Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Caranguejo

Caranguejo é um animal artrópode pertencente ao grupo dos crustáceos, assim como lagostas e lagostins. São animais com carapaça resistente e 10 patas.

Caranguejo em tronco de árvore
O caranguejo apresenta uma carapaça resistente que o protege contra predadores.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Caranguejo é um animal muito conhecido por fazer parte de diferentes pratos, principalmente da culinária litorânea. Trata-se de um animal invertebrado do filo dos artrópodes e do subfilo Crustacea, ao qual pertencem também lagostas, camarões e lagostins. Caranguejos verdadeiros fazem parte da infraordem Brachyura e se destacam por ter 10 patas, sendo o primeiro par dotado de pinças. Além disso, possuem uma carapaça resistente e um corpo arredondado.

Caranguejos podem ser encontrados em ambiente marinho, de água doce e até mesmo terrestre. A forma de alimentação é também muito variada entre as espécies, existindo caranguejos que se alimentam de vegetais, animais ou restos de seres vivos.

Leia mais: Decomposição — processo feito por fungos e bactérias que promove a degradação da matéria orgânica

Tópicos deste artigo

Resumo sobre caranguejos

  • Caranguejos são animais crustáceos.

  • Caranguejos verdadeiros fazem parte da infraordem Brachyura.

  • Caranguejos possuem carapaça resistente, cinco pares de patas e dois pares de antenas.

  • O primeiro par de patas é dotado de pinças ou garras.

  • Existem diferentes espécies de caranguejos, as quais podem ser encontradas no ambiente marinho, de água doce ou terrestre.

  • Caranguejos apresentam diferentes formas de alimentação, existindo espécies herbívoras, carnívoras, onívoras, detritívoras e carniceiras.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do caranguejo

O caranguejo é um animal artrópode pertencente ao subfilo Crustacea. Os crustáceos têm o corpo dividido em cefalotórax e abdome, dois pares de antenas (característica única entre os artrópodes), e patas locomotoras em seu tórax. São considerados caranguejos verdadeiros aqueles que fazem parte da infraordem Brachyura, a qual inclui cerca de 6500 espécies.

Nos caranguejos, o abdome se encontra encaixado firmemente por baixo do cefalotórax e é bastante reduzido. Os caranguejos pertencem ao grupo dos decápodes, ou seja, que possuem 10 patas. Dessas 10 patas, quatro pares são utilizados para a locomoção, e o primeiro par é dotado de garras ou pinças, as quais são usadas para captura de alimentos, defesa e até mesmo na reprodução, quando são utilizadas na disputa pelas fêmeas.

Os caranguejos, bem como todos os artrópodes, têm como característica marcante um exoesqueleto, ou seja, um esqueleto externo. Nos caranguejos, esse esqueleto é endurecido com carbonato de cálcio, formando uma proteção resistente. A carapaça dos caranguejos é, normalmente, tão larga quanto longa, dando um aspecto arredondado ao animal.

A locomoção do caranguejo é também uma característica que chama bastante atenção. Normalmente, esses animais se locomovem lateralmente. Isso não significa, no entanto, que não podem se rastejar para a frente. O movimento para a frente, no entanto, não é tão eficiente quanto a movimentação lateral.

Caranguejos são animais muito importantes para o meio ambiente, uma vez que participam da cadeia alimentar do ecossistema em que vivem, servindo de alimento para algumas aves, por exemplo. Além disso, eles que vivem em regiões de mangue, participam da aeração do solo ao cavarem suas tocas e ajudam na ciclagem de nutrientes, influenciando no crescimento da vegetação da região.

  • Videoaula sobre artrópodes

Habitat do caranguejo

Caranguejos são encontrados, principalmente, no ambiente marinho. Entretanto, isso não significa que eles ocorrem apenas em água salgada, sendo possível verificar espécies vivendo em água doce e também no ambiente terrestre.

O caranguejo-uçá (Ucides cordatus), uma importante espécie encontrada no Brasil, possui hábito semiterrestre e é encontrado em áreas estuarinas (onde há o encontro do meio marinho, terrestre e dulçaquícola), onde escava tocas no sedimento dos mangues.

Ele é encontrado desde a região da Flórida, nos Estados Unidos, até Santa Catarina, no Brasil, sendo uma das espécies mais comuns nos manguezais brasileiros. Outra espécie que ocorre em nosso território é o guaiamum (Cardisoma guanhumi), encontrado em ambientes estuarinos ao longo de toda a costa do Atlântico Ocidental da América.

Caranguejo escondido debaixo de tronco de coqueiro
Caranguejos podem ser encontrados em diferentes habitat, a depender da espécie.

Alimentação do caranguejo

Existem diferentes espécies de caranguejos, e, com isso, fica fácil imaginar que há uma grande variação no que diz respeito à alimentação desses animais. Há espécies herbívoras, carnívoras e até mesmo onívoras. Há ainda caranguejos carniceiros e aqueles detritívoros.

O caranguejo-uçá é uma espécie que se alimenta de folhas e sementes do mangue. Geralmente, a coleta do alimento por essa espécie é feita à noite, durante a maré baixa. O guaiamum, por sua vez, alimenta-se de folhas, frutos e sementes de plantas da região, mas também ingere pequenos insetos e animais em decomposição. Em algumas situações de estresse ou falta de alimento, observou-se que ele pode praticar canibalismo.

Saiba mais: Canibalismo — tipo de relação ecológica em que indivíduos se alimentam de outros da mesma espécie

Reprodução dos caranguejos

Caranguejos são animais que apresentam diferentes estratégias reprodutivas, a depender da espécie estudada. Entender a reprodução das espécies é fundamental, principalmente em espécies de importância econômica, para garantir que a proteção desses animais e a manutenção de sua população sejam asseguradas.

Para exemplificar a reprodução dos caranguejos, descreveremos a reprodução do caranguejo-uçá. Os caranguejos-uçá saem de suas tocas durante a época reprodutiva para procurar um(a) parceiro(a) a fim de se acasalarem, em um fenômeno conhecido como andada. Durante esse período, os machos apresentam um comportamento de competição pelas fêmeas.

Vale destacar que os caranguejos, durante a andada, ficam muito sensíveis e fáceis de serem capturados, o que pode levar a uma intensa captura predatória, prejudicando assim a preservação da espécie. Portanto, durante a andada, a captura dos caranguejos é proibida.

Os machos apresentam duas estruturas pontiagudas, chamadas de gonopódios, usadas para a reprodução. No momento do cruzamento, o macho e a fêmea abrem seus abdômens e se posicionam um em frente ao outro. O macho então introduz seu aparelho reprodutor no orifício genital da fêmea.

Após a fecundação, a massa de ovos é expelida para o abdômen da fêmea, no qual fica aderida. É importante destacar que uma fêmea da espécie pode produzir mais de 100.000 ovos em uma única desova, estando o número de ovos diretamente relacionado com o tamanho da fêmea. Os ovos eclodem e liberam larvas, que são carregadas pela maré.

Leia mais: Muda ou ecdise em artrópodes

Importância econômica dos caranguejos

Os caranguejos se destacam, principalmente, por fazer parte da alimentação da população, principalmente, em cidades litorâneas. No Brasil, um dos caranguejos mais explorados é o caranguejo-uçá, considerado um importante recurso pesqueiro. Esse caranguejo se destaca pelo seu alto valor nutricional, sendo sua carne rica em proteínas, sais minerais e com um baixo teor de gordura.

É importante destacar que os caranguejos devem ser consumidos com muita atenção, pois, assim como outros crustáceos, são responsáveis por desencadear alergias em muitas pessoas. As reações alérgicas ocasionadas por esses animais podem provocar sintomas como inchaço nos lábios, manchas vermelhas na pele e coceira.

Caranguejos e siris

Os siris são caranguejos pertencentes à família Portunidae, e se destacam por sua capacidade de natação. Isso devido ao seu último par de patas terminar em remos largos e achatados, que permitem que esses animais sejam muito ágeis no ambiente aquático.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Caranguejo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/animais/caranguejo.htm. Acesso em 22 de fevereiro de 2024.

De estudante para estudante