Topo
pesquisar

Guerra Civil na Síria

Geografia

A guerra civil na Síria já é considerada um dos maiores desastres humanitários dos últimos anos. Esse conflito travado desde 2011 não tem previsão para acabar.
Mulher caminhando pela cidade síria de Homs em setembro de 2013 *
Mulher caminhando pela cidade síria de Homs em setembro de 2013 *
PUBLICIDADE

A Guerra Civil da Síria é um conflito que se estende desde 2011 entre vários grupos armados. O Observatório Sírio de Direitos Humanos já estimou como consequência do conflito mais de 470 mil mortos e mais de 11 milhões de refugiados sírios, dos quais 4,9 milhões migraram para fora do país. O conflito começou como consequência da repressão do governo sírio contra os protestos populares durante a Primavera Árabe e hoje tomou proporções de sectarismo religioso.

Causas do conflito

A Síria é governada pela família al-Assad desde a década de 1970 de maneira ditatorial. Bashar al-Assad só assumiu o país em 2000, após a morte de seu pai, Hafez al-Assad. O governo de Bashar sofreu inúmeras críticas pela corrupção e pela falta de liberdade política. Essas críticas tomaram novas proporções com a Primavera Árabe.

A Primavera Árabe aconteceu quando a população de inúmeros países árabes manifestou-se exigindo democracia e melhores condições de vida em seus países. Os protestos iniciaram-se no final de 2010, na Tunísia, e espalharam-se por outros países, como Líbia e Egito. Na Síria, os protestos iniciaram-se em março de 2011, na cidade de Deraa, no sul da Síria. A resposta do governo sírio foi violenta, o que motivou novas rebeliões em diferentes partes da Síria, como na capital, Damasco, e Aleppo, a maior cidade da Síria.

À medida que a repressão do governo contra os protestos populares aumentava, formaram-se grupos de resistência. Esses grupos logo se transformaram em milícias armadas, que partiram ao ataque na tentativa de expulsar as tropas de Assad de suas regiões e derrubar o governo sírio. Esses exércitos rebeldes foram inicialmente formados por civis e militares desertores.

Crescimento da guerra civil

A ONU e a Liga Árabe movimentaram-se para buscar saídas diplomáticas ao conflito, entretanto, os cessar-fogos negociados nunca foram respeitados. Assim, a escalada da violência na Síria tomou proporções de guerra civil.

A principal força rebelde é o Exército Livre da Síria, que surgiu em julho de 2011. Esse grupo possui características seculares (não está sujeito a nenhuma ordem religiosa) e, portanto, é considerado um grupo rebelde moderado. A oposição rebelde, entretanto, passou a contar com grupos extremistas de tendência jihadista, como o Jabhat Fateh al-Sham, anteriormente conhecida como Frente Al-Nusra.

A partir de 2013, o Estado Islâmico, antigo braço armado iraquiano da Al-Qaeda, aproveitou-se da instabilidade da Síria e aderiu a grupos rebeldes de jihadistas sunitas. Entretanto, como o Estado Islâmico cresceu rapidamente, ele se autoproclamou um Califado em territórios na Síria e no Iraque. O califado é uma espécie de reino baseado na lei islâmica, a sharia. A guerra que havia começado por razões políticas tomou proporções religiosas.

Outras frentes de guerra surgiram com pequenos grupos rebeldes, principalmente de tendências fundamentalistas. Outro grupo de destaque foi os curdos, que se mobilizaram ao conflito a partir de 2014, quando o Estado Islâmico passou a perseguir a minoria curda da Síria. As tropas curdas atualmente mantêm o controle das regiões ao norte da Síria, na região chamada de Rojava.

Com a guerra sendo travada entre diferentes grupos, o conflito espalhou-se por diversas frentes. Assim, mudanças e movimentações das tropas acontecem a todo momento na Síria.

Mobilização estrangeira

A guerra civil na Síria tomou as grandes proporções atuais, principalmente, em razão da interferência estrangeira no país. Diversos países envolveram-se direta ou indiretamente no conflito, financiando determinados grupos.

O governo sírio possui o apoio da Rússia e do Irã, que enviam, além de armas e dinheiro, tropas. O Exército Livre da Síria e o Exército curdo recebem o apoio dos Estados Unidos. Além disso, a Turquia também financia o Exército Livre da Síria, mas luta abertamente contra o Exército curdo (os curdos são uma minoria perseguida na Turquia). Outros países que atuam no conflito são Arábia Saudita, Reino Unido, França etc.

Recentemente, em virtude do ataque americano contra a base aérea do governo sírio na cidade de Homs, as relações entre Rússia e Estados Unidos ficaram abaladas. A Rússia e o Irã manifestaram sua insatisfação ao ataque feito pelos Estados Unidos ao governo sírio (aliado russo).

Os Estados Unidos realizaram essa intervenção porque atribuem a Bashar al-Assad o ataque químico que aconteceu em abril de 2017 contra a cidade de Khan Sheikhoun. As armas químicas usadas em Khan Sheikhoun resultaram em 86 mortes pelo altamente tóxico gás sarin.

Conclusão

Não há previsão de quando a guerra civil síria chegará ao fim. Em virtude da alta complexidade dos grupos que lutam entre si e da alta interferência estrangeira na região, o conflito segue sendo alimentado. Além disso, a existência do Estado Islâmico deu uma nova dimensão ao conflito.

A guerra que se estende por seis anos e já resultou em 470 mil mortes gerou uma crise internacional de refugiados. Estima-se que mais de 11 milhões de sírios sejam refugiados e que aproximadamente 5 milhões estejam fora do país. Após seis anos de conflito, a população civil é quem mais sofre, principalmente as crianças.

Atribuem-se crimes de guerra a todas as partes do conflito, como genocídios de civis, além de dois ataques com armas químicas. A guerra resultou na destruição de grande parte do acervo histórico existente no país, principalmente pela ação do Estado Islâmico.

*Créditos da imagem: Art Production e Shutterstock 

Por Daniel Neves
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Guerra Civil na Síria"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/geografia/conflito-na-siria-primavera-que-nao-consegue-se-estabelecer.htm>. Acesso em 19 de setembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA