Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Copa do Mundo no Catar: cientistas alertam sobre contato com camelos e risco à saúde

Dentre os riscos levantados pelos estudiosos, está o de agravamento de saúde de pessoas, como aquelas com doenças crônicas e imunossuprimidas, que tenham o contato com camelos.

Em 29/11/2022 10h40 , atualizado em 29/11/2022 11h28
Pessoas com maior risco de desenvolver doença grave estão sendo aconselhadas a evitar o contato com camelos
Pessoas com maior risco de desenvolver doença grave estão sendo aconselhadas a evitar o contato com camelos* Crédito da Imagem: Shutterstock / Alexandra Lande

PUBLICIDADE

Cientistas da Universidade de John Hopkins, nos Estados Unidos, da Universidade de Marseille, na França, e do Centro Colaborador para a Saúde do Viajante da Organização Mundial da Saúde (OMS), na Suíça, divulgaram artigo na revista científica New Microbes and New Infections alertando sobre os riscos de contaminação associados à Copa do Mundo, no Catar.

Dentre os riscos levantados pelos estudiosos, está o de agravamento de saúde de pessoas, como aquelas com doenças crônicas e imunossuprimidas, que tenham o contato com camelos.

Além disso, esse grupo de pessoas também deverá  evitar alimentos derivados do animal ou comidas que não tenham sido devidamente cozidas. Isso porque há a possibilidade de contaminação com a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), também ocasionada por um coronavírus.

De acordo com os cientistas, a MERS-CoV causou vários surtos hospitalares na Arábia Saudita e causou um número limitado de casos no Catar e o padrão foi esporádico.

Os dados epidemiológicos do Catar sinaizaram a ocorrência de 28 casos de MERS (incidência de 1,7 por 1.000.000 habitantes). A grande parte dos casos tinha histórico de contato com camelos.

Por conta disso, as pessoas com maior risco de desenvolver doença grave estão sendo aconselhadas a evitar o contato com camelos dromedários, beber leite de camelo cru ou urina de camelo, ou comer carne que não foi devidamente cozida.

Leia também: Países participantes da Copa do Mundo de 2022

Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS)

A MERS foi identificada pela primeira vez na Arábia Saudita em 2012, e desde então provocou quase mil mortes em 27 lugares. A maioria dos diagnósticos estão concentrados no país em que foi detectada, mas como os camelos são reservatórios do vírus, os pesquisadores alertam para a possibilidade que a dimensão do evento, como é a Copa do Mundo no Catar, favoreça o contato dos animais com pessoas mais suscetíveis à infecção.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O artigo também sinalizou os riscos do evento, que estima um total de 1,2 milhão de visitantes, no momento em que duas emergências internacionais de saúde estão ocorrendo simultaneamente: a de Covid-19 e a de varíola dos macacos.

Entretanto, os cientistas informam na publicação que não há motivo para pânico, já que o Ministério da Saúde do país-sede está preparado para lidar com as ocorrências e recomendam que os viajantes estejam em dia com a vacinação, ressaltando que, embora o risco seja menor, há ainda a possibilidade de disseminação de outras doenças, como sarampo e hepatite A e B.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças Europeu (ECDC) também fez um alerta semelhante. Além de reforçar a importância da vacina, inclusive contra a gripe, o órgão destacou medidas de higiene que podem evitar a contaminação.

Veja alguma delas:

  • Lavagem regular das mãos com sabão
  • Beber água segura (engarrafada, clorada ou fervida antes do consumo)
  • Comer alimentos bem cozidos
  • Lavar cuidadosamente frutas e legumes com água potável antes do consumo
  • Ficar em casa ou em um quarto de hotel quando estiver doente

Conheça a culinária dos países adversários do Brasil na Copa do Mundo 2022

Por Érica Caetano
Jornalista

*Crédito imagem

Reprodução Shutterstock / Alexandra Lande

PUBLICIDADE