Whatsapp

Urânio radioativo

Química

PUBLICIDADE

Tudo começou quando o cientista francês Henry Becquerel (1852-1908) observava um filme fotográfico e percebeu manchas de urânio neste material e chegou à conclusão que este elemento é radioativo. Acompanhe os estudos realizados por Becquerel:

Ele começou analisando o poder de penetração de raios fluorescentes, fez experimentos envolvendo tubos de raios catódicos, mas a sua descoberta da radioatividade aconteceu da seguinte maneira:

Ele envolveu chapas fotográficas com papel preto e as guardou em gavetas, dias depois percebeu que as mesmas, apesar de estarem envoltas pelo papel e bem escondidas, continham manchas. Este teste permitiu a Becquerel concluir que o que manchava as chapas fotográficas não eram raios solares, até porque o material estava bem protegido contra a luz incidente, mas sim a própria radiação do Urânio, essas observações o levaram a concluir que este elemento se tratava de um material radioativo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O Urânio utilizado no experimento se encontrava na forma de um sal: o sulfato duplo de potássio e uranilo, cuja fórmula molecular é K2(UO2) (SO4)2.

Para comprovar se realmente era o Urânio que emitia tais radiações, Becquerel realizou mais testes envolvendo outros sais em contato com a chapa fotográfica, mas sempre que o sal de Urânio estava envolvido é que ocorria os efeitos radioativos. É válido lembrar que os raios de Urânio são invisíveis, penetrantes e altamente perigosos.


Henry Becquerel (1852-1908)

A radiação descoberta recebeu a denominação de raios de Becquerel em homenagem ao cientista Henry Becquerel, que mais tarde foi premiado com o prêmio Nobel por suas pesquisas na área de radioatividade, juntamente com seus parceiros de estudo Pierre Curie e Marie Curie.

Por Líria Alves
Graduada em Química

Materiais fluorescentes compostos com sais de Urânio
Materiais fluorescentes compostos com sais de Urânio

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Líria Alves de. "Urânio radioativo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/uranio-radioativo.htm. Acesso em 17 de abril de 2021.

Artigos Relacionados
Conheça o funcionamento da bomba mais potente até então conhecida, a bomba de hidrogênio ou bomba H. Veja também quantas já foram lançadas na Terra.
Conheça qual é a constituição da emissão radioativa de partículas alfa, sua descoberta, seu poder de penetração e quais os danos que ela causa ao ser humano.
Descubra tudo sobre as radiações beta: sua descoberta, constituição, consequências da sua emissão para a estrutura do átomo, seu poder de penetração e danos ao ser humano.
Descubra a constituição da radiação natural mais perigosa para o ser humano: a radiação gama.
Radioisótopos são isótopos (elementos com mesmo número atômico) radioativos. Veja mais sobre eles e alguns exemplos de elementos que se enquadram nessa descrição.
Entenda como um reator atômico ou reator nuclear, através do reaproveitamento do calor fornecido em uma reação de fissão, gera energia elétrica.
Conheça a repercussão que houve na descoberta do rádio, um elemento dois milhões de vezes mais radioativo que o urânio e que foi usado de forma errada em diversos produtos.
Entenda o que são as séries radioativas do urânio e do tório, que, por meio de desintegrações em sequência ordenada de núcleos instáveis, originam núcleos estáveis de chumbo.