Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Pernambuco

Geografia do Brasil

PUBLICIDADE

Pernambuco é um estado brasileiro localizado na Região Nordeste. Faz fronteira com cinco estados da mesma região: Alagoas e Bahia (sul), Piauí (oeste), Ceará (noroeste) e Paraíba (norte). Também é banhado pelo Oceano Atlântico, a leste. Sua sigla é PE.

Confira a seguir alguns dados selecionados de Pernambuco, estado que administra a ilha de Fernando de Noronha, conforme informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia também: Estados do Brasil — unidades federativas que possuem governos autônomos

Dados gerais do Pernambuco

  • Região: Nordeste do Brasil.
  • Capital: Recife.
  • Gentílico: pernambucano.
  • Governo: democrático representativo, com eleições periódicas.
  • Área territorial: 98.067,880 km² (IBGE, 2020).
  • População: 9.616.621 de habitantes (estimativa IBGE, 2020).
  • Densidade demográfica: 89,62 hab./km² (IBGE, 2010).
  • Fuso: - 3, ou seja, atrasado 3 horas em relação ao Meridiano de Greenwich, exceto em Fernando de Noronha, que segue o fuso GMT -2.
  • Clima: tropical úmido (litoral) e tropical semiárido (interior).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Geografia do Pernambuco

Pernambuco está localizado na Região Nordeste do Brasil e faz divisa com:

A leste, o estado é banhado pelo Oceano Atlântico, onde está localizada a ilha de Fernando de Noronha, que é administrada pelo governo pernambucano.

A localização de Noronha é bastante peculiar, pois abriga o primeiro fuso horário brasileiro, o GMT -2 (duas horas de atraso em relação ao Meridiano de Greenwich). A parte continental do estado obedece ao fuso GMT -3, que é o fuso oficial do país.

Mirante dos Dois Irmãos, em Fernando de Noronha, Pernambuco.
Mirante dos Dois Irmãos, em Fernando de Noronha, Pernambuco.

No litoral há a presença de planícies, o que favorece a ocupação e o desenvolvimento regional, área chamada de Zona da Mata. É no litoral que estão as principais zonas econômicas do estado, além das principais aglomerações urbanas.

o interior é marcado por relevos moderados, como o Planalto da Borborema, com altitudes que chegam a 800 m, e a Depressão Sertaneja, área de extrema aridez localizada no oeste do estado.

Devido ao relevo plano, o litoral concentra um clima tropical úmido, com chuvas periódicas e que variam entre 1500 mm e 2000 mm anuais. A proximidade com o oceano faz com que haja baixa amplitude térmica, com médias termais que variam entre 18 ºC e 25 ºC durante o ano.

No interior, o sertão se faz presente, e o clima semiárido dificulta a presença de chuvas, além de as temperaturas ultrapassarem os 25 ºC. Durante o ano, são comuns períodos longos de seca, uma vez que os índices pluviométricos não ultrapassam 600 mm por ano.

A Caatinga e a Mata Atlântica são os biomas mais comuns em Pernambuco. A primeira ocorre com mais frequência no interior, por ser uma vegetação adaptada ao clima quente e seco. Já a Mata Atlântica pode ser encontrada nas áreas litorâneas, no leste do estado.

Rios como o São Francisco, Capibaribe, Ipojuca e Jaboatão são os principais do estado, com destaque para o Velho Chico (Rio São Francisco), que é de extrema importância para as áreas interioranas do estado que praticam a fruticultura.

História do Pernambuco

Pernambuco foi, juntamente com a Bahia, uma das primeiras regiões do país a serem ocupadas e colonizadas por portugueses, no século XVI. Antes da chegada dos europeus, o território era ocupado por indígenas, como os tabajaras e os caetés.

Em 1501, no ano seguinte à chegada europeia, Pernambuco se tornou a principal área de exploração do pau-brasil, árvore nativa da Mata Atlântica e que era retirada e exportada para a Europa, servindo para fabricação de móveis, tingimento de tecidos, entre outros usos.

Na década de 1530, com a criação das capitanias hereditárias, o território pernambucano ficou a cargo de Duarte Coelho, que fundou Olinda e, posteriormente, Recife. Nesse momento da história do Brasil, Pernambuco, aos poucos, se tornava o grande expoente do cultivo de cana-de-açúcar, que se adaptou ao clima e solo da região.

A economia açucareira, baseada no latifúndio e no patriarcalismo, alavancou Pernambuco ao posto de capitania mais rica do período colonial no século XVII, sendo o principal produtor de açúcar do mundo naquela época. Nesse mesmo século, por volta de 1630, houve a invasão holandesa em Pernambuco, que durou 24 anos (1630-1654), sob o domínio de Maurício de Nassau. Esse governante modificou a paisagem recifense, fundando o Jardim Botânico e o Observatório Astronômico, por exemplo, além de construir Maurícia, considerada a primeira grande cidade da América Latina.

Após a expulsão dos holandeses, os portugueses se depararam, nos séculos seguintes, com revoltas populares que questionavam o domínio europeu na região, além das lutas dos escravos pela liberdade. O Quilombo dos Palmares, inclusive, estava localizado na capitania de Pernambuco. Revoltas como a Guerra dos Mascates (1710-11), a Revolução Pernambucana (1817), a Confederação do Equador (1824) e a Revolução Praieira (1848-1850) são alguns exemplos da insatisfação popular com o domínio português.

Veja também: Revolta dos Malês – a maior revolta de escravos africanos da história do Brasil

Mapa de Pernambuco

Fonte: IBGE.
Fonte: IBGE.

Demografia do Pernambuco

Segundo estimativas do IBGE de 2020, Pernambuco contava com uma população aproximada de 9,6 milhões de habitantes, distribuídos em 185 municípios. Esse quantitativo torna o estado o segundo mais populoso do Nordeste e o sétimo mais populoso do país.

Conhecer Pernambuco é conhecer a história brasileira, haja vista a contribuição significativa desse estado para a economia colonial e sua importância nas lutas populares brasileiras. Apesar de tal importância, o estado não apresenta bons índices sociais. Em 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Pernambuco era de 0,673.

Grande parte da população pernambucana está concentrada na região litorânea, em especial na chamada Zona da Mata. De acordo com estimativas de 2020 do IBGE, as cidades mais populosas são: Recife (1.653.461 pessoas), Jaboatão dos Guararapes (706.867 pessoas), Olinda (393.115 pessoas) e Caruaru (365.278 pessoas).

Vista aérea de Recife, capital de Pernambuco. [1]
Vista aérea de Recife, capital de Pernambuco. [1]

Na distribuição populacional, Pernambuco segue o padrão brasileiro, com maioria da população feminina (52,2%). Pardos também são a maioria (cerca de 59%), seguidos de brancos (cerca de 34%), negros (cerca de 6%) e indígenas (cerca de 1%).

Leia também: Envelhecimento populacional – fenômeno resultante da baixa taxa de natalidade

Divisão geográfica do Pernambuco

O estado de Pernambuco está dividido em 185 municípios. Segundo a divisão regional do Brasil em regiões intermediárias, proposta pelo IBGE, em 2017, o estado conta com quatro regiões geográficas intermediárias: Petrolina, Serra Talhada, Caruaru e Recife. Observe-as no mapa a seguir.

Fonte: IBGE.
Fonte: IBGE.

Economia do Pernambuco

A economia pernambucana, ao longo da história brasileira, tinha nas atividades primárias a sua principal composição. A cana-de-açúcar foi a principal matéria-prima cultivada e exportada no estado até meados do século XVIII, tornando o território pernambucano uma das regiões mais ricas do país até então.

Contudo, ao longo do último século, a economia diversificou-se, expandindo-se para os outros setores da economia (secundário e terciário). Pernambuco ainda permanece como um grande produtor agrícola, em especial no setor de frutas (acerola, goiaba, uva, manga e coco), no Vale do São Francisco, e no cultivo da cana, apesar de não ser o maior produtor nacional desse produto.

Destaca-se também a produção de frangos, que conta com um rebanho de aproximadamente 47 milhões de cabeças, estando entre as 10 maiores do Brasil. Rebanhos ovinos, caprinos e bovinos também são criados em Pernambuco, mas com pouca expressividade no cenário nacional.

No campo industrial, portos e complexos industriais dinamizam a economia regional, como o Porto de Suape, no litoral sul, e o Estaleiro Atlântico Sul, que é o maior estaleiro da América do Sul.

A economia de Pernambuco busca modernização, como pode ser visto na criação do Porto Digital, em Recife. Esse porto é um dos principais parques de tecnologia do país, com empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Economia Criativa (EC), além de games, softwares, fotografia, designs etc. Segundo dados do próprio Porto Digital, em 2019, o faturamento das 330 empresas que lá estão chegou a mais de R$ 2,3 bilhões, gerando emprego e renda para 11 mil pessoas.

Porto de Galinhas, em Ipojuca, Pernambuco. [1]
Porto de Galinhas, em Ipojuca, Pernambuco. [1]

Destaca-se também o turismo, marca forte de Pernambuco, devido ao seu belo litoral, com praias e paisagens paradisíacas, além de cidades ricas em cultura e história, como Caruaru e Olinda. Em relação às praias, Ipojuca, Recife e Fernando de Noronha são as regiões mais visitadas por turistas de todos os cantos do mundo.

Governo do Pernambuco

O governo pernambucano é exercido pelo governador do estado, chefe do Executivo local, eleito em eleições periódicas, as quais são realizadas de quatro em quatro anos. A sede do governo do estado se encontra no Palácio Campo das Princesas, em Recife.

A construção desse palácio data do século XIX, em meados de 1840. Seu nome é uma alusão à hospedagem de D. Pedro II, juntamente com sua esposa e filhas, em 1859. Na época, o palácio sofreu uma reforma para hospedar o imperador do Brasil e foi apelidado com o nome pelo qual é conhecido atualmente.

Bandeira de Pernambuco

Infraestrutura do Pernambuco

Pernambuco conta com o segundo mais movimentado aeroporto do Nordeste, o Aeroporto Internacional de Recife/Guararapes - Gilberto Freire, localizado na capital do estado. Com uma grande estrutura, esse aeroporto possui capacidade para transportar passageiros e cargas para todo o Brasil e algumas localidades internacionais, além de possuir a maior pista de pouso e decolagem da região nordestina.

Outros aeroportos também dinamizam o deslocamento de cargas e passageiros em Pernambuco, como o Aeroporto de Petrolina Senador Nilo Coelho, o maior exportador de frutas do Brasil segundo a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária); o Aeroporto de Fernando de Noronha e o Aeroporto Oscar Laranjeira, em Caruaru.

Na malha rodoviária, o destaque fica por conta das rodovias federais, como a BR-101, que cruza o litoral do estado de norte a sul. Em Pernambuco, a BR-101 é totalmente duplicada. Outras BRs merecem a atenção, como a BR-232, que liga Recife ao interior, e a BR-116, uma extensão da BR-101.

O estado possui dois grandes portos marítimos: o Porto de Suape e o Porto de Recife, ambos operados pelos governos locais. Há um projeto em andamento do governo federal juntamente com a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) para a construção da Transnordestina, uma ferrovia que permitirá a conexão do Porto de Suape ao Porto de Pecém, no Ceará, o que facilitará o desenvolvimento da economia nordestina e colocará o Brasil mais próximo dos mercados mundiais.

Cultura de Pernambuco

Pernambuco tem uma rica e diversificada cultura, que é conhecida tanto no Brasil quanto em outras nações. A mistura de populações associada à criatividade nordestina faz da cultura pernambucana um verdadeiro caldeirão de saberes.

Centro histórico de Recife, Pernambuco. [2]
Centro histórico de Recife, Pernambuco. [2]

Na música, o estado conta com destaques como maracatu, baião, dança de coco, Manguebeat e o frevo, sendo esse último considerado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Esse gênero musical dançante mistura alguns elementos da capoeira, que também tem raízes históricas em Pernambuco.

Em Brejo da Madre de Deus, município localizado no nordeste do estado, a 200 km de Recife, encontra-se um dos maiores teatros a céu aberto do mundo, o Nova Jerusalém. Nas construções que lembram a Judeia, é realizada há mais de quatro décadas a encenação da Paixão de Cristo, durante a Semana Santa, uma verdadeira expressão de religiosidade e devoção católicas.

No cenário nacional, vários artistas pernambucanos se consagraram mostrando seus trabalhos. Veja, em ordem alfabética, alguns exemplos:

  • Alceu Valença
  • Antônio Nóbrega
  • Bezerra da Silva
  • Caju e Castanha
  • Chico Science
  • Dominguinhos
  • Fabiana Karla
  • Geraldo Azevedo
  • Irandhir Santos
  • Lenine
  • Luiz Gonzaga
  • Nação Zumbi
  • Otto
  • Reginaldo Rossi

A gastronomia também possui características exclusivas do estado. O bolo de rolo, bolo Souza Leão e Cartola são pratos típicos nas casas pernambucanas. Outros ingredientes, como carne de sol e charque desfiado, também incrementam a culinária de Pernambuco.

Os carnavais de Olinda e Recife são famosos no Brasil inteiro. Os Bonecos de Olinda chamam a atenção na cidade pelo tamanho e desenvoltura de quem os carrega. Em Recife, o agraciado bloco do Galo da Madrugada arrasta multidões no sábado de Carnaval. Esse bloco é considerado o maior bloco de Carnaval do mundo. Em ambas as cidades, a música regional, como frevo e axé, embala os foliões.

Foliões no Carnaval de Olinda, Pernambuco.[3]
Foliões no Carnaval de Olinda, Pernambuco.[3]

Em Caruaru, a festa de São João da cidade é reconhecida internacionalmente como a maior festa regional ao ar livre do mundo. Essa festa acontece durante todo o mês de junho e atrai turistas de todos os lugares.

Créditos das imagens

[1] Cacio Murilo / Shutterstock

[2] Marcio Jose Bastos Silva / Shutterstock

[3] Xaxas / Shutterstock

 

Por Átila Matias
Professor de Geografia

Listagem de Artigos

Lista de Exercícios
Questão 1

Pernambuco é uma unidade federativa do Brasil. Sendo assim, o estado integra uma das cinco Regiões do país. Portanto, marque a alternativa que indica corretamente a Região que abriga o estado de Pernambuco.

a) Sul

b) Norte

c) Centro-Oeste

d) Sudeste

e) Nordeste
 

Questão 2

A capital de Pernambuco é a cidade de:

a) Natal

b) Recife

c) Maceió

d) João Pessoa

e) Aracajú
 

Ver resposta