Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Confederação do Equador

História do Brasil

Confederação do Equador foi uma revolta que aconteceu no Nordeste brasileiro, em 1824, contra o autoritarismo de Dom Pedro I e em defesa do regime republicano no Brasil.
Bandeira da Confederação do Equador (1824).
Bandeira da Confederação do Equador (1824).
PUBLICIDADE

A Confederação do Equador foi um movimento revolucionário que se iniciou em Pernambuco e logo alcançou outras províncias vizinhas. Os revoltosos se levantaram contra o governo central por causa do autoritarismo de Dom Pedro I ao fechar a Assembleia Constituinte de 1823 e impor uma Constituição, no ano seguinte, que lhe assegurou poderes absolutistas. Além dessa oposição ao arbítrio do imperador, a confederação pretendia implantar o regime republicano. As tropas imperiais conseguiram abafar o movimento e matar seus líderes.

Leia também: Guerra dos Emboabas – conflito envolvendo o domínio da exploração da região das minas

Resumo sobre a Confederação do Equador

  • A Confederação do Equador foi um movimento revolucionário iniciado em Pernambuco, em 1824, e que se espalhou pelo Nordeste contra o autoritarismo de Dom Pedro I.
  • Desde a Assembleia Constituinte de 1823, Dom Pedro mostrou seu autoritarismo, que se confirmou com a Constituição de 1824, que lhe garantiu amplos poderes.
  • Os revoltosos, além de se oporem ao imperador, eram defensores do regime republicano.
  • O principal líder da Confederação do Equador foi Frei Caneca.
  • As tropas imperiais derrotaram os revoltosos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que foi a Confederação do Equador?

A Confederação do Equador foi um movimento revolucionário iniciado em Pernambuco, em 1824, e que se espalhou para outras províncias nordestinas, como Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará. Os revoltosos se opuseram à forma autoritária com que a Constituição de 1824 fora elaborada e publicada pelo imperador Dom Pedro II. Além disso, a Confederação pretendia implantar o regime republicano.

Antecedentes da Confederação do Equador

Logo após a proclamação da independência do Brasil, foi convocada uma Assembleia Constituinte, em 1823, com o intuito de elaborar a primeira Constituição brasileira. Na abertura dos trabalhos da assembleia, o imperador Dom Pedro I fez um discurso e afirmou que a Constituição deveria ser “digna do Brasil e de mim mesmo”, uma clara demonstração de que o texto constitucional deveria seguir as vontades do monarca. Ao votarem os poderes do imperador, os Constituintes decidiram pela limitação, o que provocou violenta reação de Dom Pedro, ordenando o fechamento da Assembleia e a prisão dos constituintes.

Em 1824, Dom Pedro I outorgou a Constituição do império brasileiro que lhe garantiu amplos poderes por meio da criação do Poder Moderador. Ao fechar a assembleia e elaborar uma Constituição sem nenhuma discussão, ele mostrou os perigos do seu autoritarismo. Contudo, o Nordeste não aceitaria a centralização do poder político de forma passiva. Os pernambucanos decidiram pegar em armas para lutar contra o autoritarismo do governo central.

O Nordeste atravessava um momento crítico nos primeiros anos do Brasil independente. Desde a crise do açúcar, logo após a expulsão dos holandeses, no século XVII, que a economia da região não conseguia se desenvolver plenamente como nos tempos coloniais. A crise econômica se associou aos problemas sociais e disputas de poderes dentro das províncias. A alta carga tributária também desagradou aos nordestinos.

Enquanto o Brasil se tornava uma monarquia, as antigas colônias espanholas se tornavam republicanas, tal qual os Estados Unidos, que haviam se tornado referência no processo emancipatório. Ao seguir o caminho oposto, alguns grupos das províncias decidiram organizar movimentos armados para derrubar o monarca autoritário e implantar a república no Brasil. Contudo, o governo central estava decidido a enviar suas tropas e usar todas as forças disponíveis para abafar essas revoltas.

Motivos da Confederação do Equador

Os motivos da Confederação do Equador foram:

  • Crise econômico-social;
  • Altos impostos;
  • Autoritarismo de Dom Pedro.

Veja também: Quais foram as causas da Guerra do Paraguai?

Líderes da Confederação do Equador

Os principais líderes da Confederação do Equador foram:

  • Frei Caneca

Execução de Frei Caneca.
Execução de Frei Caneca.

Frei Joaquim do Amor Divino, mais conhecido como Frei Caneca, foi o líder mais conhecido da revolta. Nascido em 20 de agosto de 1779, no Recife (PE), ele participou tanto da Confederação do Equador como da Revolução Pernambucana, em 1817, na qual os pernambucanos se levantaram contra a presença da família real portuguesa no Rio de Janeiro. Frei Caneca era jornalista e fundou o periódico Tiphys Pernambucano, que divulgou os ideais dos revoltosos.

As tropas imperiais o prenderam e ele foi julgado e condenado à morte, apesar dos apelos para que se preservasse a sua vida. No dia 13 de janeiro de 1825, Frei Caneca estava no Forte das Cinco Pontas para ser enforcado, porém os três carrascos se recusaram a executar o líder rebelde. A Comissão Militar ordenou então o seu fuzilamento. Seu corpo foi deixado em frente ao Convento das Carmelitas, dentro de um caixão de pinho. Os padres o recolheram e enterraram.

  • Cipriano Barata

Retrato de Ciprino Barata.
Cipriano Barata foi jornalista e um dos líderes da Confederação do Equador.

Tal qual Frei Caneca, Cipriano Barata também foi jornalista e colaborou na divulgação dos ideais da Confederação do Equador. Nascido em Salvador, em 26 de setembro de 1762, Barata esteve presente nas revoltas ocorridas no Brasil durante o período anterior à independência, como a Conjuração Baiana (1798) e a Revolução Pernambucana (1817). Ele se uniu a Frei Caneca e se tornou um dos líderes da Confederação do Equador. Ao contrário do religioso, Barata foi preso na Fortaleza do Brum, no Recife, em 1825. Ele foi solto e manteve sua atividade jornalística até sua morte, em 1º de julho de 1838.

A Confederação do Equador

O autoritarismo de Dom Pedro I se mostrou na outorga da Constituição de 1824 e, em Pernambuco, na deposição do governador da província Manuel de Carvalho Paes. Essa deposição foi o estopim para que as lideranças do movimento iniciassem a revolta contra o governo central. Logo outras províncias nordestinas, como Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba, aderiram à Confederação do Equador. O nome era uma referência à linha imaginária homônima que passava próxima à região do conflito.

Enquanto lutavam contra o império, os revoltosos não se mostraram dispostos a nenhuma negociação e implantaram um novo governo que aboliu a escravidão e criou uma Constituição liberal republicana. O movimento rachou quando algumas lideranças se afastaram por causa da radicalização das medidas adotadas pelo poder estabelecido. Frei Caneca e Cipriano Barata eram entusiastas da ampliação dos direitos políticos e de reformas sociais, o que contrariava interesses das demais lideranças.

Dom Pedro I pediu empréstimos à Inglaterra para financiar as tropas que lutaram contra a Confederação do Equador. As discordâncias entre seus líderes fizeram com que o movimento se enfraquecesse, facilitando a vitória das tropas imperiais. Os revoltosos foram presos, condenados e alguns executados, como Frei Caneca.

Leia também: Tiradentes – um importante participante da Inconfidência Mineira

Consequências da Confederação do Equador

Com a derrota da Confederação do Equador, Dom Pedro I conseguiu impor sua força nas províncias nordestinas, mas não o suficiente para pacificar a região, pois os ideais republicanos ainda permaneceriam e motivariam outras revoltas durante o Período Regencial. A revolta em Pernambuco mostrou também que a imprensa tinha poder de difundir ideias e motivar rebeliões contra o império.

As tropas imperiais lutando contra os participantes da Confederação do Equador.
As tropas imperiais lutando contra os participantes da Confederação do Equador.

Exercícios resolvidos sobre a Confederação do Equador

Questão 1 - (UFES) “Brasileiros do Norte! Pedro de Alcântara, filho de D. João VI, rei de Portugal, a quem vós, após uma estúpida condescendência com os brasileiros do Sul, aclamastes vosso imperador, quer descaradamente escravizar-vos. Que desaforo atrevimento de um europeu no Brasil. Acaso pensara esse estrangeiro ingrato e sem costumes que tem algum direito à Coroa, por descender da casa de Bragança na Europa, de quem já fomos independentes de fato e de direito? Não há delírio igual (...).” (BRANDÃO, Ulysses de Carvalho. A Confederação do Equador, Pernambuco: Publicações Oficiais, 1924)

A causa da Confederação do Equador foi a:

A) extinção do Poder Legislativo pela Constituição de 1824 e sua substituição pelo Poder Moderador.

B) mudança do sistema eleitoral na Constituição de 1824, que vedava aos brasileiros o direito de se candidatar ao Parlamento, o que só era possível aos portugueses.

C) atitude absolutista de D. Pedro I ao dissolver a Constituinte de 1823 e outorgar uma Constituição que conferia amplos poderes ao imperador.

D) liberação do sistema de mão de obra nas disposições constitucionais, por pressão do

grupo português, que já não detinha o controle das grandes fazendas e da produção do açúcar.

E) restrição às vantagens do comércio do açúcar pelo reforço do monopólio português e aumento dos tributos contidos na Carta Constitucional.

Resolução

Alternativa C. O autoritarismo de Dom Pedro I durante o processo de elaboração da primeira Constituição brasileira provocou o movimento revolucionário no Nordeste como forma de impedir a concentração dos poderes nas mãos do imperador.

Questão 2 - (Mackenzie) A Confederação do Equador, movimento que eclodiu em Pernambuco em julho de 1824, caracterizou-se por:

A) ser um movimento contrário às medidas da Corte Portuguesa, que visava a favorecer o monopólio do comércio.

B) uma oposição a medidas centralizadoras e absolutistas do Primeiro Reinado, sendo um movimento republicano.

C) garantir a integridade do território brasileiro e a centralização administrativa.

D) ser um movimento contrário à maçonaria, clero e demais associações absolutistas.

E) levar seu principal líder, Frei Joaquim do Amor Divino Caneca, à liderança da Constituinte de 1824.

Resolução

Alternativa B. A Confederação do Equador reagiu às medidas autoritárias de Dom Pedro I e ao absolutismo que se formou logo após a outorga da Constituição de 1824.

 

Por Carlos César Higa
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

HIGA, Carlos César. "Confederação do Equador"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/a-confederacao-equador.htm. Acesso em 26 de outubro de 2021.

Lista de Exercícios
Questão 1

De que modo a Confederação do Equador tem relações com a oficialização da Constituição de 1824?

Questão 2

Além da insatisfação política e dos problemas econômicos regionais, aponte outro fator contextual que contribuiu para a eclosão da Confederação do Equador.

Mais Questões
Artigos Relacionados
Guerras Guaraníticas, o que foram as Guerras Guaraníticas, consequências das Guerras Guaraníticas, a união de forças entre Portugal e Espanha.
Os conflitos que asseguraram a autonomia política do Brasil em relação à Portugal.
O levante popular que se opôs às autoridades lusitanas.
Clique e acesse este texto para saber um pouco mais sobre o processo de independência do Brasil. Entenda as causas, como ocorreu o processo e as consequências.
Clique para saber mais detalhes a respeito da Revolta de Beckman, que aconteceu em São Luís, Maranhão em 1684-1685. Entenda as causas e o desfecho.
Acesse o site e veja as causas da Revolução Pernambucana. Entenda o desenrolar dessa revolta!
Clique e acesse para saber mais detalhes sobre a Revolução Praieira. Entenda o que motivou o início desse levante e como foi seu desfecho.