Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Entalpia

Química

Entalpia é uma ferramenta termodinâmica para se calcular o calor envolvido em processos que ocorrem em pressão constante, como as reações químicas.
Toda combustão (queima) gera energia na forma de calor, mas quanto? A entalpia serve para responder a essa questão.
Toda combustão (queima) gera energia na forma de calor, mas quanto? A entalpia serve para responder a essa questão.
PUBLICIDADE

A entalpia é uma função termodinâmica pela qual se calcula o calor envolvido em processos isobáricos, ou seja, que se mantêm com pressão constante. Seu desenvolvimento ocorreu logo após a queda da teoria do calórico, com o avanço da termodinâmica entre os anos de 1840 e 1850.

A entalpia, para a química, não possui muito significado se for trabalhada como um valor absoluto e isolado, mas tem quando se considera a variação de seu valor em um processo químico. Existem diversas formas de se calcular a variação de entalpia de um processo, sendo as principais por meio das energias de formação, ligação e também pela lei de Hess.

Leia também: O que é energia livre de Gibbs?

Resumo sobre entalpia

  • A entalpia é uma ferramenta termodinâmica para o cálculo do calor envolvido em processos que ocorrem à pressão constante.

  • Foi definida pelo físico americano Josiah W. Gibbs, no contexto da queda da teoria do calórico.

  • Em química, sempre utilizamos a variação de entalpia, representada como ΔH.

  • Reações químicas que absorvem calor são chamadas de endotérmicas e possuem ΔH > 0.

  • Reações químicas que liberam calor são chamadas de exotérmicas e possuem ΔH < 0.

Videoaula sobre entalpia

O que é entalpia?

A entalpia, representada sempre por H, foi inicialmente definida pelo físico americano Josiah Willard Gibbs, o qual a denominou como função calor à pressão constante, uma vez que, nas suas palavras:

“[…] a diminuição da função representa, em todos os casos em que a pressão não varia, o calor cedido pelo sistema.”

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Do trabalho de Gibbs, então, podemos entender a entalpia como uma função termodinâmica cuja variação é numericamente igual à quantidade de calor trocado no sistema, à pressão constante. Isso quer dizer que, em processos isobáricos (como a maioria dos processos químicos), sabendo-se calcular a variação da função entalpia, pode-se então saber o valor do calor trocado entre sistema e vizinhança.

Imagem retratando Josiah Willard Gibbs (1839-1903).
Imagem retratando Josiah Willard Gibbs (1839-1903).

Tal correlação com o calor faz com que muitos estudantes pensem, erroneamente, que a entalpia é sinônimo de calor ou algo como conteúdo de energia, conteúdo de calor, calor liberado e calor absorvido, e similares.

A entalpia surgiu no contexto da derrocada da teoria do calórico, a qual tratava o calor como uma substância material imponderável que se transferia de corpos mais quentes para corpos mais frios. Assim, surgiu-se a necessidade de se ter uma nova ferramenta para o cálculo do calor. A solução, então, foi utilizar-se de grandezas que já tinham equações termodinâmicas definidas, como a entalpia.

Leia também: Como calcular a variação de entalpia de solução?

Variação de entalpia

Já que a entalpia é uma ferramenta utilizada para o cálculo do calor trocado em um processo químico, não faz sentido a sua utilização como um número absoluto, isolado, mas sim considerando sua variação, ou seja, na prática, só devemos avaliar quanto, numericamente, variou a entalpia durante o processo químico, uma vez que a termodinâmica nos garante que sua variação é numericamente igual ao calor liberado ou absorvido no processo.

A rigor, podemos definir a variação de entalpia como:

ΔH = Hfinal – Hinicial

Como em processos químicos, a etapa final pode ser considerada os produtos e a etapa inicial pode ser considerada os reagentes. Também é comum ver a definição da variação de entalpia como:

ΔH = Hprodutos – Hreagentes

Do ponto de vista prático e interpretativo, se a variação de entalpia for positiva (ΔH > 0), nós dizemos que a reação química é endotérmica, ou seja, há absorção de calor ao longo do processo. Já se a variação de entalpia for negativa (ΔH < 0), nós dizemos que a reação química é exotérmica, ou seja, há liberação de calor ao longo do processo.

A variação de entalpia, em muitos casos, é observada em gráficos, como mostram os exemplos a seguir.

Exemplo 1:

Gráfico de reação endotérmica

Nos gráficos de entalpia para reações endotérmicas, percebe-se que a quantidade de entalpia dos produtos é maior que a dos reagentes, indicando que a variação ao longo da reação é positiva. Assim, sendo ΔH > 0, podemos dizer que o processo químico ocorreu com absorção de calor.

Gráfico ilustrando de forma geral uma reação endotérmica.

Exemplo 2:

Gráfico de reação exotérmica:

Nos gráficos de entalpia para reações exotérmicas, percebe-se que a quantidade de entalpia dos produtos é menor que a dos reagentes, indicando que a variação ao longo da reação é negativa. Assim, sendo ΔH < 0, podemos dizer que o processo químico ocorreu com liberação de calor.

Gráfico ilustrando de forma geral uma reação exotérmica.

Leia mais sobre essas classificações das reações químicas no texto: Processos endotérmicos e exotérmicos.

Tipos de entalpia

  1. Entalpia de formação

A entalpia de formação é calculada com base nas reações químicas de formação, que são reações em que um mol de substâncias compostas é formado de suas substâncias simples mais estáveis à temperatura ambiente e 1 atmosfera de pressão.

H2(g) + ½ O2 (g) → H2O (l) ΔH°f = -286 kJ/mol

A grande vantagem da entalpia de formação é que as substâncias simples mais estáveis à temperatura ambiente e 1 atmosfera de pressão possuem entalpia convencionadas como zero. Isso não quer dizer que de fato são zero, mas, para simplificação e melhor classificação, são tratadas assim.

Sendo ΔH = Hprodutos – Hreagentes, se considerarmos, então, que Hreagentes = 0, podemos afirmar que o valor de ΔH observado é apenas referente aos produtos, que, nesses casos, são sempre um mol da substância composta. Por isso, tabelamos esse valor como a variação de entalpia-padrão de formação da água, representada por ΔH°f.

Foi com essa metodologia que diversas substâncias tiveram suas variações de entalpia-padrão de formação tabeladas, como podemos ver a seguir.

Substância

Entalpia de formação (ΔH°f) em kJ/mol

CO2 (g)

-393,4

CaO (s)

-634,9

HI (g)

+25,9

NO (g)

+90,1

  1. Entalpia de ligação

A entalpia de ligação serve para indicar a quantidade de energia envolvida na ruptura ou na formação de um mol de determinada ligação química.

Entende-se que, para se romper uma ligação química, faz-se necessário absorver calor, de modo que os átomos da ligação aumentem sua energia interna e, consequentemente, aumentem sua energia cinética. Com maior energia cinética, os átomos vibram com mais intensidade, causando o rompimento das ligações. Assim, todo rompimento de ligação é um processo endotérmico.

Do contrário, para se formar uma ligação química, os átomos perdem liberdade de movimento e precisam diminuir seu grau de movimentação, diminuindo sua energia cinética. A energia sobressalente é então liberada na forma de calor. Assim, toda formação de ligação é um processo exotérmico.

A tabela abaixo mostra valores das energias associadas a cada ligação química.

Ligação

Energia de ligação (kJ/mol)

C―H

412,9

C―C

347,8

O═O

497,8

F―F

154,6

N≡N

943,8

Perceba que não existem sinais nos valores, estando eles em módulo. Isso porque o sinal deve ser atribuído por você, dependendo se a ligação for rompida ou formada.

  1. Entalpia de combustão

A entalpia de combustão serve para indicar a quantidade de calor liberado na combustão de um mol de uma substância. Deve-se salientar que toda reação de combustão é exotérmica, pois toda queima libera calor.

CH4 (g) + 2 O2 (g) → CO2 (g) + 2 H2O ΔH°C = -889,5 kJ/mol

A tabela abaixo mostra valores de entalpia de combustão para algumas substâncias químicas.

Substância

Entalpia de combustão (ΔH°C) em kJ/mol

Etanol – C2H5OH (l)

-1368

Benzeno – C6H6 (l)

-3268

Octano – C8H18 (l)

-5471

Glicose – C6H12O6 (s)

-2808

  1. Entalpia de mudança de estado físico

Toda mudança de estado físico envolve troca de calor. Sendo assim, a entalpia de mudança de estado físico serve para indicar a quantidade de calor envolvido nos processos de mudança de estado físico.

Por exemplo, temos a vaporização da água:

H2O (l) → H2O (g) ΔH = +44 kJ/mol

Já na fusão da água, temos:

H2O (s) → H2O (l) ΔH = +7,3 kJ/mol

Os valores de entalpia são simétricos para os processos inversos, o que quer dizer que, por exemplo, a variação de entalpia na liquefação da água é -44 kJ/mol, enquanto, na sua solidificação, ela é igual a -7,3 kJ/mol.

Leia também: O que é entropia?

Exercícios resolvidos sobre entalpia

Questão 1 - (UERJ 2018) A capacidade poluidora de um hidrocarboneto usado como combustível é determinada pela razão entre a energia liberada e a quantidade de CO2 formada em sua combustão completa. Quanto maior a razão, menor a capacidade poluidora. A tabela abaixo apresenta a entalpia-padrão de combustão de quatro hidrocarbonetos.

Tabela apresentando a entalpia-padrão de combustão do octano, hexano, benzeno e pentano.

A partir da tabela, o hidrocarboneto com a menor capacidade poluidora é:

  1. Octano

  2. Hexano

  3. Benzeno

  4. Pentano

Resolução

Alternativa D

A questão indica que a capacidade poluidora é definida como sendo a razão (quociente) entre a energia liberada e a quantidade de CO2 formada em sua combustão completa. Quanto maior a razão, menor a capacidade poluidora, ou seja, mais energia é liberada por mol de CO2 gerado.

As reações de combustão completas dos hidrocarbonetos citados são:

Octano: C8H18 + 25/2 O2 → 8 CO2 + 9 H2O Razão: 5440/8 = 680

Hexano: C6H14 + 19/2 O2 → 6 CO2 + 7 H2O Razão: 4140/6 = 690

Benzeno: C6H6 + 15/2 O2 → 6 CO2 + 3 H2O Razão: 3270/6 = 545

Pentano: C5H12 + 8 O2 → 5 CO2 + 6 H2O Razão: 3510/5 = 702

Dessa forma, podemos concluir que o pentano é o hidrocarboneto de menor capacidade poluidora.

Questão 2 - (Enem 2015) O aproveitamento de resíduos florestais vem se tornando cada dia mais atrativo, pois eles são uma fonte renovável de energia. A figura representa a queima de um bio-óleo extraído do resíduo de madeira, sendo ΔH1 a variação de entalpia devido à queima de 1 g desse bio-óleo, resultando em gás carbônico e água líquida, e ΔH2 a variação de entalpia envolvida na conversão de 1 g de água no estado gasoso para o estado líquido.

Gráfico representando a queima de um bio-óleo com sua variação de entalpia por grama e os produtos da reação.

A variação de entalpia, em kJ, para a queima de 5 g desse bio-óleo, resultando em CO2 (gasoso) e H2O (gasoso), é:

A) -106

B) -94

C) -82

D) -21,2

E) -16,4

Resolução

Alternativa C

Pelo gráfico apresentado, temos ΔH1 como sendo a variação de entalpia da queima do bio-óleo, produzindo CO2 (g) e H2O (l) e ΔH2 como sendo a variação de entalpia da liquefação da água, uma vez que o CO2 se mantém gasoso e apenas o estado físico da água se altera (de gasoso para líquido).

O exercício pede a variação de entalpia da queima de 5 g do bio-óleo, resultando em CO2 (gasoso) e H2O (gasoso). Pelo diagrama, essa variação de entalpia pode ser definida como ΔH = ΔH1 – ΔH2. Assim, o valor de ΔH será igual a -16,4 kJ/g. Essa variação, como podemos perceber na unidade, é para CADA grama do bio-óleo. Para 5 gramas, devemos fazer a proporção:

1 g do bio-óleo ------------- -16,4 kJ

5 g do bio-óleo ------------- x

1 . x = 5 . (-16,4)

x = -82 kJ

Podemos, então, marcar a alternativa C.

 

Por Stéfano Araújo Novais
Professor de Química

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

NOVAIS, Stéfano Araújo. "Entalpia"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/entalpia.htm. Acesso em 02 de agosto de 2021.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(UFSM-RS) Considere o seguinte gráfico:

Gráfico de variação de entalpia de uma reação genérica

De acordo com o gráfico acima, indique a opção que completa, respectivamente, as lacunas da frase a seguir:
A variação da entalpia,>ΔH, é ........; a reação é .......... porque se processa ............... calor.”
a) positiva, exotérmica, liberando
b) positiva, endotérmica, absorvendo
c) negativa, endotérmica, absorvendo
d) negativa, exotérmica, liberando
e) negativa, exotérmica, absorvendo

Questão 2

(Fuvest-SP) Quando 0,500 mol de etanol líquido sofre combustão total sob pressão constante, produzindo CO2 e H2O gasosos, a energia liberada é de 148 kcal. Na combustão de 3,00 mol de etanol, nas mesmas condições, a entalpia dos produtos, em relação à dos reagentes, é:

a) 74 kcal menor.

b) 444 kcal maior.

c) 444 kcal menor.

d) 888 kcal maior.

e) 888 kcal menor.

Resolução da questã

Mais Questões
Artigos Relacionados
Aprenda a realizar o cálculo da entalpia de uma reação por meio de uma fórmula simples!
Verifique como a energia livre de Gibbs pode ser usada para prever se um processo é espontâneo ou não.
Em Termoquímica, costuma-se relacionar o tipo de variação de entalpia de uma reação com o fenômeno químico envolvido. Veja como isso ocorre no caso da entalpia de combustão.
Entenda do que se trata a entalpia de neutralização estudada na termoquímica.
Entenda o que é a entalpia-padrão estudada em Termoquímica e como ela pode ser usada para se descobrir as entalpias desconhecidas de outras substâncias.
Veja como identificar, interpretar e escrever equações termoquímicas para representar reações que envolvem trocas de calor.
Clique e aprenda a diferenciar um processo endotérmico de um processo exotérmico por meio de exemplos práticos do cotidiano.
Termoquímica, Entalpia, calor liberado, reação exotérmica, reação de combustão, ambiente externo, reação endotérmica, reação química, troca de energia, reagentes, emissão de luz, absorção de luz, calor, eletricidade, componentes, estado físico, produtos.
Nas reações exotérmicas há liberação de calor, por isso a entalpia dos reagentes é maior que a entalpia dos produtos, sendo a variação da entalpia negativa.
A variação de entalpia de solução será exotérmica se a soma da entalpia reticular com a entalpia de hidratação der negativa; e será endotérmica, se der positiva.