Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Animais extintos

Animais extintos são aqueles que desapareceram definitivamente do nosso planeta, não podendo ser observados nem mesmo em cativeiro.

Mamute
Mamutes são exemplos de animais extintos, ou seja, que não podem mais ser observados em nosso planeta.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Animais extintos são aqueles que desapareceram para sempre do nosso planeta, sendo esse o caso, por exemplo, dos dinossauros e dos mamutes. Animais ameaçados de extinção, por sua vez, são aqueles que, se não forem adotadas medidas de proteção, poderão também desaparecer. Os animais podem ser extintos devido a diferentes causas, como vulcanismo, mudanças climáticas e destruição de hábitats. Atualmente, o ser humano é responsável por provocar a morte de várias espécies devido a seu papel nocivo no meio ambiente.

Leia também: Quais animais correm risco de extinção?

Tópicos deste artigo

Lista de animais extintos

1) Tartaruga-gigante-de-Galápagos-de-pinta (Chelonoidis abingdonii )

George solitário, último representante da tartaruga-gigante-de-Galápagos-de-pinta.
George solitário, último representante da tartaruga-gigante-de-Galápagos-de-pinta. Créditos da imagem: Wikimedia Commons (reprodução).

A espécie foi extinta em 24 de junho de 2021 com a morte de George Solitário, o qual possuía um pouco mais de 100 anos. Apesar de existirem tartarugas com até 50% dos genes dessa espécie, não há mais indivíduos puros.

2) Foca-monge-caribenha (Neomonachus tropicalis)

Foca-monge-caribenha.
Foca-monge-caribenha

A foca-monge-caribenha é uma espécie de foca que não é vista desde 1952.

3) Morcego-da-ilha-Christmas (Pipistrellus murrayi)

Morcego-da-ilha-Christmas
O morcego-da-ilha-christmas não é avistado desde 2009. Crédito da imagem: IUCN Red List / © Lindy Lumsden.

Essa espécie de morcego foi classificada como criticamente ameaçada em 2006, quando verificou-se um grande declínio da população. A última visualização de um indivíduo da espécie ocorreu em 2009.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

4) Iguana-da-ilha-Navassa (Cyclura onchiopsis)

Iguana-da-ilha-Navassa
A iguana-da-ilha-Navassa está extinta desde o século XIX. Crédito da imagem: IUCN Red List / © Robert Powell

Indivíduos dessa espécie de iguana não são observados desde meados do século XIX.

5) Pomba-de-bico-grosso (Alopecoenas salamonis)

Pomba-de-bico-grosso
O último registro da espécie Alopecoenas salamonis ocorreu em 1927. Crédito da imagem: IUCN Red List / © del Hoyo et al.

Segundo a IUCN, o último registro é datado de 1927, e pesquisas de 1995 e mais recentes não conseguiram encontrar a espécie.

6) Rato-de-arroz-jamaicano (Oryzomys antillarum)

Crânio do holótipo de Oryzomys antillarum
Crânio do holótipo de Oryzomys antillarum

A espécie não é registrada desde 1877.

7) Sapo-arlequim-chiriqui (Atelopus chiriquiensis)

Sapo-arlequim-chiriqui
A extinção do sapo-arlequim-chiriqui está relacionada com uma doença provocada por fungos. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

Considerado extinto, pois nenhum espécime foi observado dede 1996. O fim da espécie relaciona-se com o desenvolvimento de quitridiomicose, uma doença infecciosa causada por fungos.

8) Cervo-de-Schomburgk (Rucervus schomburgki)

Cervo de Schomburgk
O último cervo-de-Schomburgk morreu em 1938.

A população selvagem dessa espécie de cervo acabou por volta de 1932, e o último indivíduo morreu em 1938.

9) Lagarto-da-floresta-da-ilha-Christmas (Emoia nativitatis)

Lagarto-da-floresta-da-ilha-Christmas
A extinção está relacionada com a introdução de espécies exóticas. Crédito da imagem: IUCN Red List / © Harold G. Cogger.

A espécie foi vista na natureza pela última vez em 2010, com a morte do último indivíduo ocorrendo em 2014. A causa da extinção da espécie está relacionada com a introdução de espécies exóticas em seu habitat.

10) Lobo-da-Tasmânia (Thylacinus cynocephalus)

Lobo-da-Tasmânia
A ação humana e competição com cães introduzidos levou o lobo-da-Tasmânia à extinção.

A espécie foi declarada extinta em 1986. A extinção relaciona-se com a caça desse animal pelos humanos, que os matavam como forma de proteger seus rebanhos, com a competição com cães introduzidos e com as doenças transmitidas por eles.

11) Pombo-viajante (Ectopistes migratorius)

Pombo-viajante
O pombo-viajante ocorria na América do Norte. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

A espécie foi extinta devido à caça e destruição do habitat. O último registro da espécie, que ocorria na América do Norte, é de 1910.

12) Sapo-venenoso-esplêndido (Oophaga speciosa)

Sapo-venenoso-esplêndido
O sapo-venenoso-esplêndido ocorria no Panamá. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

A espécie está descrita como extinta, pois tem sido amplamente procurada em sua área de vida e não foi mais observada. A espécie era endêmica do Panamá.

13) Sapo-dourado (Incílio periglenos)

Sapo-dourado
O sapo-dourado não é avistado desde 1989. Crédito da Imagem: IUCN Red List / © Chris Perrins.

A espécie, apesar de extensas pesquisas em seu habitat, não foi mais registrada desde 1989. O sapo-dourado era encontrado apenas na Reserva Biológica Monteverde, na Costa Rica.

14) Bandicoot-pés-de-porco (Chaeropus ecaudatus)

Bandicoot-pés-de-porco
Bandicoot-pés-de-porco era uma espécie de marsupial encontrada na Austrália. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

O último espécime desse marsupial foi coletado em 1901. A extinção da espécie coincidiu com a disseminação dos europeus pela Austrália.

15) Caracara-de-Guadalupe (Caracara lutosa)

Vista lateral esquerda do crânio e mandíbula de Caracara lutosa.
Vista lateral esquerda do crânio e mandíbula de Caracara lutosa.

A espécie foi extinta em 1900, e sua extinção relaciona-se com a caça e também com a ação de colecionadores.

16) Quagga (Equus quagga quagga)

Quagga, uma subespécie extinta de zebra.
Quagga era uma subespécie da zebra.

Trata-se de uma subespécie da zebra que teve seu último espécime selvagem morto a tiros em 1878. Em cativeiro, o último quagga morreu em 1883.

17) Periquito-da-Carolina (Conuropsis carolinensis)

Periquito-da-Carolina
O último periquito-da-Carolina foi observado em 1910. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

A espécie ocorria no sudeste dos Estados Unidos, e sua extinção relaciona-se com a perseguição humana. Os últimos registros são de 1910.

18) Warrah (Dusicyon australis)

Ilustração de Warrah, espécie extinta.
Provavelmente, o último indivíduo foi morto em 1876.

A espécie era encontrada nas ilhas Malvinas e, devido à perseguição dessa população ao longo de 1800, tornou-se extinta. O último indivíduo foi morto, provavelmente, em 1876.

19) Vaca-marinha-de-Steller (Hydrodamalis gigas)

Modelo da vaca-marinha-de-Steller. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.
Modelo da vaca-marinha-de-Steller. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

Acredita-se que o gênero se extinguiu em 1768. A espécie era encontrada no mar de Bering.

20) Dodô (Raphus cucullatus)

Dodô
O dodô é uma espécie de ave extinta que habitava Maurício.

Os últimos indivíduos foram mortos em 1662, e sua extinção está relacionada com a caça por colonos e a predação dos ninhos da espécie por porcos introduzidos. A espécie era endêmica de Maurício.

21) Arau-gigante (Pinguinus impennis)

Arau-gigante
O arau-gigante foi extinto devido à caça. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

A espécie entrou em extinção devido à grande caça pelos seres humanos, que buscavam carne, óleo e penas. O último espécime foi visto em 1852.

22) Ave-elefante (Aepyornis)

Esqueleto de ave-elefante
A ave-elefante viveu em Madagáscar.

A ave-elefante vivia em Madagáscar, e não se sabe exatamente quando a extinção desses animais ocorreu, mas acredita-se que a última dessas aves morreu antes de 1600.

23) Auroque (Bos primigenius)

Fóssil de um auroque
Fóssil de um auroque. Créditos da imagem: Wikimedia Commons.

Trata-se de um bovino selvagem que habitava a Europa e foi descendente da maioria das raças de gado que conhecemos hoje. O último auroque morreu em 1627.

24) Mamute (Mammuthus)

Mamutes
Mudanças climáticas e a caça estão relacionadas com a extinção dos mamutes.

Mamutes viveram durante a Idade do Gelo, e acredita-se que uma associação entre mudanças climáticas e a caça levaram esses animais à extinção. Além disso, estudos demonstram que esses animais acumularam uma grande quantidade de mutações deletérias (mutações desfavoráveis) em suas últimas populações, favorecendo a morte em eventos de curto prazo.

25) Tigre-dentes-de-sabre

Tigre-dentes-de-sabre
Os tigres-dentes-de-sabre foram extintos devido à perda de suas presas.

Eram animais típicos da fauna pleistocênica (animais que viveram durante o Pleistoceno, como o mamute) que se caracterizaram pelos seus grandes caninos. Os mais conhecidos dentes-de-sabre são os do gênero Smilodon. A sua extinção está relacionada com a extinção da megafauna, isto é, a extinção das espécies animais de grandes proporções que viviam no Pleistoceno, o que levou as presas desses animais à extinção e, consequentemente, eles próprios.

26) Gliptodonte — Tatu-gigante

Gliptodonte
A extinção do gliptodonte está associada a mudanças climáticas e ação humana.

O tatu-gigante se extinguiu há cerca de 10.000 anos, junto de grande parte da megafauna pleistocênica. A extinção desses animais é associada a mudanças climáticas e ação humana.

27) Sivatherium

Sivatherium
Sivatherium era um animal parente das girafas.

O animal, que é um parente da girafa, pode ter vivido até cerca de 5.000 anos atrás. Fósseis desses animais foram encontrados em toda a Ásia, Europa e África.

28) Preguiça-gigante (Megatherium americanum)

Esqueleto de preguiça-gigante
A preguiça-gigante viveu na América do Sul.

Esse animal era uma preguiça gigante que viveu durante o Pleistoceno. As preguiças-gigantes, provavelmente, se extinguiram há cerca de 8.000 a 10.000 anos e eram encontradas na América do Sul.

29) Dinossauros

Dinossauros
A extinção dos dinossauros está relacionada com a queda de um meteorito.

Quando falamos de dinossauros, não nos referimos apenas a uma espécie de animal, e sim de um grupo de animais terrestres que viveu durante a era Mesozoica. Tiranossauros, estegossauros e velociraptores são exemplos de dinossauros. A teoria mais conhecida e aceita para explicar a extinção dos dinossauros é a da queda de um meteorito em nosso planeta há cerca de 66 milhões de anos.

Leia também: Eras geológicas — a subdivisão do tempo geológico

Afinal, quando um animal pode ser tido como extinto?

Animais extintos são animais que não existem mais em nosso planeta. Esse é o caso, por exemplo, dos dinossauros e mamutes. Quando dizemos que um animal está ameaçado de extinção, estamos nos referindo, portanto, às espécies que, caso medidas de proteção não forem tomadas, poderão desaparecer para sempre.

Além das espécies ameaçadas de extinção e as espécies já extintas, temos uma categoria conhecida como “espécies extintas na natureza”. Nesse caso, essas espécies ainda são observadas em cativeiro, por exemplo, porém não são encontradas mais em seu ambiente natural.

Vale destacar que determinar se uma espécie está ou não extinta não é tarefa fácil. Isso se deve ao fato de que muitas espécies passam décadas sem serem avistadas na natureza e, posteriormente, são vistas novamente. Sendo assim, o status de conservação de uma espécie está em constante atualização.

Causas da extinção de animais

Várias são as causas que podem levar uma espécie à extinção, sendo algumas delas naturais e outras resultado da ação do homem. Algumas dessas causas são:

  • erupções vulcânicas;

  • queda de meteoritos;

  • elevação do nível dos mares;

  • alterações na tectônica de placas;

  • destruição de hábitats;

  • caça e pesca predatórias;

  • tráfico de animais;

  • mudanças climáticas;

  • introdução de espécies invasoras.

Algumas espécies desaparecem de maneira progressiva ao longo do tempo, sendo esse tipo de extinção conhecido como extinção de fundo. Em alguns casos, no entanto, a extinção ocorre de maneira rápida e leva uma grande quantidade de organismos à morte, sendo esse tipo de extinção chamado de extinção em massa. São reconhecidas pelo menos cinco grandes extinções em massa (Big Five): as que ocorreram no Ordoviciano (há cerca de 440 milhões de anos), no Devoniano (365 milhões de anos), no Permiano (250 milhões de anos), no Triássico (215 milhões de anos) e no Cretáceo-Paleógeno (65 milhões de anos).

Dentre as cinco maiores extinções em massa destaca-se a do fim do período Permiano como o maior evento de extinção. Essa grande extinção foi responsável por eliminar 95% das espécies marinhas existentes na época. Apesar de a extinção do Permiano ser a maior, a mais conhecida é, sem dúvida, a ocorrida no Cretáceo, na qual os dinossauros foram dizimados.

Vale destacar que os cientistas acreditam que atualmente estamos vivendo a sexta crise de extinção. Isso se deve ao fato de que atualmente estamos vivenciando uma grande perda de biodiversidade ocasionada, principalmente, pelas atividades humanas.

Desmatamento
A destruição de habitat está relacionada com grande perda de biodiversidade em todo o planeta.

Índice de extinção da atualidade

Nosso planeta é rico em biodiversidade, existindo milhares de espécies diferentes catalogadas e tantas outras que ainda não conhecemos. Infelizmente, o índice de extinção que vivenciamos na atualidade é muito alto, o que faz com que várias espécies de animais, plantas e outros organismos vivos sejam extintas anualmente.

De acordo com o WWF (World Wildlife Fund — Fundo Mundial Para a Natureza), especialistas estimam que entre 0,01 e 0,1% de todas as espécies são extintas por ano. Desse modo, de acordo com a organização, “se considerarmos que a menor estimativa do número de espécies como verdadeira (isto é, que existem mais ou menos 2 milhões de espécies diferentes em nosso planeta), isso significa que todo ano ocorrem entre 200 e 2.000 extinções”.

Confira no nosso podcast: Sustentabilidade, degradação ambiental e a responsabilidade humana

Animais extintos no Brasil

Conheça a seguir algumas espécies que eram encontradas em território nacional, entretanto, atualmente são classificadas como extintas na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

  • Limpa-folha-do-Nordeste (Philydor novaesi): espécie de ave endêmica do Brasil que não é registrada desde 2011. A espécie foi extinta devido, dentre outros fatores, à destruição do seu habitat.

  • Phrynomedusa fimbriata: trata-se de uma perereca que ocorria no estado de São Paulo. A espécie é considerada extinta, pois não foi avistada por mais de 80 anos.

  • Noronhomys vespuccii: roedor extinto endêmico da ilha de Fernando de Noronha. Essa espécie é conhecida apenas por fósseis, e estudos mostram que ela viveu até depois de 1500 d.C.

  • Rhantus orbignyi: espécie de escaravelho que era encontrada na Argentina e Brasil.

  • Megalobulimus cardosoi: espécie de gastrópode que era endêmica do Brasil.

Animais extintos na natureza e sua reintrodução

Como salientado anteriormente, algumas espécies de animais deixaram de existir em seu habitat, sendo consideradas extintas na natureza. Segundo a IUCN, uma espécie está extinta na natureza quando é observada sua sobrevivência apenas em cultivo, cativeiro ou como uma população (ou populações) naturalizada fora da sua área de distribuição natural. A existência de indivíduos em cativeiro torna possível a reprodução e a reintrodução dessas espécies em seu ambiente natural, evitando sua extinção.

Ararinha-azul
A ararinha-azul foi considerada extinta na natureza nos anos 2000.

A reintrodução de animais extintos na natureza, no entanto, não é uma tarefa simples e envolve uma série de etapas. É preciso avaliar, por exemplo, quais os impactos que aquela espécie pode causar no ambiente se for novamente inserida naquele local. Quanto mais tempo se passou desde a extinção do animal, menor a chance de sucesso em sua reintrodução. É preciso avaliar também se o fator que levou aquele animal à extinção poderá causar a sua extinção novamente.

Um caso recente e muito conhecido é da ararinha-azul (Cyanopsitta spixii). A espécie foi considerada extinta na natureza nos anos 2000, e, desde então, uma série de pesquisadores luta para garantir a reintrodução da espécie ao seu habitat natural. A volta desses animais à Caatinga do Nordeste brasileiro ocorreu em junho de 2022.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia 

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Animais extintos"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/animais/extincao-animais.htm. Acesso em 01 de março de 2024.

Lista de exercícios


Exercício 1

O que é extinção?

Exercício 2

A extinção é algo natural?

Artigos Animais extintos


Arara-vermelha-de-cuba (Ara tricolor)

Ave cujo contato com nossa espécie causou seu fim, no século 19.
Animais

Arau-gigante (Pinguinus impennis)

Ave extinta no século dezenove em consequência da exploração marítima do Atlântico Norte.
Animais

Avestruz-árabe (Struthio camelus syriacus)

Mais uma ave extinta em consequência da ação humana.
Animais

Carcará-de-Guadalupe (Polyborus lutosus)

Ave endêmica da Ilha de Guadalupe, no México, extinta no ano de 1900.
Animais

Dodô (Raphus cucullatus)

Ave endêmica de uma ilha do Oceano Índico, extinta há mais de 300 anos.
Animais

Gliptodonte (Gênero Glyptodon)

Sobre o Gliptodonte, mamífero da ordem dos desdentados, extinto há aproximadamente 8 mil anos.
Animais

Lobo da Tasmânia (Thylacinus cynocephalus )

Marsupial exterminado da natureza de forma bastante injusta.
Animais

Mamute

Que tal conhecer mais sobre os mamutes? Clique aqui e aprenda mais sobre esse grupo de animais que se assemelhavam aos elefantes atuais.
Animais

Moa (Família Dinornithidae)

Ave não voadora endêmica da Nova Zelândia, extinta no século XVI.
Animais

Periquito-da-carolina (Conuropsis carolinensis)

Ave descrita por Lineu, extinta em 1918.
Animais

Pombo viajante (Ectopistes migratorius)

Uma das mais dramáticas histórias de extermínio de uma espécie.
Animais

Quagga (Equus quagga quagga)

Subespécie da zebra de planície, extinta da natureza no século dezenove.
Animais

Tigre de Bali (Panthera tigris balica)

Subespécie de tigre da Indonésia, extinta em 1937.
Animais

Vaca marinha (Hydrodamalis gigas)

Herbívoro pertencente à mesma ordem do peixe-boi; extinto em 1768.
Animais

PUBLICIDADE