Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Inversão térmica

A inversão térmica é um problema ambiental característico de centros urbanos e é marcada pela estagnação do ar frio próximo da superfície e pela concentração da poluição.

Com a inversão térmica, o ar frio fica retido próximo da superfície, impedindo a dispersão da poluição.
Com a inversão térmica, o ar frio fica retido próximo da superfície, impedindo a dispersão da poluição.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Inversão térmica é um fenômeno atmosférico caracterizado pela retenção do ar frio próximo da superfície, sobreposto por uma camada de ar quente. Ela ocorre nos grandes centros urbanos e é mais comum durante as primeiras horas do dia e no inverno, quando os dias são mais frios.

Embora natural, a inversão térmica é potencializada pela ação antrópica. Tendo em vista que esse fenômeno impede a dispersão da poluição, ele resulta no aumento de doenças respiratórias, irritação nos olhos e na pele, alergias e redução da qualidade do ar nas cidades.

Confira nosso podcast: Problemas ambientais urbanos

Tópicos deste artigo

Resumo sobre inversão térmica

  • Inversão térmica é um fenômeno natural caracterizado pela retenção temporária do ar frio próximo da superfície.

  • Junto do ar frio ficam retidos também os gases e resíduos poluentes da atmosfera, impedindo sua dispersão.

  • Ocorre nas grandes cidades e centros urbanos industrializados.

  • Trata-se de um problema ambiental urbano que é potencializado pela ação antrópica.

  • Afeta a saúde humana e o meio ambiente devido à piora da qualidade do ar.

O que é inversão térmica?

Inversão térmica é um fenômeno atmosférico característico dos grandes centros urbanos e industrializados e corresponde ao aprisionamento temporário de uma camada de ar frio próximo da superfície. Essa camada de ar frio, que é mais densa, tem a sua circulação interrompida por uma camada de ar quente que fica posicionada sobre ela. Esse movimento faz com que haja uma inversão das temperaturas e provoca ainda a retenção da poluição na camada inferior, bem próxima do solo.

Esse processo é classificado como um problema ambiental urbano. Quando ocorre durante o dia ou nas primeiras horas da manhã, é possível observar a inversão térmica no horizonte de uma cidade, uma vez que a porção inferior, onde está o ar mais frio, adquire uma coloração acinzentada e mais escura do que as camadas superiores.

  • Videoaula sobre problemas ambientais urbanos

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que causa a inversão térmica?

A inversão térmica é causada pela perda rápida do calor que é absorvido pelas superfícies presentes nas cidades, que resfriam o ar situado aos seus arredores e sobre elas. A ausência de chuvas e os dias mais frios, frequentes no inverno, também se encontram entre as suas causas. Trata-se, portanto, de um fenômeno natural, mas que é potencializado pela ação antrópica.

Os intensificadores dessa problemática são as intervenções humanas que refletem na construção do espaço urbano e na vida cotidiana, como:

  • edificações e ampliação das áreas recobertas por concreto;

  • impermeabilização dos solos;

  • asfaltamento;

  • desmatamento ou redução das áreas verdes;

  • intensa emissão de gases poluentes na atmosfera pelas indústrias e automóveis.

Leia também: Desmatamento na Amazônia — entenda a gravidade desse problema

Como ocorre a inversão térmica?

A inversão térmica acontece comumente durante o inverno e nos períodos mais frios do dia, como as primeiras horas da manhã e durante a madrugada.

O calor que foi absorvido pelas superfícies durante o dia é irradiado no período da noite, fazendo com que elas resfriem gradualmente. Nos dias mais frios, os raios solares incidem com menor intensidade e há menor absorção de calor, o que faz com que as temperaturas próximas da superfície também sejam mais baixas.

Ambos os processos fazem com que o ar próximo do solo fique mais frio e consequentemente mais denso. Em função disso, o ar mais frio não consegue circular e fica aprisionado nas camadas mais baixas da atmosfera. Acima dessa camada de ar frio está posicionada uma camada de ar quente, que não circula.

Representação do fenômeno da inversão térmica, à esquerda, e indicação das condições normais, à direita.
Na imagem à esquerda, temos a representação do fenômeno da inversão térmica, que ocorre quando o ar frio fica retido próximo da superfície.

Em uma situação normal, o ar quente fica próximo da superfície e ascende para as camadas superiores por ser menos denso. O ar mais denso e frio desce e adquire calor, tornando-se mais leve e retomando assim o processo. Na inversão térmica, esse processo não ocorre. No entanto, é importante notar que a inversão térmica é um fenômeno temporário, e a circulação atmosférica retoma a normalidade à medida que a superfície volta a se aquecer.

Com o aprisionamento do ar frio, a poluição atmosférica presente nos grandes centros urbanos não se dispersa, aumentando assim a concentração de gases e resíduos poluentes próximo da superfície.

Consequências da inversão térmica

A inversão térmica apresenta consequências diretas para a saúde humana e para o meio ambiente urbano. Listamos algumas delas abaixo:

  • diminuição da qualidade do ar nas cidades;

  • surgimento e agravamento de doenças respiratórias (bronquite, asma, pneumonia);

  • irritação nos olhos e na pele;

  • aparecimento de alergias;

  • intoxicação.

Saiba mais: Ilhas de calor — temperaturas anormalmente maiores nas concentrações urbanas das cidades

Soluções para a inversão térmica

Apesar de ser um fenômeno de origem natural, a inversão térmica pode ser amenizada a partir da adoção de medidas sustentáveis e de algumas transformações no nosso cotidiano e na estrutura das cidades, proporcionando assim maior qualidade de vida nos centros urbanos e benefícios ao meio ambiente. Essas ações incluem:

  • políticas voltadas à redução da emissão de poluentes pelas indústrias e fábricas, bem como medidas eficientes de fiscalização e acompanhamento;

  • maior utilização de biocombustíveis, que reduzem o impacto ambiental;

  • arborização das vias urbanas e redução do desmatamento e das queimadas;

  • conscientização da população e educação ambiental.

Exercícios resolvidos sobre inversão térmica

Questão 1

(UFPR) A urbanização é um processo que apresentou considerável intensificação com o advento da revolução industrial. Desde então, as cidades passaram a concentrar cada vez mais pessoas, atividades e mercadorias, produzindo importantes alterações na natureza local. O clima urbano atesta um aspecto dessas alterações, fato evidenciado de maneira clara na poluição do ar das grandes cidades. Quanto à poluição do ar nas grandes cidades, é INCORRETO afirmar:

a) A poluição atmosférica urbana pode ser tanto de origem natural quanto decorrente das atividades humanas.

b) A ocorrência de chuvas ácidas nas cidades está relacionada, principalmente, à concentração de poluentes na atmosfera local.

c) A poluição atmosférica é composta por gases e material particulado e, quando intensa e associada a nevoeiro, dá origem ao smog.

d) Na estação de inverno, quando o ar toma-se mais pesado devido às baixas temperaturas, a atmosfera tende a concentrar poluentes.

e) A concentração e dispersão de poluentes na atmosfera, ao longo do ano, se mantém constante, pois os gases e os materiais particulados são imunes às condições térmicas do ar.

Resolução:

Alternativa E

Essa opção é incorreta porque a dispersão de poluentes é reduzida durante o inverno, período em que se observa a formação de inversão térmica nas grandes cidades.

Questão 2

(Etec-SP) A inversão térmica é um fenômeno natural. Em cidades como São Paulo, esse fenômeno atrapalha a dispersão da poluição, sobretudo no inverno.

Pensando sobre esse fenômeno, analise as afirmações.

I. A inversão térmica é um processo que consiste na troca de calor por condução, dispersando a poluição atmosférica.

II. Durante a inversão térmica, a poluição vai se concentrando próximo da superfície do solo, prejudicando a qualidade de vida.

III. Em condições normais, o ar quente sobe e o ar frio desce. Quando ocorre a inversão térmica, esse processo sofre alterações.

É válido o que se afirma em:

a) I apenas.

b) III, apenas.

c) I e II, apenas

d) II e III, apenas

e) I, II e III.

Resolução:

Alternativa D

A única afirmativa incorreta é a número I, que descreve um processo que não corresponde à inversão térmica. Esse fenômeno retém ar frio próximo da superfície, diferentemente do que ocorre em condições normais, e concentra a poluição, prejudicando assim o bem-estar e a qualidade de vida nas grandes cidades.

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Escritor do artigo
Escrito por: Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Inversão térmica"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/inversao-termica.htm. Acesso em 18 de junho de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

Qual alternativa apresenta a melhor definição sobre a inversão térmica?

A) É um evento caracterizado pela ocorrência de fortes chuvas no verão.

B) É um processo de concentração de chuvas em áreas de relevo plano.

C) É um fenômeno natural marcado pela retenção do ar frio na superfície.

D) É um caso específico de aumento das temperaturas nas áreas rurais.

E) É um exemplo de intervenção antrópica nas grandes áreas urbanizadas.

Exercício 2

Qual a principal consequência da formação de um processo de inversão térmica?

A) A retenção da poluição próxima à superfície.

B) A elevação do volume dos oceanos.

C) A ocorrência da chuva ácida.

D) O aumento das temperaturas médias globais.

E) O crescimento dos desastres naturais.