Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Prata (Ag)

A prata é um metal precioso conhecido por sua alta condutividade elétrica, propriedades antimicrobianas e ampla utilização em joias, eletrônicos e aplicações médicas.

Lingote e granulados de prata.
A prata é conhecida por seu brilho branco metálico característico.
Crédito da Imagem: Shutterstock.com
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A prata é um metal de transição, com símbolo químico Ag e número atômico 47, localizado no grupo 11 e 5º período da Tabela Periódica. O nome “prata” tem suas raízes etimológicas no latim, em que argentum é a origem do símbolo químico Ag, que significa “brilhar” ou “branco”. Esse termo reflete as características mais notáveis do metal, que são seu brilho intenso e sua cor branca metálica. Os antigos romanos, gregos e egípcios valorizaram a prata, tanto por suas propriedades decorativas quanto utilitárias. Por exemplo, na Roma Antiga, esse metal era amplamente usado para cunhar moedas, produzir utensílios e criar ornamentos.

 Leia também: Ouro (Au) — tudo sobre um dos metais mais cobiçados da história

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a prata

  • A prata é um metal de transição com brilho branco metálico.

  • Tem como principais minerais a argentita (Ag2S) e clorargirita (AgCl).

  • Pode ser encontrada em minérios de cobre, chumbo e zinco, em depósitos hidrotermais ou como subproduto da mineração de outros metais.

  • Tem aplicações na medicina, eletrônica, indústria química, fotografia, joalheria e construção.

  • Tem propriedades antimicrobianas naturais e alta refletividade, sendo usada na fabricação de espelhos.

  • Tem a maior condutividade elétrica e térmica entre os metais.

  • É um símbolo de pureza e proteção, usado em rituais religiosos e tradições culturais.

  • Seu processo de obtenção envolve: mineração, trituração de minérios, flotação, lixiviação precipitação, refino eletrolítico, fundição e moldagem.

  • Foi um dos primeiros metais usados pela humanidade.

Propriedades da prata

  • Símbolo: Ag

  • Massa atômica: 107,87 u

  • Número atômico: 47

  • Configuração eletrônica: [Kr] 4d10 5s1

  • Eletronegatividade: 1,93 (escala Pauling)

  • Série química: metais de transição

  • Ponto de fusão: 961,78 °C

  • Ponto de ebulição: 2162 °C

  • Energia de ionização: 731 kJ/mol (primeira ionização)

  • Afinidade eletrônica: 125,6 kJ/mol

  • Densidade: 10,49 g/cm³

  • Dureza (escala de Mohs): 2,5 - 3

  • Estado de oxidação: +1

  • Raio atômico (Van der Waals): 172

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características da prata

A prata é conhecida por seu brilho branco metálico característico e por ser altamente refletiva. Ademais, ela é quimicamente menos reativa que outros metais, o que contribui para sua durabilidade e resistência à corrosão, ou seja, não reage facilmente com oxigênio ou água. Contudo, reage com ácidos fortes e compostos contendo enxofre. Em meio a isso, podemos destacar também:

  • Tem a maior condutividade elétrica de todos os metais, ideal para componentes eletrônicos e circuitos elétricos.

  • Sua alta condutividade térmica é utilizada em aplicações que exigem dissipação eficiente de calor.

  • É altamente maleável, o que significa que pode ser moldada em folhas finas.

  • É dúctil, ou seja, pode ser esticada em fios sem quebrar, ideal para joias e utensílios.

  • Não reage com oxigênio nem com a maioria dos ácidos, exceto ácido nítrico e ácido sulfúrico concentrado.

Veja também: Cobre — metal de maior condutibilidade elétrica, depois da prata

Tipos de prata

Existem vários tipos de prata usados em diferentes contextos, sendo algumas deles, por exemplo, a prata pura, a prata esterlina, e a prata de lei, usadas para finalidades específicas, isto é, o tipo a ser selecionado depende das propriedades desejadas para sua aplicação. Em vista disso, além dessas que foram citadas, falaremos um pouco sobre as outras.

  • Prata pura: também conhecida como prata fina, contém 99,9% de prata, é extremamente macia e maleável, o que a torna inadequada para a fabricação de objetos que exigem durabilidade. No entanto, devido à sua alta pureza, é valorizada em contextos em que a condutividade elétrica e a resistência à corrosão são cruciais, como em componentes eletrônicos e contatos elétricos.

  • Prata esterlina: é uma liga composta por 92,5% de prata e 7,5% de outros metais, geralmente cobre, cuja combinação confere a ela maior resistência e durabilidade, tornando-a ideal para a fabricação de joias, talheres e utensílios decorativos, conforme a imagem abaixo.

Joias de prata esterlina.
Joias de prata esterlina.
  • Prata de lei: refere-se a qualquer liga de prata que contenha, pelo menos, 80% de prata pura. Nesse caso, as proporções exatas podem variar dependendo das normas (leis) de cada país. Por exemplo, na França, ela deve conter 95% de prata, enquanto, na Alemanha, a porcentagem mínima é de 83,5%. Assim como a prata esterlina, a prata de lei é usada em joalheria e objetos decorativos, embora possa apresentar variações em sua durabilidade e resistência.
  • Prata 950: é uma liga que contém 95% de prata pura e 5% de outros metais, como o cobre. Essa composição oferece uma combinação de pureza e resistência, sendo frequentemente usada em joias de alta qualidade, pois apresenta um brilho intenso e uma durabilidade adequada para uso diário.

  • Prata coin (moeda de prata): é utilizada na fabricação de moedas. Tradicionalmente, as moedas eram feitas de prata esterlina ou de prata com uma pureza variando entre 80% e 90%. Hoje, muitas moedas são feitas de outras ligas metálicas.

  • Prata tibetana: é uma liga com um teor de prata relativamente baixo, geralmente misturada com outros metais, como cobre, níquel e zinco. Apesar de seu baixo conteúdo de prata, ela é popular em joias e artefatos decorativos devido ao seu aspecto visual e custo mais acessível.

Aplicações da prata

A prata tem diversas aplicações, como na eletrônica, na medicina, na fotografia, em joias, em espelhos e em vidros. Nesse sentido, veremos um pouco sobre o uso da prata em cada um desses setores:

  • Eletrônica: devido à sua excelente condutividade elétrica e térmica, a prata é empregada em componentes como: contatos elétricos, conectores, interruptores, soldas e circuitos impressos. Além disso, as pastas de prata são usadas na produção de células solares fotovoltaicas, contribuindo para a eficiência na conversão de energia solar em eletricidade.

  • Medicina: devido às suas propriedades antimicrobianas, a prata é usada em curativos e produtos médicos e para prevenir infecções em feridas e queimaduras, pois os íons de prata são eficazes contra uma ampla gama de bactérias, vírus e fungos. Além disso, instrumentos médicos, cateteres e implantes podem ser revestidos com prata para reduzir o risco de infecções.

  • Fotografia: os filmes e papéis fotográficos contêm haletos de prata, como brometo de prata, que, quando expostos à luz, formam uma imagem latente que pode ser desenvolvida e fixada para criar uma fotografia em preto e branco.

  • Joalheria e artes decorativas: anéis, colares, pulseiras e outros acessórios são frequentemente feitos de prata esterlina, durável e resistente ao desgaste. Além disso, ela é utilizada na criação de utensílios de mesa, como talheres e bandejas, bem como em peças decorativas, como castiçais e esculturas

Talheres de prata.
Talheres de prata.
  • Espelhos e vidros: uma camada fina de prata é aplicada na parte traseira do vidro para criar uma superfície reflexiva. Além disso, a prata é utilizada em janelas com revestimento de baixa emissividade (Low-E), que ajudam a melhorar a eficiência energética dos edifícios, refletindo o calor de volta para o interior no inverno e bloqueando o calor do Sol no verão.

Onde a prata é encontrada?

A prata é encontrada em depósitos minerais em diversas partes do mundo, e os principais produtores incluem México, Peru, China, Rússia e Austrália, onde geralmente é extraída como subproduto da mineração de outros metais, como cobre, chumbo e zinco. Nesse sentido, as minas de prata podem ser de diferentes tipos, incluindo veios hidrotermais, depósitos de substituição em calcários e depósitos sedimentares de prata nativa.

Obtenção da prata

A obtenção da prata envolve vários processos, que começam com a mineração, passando por trituração, flotação, lixiviação, refino eletrolítico, fundição e moldagem. Vale ressaltar que esses processos são cuidadosamente controlados para maximizar a eficiência e minimizar o impacto ambiental. Sendo assim, vejamos como cada um deles é executado:

  1. Mineração: a prata é extraída de minas subterrâneas ou a céu aberto, cujas principais fontes são os minérios de sulfetos, como a argentita (Ag2S), o sulfeto de chumbo (galena) e o sulfeto de zinco (esfalerita). Além disso, a prata pode ser encontrada em depósitos secundários, como placeres, onde é extraída do solo por meio de processos de mineração aluvionar. Para saber mais sobre o processo de mineração, clique aqui.

  2. Trituração e moagem: após a extração do minério, ele é triturado e moído para liberar as partículas de prata. Esse processo envolve a utilização de equipamentos de britagem e moinhos, que reduzem o minério a partículas finas, facilitando a extração subsequente da prata.

  3. Flotação: a técnica de flotação é frequentemente utilizada para separar a prata dos outros minerais presentes no minério. No processo de flotação, um agente espumante é adicionado à mistura triturada, fazendo com que as partículas de prata se prendam às bolhas de ar e subam à superfície, formando uma espuma que pode ser removida e concentrada. Para saber mais sobre o processo de flotação, clique aqui.

  4. Lixiviação: é um método químico utilizado para extrair prata de minérios de baixo teor, sendo um dos métodos mais comuns a lixiviação com cianeto. Nesse processo, o minério triturado é tratado com uma solução de cianeto de sódio ou cianeto de potássio, que dissolve a prata, formando um complexo de prata solúvel. Em seguida, a solução rica em prata é então separada do resíduo sólido.

  5. Precipitação e refinamento: após a lixiviação, a prata é precipitada da solução de cianeto por adição de zinco ou outra substância química, formando um precipitado de prata metálica. Esse precipitado é então fundido em um forno, produzindo barras de prata impura. Para alcançar a pureza desejada, ela é refinada por meio de processos como a eletrólise, em que a prata impura é dissolvida em uma solução de nitrato de prata, e a prata pura é depositada em um cátodo.

  6. Refino eletrólito: a prata impura é utilizada como ânodo, e uma barra de prata pura é utilizada como cátodo. Quando uma corrente elétrica é passada pela solução, a prata do ânodo é dissolvida e depositada no cátodo, resultando em prata de alta pureza.

  7. Fundição e moldagem: a prata refinada é então fundida e moldada em formas desejadas, como barras, lingotes ou grânulos, que podem ser utilizados para a fabricação de produtos finais ou para investimento.

Ocorrência da prata

A prata ocorre naturalmente em minerais como a argentita (Ag2S), que tem alta concentração desse metal em sua composição. Outro mineral significativo é a clorargirita (AgCl), também conhecida como “chifre de prata”, que se forma pela oxidação e alteração de minerais primários, como a própria argentita. Além disso, a prata é encontrada em minérios de cobre, chumbo e zinco, sendo frequentemente recuperada como subproduto da mineração desses metais.

Pedaço de minério contendo argentita, em que a prata é encontrada.
Minério contendo argentita (Ag2S).

Também vale ressaltar que esses minerais são formados em ambientes geológicos variados, desde veios hidrotermais até depósitos sedimentares. Portanto, a ocorrência de prata nativa, ou seja, em sua forma metálica pura, é rara, mas pode ser encontrada em algumas regiões.

Curiosidades sobre a prata

A prata tem várias curiosidades, as quais remontam desde sua descoberta, na Antiguidade. Vejamos algumas delas:

  • Foi um dos primeiros metais descobertos e utilizados pela humanidade, com registros de sua utilização que remontam a mais de 5000 anos.

  • Foi amplamente utilizada como moeda em várias civilizações antigas e modernas. Até o século XIX, muitas moedas nacionais eram feitas de prata pura ou de ligas contendo prata.

  • A palavra “luna”, que se refere à Lua em latim, é usada em alguns idiomas para designar a prata, como em italiano (argento) e espanhol (plata), devido à semelhança do brilho metálico da prata com a luz da Lua.

  • Em muitas culturas, a prata está associada à pureza e à clareza, sendo frequentemente utilizada em cerimônias religiosas e em tradições culturais.

Saiba mais: O bronze também é um metal?

Importância da prata

A prata tem grande importância em nível global, seja atuando como reserva de valor e investimento, seja influenciando os mercados financeiros. Ademais, com base em suas propriedades físicas e químicas, como condutividade elétrica e térmica, ela contribui significativamente para avanços tecnológicos e melhorias na saúde pública. Dessa forma, desempenha um papel importante na eficiência energética e sustentabilidade, sendo empregada em tecnologias verdes. Por fim, veremos, no próximo tópico, que culturalmente ela é valorizada em todo o mundo, influenciando tradições e artefatos ao longo da história.

História da prata

A história da prata remonta desde os tempos antigos, quando civilizações (como os egípcios, gregos e romanos) usavam-na para criar moedas, utensílios e ornamentos. Nesse contexto, podemos sinalizar quatro grandes momentos desse metal:

  • Antiguidade: os egípcios usavam a prata para fazer joias e objetos decorativos. Já as civilizações mesopotâmicas foram pioneiras na cunhagem de moedas. Na Grécia Antiga e no Império Romano, ela era amplamente utilizada como moeda corrente e em utensílios domésticos de luxo.

  • Idade Média e renascimento: na Idade Média, a mineração de prata se expandiu significativamente na Europa. Por exemplo, regiões como a Saxônia (atual Alemanha) e a Boêmia (atual República Tcheca) tornaram-se importantes centros de sua produção. Em meio a isso, a descoberta do Novo Mundo por Cristóvão Colombo, em 1492, e a subsequente conquista espanhola das Américas abriram novas fontes de prata, como as minas de Potosí, na Bolívia, as quais se tornaram as maiores fontes de prata do mundo, abastecendo a economia global.

  • Século XIX e Revolução Industrial: no século XIX, descobertas de grandes depósitos de prata nos Estados Unidos, como os de Comstock Lode em Nevada, levaram a uma verdadeira corrida da prata, semelhante à corrida do ouro na Califórnia. Sendo assim, com a Revolução Industrial, a demanda por prata aumentou devido ao seu uso em processos industriais, novos produtos manufaturados e avanços tecnológicos.

  • Século XX e atualidade: o uso de moedas de prata declinou na medida em que os países começaram a adotar moedas fiduciárias e padrões de ouro. No entanto, a prata manteve sua importância econômica e industrial. Além disso, tornou-se essencial na fotográfica, na eletrônica, na medicina, em células solares e em vidros de baixa emissividade.

Fontes

ANTSIFEROVA, A. A.; KASHKAROV, P. K.; KOVAL’CHUK, M. V. Effect of Different Forms of Silver on Biological Objects. [S. l.: s. n.], 2022.

BLICHERT-TOFT, J. et al. Origin and fate of the greatest accumulation of silver in ancient history. Archaeological and Anthropological Sciences, [s. l.], v. 14, n. 4, 2022.

BRUNA, T. et al. Silver nanoparticles and their antibacterial applications. [S. l.: s. n.], 2021.

DE SOUZA, G. D. et al. Silver: Brief history, properties and applications. Educacion Quimica, [s. l.], v. 24, n. 1, p. 14–16, 2013.

GUERRERO, S. The history of silver refining in New Spain, 16c to 18c: back to the basics. History and Technology, [s. l.], v. 32, n. 1, p. 2–32, 2016.

WELLER, M. et al. Grupo 11: cobre, prata e ouro. In: Química Inorgânica. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2017. p. 508–510.

XU, L. et al. Silver nanoparticles: Synthesis, medical applications and biosafety. [S. l.: s. n.], 2020.

YIN, I. X. et al. The antibacterial mechanism of silver nanoparticles and its application in dentistry. [S. l.: s. n.], 2020.

PUBCHEM. Periodic Table. National Library of Medicine – USAGov, 2024. Disponível em: https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/element/47.     

Escritor do artigo
Escrito por: Jhonilson Pereira Gonçalves Graduado em ciências licenciatura/química (UEMA), mestre em química (UFMA) e pós-graduado em metodologia do ensino de física e química. Possui experiência na área da educação como professor do ensino fundamental ao superior.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GONçALVES, Jhonilson Pereira. "Prata (Ag)"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/prata.htm. Acesso em 25 de julho de 2024.

De estudante para estudante