Topo
pesquisar

Pronomes

Gramática

Os pronomes são uma classe gramatical variável que se subdivide em pessoais retos e oblíquos, de tratamento, demonstrativos, possessivos, relativos, indefinidos e interrogativos.
Eu? Você? Nós? Sem os pronomes, o diálogo seria quase impossível!
Eu? Você? Nós? Sem os pronomes, o diálogo seria quase impossível!
PUBLICIDADE

Pronome é uma classe de palavras variável cuja finalidade é substituir ou determinar (acompanhar) um substantivo. Eles se classificam em razão dessas funções. Aquele que substitui o nome é chamado de pronome substantivo, e o que o determina (acompanha) é o pronome adjetivo. Além disso, são subclassificados em pessoais do caso reto, pessoais oblíquos tônicos e átonos, de tratamento, relativos, possessivos, demonstrativos, indefinidos e interrogativos.

Pronomes substantivos x pronomes adjetivos

Os pronomes substantivos, ao substituir o substantivo, exercem a mesma função sintática que este exerceria (núcleo do sujeito, do objeto direto ou indireto, do complemento nominal etc.). Veja:

João passou no vestibular.” (“João” é núcleo do sujeito)

Ele passou no vestibular.” (ao substituir “João” pelo pronome reto “ele”, este passa a ser núcleo do sujeito)

“Gosto de João.” (“João” é núcleo do objeto indireto)

“Gosto dele.” (ao substituir “João” pelo pronome oblíquo tônico “ele”, este passa a ser núcleo do objeto indireto)

Os pronomes adjetivos vêm sempre juntos ao substantivo a que se referem, por isso sempre exercem função sintática de adjunto adnominal. Veja:

Meus livros sumiram.” (o pronome possessivo “meus” é um pronome adjetivo e exerce função de adjunto adnominal do núcleo do sujeito “livros”)

“Assisti a este filme.” (o pronome demonstrativo “este” é um pronome adjetivo e exerce função de adjunto adnominal do núcleo do objeto indireto “filme”)

Classificação dos pronomes

São os pronomes que determinam a flexão de pessoa da oração.

1º pessoa: o ser que se manifesta (fala) no processo comunicativo; o enunciador; o locutor; o emissor.

2º pessoa: o ser que recebe a mensagem e decodifica-a; o receptor; o interlocutor.

3º pessoa: o ser sobre o qual se fala no processo comunicativo.

Eles se subdividem em pronomes pessoais do caso reto e em pronomes oblíquos átonos e tônicos. Veja:

⇒ Caso reto: são os pronomes pessoais que sempre exercem função de sujeito da oração (nunca exercem função de complemento). São eles:

1º pessoa do singular: EU

2º pessoa do singular: TU

3º pessoa do singular: ELE/ELA

1º pessoa do plural: NÓS

2º pessoa do plural: VÓS

3º pessoa do plural: ELES/ELAS

Exemplos:

Eu corri durante uma hora.

Tu correste durante uma hora.

Ele correu durante uma hora.

Nos exemplos acima, os pronomes eu, tu e ele exercem a função sintática de sujeito do verbo correr, o qual deve concordar em número e pessoa com seus sujeitos.

Assim sendo, construções como “eu vi ele” são equivocadas, visto que o pronome pessoal reto está sendo usado como objeto direto do verbo “ver”. Os pronomes retos jamais exercem função de objeto, sempre de sujeito.

⇒ Oblíquos átonos: todos os pronomes oblíquos exercem função de complemento, em especial de objeto direto ou indireto. Diferenciam-se dos tônicos, pois estes são sempre preposicionados e não se prendem ao verbo pela colocação pronominal (próclise, mesóclise e ênclise). São eles:

1º pessoa do singular: ME

2º pessoa do singular: TE

3º pessoa do singular: SE/O/A/LHE

1º pessoa do plural: NOS

2º pessoa do plural: VOS

3º pessoa do plural: SE/OS/AS/LHES

Exemplos:

“Deram-me o recado.” – O pronome em destaque é objeto indireto do verbo dar.

“Viram-me no estádio.” – O pronome em destaque é objeto direto do verbo ver.

-O, -A, -OS, -AS             X               -LHE, -LHES

Os demais pronomes oblíquos átonos podem exercer função de objeto direto ou indireto, indiscriminadamente, porém os pronomes -O,-A e suas variantes só podem exercer função de objeto direto, enquanto -lhe só pode exercer função de objeto indireto.

Exemplos:

”Eu a amo.” – O verbo amar é transitivo direto e o pronome a exerce função de objeto direto.

“Eu lhe falei a verdade.” – O verbo falar é transitivo direto e indireto. Vale dizer que “a verdade” é objeto direto e que lhe é objeto indireto.

Seria um erro gramatical grave inverter o uso desses pronomes em um texto formal.

Leia também: Como evitar dez erros comuns de português

⇒ Oblíquos tônicos: assim como os átonos, exercem função de complementos (em especial, objeto direto e indireto), mas jamais de sujeito. Possuem posição livre na oração, por isso não se prendem ao verbo pela colocação pronominal. São eles:

1º pessoa do singular: MIM

2º pessoa do singular: TI

3º pessoa do singular: SI/ELE/ELA

1º pessoa do plural: NOS

2º pessoa do plural: VOS

3º pessoa do plural: SI/ELE/ELA

Veja:

“Gosto dele.”

“Falaram a verdade a mim.”

“Entregaram a encomenda a ti.”

Nos exemplos acima, os pronomes oblíquos tônicos em destaque exercem função de objeto indireto de seus respectivos verbos e estão todos preposicionados.

  • PARA MIM OU PARA EU?

- Se o pronome exerce a função de sujeito do verbo (no infinitivo), usa-se “para eu”.

“Trouxe o livro para eu estudar” – O pronome reto eu é sujeito do infinitivo estudar.

Nesse caso, nada de “Trouxe o livro para mim estudar”, pois mim é pronome oblíquo, por isso não exerce função de sujeito.

- Se o pronome não exerce função de sujeito (é complemento), usa-se “para mim”.

“Trouxeram este presente para mim.” – Nesse caso, mim é preposicionado e exerce função de objeto indireto do verbo trouxeram.

Estabelecem relação de posse entre um objeto e uma das três pessoas do discurso. São eles:

meu(s), minha(s)

teu(s), tua(s)

seu(s), sua(s)

nosso(s), nossa(s)

vosso(s), vossa(s)

seu(s), sua(s)

Os pronomes relativos, ao mesmo tempo, retomam o nome imediatamente anterior e substituem-no dentro de uma oração subordinada adjetiva (uma oração que “caracteriza”, “define”, “particulariza” esse nome).

São exemplos de pronomes relativos: QUE, O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS; QUEM; ONDE, AONDE, DE ONDE (DONDE); CUJO(S), CUJA(S); COMO; QUANTO.

Em primeiro lugar, veja a capacidade de retomada e de substituição desses pronomes:

Pegue os livros que estão sobre a mesa.

A oração em negrito é adjetiva. Observe que ela caracteriza livros (os livros estão sobre a mesa) e quem retoma e substitui livros é o pronome relativo que.

A cidade aonde Pedro vai fica no interior de Goiás.

O pronome relativo aonde retoma e substitui cidade (Pedro vai à cidade).

A garota da qual nós falamos mora nesta rua.

O pronome relativo a qual retoma e substitui garota (nós falamos da garota).

São pronomes que eram originalmente usados para posicionar espacialmente um objeto em relação às três pessoas do discurso, principalmente em relação a quem fala e a quem ouve. Também são usados para a marcação de tempo (passado, presente e futuro) e para o estabelecimento de referências anafóricas e catafóricas em um texto.

⇒ Pronomes demonstrativos variáveis:
1ª pessoa: este, esta, estes, estas – indicam um objeto sob posse da 1º pessoa;
2ª pessoa: esse, essa, esses, essas – indicam um objeto sob posse da 2º pessoa;
3ª pessoa: aquele, aquela, aqueles, aquelas – indicam um objeto sob posse de um 3º ou distante da 1º e da 2º pessoa.

⇒ Pronomes demonstrativos invariáveis: referem-se a coisas ou objetos de forma indefinida. Espacialmente, possuem a mesma utilização dos anteriores.
1ª pessoa: isto
2ª pessoa: isso
3ª pessoa: aquilo

  • Pronomes de tratamento

São pronomes empregados no trato com as pessoas, familiar ou respeitosamente. Embora o pronome de tratamento dirija-se à segunda pessoa, toda a concordância deve ser feita com a terceira pessoa. Assim, usa-se VOSSA quando conversamos com a pessoa e SUA quando falamos da pessoa. 

Veja:

Vossa Senhoria deveria preocupar-se com suas obrigações e não com as de Sua Excelência, o Governador, que está em viagem.

Observe na tabela a seguir alguns exemplos de pronomes de tratamento:

Destinatário

Tratamento

Abreviação

Vocativo

Presidente da República

Vossa
Excelência

Não se usa

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Reitor de Universidade

Vossa Magnificência

Não se usa

Magnífico Reitor,

Papa

Vossa Santidade

Não existe

Santíssimo Padre,

Juízes

Vossa Excelência

V.Exa.

Senhor Juiz,

Membros da Câmara dos Deputados

Vossa
Excelência

V.Exa.

Senhor Deputado,

Membros do Senado Federal

Vossa
Excelência

V.Exa.

Senhor Senador,

  • Pronomes indefinidos

Referem-se à terceira pessoa do discurso de forma indefinida, genérica e imprecisa. Podem ou não se flexionarem em gênero e número.

⇒ Variáveis:

Qualquer/Quaisquer

Qual/Quais

Bastante/Bastantes

Um(ns)/Uma(s)

Pouco(s)/Pouca(s)

Nenhum(ns)/Nenhuma(s)

Outro(s)/Outra(s)

Todo(s)/Toda(s)

Certo(s)/Certa(s)

Muito(s)/Muita(s)

Tanto(s)/Tanta(s)

Algum(ns)/Alguma(s)

Quanto(s)/Quanta(s)

⇒ Invariáveis:

Alguém

Ninguém

Quem

Algo

Tudo

Nada

Cada

Mais

Menos

Demais

Outrem

  • Pronomes interrogativos

Pronomes interrogativos são aqueles empregados em orações interrogativas diretas ou indiretas. São eles: que, quem, qual, quais, quanto, quanta, quantos, quantas.

Exemplos de orações interrogativas diretas:

“Que horas são?”

“Quem é você?”

“Qual seu nome?”

“Quanto custa o livro?”

Exemplos de orações interrogativas indiretas:

“Eu perguntei que horas são.”

“Ana quer saber quem é você.”

“O juiz questionou qual seu nome.”

“Pedro indagou quanto custava o livro.”

Que e quem não se flexionam. Já o pronome qual é variável em número, e o pronome quanto concorda em gênero com o termo a que se refere.

 

Por Jairo Beraldo
Professor de Língua Portuguesa

Listagem de Artigos

Lista de Exercícios
Questão 1

Como sabemos, a língua escrita requer uma linguagem que esteja de acordo com a norma padrão. Assim sendo, as frases a seguir pertencem a um nível mais coloquial. Reescreva-as procurando adequá-las à forma correta:

a – Encontrei ela passeando no shopping.
b – Deixa eu sossegada, pois preciso descansar.
c – Desejas ir comigo e com minha irmã?
d - De hoje em diante está tudo terminado entre eu e você.
e -  Entreguei o livro hoje, portanto poderás pegar ele.

Questão 2

Da oração que segue, propõe-se que seja feita uma análise e, posteriormente, responda às questões que a ela se refere:

Marcos, o André saiu com sua irmã!

a – O uso do pronome possessivo implica em uma  duplicidade de sentido? Relate.

b – Reescreva-a eliminando esta ocorrência de modo a torná-la clara e objetiva.

Ver resposta

Assista às nossas videoaulas

artigos Pronomes

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola