Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Nova Ordem Mundial

O rearranjo da geopolítica internacional que aconteceu com o fim da União Soviética deu origem a uma Nova Ordem Mundial, marcada pela emergência de múltiplos centros de poder.

Peões de xadrez sobre países do mapa-múndi em alusão à Nova Ordem Mundial.
A emergência de múltiplos centros de poder caracteriza a Nova Ordem Mundial.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Nova Ordem Mundial é como ficou conhecida a nova estrutura da geopolítica e da economia globais a partir da década de 1990. A dissolução da União Soviética marcou o fim de um mundo bipolar, dividido entre apenas duas potências, e deu início a um período caracterizado pela multipolaridade que conhecemos como Nova Ordem Mundial.

Novos centros econômicos e de poder emergiram, como foi o caso da China, do Japão e de países da União Europeia, ao mesmo tempo que se intensificaram os fluxos característicos da globalização e se ampliaram os blocos econômicos, cuja atuação é de fundamental importância nesse novo contexto.

Leia também: China x EUA — as disputas entre as duas grandes potências econômicas da atualidade

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a Nova Ordem Mundial

  • Nova Ordem Mundial é a estrutura geopolítica e econômica global que se instalou a partir do fim da União Soviética em 1991.

  • Caracteriza-se pela multipolaridade, pela consolidação do capitalismo como sistema econômico dominante e pela intensificação dos fluxos de informações, capitais e mercadorias que são típicos da globalização.

  • Os blocos econômicos desempenham um papel importante no contexto da Nova Ordem Mundial.

  • Países da União Europeia, a China e o Japão emergiram como importantes centros de poder junto aos Estados Unidos, que mantiveram o seu status de períodos precedentes.

  • A compreensão da Nova Ordem Mundial pode ser, muitas vezes, ofuscada pelas inúmeras teorias da conspiração que foram criadas a esse respeito.

Videoaula sobre a Nova Ordem Mundial

O que é a Nova Ordem Mundial?

A Nova Ordem Mundial nada mais é do que a nova estrutura econômica, política e de poder que se instalou em escala global a partir da segunda metade do século XX. Trata-se do reordenamento da geopolítica mundial que teve início com a queda do Muro de Berlim na Alemanha, em 1989, e se consolidou com o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), em 1991, quando a bipolaridade deu lugar à multipolaridade.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quais são as características da Nova Ordem Mundial?

A multipolaridade é a principal característica da Nova Ordem Mundial. Esse aspecto é derivado do rearranjo geopolítico que aconteceu a partir da dissolução do bloco socialista, marcado pela queda do Muro de Berlim. Decorrente disso temos a segunda característica da Nova Ordem Mundial: a consolidação do capitalismo enquanto sistema econômico vigente.

Signo da globalização que avançou a partir da década de 1970, a maior integração entre territórios, empresas e pessoas é outra importante característica da Nova Ordem Mundial. Nesse contexto, houve uma transformação na forma como são estabelecidas as relações entre os Estados e os agentes de poder de modo geral.

A capacidade bélica e militar de uma nação deixou de ser, necessariamente, o único sinônimo de poder daquele país no cenário internacional. Na atual ordem, o desenvolvimento econômico e tecnológico se tornou importante para se compreender como um território está inserido na geopolítica global.

Confira no nosso podcast: As novas áreas de influência do século XXI

Quais mudanças a Nova Ordem Mundial causou?

A Nova Ordem Mundial concretizou a emergência de um mundo multipolar, em que mais do que duas nações ascenderam a um status de poder. Enquanto na antiga ordem apenas os Estados Unidos e a União Soviética disputavam a hegemonia internacional, hoje se observa a presença de vários países que exercem influência política e econômica em escala regional e global. É importante notar, entretanto, que os Estados Unidos não perderam seu status, mantendo-se como uma potência global.

A China é um dos principais exemplos quando falamos em multipolaridade. O país experimentou um processo de ascensão econômica gradual que teve início no final da década de 1970 e se tornou uma das principais economias mundiais ao lado dos Estados Unidos, União Europeia e Japão.

Dentro desse novo contexto, o mundo passou a ser dividido por um novo critério: o desenvolvimento econômico. Temos os países pertencentes ao Norte Global (nações desenvolvidas e com industrialização avançada) ou ao Sul Global (nações emergentes e subdesenvolvidas). É importante salientar que a designação não necessariamente obedece a posição do país com relação ao Equador. A Austrália, por exemplo, pertence ao Norte nessa classificação. Em contrapartida, países como o México e a Índia fazem parte do Sul Global.

Nova Ordem Mundial e os blocos econômicos

Os blocos econômicos têm um papel importante de articulação em diversas escalas territoriais na Nova Ordem Mundial. Eles surgiram em função da intensificação dos fluxos de capitais, mercadorias e informações entre territórios, além da multiplicação das empresas transnacionais que foi proporcionada pelos elementos técnicos e informacionais da globalização.

A organização das economias nacionais em bloco na Nova Ordem Mundial é importante para, entre outros fatores, a apreciação de acordos bilaterais ou multilaterais que contemplam interesses em comum, a mediação do comércio internacional, a adoção de políticas conjuntas e principalmente para a promoção do desenvolvimento das economias nacionais e das regiões.

Conheça a seguir alguns dos principais blocos econômicos atuantes no mundo atual:

  • União Europeia;

  • Mercosul (Mercado Comum do Sul);

  • Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte);

  • SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral);

  • Apec (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico);

  • Asean (Associação das Nações do Sudeste Asiático).

História da Nova Ordem Mundial

O final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) deu início a um período de quase meio século conhecido como Guerra Fria, caracterizado pela divisão do mundo entre os países alinhados aos Estados Unidos, formando o bloco capitalista, e os países alinhados à União Soviética, que correspondiam ao bloco socialista.

O conflito entre as duas grandes potências do período era pela hegemonia política e ideológica, e acontecia por meio da demonstração do poderio bélico de cada território (corrida armamentista) e dos avanços tecnológicos alcançados por eles, o que foi representado pela corrida espacial.

A demolição dessa organização geopolítica do mundo começou a acontecer na década de 1980, quando se deu a reunificação da Alemanha com a queda do Muro de Berlim em 1989. O que de fato consolidou o fim da antiga ordem vigente e o advento de uma nova estrutura geopolítica global foi a dissolução da União Soviética, em 1991.

A ideia de que uma “nova ordem mundial” havia se instalado apareceu em um discurso feito pelo então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em 1991, após o fim da Guerra do Golfo (1990-1991).

Durante o final do século XX, se observou o avanço do capitalismo financeiro pelo mundo, em especial nos países considerados emergentes, a intensificação dos fluxos de informações e pessoas e a maior integração do espaço mundial. A Nova Ordem Mundial havia então se consolidado, permanecendo até a atualidade.

Nova Ordem Mundial e as teorias da conspiração

A vigência da Nova Ordem Mundial é tema de muitas teorias da conspiração. Um ponto em comum que algumas das principais teses conspiracionistas abordam é a suposta criação de conchavos para a instauração de um governo único que exerce poder em escala global, chefiado por organismos internacionais com interesses de dominação, por um grupo muito restrito formado por pessoas da elite econômica ou ainda por sociedades secretas e grupos dotados de poderes ocultos.

Conforme estudamos, tais ideias em nada se assemelham ao que, de fato, significa viver em uma Nova Ordem Mundial, que nada mais é do que um novo quadro geopolítico. Nenhuma das teorias da conspiração apresentam comprovação ou respaldo científico.

Leia também: Qual é o papel do Brasil na Nova Ordem Mundial?

Exercícios resolvidos sobre Nova Ordem Mundial

Questão 1

(UFPB) “A existência do Muro de Berlim era uma das marcas da velha ordem bipolar, separando a Alemanha em dois regimes políticos e econômicos: um capitalista e outro socialista. Essa forma de produção do espaço afastou as pessoas de mesma origem, história, credo e cultura. O poder estava configurado na capacidade militar das superpotências mundiais. Com a queda do muro, em novembro de 1989, um dos assuntos mais discutidos, na imprensa e nos círculos acadêmico e escolar, era a emergência de uma nova ordem mundial com integração globalizada.”

(Adaptado de: MOREIRA, João Carlos; SENE, Eustáquio de. Geografia: espaço geográfico e globalização. São Paulo: Scipione, 1998, p. 59).

Nesse sentido, identifique as características relativas à Nova Ordem Mundial:

1) Abertura de espaços para um mundo multipolar, com destaque e valorização de projetos direcionados à mundialização do sistema financeiro.

2) Aprofundamento das disparidades políticas, sociais e econômicas, resultantes de uma elevação dos deficit público e comercial e da melhoria da distribuição de renda nos países subdesenvolvidos.

4) Nova organização do espaço, mostrando a presença de muros que delimitam territórios nacionais, impedindo a entrada dos indesejados imigrantes oriundos dos países pobres e separando povos e grupos que se enfrentam militarmente pela defesa de territórios.

8) Incentivo às ditaduras de partido único e à exclusividade da propriedade estatal, retirando o poder político da iniciativa privada e valorizando o papel do Estado.

16) Aumento da circulação do capital no sistema financeiro e incentivo à pesquisa, com vistas aos avanços tecnológicos e à implementação de projetos educacionais, que buscam qualificar a mão de obra para elevar a produtividade e o índice de competitividade.

Resolução: Estão corretos os itens 1, 4 e 16. A nova ordem é caracterizada pela multipolaridade e pelos avanços obtidos sobretudo no setor econômico e tecnológico, visando a melhorias para as empresas e para o sistema financeiro como um todo. Não obstante tenha havido também a intensificação dos fluxos nesse período, a movimentação de pessoas pelo espaço mundial ainda se vê limitada pelas regras de entrada de imigrantes nas fronteiras nacionais, que variam de país para país.

Questão 2

(Ufscar) Existem controvérsias a respeito da Nova Ordem Mundial. Para uns, ela seria uni ou monopolar; para outros, ela seria multipolar. Considere o exposto e assinale a alternativa que é indiscutivelmente correta.

a) O poderio militar norte-americano, sem competidores, é um argumento a favor de definição da nova ordem como multipolar.

b) A unificação europeia, a recuperação econômica do Japão e a enorme expansão da China são fatores que pesam a favor do argumento da monopolaridade da Nova Ordem Mundial.

c) O avanço da globalização fortalece a ideia de um mundo unipolar.

d) O sucesso da primeira guerra do Golfo, de 1991, sugeriu momentaneamente que os Estados Unidos poderiam desempenhar o papel de superpotência solitária e com uma estratégia unilateral.

e) O fato de alguns países — Japão, Índia, Brasil e África do Sul — pleitearem uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU é mais um indicador da monopolaridade no sistema internacional.

Resolução:

Alternativa D

A Nova Ordem Mundial se estabeleceu ao fim da URSS, em 1991, ano que marcou também o fim da Guerra do Golfo. O encerramento do conflito se deu com a intervenção dos Estados Unidos, que, por essa razão, pareciam ter alcançado o status de superpotência por meio do seu poder militar e bélico. Entretanto, acontecimentos futuros e a ascensão econômica de outros países demonstraram que a Nova Ordem Mundial ia além da dominação bélica.

Fontes

MOREIRA, Igor. O Espaço Geográfico: Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Editora Ática, 2004. 47ª edição, 3ª reimp. 455p.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. A inserção do Brasil no capitalismo monopolista mundial. In: ROSS, Jurandyr L. Sanches. Geografia do Brasil. São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo, 2019. Didática: 3. P. 289-327.

SASSEN, Saskia. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2016, 336p. Tradução: Angélica Freitas.

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Escritor do artigo
Escrito por : Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Nova Ordem Mundial"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/nova-ordem-mundial.htm. Acesso em 06 de dezembro de 2023.

De estudante para estudante


Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

A Nova Ordem Mundial marca uma mudança na estrutura política, econômica, militar e social em nível global. O acontecimento político que marca o início dessa nova ordem é o

A) término da Primeira Guerra.

B) fim da Guerra Fria.

C) começo da Primavera Árabe.

D) aumento da xenofobia.

E) processo de globalização.

 

Exercício 2

A Nova Ordem Mundial é caracterizada por vários polos de poder, ou seja, vários países ou grupos de países que detêm determinado protagonismo em nível mundial, seja no plano político, seja no econômico. Desse modo, a Nova Ordem Mundial é definida pela

A) bipolaridade.

B) neutralidade.

C) homogeneidade.

D) multipolaridade.

E) unipolaridade.