Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Conflito em Roraima

Geografia do Brasil

Polícias federais atuam na desocupação de Raposa Serra do Sol
Polícias federais atuam na desocupação de Raposa Serra do Sol
PUBLICIDADE

Roraima é palco de mais um foco de conflito produzido em virtude da luta pela terra no Brasil, dessa vez envolvendo índios e produtores de arroz.

O início da divergência ocorreu por volta de 1917, com a demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol, mais tarde, em 1977, a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) instituiu uma área para 194 aldeias dos troncos caribe e aruaque que deveriam ser distribuídas em 3.500 quilômetros quadrados. Embora não tenha sido implantada na prática.

A partir do pré-estabelecimento da demarcação, muitos agricultores se acomodaram em volta da reserva e desenvolveram principalmente o cultivo do arroz. O atual presidente do país, Luiz Inácio Lula da Silva, executou de forma rigorosa a demarcação, entretanto elevou significadamente a área da reserva de 3.500 quilômetros quadrados para 17.000 quilômetros quadrados.
Essa nova configuração abrange as fazendas instaladas em volta da reserva, uma vez que não foi respeitada a dimensão territorial original, diante disso os fazendeiros se encontram na condição de invasores. Grande maioria dos proprietários rurais atuam no cultivo do arroz, produto que responde por 6% do Pib total do Estado.

No dia 27 de agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) promoveu o começo do julgamento da demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol no qual foi deferida a causa aos índios.

Essa intervenção federal promove um desconforto entre indígenas e arrozeiros, por um lado os índios têm direito a uma reserva, mas existem proprietários cujas terras pertencem às suas famílias desde o século XIX, além disso, os mesmos deveriam ser indenizados pelas benfeitorias realizadas nas fazendas.

Um dos questionamentos feitos pelos fazendeiros é que houve um exagero no tamanho delimitado para a reserva, pois muitos índios não vivem tradicionalmente da caça e da pesca, pelo contrário, estão integrados no ritmo de vida dos brancos e com as facilidades do mundo moderno, como automóvel, falam português ao invés de sua língua nativa, compram em supermercados entre outros.

Para a resolução desse problema, o governo deve rever a demarcação e desvincular da área em questão as terras produtivas anteriormente ocupadas por fazendeiros, o foco da disputa responde por 1.000 quilômetros quadrados, extensão insignificante diante dos problemas que isso pode desencadear.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Eduardo de Freitas
Graduado em Geografia
Equipe Brasil Escola

Roraima - Geografia do Brasil - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FREITAS, Eduardo de. "Conflito em Roraima "; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/conflito-roraima.htm. Acesso em 17 de outubro de 2021.