Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Mato Grosso

Geografia do Brasil

PUBLICIDADE

O Mato Grosso é um estado brasileiro que integra a região Centro-Oeste, tendo como capital o município de Cuiabá. É a terceira maior unidade federativa em extensão territorial, com população de pouco mais de 3,5 milhões de habitantes. O estado é atualmente o maior produtor de grãos do Brasil, com destaque para a soja.

Leia também: Regiões do Brasil – divisões territoriais baseadas em particularidades geográficas

Dados gerais do Mato Grosso

  • Região: Centro-Oeste

  • Capital: Cuiabá

  • Governo: democracia representativa

  • Área territorial: 903.207,050 km² (IBGE, 2020)

  • População: 3.526.220 habitantes (IBGE, 2020)

  • Densidade demográfica: 3,36 hab./km² (IBGE, 2010)

  • Fuso: Horário Padrão do Amazonas (GMT -4 horas), com algumas cidades, a leste, no fuso GMT -3 horas

  • Clima: Tropical

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Geografia do Mato Grosso

O Mato Grosso é uma das unidades federativas da região Centro-Oeste. Com área de 903.207,050 km², consiste no terceiro maior estado em extensão territorial do Brasil. Seu território faz fronteira:

Na capital, Cuiabá, está situado o centro geodésico da América do Sul sob as coordenadas 15°35'56",80 S e 56°06'05",55 O. Demarcado por Marechal Cândido Rondon no ano de 1909, o ponto é hoje identificado por um monumento construído na praça Paschoal Moreira Cabral.

  • Clima do Mato Grosso

O clima predominante no Mato Grosso é o Tropical. Na maior parte do estado, as temperaturas são elevadas e os verões são caracterizados por maiores índices de pluviosidade, enquanto os invernos são secos. Quanto mais próximo da faixa amazônica, maior o teor anual de chuvas, com médias de até 2000 mm.

A temperatura média é de 24 ºC, e muitas áreas registram máximas superiores a 40 ºC. Cuiabá é uma das cidades mais quentes do Brasil, e constantemente registra temperaturas recordes. O mês de setembro de 2020 foi um dos mais quentes do município, que viu seus termômetros marcarem 43,7 ºC, em plena primavera. Em determinadas áreas no sudeste do Mato Grosso, as temperaturas são mais amenas.

  • Relevo do Mato Grosso

A chapada dos Guimarães é uma das formações características do relevo mato-grossense. Suas belas paisagens são um grande atrativo turístico do estado.
A chapada dos Guimarães é uma das formações características do relevo mato-grossense. Suas belas paisagens são um grande atrativo turístico do estado.

As formas que compõem o relevo mato-grossense são planaltos e chapadas, além da planície pantaneira, que se estende pelo sudoeste do estado. Por conta disso, as cotas altimétricas são relativamente baixas e os terrenos são, em sua maioria, planos.

Conforme a classificação proposta por Jurandyr Ross, grande parte do norte mato-grossense é formada pela depressão Sul-Amazônica, onde é possível observar alguns resquícios de paisagens planálticas. Nas terras centrais, predominam os planaltos e chapadas dos Parecis.

O relevo do estado é formado, ainda, pelas depressões do Alto Paraguai-Guaporé e Cuiabana. Entre esta e a unidade dos planaltos e chapadas da bacia do Paraná, localiza-se a chapada dos Guimarães. Pelo sudoeste do estado, estende-se a planície do Pantanal mato-grossense, considerada a maior planície inundável do mundo.

Leia também: Quais são os tipos de relevo?

  • Vegetação do Mato Grosso

Três biomas recobrem o Mato Grosso: o primeiro deles é a Amazônia, que abrange todo o norte do estado e onde se observa a presença de floresta ombrófila densa, característica desse domínio vegetal. O segundo bioma é o Cerrado, que se estende pelo centro-leste mato-grossense.

No oeste fica o Pantanal, formado por espécies vegetais típicas de áreas cobertas por Cerrado, pela Floresta Amazônica, pelo Chaco boliviano e também pela Mata Atlântica, além das plantas aquáticas que revestem as áreas permanentemente alagadas.

  • Hidrografia do Mato Grosso

O Mato Grosso possui uma densa rede de drenagem cujos rios pertencem às bacias Amazônica, do Paraná e do Tocantins-Araguaia. Alguns dos principais cursos d’água que atravessam o estado são: Xingu, Araguaia, Guaporé, Paraguai Juruena, Jauru e Cuiabá.

Mapa do Mato Grosso

Fonte: IBGE.
Fonte: IBGE.

Demografia do Mato Grosso

A população do Mato Grosso é de 3.526.220 habitantes, conforme as estimativas do IBGE para 2020. Esse valor corresponde a 1,7% da população brasileira e a 21,3% da população do Centro-Oeste, sendo a segunda unidade federativa mais populosa da região, atrás apenas de Goiás. A densidade demográfica do Mato Grosso é baixa, de 3,36 hab/km², à época do Censo de 2010. Atualmente, esse valor é de 3,9 hab/km², considerando os dados de população e área para 2020.

A maior parte dos mato-grossenses vive nos centros urbanos, sendo a taxa de urbanização de 81,8%. Cuiabá, capital do estado, é o município mais populoso, com 618.124 habitantes. Na sequência, vem Várzea Grande, com 287.526 habitantes. A menor cidade mato-grossense e uma das menores do país é Araguainha, com 946 habitantes.

A população mato-grossense é composta por povos indígenas, migrantes de outros países e oriundos de estados brasileiros, com destaque para Minas Gerais e Paraná. Isso se deveu às políticas territoriais da década de 1940 bem como à expansão da fronteira agrícola que ocorreu nos anos 1970.

Divisão geográfica do Mato Grosso

A divisão territorial do estado do Mato Grosso se dá com base nas regiões geográficas intermediárias e imediatas estabelecidas pelo IBGE desde 2017. O estado é composto, dessa forma, por 18 regiões imediatas, das quais se destaca a de Cuiabá, na sua porção centro-sul. Essa subdivisão agrupa diferentes municípios, os quais totalizam 141.

As regiões geográficas intermediárias, em que estão contidas as regiões imediatas, são cinco:

  • Cuiabá, ao centro-sul

  • Cárceres, a sudoeste

  • Sinop, ao norte

  • Barra do Garças, a leste

  • Rondonópolis, a sudeste

Economia do Mato Grosso

O Mato Grosso possui um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 137,44 bilhões, o que representa 2% do PIB do Brasil. A economia mato-grossense é a terceira da região Centro-Oeste e fica na 13ª colocação entre as economias estaduais.

Para além dos serviços, responsáveis por uma parcela de 45,92% do valor agregado ao PIB, a agropecuária se destaca como principal atividade econômica. Sua fatia equivalente no PIB é de 20,93%, enquanto a indústria responde por 15,81%. A indústria de alimentos é a principal do estado, seguida da construção civil. No setor terciário, o ecoturismo representa uma importante fonte de receitas.

A agricultura e a pecuária bovina são o carro-chefe da economia mato-grossense, impulsionadas pelo avanço da fronteira agrícola brasileira na década de 1970, que se deu em áreas de Cerrado do Centro-Oeste e em parte das regiões Norte e Nordeste. O estado é hoje o maior produtor brasileiro de grãos, principalmente de soja. Outros cultivos que se destacam são o do milho e do algodão. O modelo produtivo adotado é o do agronegócio, e baseia-se em alto teor tecnológico.

O Mato Grosso é hoje o maior produtor de soja do país.
O Mato Grosso é hoje o maior produtor de soja do país.

Governo do Mato Grosso

O governo mato-grossense é do tipo democrático representativo. A cada quatro anos, são realizadas eleições estaduais, pelas quais a população elege os seus representantes. Entre eles está o governador, chefe do Poder Executivo estadual. O Legislativo do Mato Grosso é formado por três senadores, oito deputados federais e 24 deputados estaduais.

Infraestrutura do Mato Grosso

A principal forma de integração do território mato-grossense com outros estados brasileiros é mediante as rodovias federais. Uma delas é a BR-163, que liga os estados do Pará e Rio Grande do Sul, passando pelo Mato Grosso. Através dessa via, é realizado parte do escoamento de grãos produzidos na região Centro-Oeste para o Norte do Brasil, por isso sua importância para o estado.

O transporte hidroviário tanto para cargas como para passageiros também é utilizado no estado, com destaque para a hidrovia Paraguai-Paraná, que inicia no município de Cárceres. Referente ao transporte ferroviário, projetos de caráter estratégico para a economia agroexportadora estão em desenvolvimento, como o da Ferrogrão (EF-170). A Ferronorte é uma ferrovia em atividade no estado, e conecta Rondonópolis ao litoral paulista.

Fica localizado na capital o principal aeroporto estadual, o Aeroporto Internacional de Cuiabá.

Veja também: Como é a mobilidade urbana no Brasil?

Bandeira do Mato Grosso

Cultura do Mato Grosso

A riqueza da cultura do Mato Grosso é derivada da influência de diversas outras matrizes incorporadas pelas populações indígenas, europeias, africanas, de outras regiões do Brasil e países. Isso se reflete nas danças típicas do estado, nas festas religiosas e folclóricas, na gastronomia, no artesanato e nas mais variadas formas de expressão artística.

Entre as celebrações típicas estão a Cavalhada, o Congo (ou Congada), a Festa de São Benedito, a Dança dos Mascarados, que acontece somente no município de Poconé, e a Dança dos Chorados.

Alguns mitos e lendas que permeiam o folclore mato-grossenses são também símbolos da cultura popular brasileira, como o boitatá e o curupira.

A diversidade gastronômica do Mato Grosso inclui pratos como a carne seca com arroz (conhecido como Maria Isabel), farofa de banana-da-terra, o churrasco pantaneiro, e preparos à base de peixes (pacu, dourado, pintado).

História do Mato Grosso

À época das colonizações na América do Sul, o atual Mato Grosso integrava a porção espanhola do continente. Ainda no século XVI, exploradores hispânicos passaram pelo estado em sua rota para a Bolívia, dando-se conta das riquezas naturais que aquelas terras detinham, atraindo também os colonizadores portugueses.

Com a consolidação do domínio português na região, diversos governantes foram nomeados, entre 1822 e 1889, para o controle e defesa da então província do Mato Grosso, sendo sua capital, Cuiabá, estabelecida em 1835. Nesse intervalo de tempo, ocorreu o episódio conhecido como Rusga (1834), um conflito entre grupos políticos que culminou em centenas de mortos, sendo a maioria portugueses. Já entre 1864 e 1870, aconteceu na região a Guerra do Paraguai.

De economia centrada na exploração aurífera, a decadência dessa atividade em princípios do século XIX trouxe consequências para o desenvolvimento não somente econômico do estado como também populacional, com a estagnação do crescimento.

O século XX é marcado pelos projetos governamentais de integração econômica das áreas de baixo povoamento do território nacional, visando também ao crescimento populacional. Durante o Estado Novo de Getúlio Vargas, em 1940, foi instituída a Marcha para o Oeste, que incluiu o Mato Grosso e diversos outros estados do Centro-Oeste e Norte do país.

Outro movimento importante foi a expansão da fronteira agrícola brasileira na década de 1970, que promoveu o avanço da soja para o Cerrado e uma nova corrente migratória para o estado. Nesse mesmo período, em 1979, o Mato Grosso se separou oficialmente do Mato Grosso do Sul.

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Listagem de Artigos