Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Extrativismo

O extrativismo é caracterizado como a extração de recursos animais, vegetais ou minerais da natureza. Trata-se de uma importante fonte de matérias-primas para a indústria.

Vista superior de uma área na qual ocorre mineração, o principal tipo de extrativismo mineral.
O extrativismo é uma importante atividade econômica que fornece produtos originários da natureza ao consumo humano e à atividade industrial.[1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O extrativismo é uma prática que consiste na obtenção de recursos da natureza para fins econômicos ou para a subsistência. A atividade extrativista se divide em três tipos, que são o extrativismo animal, o extrativismo mineral e o extrativismo vegetal. Essa prática sempre esteve presente na história da humanidade, tendo ainda grande importância no desenvolvimento econômico do Brasil. Apesar disso, o extrativismo gera impactos ambientais significativos, como a redução da biodiversidade, desmatamento e poluição dos solos e de mananciais.

Leia também: Agropecuária — a atividade responsável pela produção de alimentos e pelo fornecimento de matérias-primas

Tópicos deste artigo

Resumo sobre extrativismo

  • Extrativismo é a prática de extração de recursos da natureza. Constitui uma importante atividade econômica e de subsistência.

  •  Existem três tipos de extrativismo: animal, vegetal e mineral.

  • O extrativismo animal compreende as atividades de caça e de pesca.

  • O extrativismo vegetal corresponde à obtenção de recursos das plantas e vegetais, como sementes, frutos, folhas, madeira, raízes, resinas, ceras, seiva e outros resíduos.

  • O extrativismo mineral é caracterizado pela extração de minérios e rochas de valor comercial, como minério de ferro, ouro, bauxita e manganês, por exemplo. 

  • A prática do extrativismo sempre esteve presente no território brasileiro e representou importantes ciclos econômicos ao longo da história do país, desde o período colonial até o republicano.

  • Apesar da sua importância econômica, a prática intensiva do extrativismo pode causar problemas ao meio ambiente, como redução da biodiversidade, transformações de paisagens naturais, poluição de solos e mananciais e acidentes ambientais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que é extrativismo?

O extrativismo é uma prática muito antiga que pode ser descrita como a extração de recursos do meio natural para a sua posterior utilização pelos seres humanos. Trata-se de uma atividade econômica que integra o setor primário da economia.

Os recursos naturais visados pelo extrativismo possuem origem tanto animal quanto vegetal e mineral, e muitos deles são destinados ao suprimento da demanda da indústria, ou seja, do setor secundário.

Quais são os tipos de extrativismo?

Os tipos de extrativismo são determinados de acordo com a natureza do recurso extraído ou ainda do reino natural ao qual esse recurso pertence. Sendo assim, existem três tipos de extrativismo: o animal, o vegetal e o mineral.

Extrativismo animal

O extrativismo mineral é caracterizado pelas atividades de caça e de pesca. Algumas delas estão proibidas em diversas regiões do mundo e também no Brasil. No território nacional, a caça de animais silvestres não é permitida por lei, e somente os povos tradicionais, como as populações indígenas, podem realizá-la (caça de subsistência). No caso da pesca, temos o exemplo da caça de baleias, que foi também impedida em escala mundial. Como exemplo de extrativismo animal, podemos citar a pesca de camarão no Rio Grande do Norte.

Pessoa lançando uma rede de pesca no mar com o nascer do Sol ao fundo.
O extrativismo animal inclui as atividades pesqueiras.

Extrativismo vegetal

O extrativismo vegetal é caracterizado pelas atividades de extração de recursos de origem vegetal da natureza, como frutos, madeira, raízes, folhas e também resinas, ceras e a seiva das plantas, que são úteis na produção de elementos como borracha, tintas, vernizes e cosméticos, por exemplo.

Extração de látex de uma seringueira, um exemplo de extrativismo vegetal.
A extração de látex das seringueiras é um exemplo de extrativismo vegetal.

Extrativismo mineral

O extrativismo mineral é caracterizado pela extração de recursos minerais, pedras preciosas e rochas diversas dos solos, principalmente, mas também dos corpos d’água como oceanos, rios e lagos. A mineração praticada na região Norte do Brasil, por exemplo, com destaque para o estado do Pará, é responsável pela produção do ferro destinado tanto para a exportação quanto para as indústrias brasileiras.

Vista superior de uma mina na Espanha, onde é realizada mineração, o extrativismo mineral.
Mineração é o nome dado às atividades concernentes ao extrativismo mineral.

Quais são os efeitos do extrativismo?

O extrativismo é uma importante atividade econômica responsável pelo fornecimento de alimentos à sociedade e de matéria-prima para o setor industrial, onde haverá a transformação em produtos para o uso humano, como borracha, móveis, plásticos, combustíveis, joias, sapatos, vestimentas e cosméticos. Apesar disso, a sua realização de forma intensiva pode ocasionar efeitos deletérios ao meio ambiente, que podem prejudicar até mesmo a sua continuidade.

Em relação ao extrativismo animal e vegetal, a redução da biodiversidade pela remoção direta dos animais da natureza e pela perda do seu habitat são algumas de suas principais consequências. Com isso, pode haver todo um desequilíbrio no ecossistema de que esses elementos fazem parte, levando muito tempo para a recuperação da sua estabilidade.

O desmatamento é também um dos efeitos do extrativismo, tanto relacionado ao extrativismo vegetal quanto ao mineral. No segundo caso, ele está diretamente ligado à abertura de áreas e à completa transformação da paisagem que essa atividade econômica promove.

Rio de lama que invadiu estradas e bairros em Brumadinho (MG), após o rompimento da barragem de mineração em janeiro de 2019.
Rio de lama que invadiu estradas e bairros em Brumadinho (MG), após o rompimento de uma barragem de mineração em janeiro de 2019.

O extrativismo mineral é responsável ainda por inúmeros casos de poluição de mananciais e dos solos, além da possibilidade de ocorrência de acidentes de grandes proporções em regiões onde há barragens de mineração. No Brasil, dois casos chamaram a atenção por causa de suas dimensões, que foram os desastres na cidade de Mariana, em 2015, e em Brumadinho, em 2019, ambas cidades localizadas no estado de Minas Gerais.

Veja também: Impactos ambientais do acidente em Mariana (MG)

Extrativismo no Brasil

O extrativismo é uma das mais importantes atividades econômicas do Brasil, sendo uma das principais responsáveis pelas remessas de exportação do país atualmente.

A primeira prática com fins econômicos desenvolvida no território brasileiro durante a colonização foi o extrativismo vegetal, com a remoção da madeira do pau-brasil para a produção de tinta têxtil no exterior. Com o passar dos anos, foi a vez do extrativismo mineral liderar a economia nacional, desempenhando hoje papel central da economia de muitos estados brasileiros.

O extrativismo vegetal compôs também um importante ciclo econômico brasileiro, que foi o ciclo da borracha, que se instalou na região Norte do país entre o final do século XIX e início do século XX.

O principal produto do extrativismo mineral no Brasil é hoje o minério de ferro, produzido em larga escala nos estados do Pará, com destaque para a Serra de Carajás e Minas Gerais, na região conhecida como Quadrilátero Ferrífero. O extrativismo mineral brasileiro é também um grande produtor de manganês, ouro, cobre, bauxita, calcário e granito.

A extração de madeira, sementes, frutas, folhas e resíduos vegetais constitui uma atividade econômica de grande valor produtivo nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. Além da retirada da madeira propriamente dita, e segundo dados do IBGE, o extrativismo vegetal brasileiro se destaca na obtenção de açaí, erva-mate, carnaúba, castanha-do-pará, babaçu, pequi, pinhão e palmito.

Por sua vez, a pesca é a principal atividade do extrativismo animal desempenhada no Brasil. Essa prática acontece tanto no mar quanto nos rios, isto é, em água doce, sendo bastante comum também na região dos manguezais, onde é possível obter inúmeras espécies de peixes, camarões e caranguejos.

Diferenças entre extrativismo vegetal e a agricultura

Embora extrativismo vegetal e agricultura utilizem recursos naturais em comum, como a terra (ou solo) e as plantas, existe uma diferença fundamental entre eles, que é a forma como os vegetais acontecem na natureza.

No caso da atividade agrícola, planta-se o cultivo desejado para a sua posterior colheita. Quando consideramos o extrativismo vegetal, as espécies são encontradas na natureza sem a necessidade de plantio prévio com aquela finalidade específica, ou seja, elas antecedem a atividade econômica ou de subsistência.

História do extrativismo

O extrativismo, seja ele animal, vegetal ou mineral, é uma das atividades de subsistência mais antigas da história da humanidade. Desde sempre, práticas como a caça, a pesca e a colheita foram importantes para a alimentação e subsistência de povoados e agrupamentos humanos.

À medida que as sociedades foram se tornando mais complexas, novas demandas por recursos naturais foram surgindo, como foi o caso do carvão e do minério de ferro, ambos empregados em diferentes fases do desenvolvimento industrial, que teve início no século XVIII.

Mesmo antes desse período, podemos notar o papel do extrativismo no estabelecimento de colônias de exploração nas Américas, durante os séculos XV e XVI, e, mais tarde, nos países da África. O extrativismo mineral e o extrativismo vegetal foram as duas atividades de maior importância nas colônias europeias na América do Sul, com destaque para a obtenção de metais como ouro, prata e, no caso brasileiro, madeira.

O extrativismo compôs importantes ciclos econômicos ao longo da história de formação do território nacional, desde o pau-brasil no início da colonização portuguesa até o ouro e a borracha nos séculos subsequentes.

Atualmente, os combustíveis minerais e os minérios ficam entre os três principais produtos de exportação do Brasil, o que significa que esses produtos ainda possuem grande relevância na economia do país.

Exercícios resolvidos sobre extrativismo

Questão 1

(Enem)

No dia 28 de fevereiro de 1985, era inaugurada a Estrada de Ferro Carajás, pertencente e diretamente operada pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), na região Norte do país, ligando o interior ao principal porto da região, em São Luís. Por seus aproximadamente 900 quilômetros de linha, passam, hoje, 5353 vagões e 100 locomotivas.

Dísponivel em: http://www.transportes.gov.br. Acesso em 27 jul. 2010 (adaptado).

A ferrovia em questão é de extrema importância para a logística do setor primário da economia brasileira, em especial para porções dos estados do Pará e Maranhão. Um argumento que destaca a importância estratégica dessa porção do território é a:

A) produção de energia para as principais áreas industriais do país.

B) produção sustentável de recursos minerais não metálicos.

C) capacidade de produção de minerais metálicos.

D) logística de importação de matérias-primas industriais.

E) produção de recursos minerais energéticos.

Resolução:

Alternativa C

A importância estratégica dessa porção do território brasileiro se deve à grande capacidade de produção de minerais metálicos, em especial de minérios de ferro extraídos na Serra dos Carajás, no Pará, com escoamento realizado pelo território maranhense.

Questão 2

(Enem)

Gráfico de uma questão do Enem 2018 sobre extrativismo vegetal e silvicultura no Brasil.

Considerando as diferenças entre extrativismo vegetal e silvicultura, a variação das curvas do gráfico foi influenciada pela tendência de:

A) conservação do bioma nativo.

B) estagnação do setor primário.

C) utilização de madeira de reflorestamento.

D) redução da produção de móveis.

E) retração da indústria alimentícia.

Resolução:

Alternativa C

Antes de mais nada, é importante lembrarmos que a silvicultura, como a agricultura, é uma atividade de plantio de árvores para o posterior cultivo e extração comercial. Assim, o gráfico indica que houve uma tendência de crescimento na utilização de madeira plantada (ou de reflorestamento, no caso) em detrimento da extração desse recurso em árvores preexistentes, o que caracteriza o extrativismo vegetal.

Crédito de imagem

[1] Wikimedia Commons (reprodução)

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Escritor do artigo
Escrito por: Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Extrativismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/atividade-extrativista.htm. Acesso em 15 de abril de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

O extrativismo é uma atividade econômica muito antiga e se caracteriza pela extração de recursos do meio natural. São recursos de origem animal, vegetal e mineral que são utilizados diretamente pelos seres humanos ou empregados em outras atividades econômicas.

O extrativismo compõe qual setor da economia?

a) Setor primário.

b) Setor secundário.

c) Setor terciário.

d) Setor quaternário.

Exercício 2

“O extrativismo __________ é caracterizado pela extração de recursos minerais, pedras preciosas e rochas diversas dos solos, principalmente, mas também dos corpos d’água como oceanos, rios e lagos.”

GUITARRARA, Paloma. "Extrativismo";Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/atividade-extrativista.htm. Acesso em 15 de dezembro de 2022.

O enunciado faz referência a qual tipo de extrativismo?

a) Vegetal.

b) Rochoso.

c) Mineral.

d) Metálico.

e) Natural.