Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Função injetora

A função é considerada injetora quando dois elementos distintos quaisquer do domínio são transformados em elementos distintos no contradomínio.

Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

 A função injetora, conhecida também como função injetiva, é um caso particular de função. Para que uma função seja considerada injetora, temos que ter a seguinte ocorrência: dados dois elementos, x1 e x2, pertencentes ao conjunto do domínio, com x1 diferente de x2, as imagens f(x1) e f(x2) são sempre distintas, ou seja, f(x1) ≠ f(x2). Essa função possui características específicas que possibilitam a identificação do seu gráfico e também a análise da lei de formação.

Leia também: Domínio, contradomínio e imagem – termos básicos para compreensão do conteúdo de funções

Tópicos deste artigo

O que é função injetora?

Para construir alguns exemplos de função injetora, é importante compreender a definição desse tipo de função. Uma função f: A → B é classificada como injetora se, e somente se, elementos diferentes do conjunto A possuem imagens diferentes no conjunto B, ou seja:

Exemplo 1:

Veja a seguir um exemplo de função injetora no diagrama de Venn:

Função injetora
Função injetora

Exemplo 2:

Veja a seguir um exemplo de função não injetora. Note que, no conjunto A, existem dois elementos distintos que possuem a mesma imagem no conjunto B, o que contradiz a definição de função injetora.

Função não injetora
Função não injetora

Como calcular uma função injetora?

Para verificar se uma função é injetora ou não, é necessário analisar o comportamento da lei de formação e também o domínio e o contradomínio em que a função está definida.

Exemplo:

Dada a função f: R → R, com a lei de formação f(x) = 2x, verifique se ela é injetora.

Pela lei de formação, podemos observar que ela pega um número real do domínio e o transforma em seu dobro. Dois números reais distintos, ao serem multiplicados por dois, geram resultados distintos. A função f, como podemos observar, é uma função injetora, pois, para quaisquer dois valores de x1 e x2, o valor de f(x1) ≠ f(x2).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Exemplo 2:

Dada a função f: R → R, com lei de formação f(x) = x², verifique se ela é injetora.

Podemos observar que, para esse domínio, essa função não é injetora, pois temos que a imagem de um número qualquer é igual à imagem do seu oposto, por exemplo:

f( 2) = 2² = 4
f( -2 ) = (– 2) ² = 4

Note que f(2) = f ( – 2), o que contradiz a definição de uma função injetora.

Exemplo 3:

Dada a função f: R+ → R, com lei de formação f(x) = x², verifique se ela é injetora.

Note que agora o domínio são os números reais positivos e o zero. A função transforma o número real em seu quadrado; nesse caso, quando o domínio é o conjunto dos números reais positivos, essa função é injetora, pois o quadrado de dois números positivos distintos sempre vai gerar resultados distintos. Então, é muito importante lembrar que, além da lei de formação da função, precisamos analisar o seu domínio e contradomínio.

Leia também: O que é uma função inversa?

Gráfico de funções injetoras

Para identificar se o gráfico é de uma função injetora ou não, basta checar se existem dois valores de x distintos que geram o mesmo correspondente em y, ou seja, verificar a validade da definição de função injetora.

No intervalo em que vamos observar o gráfico, a função tem que ser exclusivamente crescente ou exclusivamente decrescente. Gráficos como a parábola ou o da função seno não são gráficos de funções injetoras.

Exemplo 1:

Gráfico de uma reta crescente.
Gráfico de uma reta crescente.

A reta crescente é o gráfico de uma função injetora. Perceba que ele é sempre crescente e que não existe valor de y que tenha dois correspondentes distintos.

Exemplo 2:

Gráfico de uma função exponencial.
Gráfico de uma função exponencial.

O gráfico de uma função exponencial também é o gráfico de uma função injetora.

Exemplo 3:

Gráfico de uma função quadrática.
Gráfico de uma função quadrática.

O gráfico de uma função quadrática é sempre uma parábola. Quando o domínio envolve os números reais, é possível perceber que existem valores de x distintos que têm o mesmo correspondente em y, como nos pontos F e G, o que faz com que esse gráfico seja de uma função que não é injetora.

Em resumo, para saber se o gráfico é ou não de uma função injetora, basta checar se a definição de função injetora vale ou não para essa função.

A função injetora apresenta características particulares.
A função injetora apresenta características particulares.

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (Enem 2017 – PPL) No primeiro ano do ensino médio de uma escola, é hábito os alunos dançarem quadrilha na festa junina. Neste ano, há 12 meninas e 13 meninos na turma, e para a quadrilha foram formados 12 pares distintos, compostos por uma menina e um menino. Considere que as meninas sejam os elementos que compõem o conjunto A e os meninos, o conjunto B, de modo que os pares formados representem uma função f de A em B.

Com base nessas informações, a classificação do tipo de função que está presente nessa relação é

A) f é injetora, pois para cada menina pertencente ao conjunto A está associado um menino diferente pertencente ao conjunto B.

B) f é sobrejetora, pois cada par é formado por uma menina pertencente ao conjunto A e um menino pertencente ao conjunto B, sobrando um menino sem formar par.

C) f é injetora, pois duas meninas quaisquer pertencentes ao conjunto A formam par com um mesmo menino pertencente ao conjunto B, para envolver a totalidade de alunos da turma.

D) f é bijetora, pois dois meninos quaisquer pertencentes ao conjunto B formam par com uma mesma menina pertencente ao conjunto A.

E) f é sobrejetora, pois basta que uma menina do conjunto A forme par com dois meninos pertencentes ao conjunto B, assim nenhum menino ficará sem par.

Resolução

Alternativa A.

Essa função é injetora, pois, para cada elemento do conjunto A, existe um único correspondente no conjunto B. Note que não há a possibilidade de duas meninas dançarem com o mesmo par, logo essa relação é injetora.

Questão 2 – (IME - RJ) Considere os conjuntos A = {(1,2), (1,3), (2,3)} e B = {1, 2, 3, 4, 5}, e seja a função f: A → B tal que f (x,y) = x + y.

É possível afirmar que f é uma função:

A) injetora.

B) sobrejetora.

C) bijetora.

D) par.

E) ímpar.

Resolução

Alternativa A.

Analisando o domínio, temos que:

f(1,2) = 1 + 2 = 3
f(1,3) = 1 + 3 = 4
f(2,3) = 2 + 3 = 5

Note que, para quaisquer dois termos distintos do domínio, eles estão relacionados a termos distintos no contradomínio, o que torna essa função injetora. 

 

Por Raul Rodrigues de Oliveira
Professor de Matemática

Escritor do artigo
Escrito por: Raul Rodrigues de Oliveira Graduado em Matemática pela Universidade Federal de Goiás. Atua como professor do programa PIC Jr. (OBMEP) e como professor preceptor do programa Residência Pedagógica. Também é professor concursado da Seduc-GO, gestor escolar e produtor de conteúdo didático.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

OLIVEIRA, Raul Rodrigues de. "Função injetora"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/matematica/funcao-injetora.htm. Acesso em 24 de maio de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

Dada a função \(\mathbb{R}\rightarrow\mathbb{R}\) com lei de formação \(f\left(x\right)=2x+1\), podemos afirmar que essa função é:

A) uma função do 2º grau.

B)  uma função linear.

C)  uma função constante.

D)  uma função injetora.

E)  uma função exponencial.

Exercício 2

Há uma função f: A B que descreve o ganho de uma indústria em função da quantidade de peças produzidas e traduz a lei de oferta e demanda para aquele produto. O conjunto A é o total de peças produzidas no mês, e o conjunto B é o lucro obtido com aquela produção. Existem dois casos distintos para o ganho de R$ 10.000,00: quando são produzidas 20.000 peças e quando são produzidas 45.000. Analisando essa função, podemos afirmar que:

A) essa função é injetora, pois f (45.000) = 10.000,00 e f (20.000) = 10.0000.

B) essa função é injetora, pois o domínio é o conjunto dos números naturais.

C) essa função não é injetora, porque dois valores distintos possuem a mesma imagem.

D) essa função não é injetora, porque o contradomínio é o conjunto dos números reais positivos.

Artigos Relacionados


Coeficiente Linear de uma Função do 1º Grau

Determinação do coeficiente linear de uma função.
Matemática

Definição de Conjunto

Definição, representação e introdução à teoria dos conjuntos.
Matemática

Diferenças entre função e equação

Clique e conheça as principais diferenças entre função e equação e aprenda como esses dois conhecimentos relacionam-se na Matemática.
Matemática

Domínio, contradomínio e imagem

Clique e confira o que são os conjuntos domínio, contradomínio e imagem e entenda como se comportam seus elementos na função.
Matemática

Função constante

Aprenda o que é uma função constante e conheça a sua representação gráfica. Veja ainda sua lei de formação e exercícios sobre o tema.
Matemática

Gráfico de uma função

Você sabe como construir o gráfico de uma função? Clique aqui e veja os diferentes tipos de gráfico. Saiba como representar uma função no plano cartesiano.
Matemática

Introdução à Função

Estudos introdutórios envolvendo função.
Matemática

Números naturais

Aprenda quais são os números naturais e entenda o conceito de sucessão. Veja também a ideia de paridade de um número natural com exemplos.
Matemática

Passo a passo para construção do gráfico da função do segundo grau

Clique para aprender a construir o gráfico de uma função do segundo grau em apenas cinco passos.
Matemática

Propriedades de uma função

Função, Característica de função, Função sobrejetora, Função injetora, Função bijetora, Imagem de uma função, imagem, imagem de uma função, contra domínio, Contra domínio de uma função.
Matemática