longo da República Velha.

Nessa política, o Governo Federal dava seu apoio para a oligarquia mais poderosa de cada estado como forma de reduzir as disputas locais entre diferentes oligarquias. Em troca do apoio, as oligarquias tinham como dever eleger deputados e orientá-los a apoiar as pautas do Executivo no Legislativo.

Para que a política dos governadores desse certo, o coronel era uma figura essencial, uma vez que todo o arranjo para conquistar votos para eleger os deputados da oligarquia era feito por essa figura. O coronel, enquanto figura de poder local, utilizava-se do seu poderio financeiro para exercer pressão para que os eleitores votassem no candidato desejado. A intimidação de candidatos ficou conhecida como “voto de cabresto”.

Os coronéis, por sua vez, não obtinham a quantidade de votos desejados somente pela intimidação mas também por meio da manipulação eleitoral. Duas práticas muito comuns eram: utilizar o registro de pessoas mortas (para que uma mesma pessoa pudesse votar diversas vezes) e manipular as atas eleitorais.

  • Política do café com leite

A política do café com leite é um dos conceitos mais conhecidos desse período e faz referência ao acordo que existia entre as oligarquias de São Paulo e de Minas Gerais a respeito da escolha dos presidentes. Esse acordo estipulava que as oligarquias citadas revezariam os candidatos que concorreriam à presidência.

Um ponto importante a respeito da política do café com leite é que os historiadores têm apontado limites para seu uso, uma vez que a atuação dessa prática de revezamento não se estendeu por toda a República Velha, já que representantes de outras oligarquias também foram eleitos no curso desse período.

Acesse também: Saiba mais sobre os “ismos” da Primeira República

Características socioeconômicas

A República Velha foi um período em que o Brasil esboçou um desenvolvimento industrial, mesmo que bastante tímido. Os reflexos do desenvolvimento industrial do país deram-se de maneira concentrada, destacando-se principalmente a cidade de São Paulo, que teve um grande salto populacional no período.

O desenvolvimento industrial e urbano que aconteceu em partes do Brasil levou ao desenvolvimento de um movimento operário, que teve atuação destacada no final da década de 1910. Apesar do desenvolvimento de uma indústria embrionária no país, a nossa economia permaneceu extremamente dependente da exportação de café e assim ficou até a década de 1950.

Revoltas

Quando o assunto é sobre os direitos sociais, a República Velha é marcada como um período em que esses direitos foram bastante desrespeitados. O desrespeitos aos direitos sociais e a existência de uma desigualdade evidente fizeram com que esse período também fosse de luta para muitos que buscavam uma condição de vida mais digna e que estavam insatisfeitos com as ações praticadas pelos governos.

Existe, inclusive, uma frase que geralmente é atribuída ao presidente Washington Luís e que dá o tom da forma como a questão era tratada na República Velha. A suposta frase dita pelo presidente foi: “Questão social é caso de polícia.” As tensões existentes resultaram em diversas revoltas, como:

1. Guerra de Canudos;

2. Revolta da Armada;

3. Revolta da Vacina;

4. Revolta da Chibata;

5. Guerra do Contestado;

6. Revolta do Forte de Copacabana;

7. Revolta Paulista de 1924;

8. Coluna Prestes.

Acesse também: Saiba o que era a prática da degola durante a Primeira República

Fim da República Velha

Getúlio Vargas e militares aliados durante a Revolução de 1930.**
Getúlio Vargas e militares aliados durante a Revolução de 1930.**

A política da República Velha entrou em crise porque a estrutura política que sustentava as oligarquias no poder começou a ruir. A decadência da política da República Velha está relacionada com as disputas pelo poder entre as oligarquias e com o surgimento de movimentos de oposição, que lutavam por impor uma alternativa ao modelo oligárquico.

Diretamente, o fim da República Velha está atrelado com a disputa na eleição presidencial de 1930. Nessa disputa, paulistas e mineiros romperam com seu acordo, pois os primeiros não queriam realizar o revezamento, conforme estipulava a política do café com leite. Sendo assim, os paulistas lançaram Júlio Prestes, e os mineiros aliaram-se com outras oligarquias e lançaram Getúlio Vargas como candidato à presidência.

Após serem derrotados, a chapa de Vargas — chamada Aliança Liberal — rebelou-se quando o vice de Vargas, chamado João Pessoa, foi assassinado. O assassinato de João Pessoa não teve relações com a disputa eleitoral daquele ano, mas foi utilizado como justificativa para o levante contra o presidente Washington Luís.

O resultado dessa revolta, conhecida como Revolução de 1930, foi a derrubada do presidente Washington Luís em outubro de 1930 e o impedimento de que Júlio Prestes assumisse a presidência. No mês seguinte, Getúlio Vargas assumia como presidente provisório do Brasil e iniciava um mandato que se estenderia por quinze anos.

Exercício resolvido

A questão abaixo foi retirada do Enem realizado no ano de 2018. Segue a questão:

Rodrigo havia sido indicado pela oposição para fiscal duma das mesas eleitorais. Pôs o revólver na cintura, uma caixa de balas no bolso e encaminhou-se para seu posto. A chamada dos eleitores começou às sete da manhã. Plantados junto da porta, os capangas do Trindade ofereciam cédulas com o nome dos candidatos oficiais a todos os eleitores que entravam. Estes, em sua quase totalidade, tomavam docilmente os papeluchos e depositavam-nos na urna, depois de assinar a autêntica. Os que se recusavam a isso tinham seus nomes acintosamente anotados.

VERÍSSIMO, E. O tempo e o vento. São Paulo: Globo, 2003 (adaptado).

Erico Veríssimo tematiza em obra ficcional o seguinte aspecto característico da vida política durante a Primeira República:

a) Identificação forçada de homens analfabetos.

b) Monitoramento legal dos pleitos legislativos.

c) Repressão explícita ao exercício de direito.

d) Propaganda direcionada à população do campo.

e) Cerceamento policial dos operários sindicalizados.

RESPOSTA: LETRA C

A questão faz referência a uma prática conhecida como “voto de cabresto”, que é aquela na qual os eleitores são coagidos a votar em determinado candidato. Dentro do voto de cabresto, aqueles que não atendiam a orientação da oligarquia sofriam represália, que incluíam agressões físicas ou até mesmo demissão de seus empregos, caso ocupassem um cargo que estivesse na influência do coronel. A existência das fraudes nas eleições desse período pode ser percebida nas votações presidenciais, em que o candidato do vencedor, por diversas vezes, teve mais de 90% dos votos. Assim, como podemos identificar, o voto de cabresto é uma prática de repressão contra um direito (de voto).

*Créditos da imagem: MarkauMark e Shutterstock
**Créditos da imagem: FGV/CPDOC

Por Daniel Neves
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "República Velha"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/republica-velha-1889-1930.htm. Acesso em 05 de julho de 2022.

Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

(Enem/2019) A Revolta da Vacina (1904) mostrou claramente o aspecto defensivo, desorganizado, fragmentado da ação popular. Não se negava o Estado, não se reivindicava participação nas decisões políticas; defendiam-se valores e direitos considerados acima da intervenção do Estado.

CARVALHO, J. M. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Cia. das Letras, 1987 (adaptado).

A mobilização analisada representou um alerta, na medida em que a ação popular questionava:

a) a alta de preços.

b) a política clientelista.

c) as reformas urbanas.

d) o arbítrio governamental.

e) as práticas eleitorais.

Exercício 2

(Enem/2017) Rodrigo havia sido indicado pela oposição para fiscal duma das mesas eleitorais. Pôs o revólver na cintura, uma caixa de balas no bolso e encaminhou-se para seu posto. A chamada dos eleitores começou às sete da manhã. Plantados junto da porta, os capangas do Trindade ofereciam cédulas com o nome dos candidatos oficiais a todos os eleitores que entravam. Estes, em sua quase totalidade, tomavam docilmente dos papeluchos e depositavam-nos na urna, depois de assinar a autêntica. Os que se recusavam a isso tinham seus nomes acintosamente anotados.

VERÍSSIMO, E. O tempo e o vento. São Paulo: Globo, 2003 (adaptado).

Erico Veríssimo tematiza em obra ficcional o seguinte aspecto característico da vida política durante a Primeira República:

a) Identificação forçada de homens analfabetos.

b) Monitoramento legal dos pleitos legislativos.

c) Repressão explícita ao exercício de direito.

d) Propaganda direcionada à população do campo.

e) Cerceamento policial dos operários sindicalizados.

Artigos República Velha


A legitimação do regime republicano desenvolveu-se na construção de novos símbolos e heróis.
História do Brasil

A construção simbólica da República

As imagens e interpretações que legitimaram o novo regime brasileiro.

A Lei Celerada, um dispositivo autoritário no último governo das oligarquias.
História do Brasil

A Lei Celerada

A lei que punia os chamados “delitos ideológicos”.

Teatro Amazonas, um dos símbolos da riqueza adquirida com a extração da borracha na Amazônia
História do Brasil

A sociedade durante a República Velha

Durante a República Velha, iniciaram-se mudanças na sociedade brasileira que até hoje se fazem sentir, como a industrialização e a composição populacional.

Afonso Pena
História do Brasil

Afonso Pena

Afonso Pena, o governo de Afonso Pena, governo de Afonso Pena. Informações sobre o governo de Afonso Pena.

História do Brasil

As Influências da Primeira Guerra Mundial no Cenário Brasileiro

As Influências da Primeira Guerra Mundial no Cenário Brasileiro, saiba as consequências da Primeira Guerra Mundial para o Brasil, a ligação do Brasil com a Primeira Guerra Mundial.

Grande parte da contribuição do Brasil na Primeira Guerra se deu com o envio de forças navais.
História do Brasil

Brasil na Primeira Guerra

Saiba como se deu a participação do Brasil na Primeira Guerra Mundial.

As contradições de um breve governo ameaçado pela possibilidade de um golpe militar.
História do Brasil

Café Filho

Os fatos principais de um governo breve e cheio de tensões.

Charge em que a disputa entre Hermes da Fonseca e Rui Barbosa é satirizada como um “campeonato”.
História do Brasil

Campanha Civilista

A disputa eleitoral que agitou os tempos da oligarquia.

Campos Sales
História do Brasil

Campos Sales

Campos Sales, a sucessão de Prudente de Morais por Campos Sales, a receperação financeira do país, o que o governo dava como garantia, no que consistia a política dos governadores.

Foto de 1925 que mostra o Alto Comando da Coluna Prestes durante passagem por Tocantins.*
História do Brasil

Coluna Prestes

Clique neste link e tenha acesso a informações a respeito da Coluna Prestes. Veja, por meio deste texto, como se iniciou esse movimento tenentista de oposição ao governo de Artur Bernardes e como...

História do Brasil

Constituição de 1891

Clique e saiba mais sobre a Constituição de 1891. Descubra o contexto de sua elaboração e as suas principais características.

O Convênio de Taubaté deu início à política de valorização do café
História do Brasil

Convênio de Taubaté e a política de valorização do café

Saiba o que foi o convênio de Taubaté e as consequências para a economia brasileira no começo do século XX.

O coronel controlava a economia e a política nos primeiros anos da República
História do Brasil

Coronelismo

O fenômeno que demonstrou a fragilidade das instituições políticas no Brasil.

Interior de uma típica fábrica de meados do século XIX
História do Brasil

Economia cafeeira e industrialização do Brasil

Entenda a estreita relação entre a produção de café e o crescimento do início da indústria no Brasil.

Tumulto na bolsa de valores devido à política do encilhamento
História do Brasil

Encilhamento

Encilhamento, o que determinou uma das mais graves crises no governo republicano, atitudes de Rui Barbosa, o fracasso das empresas, a inflação, os problemas trazidos pelo encilhamento.

Epitácio Pessoa
História do Brasil

Epitácio Pessoa

Epitácio Pessoa, o governo de Epitácio Pessoa, obras para combate as secas do Nordeste, reformas no exército, Revolta do Forte de Copacabana.

História do Brasil

Governo de Floriano Peixoto

Clique e saiba mais sobre o governo do segundo presidente da história brasileira: Floriano Peixoto. Veja os principais acontecimentos desse período conturbado.

História do Brasil

Governo Deodoro da Fonseca

Veja os principais acontecimentos que marcaram o governo de Deodoro da Fonseca, primeiro presidente do Brasil. Entenda o contexto da época e o fim desse governo!

Nilo Peçanha teve um mandato curto, porém marcado por ações políticas importantes
História do Brasil

Governo Nilo Peçanha

Um breve governo marcado pela crise entre as oligarquias.

Prudente de Moraes, o governo no qual as oligarquias cafeeiras consolidaram-se no poder.
História do Brasil

Governo Prudente de Moraes

O governo que inaugurou a vigência do poder oligárquico no Brasil.

Canudos, uma comunidade que desafiou a ordem vigente.
História do Brasil

Guerra de Canudos

O conflito envolvendo o líder religioso Antônio Conselheiro e o regime oligárquico.

O governo de Hermes da Fonseca foi palco de importantes conflitos do período oligárquico
História do Brasil

Hermes da Fonseca

Um tempo marcado por intensas disputas e a ação autoritária do poder Executivo.

Registro fotográfico dos protestos que tomaram conta de São Paulo em 1917
História do Brasil

Movimento Operário Brasileiro

As influências ideológicas e fatos que marcam a formação do movimento operário no Brasil.

História do Brasil

O governo de Venceslau Brás

A passagem de Venceslau Brás pela presidência foi marcada por fatos que marcaram a história nacional, como a Guerra do Contestado e as greves de 1917.

Ilustração de uma máquina de costura do século XIX
História do Brasil

O início da industrialização brasileira

Consulte aqui mais informações sobre o processo de industrialização brasileira como uma alternativa para a diversificação da economia.

História do Brasil

O presidente Washington Luís

Acesse informações sobre o presidente Washington Luís e as ações empreendidas em seu governo no final da República Velha.

A República foi criada no Brasil pelo viés de um projeto visivelmente conservador
História do Brasil

O regime republicano no Brasil

Os rumos políticos da nação após a instalação da República.

O presidente Artur Bernardes, que governou entre 1922 e 1926
História do Brasil

O repressivo governo de Artur Bernardes

Saiba como o governo de Artur Bernardes se manteve no poder com várias ações repressivas.

História do Brasil

Padre Cícero

Clique no link para ter detalhes da vida de padre Cícero, importante figura da religiosidade popular. Saiba qual milagre ele supostamente presenciou.

Campos Sales deu origem à política dos governadores na República Velha
História do Brasil

Prática da degola na República Velha

Obtenha mais informações sobre o que foi a prática da degola durante a República Velha.

Campos Sales, presidente brasileiro entre 1898 e 1902 e o arquiteto da política dos governadores.*
História do Brasil

Primeira República

Clique e acesse este texto para saber um pouco mais sobre a Primeira República, período inicial da República no Brasil. Entenda as características desse período.

História do Brasil

Proclamação da República

Acesse para ter detalhes a respeito da Proclamação da República. Entenda o processo de crise da monarquia e veja quais eram os grupos mais insatisfeitos.

Prudente de Moraes
História do Brasil

Prudente de Moraes

Prudente de Moraes e a Guerra de Canudos, as crises que marcaram o governo de Prudente de Moraes, a guerra de canudos, a derrota das tropas do governo pelos revoltosos.

História do Brasil

Questões de Limites Internacionais

Questões de limites e Relações Internacionais do Brasil, projeção de limites, reconhecimento internacional, limites internacional, limite do Brasil.

A política dos governadores foi o principal instrumento político que manteve no poder local (estados) e central (Brasil) as oligarquias rurais
História do Brasil

República Oligárquica

Veja como a República Oligárquica estava ligada às oligarquias agrárias que dominaram o poder político no Brasil através da política dos governadores apoiada no coronelismo.

Coronéis e barões do café: típicos representantes das elites durante a República Oligárquica
História do Brasil

República Oligárquica e revoltas populares

O cenário excludente que justificaram as revoltas do período oligárquico.

História do Brasil

Revolta da Vacina

Conheça os motivos que desencadearam o levante popular na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1904, conhecido como “Revolta da Vacina”.

O governo de Rodrigues Alves empreendeu uma grande reforma urbana no Rio de Janeiro
História do Brasil

Rodrigues Alves

Um governo marcado por diversas ações modernizantes.

Edward Jenner foi o inglês criador da vacina, no século XVIII
História do Brasil

Vacinação contra varíola em Goiás no séc. XX

Saiba como se deu a chegada da primeira vacina em Goiás durante a campanha de vacinação contra a varíola. Boa leitura!

História do Brasil

Valorização do Café

A Política de valorização do café, a posição do café na economia brasileira, o café brasileiro, cafeicultores, a industrialização brasileira, as dificuldades de intalar novas fábricas.

PUBLICIDADE

Estude agora


10 anos da Guerra Civil Síria

Assista a nossa videoaula para conhecer a história dos 10 anos da Guerra Civil Síria. Confira também no nosso canal...

A condição pós-moderna de Jean-François Lyotard

Jean-François Lyotard é um dos pensadores que se dedicam a entender a complexa condição pós-moderna. Entender a...