Topo
pesquisar
Texto-A+A

O que é éster?

O que é Química?

O que é éster? Trata-se de uma substância orgânica oxigenada muito utilizada como flavorizante e obtida na reação química entre um álcool e um ácido carboxílico.
Os ésteres são substâncias orgânicas usadas na produção de doces
Os ésteres são substâncias orgânicas usadas na produção de doces
PUBLICIDADE

Os ésteres são compostos orgânicos oxigenados que são formados pela reação química entre um ácido carboxílico e um álcool. Apresentam o grupo funcional (composto por dois átomos de oxigênio e dois radicais R) representado a seguir:


 

Grupo funcional geral de um éster
Grupo funcional geral de um éster

Estruturalmente, o que caracteriza o éster é a presença de algum radical alquila ligado diretamente ao átomo de oxigênio. Nesse caso, o radical (R) unido ao carbono – que, por sua vez, está duplamente ligado ao oxigênio – pode ser tanto um radical alquila quanto um átomo de hidrogênio.

Cadeia carbônica de um éster
Cadeia carbônica de um éster

Reação de esterificação

Trata-se da reação química que origina um éster e uma molécula de água a partir da interação entre um ácido carboxílico e um álcool qualquer, como na equação abaixo:

Equação química que representa a formação de um éster
Equação química que representa a formação de um éster

Durante a esterificação, o grupo hidroxila (OH) do álcool interage com o hidrogênio (H) ionizável da hidroxila do ácido e forma a molécula de água.

Grupos formadores da molécula de água na esterificação
Grupos formadores da molécula de água na esterificação

Já o éster é formado pela ligação do radical (R) do álcool com o oxigênio, que sobrou da hidroxila do ácido depois da formação da água.

Formação da molécula de éster
Formação da molécula de éster

Características dos ésteres

Principais propriedades físicas apresentadas pelos ésteres:

  • Possuem aroma de frutas e flores;

  • Ésteres de baixa massa molar são líquidos à temperatura ambiente e os de alta massa molar são sólidos;

  • Quando comparados com os alcoóis e ácidos carboxílicos, os ésteres apresentam pontos de fusão e ebulição mais baixos;

  • Em comparação com a água, os ésteres de menor massa molar são menos densos;

  • Os ésteres de menor massa molar são polares e os de maior massa molar são apolares;

  • Nos ésteres polares, predominam forças dipolo permanente; já nos apolares, predominam forças dipolo induzido;

  • Os ésteres de menor massa molar são pouco solúveis em água e os de maior massa são insolúveis em água.

Regra de nomenclatura de um éster

Antes de utilizar a regra de nomenclatura de um éster, é fundamental relembrarmos que esse composto é formado pela união de duas partes, uma proveniente do ácido carboxílico (em vermelho) e a outra do álcool (em azul), como representado pela imagem a seguir:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Identificação das partes que originam o éster
Identificação das partes que originam o éster

De acordo com a União Internacional da Química Pura e Aplicada (IUPAC), a regra oficial para nomear um éster é:

Regra de nomenclatura de um éster
Regra de nomenclatura de um éster

Obs.: O prefixo e o infixo sempre correspondem à parte do ácido carboxílico, e o radical corresponde à do álcool.

Observe a seguir alguns exemplos de aplicação da regra de nomenclatura para ésteres:

1º Exemplo: Essência de framboesa

Fórmula estrutural do éster da essência de framboesa
Fórmula estrutural do éster da essência de framboesa

Para nomear esse éster, utilizamos:

  • Prefixo do no de carbonos: et, pois o ácido formador tem dois carbonos;

  • Infixo sobre o tipo de ligações: an, pois o ácido formador tem apenas ligações simples entre os carbonos;

  • oato;

  • de;

  • Radical: butil, por ter quatro carbonos em sequência;

  • a.

Assim, o nome do éster correspondente à essência de framboesa é etanoato de butila.

2º Exemplo: Essência de pinha

Fórmula estrutural do éster da essência de pinha
Fórmula estrutural do éster da essência de pinha

Para formar o nome desse éster, utilizamos:

  • Prefixo do no de carbonos: but, pois ácido formador tem quatro carbonos;

  • Infixo sobre o tipo de ligações: an, pois o ácido formador tem apenas ligações simples entre os carbonos;

  • oato;

  • de;

  • Radical: metil, pois o álcool formador possui apenas um carbono;

  • a.

Assim, o nome do éster correspondente à essência de pinha é butanoato de metila.

3º Exemplo: Essência de morango

Fórmula estrutural do éster da essência de morango
Fórmula estrutural do éster da essência de morango

Para nomear esse éster, utilizamos:

  • Prefixo do no de carbonos: but, pois o ácido formador tem quatro carbonos;

  • Infixo sobre o tipo de ligações: an, pois o ácido formador tem apenas ligações simples entre os carbonos;

  • oato;

  • de;

  • Radical: pentil, pois o álcool formador possui cinco carbonos em sequência;

  • a.

Assim, o nome do éster correspondente à essência de morango é butanoato de pentila.

Utilizações dos ésteres

Os ésteres são muito conhecidos pelo uso como flavorizantes em alimentos industrializados, ou seja, substâncias que simulam o sabor e o aroma característico de alimentos naturais, como frutas. Além disso, os ésteres são usados ainda na fabricação de medicamentos, cosméticos, perfumes e ceras.


Por Me. Diogo Lopes Dias

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DIAS, Diogo Lopes. "O que é éster?"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/quimica/o-que-e-ester.htm. Acesso em 21 de agosto de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola