Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Roraima

Geografia do Brasil

PUBLICIDADE

Roraima é um estado brasileiro localizado na região Norte do país. Ele abriga o ponto mais setentrional do território nacional, o monte Caburaí. Inserido no bioma Amazônia, tanto a cobertura vegetal quanto o clima apresentam variações de uma área do estado para a outra, diferenciando-se principalmente entre oeste e leste. Roraima é o estado menos populoso e menos povoado do Brasil.

Leia também: Amapá – estado da região Norte localizado nos hemisférios Norte e Sul

Dados gerais de Roraima

  • Região: Norte
  • Capital: Boa Vista
  • Governo: Antônio Oliverio Garcia de Almeida (2018-2022)
  • Área territorial: 223.644,527 km² (IBGE, 2019)
  • População: 631.181 habitantes (IBGE, 2020)
  • Densidade demográfica: 2,01 hab/km² (IBGE, 2010)
  • Fuso: GMT -4 horas (Horário Padrão do Amazonas)
  • Clima: predominantemente Tropical Úmido

Geografia de Roraima

O estado de Roraima fica no extremo norte do território brasileiro, compondo a região Norte do país. Faz fronteira, ao sul, com o Amazonas, em uma pequena faixa sudeste com o Pará; a leste e nordeste, com a Guiana; e a oeste e noroeste, com a Venezuela. Possui extensão territorial de 223.644,527 km² e se encontra na área de abrangência do bioma Amazônia.

Fica em Roraima o ponto mais setentrional, isto é, mais ao norte, do Brasil: o monte Caburaí, onde está a nascente do rio Ailã.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Clima de Roraima

A altitude e a continentalidade são os principais fatores climáticos atuantes em Roraima, o que proporciona variações do clima em diferentes áreas do estado. Dois tipos são predominantes:

  • o Tropical Úmido, ao leste;
  • o Equatorial, ao oeste do território.

No nordeste de Roraima, as temperaturas são mais amenas em decorrência das maiores altitudes. É a região com menor índice pluviométrico (1.500 mm anuais) e estação seca bem definida, que dura, em média, quatro meses.

Nas porções central e ocidental do estado, tanto a pluviosidade quanto a temperatura são maiores. As máximas podem atingir os 38 ºC, com exceção das áreas elevadas na fronteira com a Venezuela e na parcela norte da fronteira com a Guiana. As chuvas anuais podem ultrapassar os 2.500 mm em algumas áreas, e a estação seca tem curta duração.

  • Vegetação de Roraima

A cobertura vegetal de Roraima é bastante heterogênea e se divide em três grupos distintos. O primeiro corresponde às florestas, com a ocorrência de floresta ombrófila densa ao sul, característica da cobertura amazônica, e de floresta ombrófila aberta ao oeste.

A paisagem se transforma nas áreas centrais do estado, e a vegetação densa dá lugar aos campos gerais, conhecidos também como savanas ou lavrado roraimense. São marcados pela presença de espécies de portes variados, como buriti, caimbé, muricizeiros, paricaranas e gramíneas.

Ao norte, onde há maiores elevações, a cobertura vegetal é constituída por gramíneas e árvores mais espalhadas pelo terreno.

  • Relevo de Roraima

Com exceção do norte do estado, o relevo de Roraima é pouco acidentado e apresenta elevações médias que ficam entre os 200 m e 400 m. Próximo das suas fronteiras internacionais, o estado está inserido no planalto das Guianas, onde se encontram suas maiores elevações. O monte Roraima consiste no ponto de maior altitude do estado, com 2.875 metros.

As terras situadas no centro–sul do estado, em contrapartida, encontram-se no domínio das planícies e terras baixas da Amazônia, seguindo a classificação de Aziz Áb’Sáber.

  • Hidrografia de Roraima

A bacia hidrográfica do rio Branco é a principal do estado e abrange um total de 83% do seu território|1|. Além do Branco, que possui 563 km de extensão, outros 13 rios compõem a rede hidrográfica de Roraima: Água Boa do Univiní, Ailã, Ajarani, Alalaú, Catrimani, Cauamé, Itapará, Mucajaí, Surumu, Tacutu, Uraricoera, Urubu e Xeruini.

O monte Roraima, localizado na fronteira de Roraima com a Venezuela e a Guiana, é o ponto mais elevado do estado.
O monte Roraima, localizado na fronteira de Roraima com a Venezuela e a Guiana, é o ponto mais elevado do estado.

Demografia de Roraima

Roraima é o estado menos populoso do Brasil. Sua população atual é de 631.181 habitantes, de acordo com as estimativas do IBGE (2020). A unidade é também a menos povoada da federação, com densidade demográfica de 2,01 hab/km², conforme o último Censo (2010).

A taxa de urbanização do estado era 76,55% em 2010. O município com maior número de habitantes é a capital, Boa Vista, que conta atualmente com 419.652 pessoas ou 66,48% de toda a população roraimense. São Luiz é a cidade menos populosa de Roraima, com 8.110 habitantes (IBGE, 2020).

De acordo com o último Censo do IBGE, Roraima possui a segunda maior população indígena da região Norte, que era de 55.922 pessoas em 2010. Desses, 83,2% viviam em terras indígenas.

A expectativa de vida ao nascer era de 72,4 anos em 2019, e a taxa de mortalidade infantil do estado era de 16,7 a cada mil nascidos vivos no mesmo ano, a mesma registrada para o Amazonas.

Veja também: Qual a diferença entre população relativa e população absoluta?

Mapa de Roraima

Representação do estado de Roraima. Fonte: IBGE.
Representação do estado de Roraima. Fonte: IBGE.

Divisão geográfica de Roraima

O território de Roraima se divide em 15 municípios, que, até 2018, encontravam-se agrupados em quatro microrregiões pelo IBGE, as quais, por sua vez, integravam duas mesorregiões, listadas a seguir, com suas respectivas subdivisões:

  • Norte de Roraima:

→ Boa Vista;

→ Nordeste de Roraima.

  • Sul de Roraima:

→ Caracaraí;

→ Sudeste de Roraima.

Atualmente o IBGE divide o estado em duas regiões geográficas intermediárias: Boa Vista, ao norte, e Rorainópolis-Caracaraí, ao sul. Cada uma delas é subdividida em regiões imediatas: Boa Vista e Pacaraima, e Rorainópolis e Caracaraí, respectivamente.

Economia de Roraima

O Produto Interno Bruto (PIB) de Roraima foi de R$ 13 bilhões em 2018 e de R$ 14 bilhões no ano seguinte, mantendo-se como o mais baixo entre os estados brasileiros. O IDH, por sua vez, é o 13º no Brasil, com valor de 0,707.

O setor terciário é o que contribui com maior participação nesse valor, liderado pela administração pública. O comércio responde a 14% do PIB do estado.

O setor secundário responde por 11,1% do PIB de Roraima. A construção civil e os serviços de utilidade pública são os principais setores industriais do estado. Na sequência está a indústria de transformação e a indústria extrativa, destacando-se a madeireira e a mineração. A indústria roraimense se concentra na capital, Boa Vista, onde está instalado o distrito industrial.

A agropecuária de Roraima responde por 6% da economia. As principais culturas são soja, arroz, feijão, mandioca, milho, banana, café e cana-de-açúcar. O estado tem, ainda, expressiva produção de carne bovina, leite e ovos.

Monumento ao Garimpo em Boa Vista, capital roraimense.
Monumento ao Garimpo em Boa Vista, capital roraimense.

Governo de Roraima

A sede do governo de Roraima fica em Boa Vista. O estado é governado por Antonio Oliverio Garcia de Almeida (sem partido), e tem como vice-governador Frutuoso Lins (sem partido), eleitos em 2018 para exercerem mandato de quatro anos. Roraima é representado também por dois senadores federais, oito deputados federais e 24 deputados estaduais.

Acesse também: Qual é a função do vereador?

Bandeira de Roraima

Bandeira do estado de Roraima.
Bandeira do estado de Roraima.

Infraestrutura de Roraima

Uma das principais rodovias de Roraima é a BR-174, uma estrada federal que atravessa os estados do Mato Grosso, Amazonas, Roraima e faz ligação com a Venezuela. A BR-401 faz a conexão entre a capital, Boa Vista, e Normandia e Bonfim, municípios na fronteira com a Guiana. Outra importante rodovia que atravessa o território roraimense é a BR-432, além das estradas estaduais e municipais.

O fornecimento de energia elétrica constitui um dos gargalos infraestruturais de Roraima, o que afeta tanto a população quanto a economia do estado, principalmente a indústria. Roraima não faz parte do Sistema Interligado Nacional (SIN), e o suprimento energético é feito por meio das suas termoelétricas, da geração a diesel e da importação de energia da Venezuela, que durou até março de 2019|2|. Os consumidores enfrentam quedas na energia e longos períodos de espera até o restabelecimento do serviço.

Cultura de Roraima

A cultura roraimense é marcada por manifestações originárias dos diversos povos que compõem aquele território: indígenas, europeus, migrantes de outras regiões do Brasil e migrantes oriundos dos países vizinhos, como a Venezuela.

O artesanato se destaca pelas peças produzidas de sementes, palhas, buritis, raízes, entre outros materiais naturais. Essa atividade constitui uma fonte de renda para populações indígenas, e o seu trabalho tem certificado de origem.

Entre os festejos e as danças típicas, encontram-se o bumba-meu-boi, as festas juninas, como o Arraial Macuxi, e as coreografias dos Cangaceiros do Tianguá. Na gastronomia, alguns dos pratos típicos são a paçoca de banana, o creme de cupuaçu e a caldeirada de tucunaré. O vinho feito de buriti é uma das bebidas típicas do estado.

Leia também:  Patrimônio histórico cultural – produtos culturais de determinadas sociedades 

História de Roraima

Roraima era habitada pelas populações indígenas muito antes da chegada dos colonizadores. Estes disputaram o domínio das terras do extremo Norte do Brasil entre os séculos XVI e XVII, adentrando na área através do rio Branco. Ingleses, holandeses e portugueses tentaram se fixar na região, e os últimos conseguiram apenas no século XVIII.

Em 1775 foi construído o Forte São Joaquim, a nordeste de Boa Vista (que ainda não havia sido fundada na época), na tentativa de garantir o domínio português sobre a região e evitar o avanço dos estrangeiros, sobretudo espanhóis e holandeses. A cidade de Boa Vista foi fundada apenas em 1890.

No século seguinte, em 1943, ficou estabelecido o Território Federal do Rio Branco, que teve seu nome alterado para Território Federal de Roraima no início da década de 1960. Apenas com a Constituição Federal de 1988 é que Roraima foi elevado à categoria de estado.

Notas

|1| CARVALHO, Thiago Morato de. Síntese dos aspectos hidrogeomorfológicos do estado de Roraima, Brasil. In: Contribuições à Geologia da Amazônia, SBG – Núcleo Norte, Belém, vol. 9, pp. 435 – 450, 2015. (Clique aqui e acesse).

|2| Fora do sistema nacional, Roraima registra constantes quedas de energia em cidades do interior. G1 Roraima e Rede Amazônica, 01 dez. 2020. (Clique aqui e acesse).

Crédito da imagem

[1] Adiany Montelo / Shutterstock

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Listagem de Artigos