Revolução Pernambucana

História do Brasil

PUBLICIDADE

A Revolução Pernambucana, ocorrida em 1817, foi o último movimento separatista do período colonial. Está relacionada com a crise socioeconômica que o Nordeste atravessava há quase um século em razão da desvalorização do comércio do açúcar e do algodão brasileiro no mercado externo. Além disso, a presença da família real portuguesa no Brasil aumentou o custo de vida em virtude da cobrança de impostos, o que causou revolta entre os pernambucanos. Os ideais republicanos também colaboraram para que a revolta acontecesse. O governo local foi tomado pelos revoltosos, mas as tropas fiéis ao governo central conseguiram derrotá-los.

Leia também: Invasões holandesas no Brasil – fato que levou à Revolução Pernambucana

A bandeira tornou-se um dos símbolos da Revolução Pernambucana de 1817.
A bandeira tornou-se um dos símbolos da Revolução Pernambucana de 1817.

Causas da Revolução Pernambucana

O Nordeste brasileiro, desde o século XVIII, com a expulsão dos holandeses, atravessou uma grave e longa crise econômica por causa da desvalorização do açúcar produzido na região no mercado europeu. Os holandeses aprenderam enquanto estiveram presentes no Brasil acerca do plantio e da colheita da cana-de-açúcar e levaram esse conhecimento para as Antilhas, tornando-se fortes concorrentes do nosso açúcar.

Por causa disso, a produção açucareira do Nordeste entrou em crise. Isso desencadeou problemas econômicos e sociais por causa da pobreza e da miséria que assolaram a região. A produção de algodão teve êxito na economia de Pernambuco, mas logo entrou em crise por causa da cobrança de impostos por parte da coroa portuguesa presente no Brasil.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

As ideias republicanas alcançaram a região, e as recentes nações formadas na América, que deixaram de ser colônias e se tornaram repúblicas, serviram de exemplo para os pernambucanos. Caso fosse implantada a república, as províncias teriam mais autonomia e mais liberdade para se governar, não dependendo tanto do governo central. Os gastos com a sustentação de Dom João VI e toda a sua corte no Brasil demonstravam o peso econômico do governo central sobre as demais províncias. Para bancar os gastos da coroa portuguesa e seus luxos excessivos, cobravam-se impostos. Como Pernambuco já estava em crise socioeconômica, mais impostos significaram rebelião contra o governo.

Se os aspectos econômicos e sociais em Pernambuco não iam bem, a política também não. Dom João VI reforçou a presença portuguesa nos postos de comando dos governos locais e das chefias das tropas militares. Isso desagradou à elite local, que se sentiu desprestigiada. Ao longo de todo o processo de independência do Brasil e nos primeiros anos do Primeiro Reinado, brasileiros e portugueses disputavam postos de comando nos governos e o domínio do comércio nas cidades. Com o rei português no Brasil, a presença lusitana intensificou-se, desagradando aos brasileiros, que já começavam a organizar movimentos armados para depor os chefes portugueses de seus postos.

Leia também: Inconfidência Mineira – revolta de caráter separatista organizada pela elite mineira

Líderes da Revolução Pernambucana

Os líderes da revolução foram:

  • Domingos José Martins;

  • José de Barros Lima;

  • Cruz Cabugá;

  • Padre João Ribeiro.

Logo após a derrota da revolução, eles foram condenados e mortos de forma cruel em praça pública. O capitão José de Barros Lima foi enforcado e teve partes do corpo cortadas e expostas para demonstrar a força da coroa portuguesa e servir de exemplo para quem ousasse desafiá-la.

Como foi a Revolução Pernambucana?

O Forte do Brum foi sede do governo da capitania de Pernambuco enquanto os participantes da Revolução Pernambucana ocupavam o poder no Recife em 1817.
O Forte do Brum foi sede do governo da capitania de Pernambuco enquanto os participantes da Revolução Pernambucana ocupavam o poder no Recife em 1817.

A Revolução Pernambucana começou em 6 de março de 1817, quando o militar português Manoel Joaquim Barbosa foi assassinado pelo capitão José de Barros Lima, que reagiu à voz de prisão por suposto envolvimento em conspiração contra o governo. Isso fio o estopim para a rebelião que rapidamente dominou o Recife.

O governador da capitania, Caetano Pinto de Miranda Montenegro, transferiu o governo para o Forte de Brum. Sem forças para reagir à revolta, ele fugiu em direção ao Rio de Janeiro. Os rebeldes assumiram o poder da capitania e instalaram um governo provisório, que tratou logo de adotar medidas que beneficiassem a elite local.

O movimento contou com a participação de vários grupos sociais, como a elite local, militares, comerciantes e padres. Os revoltosos defendiam:

  • a proclamação da República;

  • o fim dos impostos cobrados por Dom João VI;

  • a liberdade de imprensa e de culto;

  • o aumento do soldo dos soldados;

  • a instituição dos Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário);

  • a manutenção do trabalho escravo.

Esse último item das reivindicações dos participantes da Revolução Pernambucana mostra que a camada mais pobre não participou das suas atividades. Percebe-se a contradição entre o discurso e a prática. Ao mesmo tempo em que se pregava a instalação de um novo governo em Pernambuco que promovesse a igualdade e a liberdade, a escravidão seria mantida, ou seja, os negros escravos não seriam iguais aos novos governantes e nem conquistariam a liberdade. Em vários movimentos revolucionários de nossa história, observou-se isso.

Os revoltosos tomaram o poder em Pernambuco e formaram um governo provisório. O exemplo pernambucano conquistou o apoio de outras capitanias, como Rio Grande do Norte e Paraíba. No entanto, não tardou para que o novo governo perdesse força. Como os grupos que compuseram a revolução tinham interesses diversos, a divisão entre eles aconteceu. Dom João VI enviou suas tropas para a região e entrou em confronto com o governo provisório. Em 20 de maio de 1817, os revoltosos se entregaram ao general Luís do Rego Barreto. Por ordem do rei, eles tiveram penas exemplares, como o enforcamento e o fuzilamento em praça pública.

Data Magna

Em Pernambuco, o dia 6 de março é feriado porque se recorda o dia em que, em 1817, começava a revolução contra o domínio português e a instalação de um governo republicano na região. Apesar da curta duração, apenas 75 dias, o movimento deixou raízes na história de Pernambuco e confirmava a capitania como sendo um local de revolta contra o domínio do governo central.

Importância da Revolução Pernambucana

A Revolução Pernambucana desafiou o poder da coroa portuguesa ao questionar as abusivas cobranças de impostos e destacou a insatisfação dos brasileiros com a presença portuguesa em pontos importantes do comando político, econômico e militar do Brasil. Ao tomar o poder no Recife, os rebeldes mostraram a possibilidade de se formar um governo próximo às exigências das revoltas. A Revolução Pernambucana manteve a tradição da capitania de ser um ponto de ebulição política e social.

Consequências da Revolução Pernambucana

A revolta em Pernambuco mostrou que os poderes locais eram instáveis quanto às ordens emitidas do Rio de Janeiro. Além disso, reforçou para a coroa portuguesa no Brasil e o Primeiro Reinado, logo após a independência, a necessidade de se criar tropas militares para manter a unidade nacional, dissipar as ideias republicanas e punir severamente os rebeldes.

Resumo sobre a Revolução Pernambucana

  • A Revolução Pernambucana de 1817 foi o último movimento separatista de caráter republicano do período colonial brasileiro.

  • Teve apoio da elite local contra a presença portuguesa.

  • Defendia a república, manutenção da escravidão, fim da cobrança de impostos, liberdade de credo e de expressão.

  • Apesar do curto período no poder, os rebeldes foram derrotados pelas tropas fiéis ao governo, condenados e punidos em praça pública.

Acesse também: Capitanias hereditárias – faixas de terras brasileiras administradas por donatários

Exercícios resolvidos

Questão 1 – Assinale a alternativa que corretamente aponta as causas da Revolução Pernambucana de 1817.

A) Crise socioeconômica e proclamação da República no Brasil.

B) Disputa entre escravos e senhores de engenho pelo poder em Pernambuco.

C) Aumento de impostos e influência republicana.

D) Fim da monarquia e manutenção da escravidão.

Resolução

Alternativa C. A vinda da família real portuguesa para o Brasil provocou aumento de impostos nas capitanias para bancar o luxo do rei e sua comitiva. Além disso, a formação de novas repúblicas nas antigas colônias europeias na América influenciou a revolta em Pernambuco.

Questão 2 – Assinale a alternativa correta que aponta algumas medidas adotadas pelo governo provisório instalado em 1817, em Pernambuco.

A) Manutenção da escravidão e fim da cobrança de impostos.

B) Dom Pedro I assumiu o poder em Pernambuco, abolindo os impostos cobrados pelo pai, Dom João VI.

C) Fim da escravidão e Proclamação da República.

D) Abertura da economia para o mercado externo e fim da abolição.

Resolução

Alternativa A. O governo provisório foi formado em 1817 e adotou algumas medidas que beneficiaram a elite local de Pernambuco, como a manutenção da escravidão e o fim da cobrança de impostos para manter a coroa portuguesa no Rio de Janeiro.

 

Por Carlos César Higa
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

HIGA, Carlos César. "Revolução Pernambucana"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/revolucao-pernambucana.htm. Acesso em 21 de outubro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(Unesp-SP) Leia os itens a respeito da Revolução Pernambucana de 1817:

I – Possui forte sentimento antilusitano, resultante do aumento dos impostos e dos grandes privilégios concedidos aos comerciantes portugueses;

II – Teve participação apenas de sacerdotes e militares, não contando com o apoio de outros segmentos da população;

III – Foi uma revolta sangrenta que durou mais de dois meses e deixou profundas marcas no Nordeste, com os combates armados passando do Recife para o sertão, estendendo-se também a Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte;

IV – A Revolta foi sufocada apenas dois anos depois por tropas aliadas, reunindo forças armadas portuguesas, francesas e inglesas;

V – Propunha a República, com a igualdade de direitos e a tolerância religiosa, mas não previa a abolição da escravidão.

É correto apenas o afirmado em:

  1. I, II e III.
  2. I, III e V.
  3. I, IV e V.
  4. II, III, IV.
  5. II, III, V.

Questão 2

(Unb-DF) A Inconfidência Mineira não foi um fato isolado. Ela está integrada ao contexto social, político e econômico do Brasil colonial. Na Capitania de Minas Gerais, houve muitos outros, e também importantes movimentos rebeldes. Considerando a História do Brasil como um todo, a Inconfidência Mineira também não foi única: ela se coloca ao lado de movimentos como a Conjuração dos Alfaiates (Bahia, 1798), a Conjuração do Rio de Janeiro (1794) e a Revolução Pernambucana de 1817, entre outros que também enfrentaram o domínio colonial.

Adaptado de ANASTASIA, Carla. Os temas da liberdade e da República na Inconfidência Mineira. São Paulo: Ática, 1995.

A esse respeito é incorreto afirmar que:

  1. Ao contrário do movimento de Vila Rica, fortemente marcado pela participação das elites locais, a Conjuração Baiana teve um cunho essencialmente popular.
  2. Todos os movimentos citados no texto inscrevem-se no quadro geral do antigo sistema colonial, quadro esse que também refletia as transformações vividas pela Europa a partir da Revolução Industrial e das revoluções liberais burguesas.
  3. A Revolução Pernambucana de 1817, que eclodiu durante a permanência do Estado Português no Brasil, traçou uma linha libertária que teve prolongamento na Confederação do Equador, dois anos após a Independência.
  4. A imagem de Tiradentes, cultuada durante o período monárquico, sofreu forte oposição por parte daqueles que proclamaram a República, pelo que poderia inspirar contra o novo regime.

Mais Questões
Vila Rica, atual Ouro Preto, local em que seria iniciada a Inconfidência Mineira de acordo com os planos dos conspiradores. [1]
História do Brasil Inconfidência Mineira
História do Brasil Invasões holandesas no Brasil
História do Brasil União Ibérica
Os engenhos ocupavam importante função no processo de exploração do açúcar
História do Brasil Engenho de Açúcar
O algodão se consolidou como uma importante atividade econômica no período colonial
História do Brasil Economia Algodoeira