Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Animais peçonhentos

Animais peçonhentos são animais que produzem substâncias tóxicas e que, diferentemente dos animais venenosos, possuem uma estrutura capaz de inocular seu veneno.

Abelha picando a pele e injetando suas toxinas, uma capacidade dos animais peçonhentos.
A abelha é um animal peçonhento que possui um ferrão para injetar o seu veneno.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Animais peçonhentos são animais que são capazes de produzir substâncias tóxicas e injetá-las em suas vítimas através de estruturas especializadas, como ferrões e dentes. Nesse grupo estão incluídos animais como serpentes, aranhas, escorpiões, abelhas, lacraias, maribondos, vespas, arraias e outros. Animais venenosos se diferenciam de animais peçonhentos, pois não apresentam mecanismos capazes de injetar o veneno que produzem. Esse é o caso do peixe chamado baiacu.

Acidentes com animais peçonhentos são relativamente comuns e podem até mesmo causar a morte, portanto é necessária a adoção de medidas de proteção contra esses acidentes e procurar um médico caso ocorram.

Leia também: Instituto Butantanresponsável por produzir vacinas e soros antipeçonhentos no Brasil

Tópicos deste artigo

Resumo sobre animais peçonhentos

  • Animais peçonhentos produzem substâncias que são usadas para defesa e captura de suas presas.

  • Possuem, diferentemente de animais venenosos, estruturas especializadas para injetar o veneno que produzem.

  • Animais venenosos liberam suas secreções de maneira passiva.

  • Algumas espécies de aranhas e de serpentes são consideradas peçonhentas.

  • Acidentes com animais peçonhentos podem ser fatais.

  • Manter os quintais limpos, não colocar a mão em sob entulhos e troncos, inspecionar os calçados antes de calçá-los e não mexer em colmeias e vespeiros são medidas simples que podem evitar acidentes com animais peçonhentos.

O que são animais peçonhentos?

Animais peçonhentos são animais que possuem estruturas especializadas, como espinhos, dentes e ferrões, para injetarem as substâncias tóxicas que produzem. A substância tóxica produzida por esses animais é utilizada com a finalidade de ajudar na captura das presas e até mesmo para evitar ataque de predadores.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Animais peçonhentos ou venenosos?

Animais peçonhentos e venenosos possuem em comum o fato de serem capazes de produzir substâncias tóxicas que são usadas para atacar suas presas ou se defender de predadores. O que diferencia esses animais é a forma como essa substância tóxica é liberada.

Em animais peçonhentos, como salientado anteriormente, existem estruturas, como ferrões e dentes, que são usados para injetar a secreção produzida na sua vítima. Os animais venenosos, por sua vez, não possuem tais estruturas, e suas secreções são liberadas de maneira passiva, quando a vítima toca ou ingere o animal, por exemplo.

É o caso do peixe baiacu, que possui uma neurotoxina em sua pele que é mais mortal que o cianeto. Ingerir a carne desse animal pode ser fatal.

Vista frontal de um baiacu nadando, um tipo de peixe venenoso que não é um animal peçonhento.
O baiacu é um animal venenoso.

Exemplos de animais peçonhentos

Existem várias espécies de animais peçonhentos em todo o mundo, os quais fazem parte dos mais diferentes grupos de animais.

Dentre os vertebrados, podemos citar:

  • serpentes, como a cascavel e a jararaca;

  • alguns peixes, como a arraia e o bagre.

Cascavel em posição de bote, cercada por grandes folhas, um tipo de animal peçonhento.
A cascavel é um exemplo de serpente peçonhenta.

Dentre os invertebrados, podemos citar:

Veja também: Serpentes peçonhentas brasileiras

Acidentes com animais peçonhentos

Acidentes com animais peçonhentos são responsáveis por vários atendimentos médicos todos os anos. Dentre os mais comuns, podemos destacar os acidentes com serpentes, aranhas e águas-vivas. Os sintomas estão diretamente relacionados com a espécie envolvida. O Ministério da Saúde destaca, no entanto, que alguns sintomas merecem atenção.

Os sintomas abaixo podem indicar sinais de gravidade do quadro, como:

Como evitar acidentes com animais peçonhentos?

Alguns acidentes com animais peçonhentos podem ser evitados com a adoção de medidas simples, como evitar colocar a mão em buracos, madeira e entulhos, evitar folhagens densas junto às casas, não mexer em colmeias e vespeiros, manter a casa e os quintais sempre limpos, limpar caixas de gordura e ralos, manter a grama aparada e nunca fazer atividades de jardinagem ou rurais sem usar proteção, como luvas e calçados.

Homem inspecionando calçado antes de calçá-lo, a fim de evitar acidente com animais peçonhentos.
Inspecionar os sapatos antes de calçá-los é uma forma de prevenir acidentes com animais peçonhentos.

Além disso, limpar atrás de móveis, cortinas e quadros, afastar camas das paredes, olhar e sacudir roupas e calçados antes de usá-los e vedar forros, frestas em paredes e assoalhos são medidas que podem evitar acidentes, uma vez que vários desses animais são capazes de se esconder em nossas casas.

Saiba mais: O que é e como funciona o soro antipeçonhento?

Tratamento dos acidentes com animais peçonhentos

Cada acidente recebe um tratamento específico, sendo fundamental, portanto, que ao chegar ao serviço de saúde seja descrito detalhadamente o animal que causou o acidente. Quando possível, é recomendado que o animal seja levado para a identificação.

  • Em caso de acidentes com serpentes, recomenda-se manter o paciente calmo, lavar a região com água e sabão e procurar o hospital mais próximo. Fazer torniquetes, sucção e incisões são medidas não recomendadas. A aplicação de receitas caseiras, como pó de café, também é desaconselhada. No hospital, poderá ser feita a administração de soro antiofídico.

  • Em caso de acidentes com aranhas, recomenda-se também a limpeza do local e que torniquetes, sucções e incisões não sejam feitas. Algumas aranhas, como a armadeira e a marrom, são muito perigosas, e, em algumas situações, torna-se necessária a administração de soro antiaracnídico.

  • Em caso de acidentes com escorpiões, assim como com aranhas e serpentes, torniquetes, sucção e incisões não devem ser realizados. A utilização de soro poderá ser feita nesses casos.

  • Em caso de acidentes com águas-vivas, não deve ser feita a lavagem do local com água doce, pois esta pode provocar a liberação de mais toxinas. Nesse caso, recomenda-se lavar o local várias vezes com água do mar e realizar compressas para aliviar a dor usando água fria do mar.

  • Em caso de acidentes com abelhas, deve-se lavar o local com água fria e retirar o ferrão da abelha tomando cuidado para não pressioná-lo e fazer com que mais veneno seja injetado. Pacientes alérgicos e que sofreram várias picadas devem procurar ajuda médica imediatamente.

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Animais peçonhentos"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/animais-peconhentos.htm. Acesso em 18 de maio de 2024.

De estudante para estudante