Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Sistema reprodutor feminino

O sistema reprodutor feminino é formado por órgãos internos (ovários, tubas uterinas, útero e vagina) e pela genitália externa, também chamada de vulva.

O útero, a vagina, as tubas uterinas e os ovários são órgãos internos do sistema reprodutor feminino.
O útero, a vagina, as tubas uterinas e os ovários são órgãos internos do sistema reprodutor feminino.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O sistema reprodutor feminino compreende um conjunto de órgãos encontrados em mulheres ou indivíduos designados como mulheres ao nascer. Esses órgãos estão divididos em internos, que incluem os ovários, as tubas uterinas, o útero e a vagina, e externos, representados pela genitália externa ou vulva. Eles desempenham funções relacionadas à reprodução e à regulação dos hormônios sexuais. O ciclo menstrual é um fenômeno que ocorre nesse sistema, sendo caracterizado por variações hormonais e pela eliminação periódica da parede uterina na ausência de uma gravidez.

Diversas condições clínicas têm o potencial de afetar os órgãos do sistema reprodutor feminino, tais como a candidíase, a endometriose, o HPV e a síndrome dos ovários policísticos. Por esse motivo, torna-se fundamental a realização de visitas anuais ao ginecologista, bem como a realização de exames médicos regulares.

Leia também: Placenta — um órgão temporário que desempenha funções essenciais durante a gravidez

Tópicos deste artigo

Resumo sobre o sistema reprodutor feminino

  • O sistema reprodutor feminino inclui um conjunto de órgãos internos e externos encontrados em mulheres ou indivíduos designados como mulheres ao nascer.
  • Os órgãos internos do sistema reprodutor feminino são: ovários, tubas uterinas, útero e vagina.
  • A vulva, também conhecida como genitália externa, é composta pelo clitóris, pequenos lábios, grandes lábios e vestíbulo.
  • Os ovários são responsáveis pela produção de óvulos e hormônios sexuais femininos, como estrogênio e progesterona.
  • As tubas uterinas auxiliam no transporte dos óvulos entre os ovários e o útero.
  • A vagina é um canal de parto e também está envolvida nas relações sexuais.
  • Distúrbios no sistema reprodutor feminino podem incluir condições como endometriose, HPV e síndrome dos ovários policísticos.
  • O ciclo menstrual é um processo mensal que envolve mudanças hormonais e o preparo do útero para a gravidez.
  • A menopausa é a fase na vida da mulher em que a menstruação cessa e a produção de hormônios diminui.

Videoaula sobre o sistema reprodutor feminino

O que é o sistema reprodutor feminino?

O sistema reprodutor feminino é um conjunto de órgãos internos (ovários, tubas uterinas, útero e vagina) e externos (genitália externa ou vulva) presente em mulheres ou pessoas designadas como mulheres no nascimento que atuam juntos para desempenhar funções relacionadas à reprodução e à produção de hormônios sexuais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Funções do sistema reprodutor feminino

As funções do sistema reprodutor feminino são:

  • Produção e armazenamento de gametas femininos (óvulos): aproximadamente a cada 28 dias, um óvulo é liberado por um dos ovários. Esse óvulo é transportado para as tubas uterinas, onde pode ocorrer a fecundação por um espermatozoide.
  • Manutenção do zigoto: após a fecundação, durante seu desenvolvimento completo até o nascimento, o zigoto (ovócito fecundado) passa por várias divisões celulares para se tornar um embrião. Esse embrião deverá se implantar na parede do útero. Assim, durante a gravidez, o sistema reprodutor feminino poderá fornecer o ambiente necessário para o desenvolvimento contínuo do feto, incluindo o fornecimento de nutrientes e oxigênio através da placenta até o nascimento.
  • Produção de hormônios sexuais: esses hormônios atuam nos órgãos do sistema reprodutor e em outros órgãos do corpo. O sistema reprodutor feminino secreta hormônios sexuais femininos, como o estrogênio e a progesterona. Esses hormônios desempenham papéis importantes na regulação do ciclo menstrual, na manutenção dos órgãos reprodutivos e no desenvolvimento das características sexuais secundárias femininas, como o crescimento das mamas. Além disso, esses hormônios também exercem influência sobre outros órgãos e sistemas do corpo, afetando a densidade óssea, a saúde cardiovascular e até mesmo a saúde mental, por exemplo.

Veja também: Quais são os órgãos do sistema reprodutor masculino?

Anatomia do sistema reprodutor feminino

O sistema reprodutor feminino é localizado na região pélvica do corpo. Ele é dividido em:

→ Órgãos internos do sistema reprodutor feminino

Os órgãos internos que constituem o sistema reprodutor feminino são: ovários, tubas uterinas, útero e vagina.

Órgãos internos do sistema reprodutor feminino.
Os órgãos internos incluem dois ovários, duas tubas uterinas, o útero e a vagina.
  • Ovários

São duas glândulas em formato de amêndoa, com aproximadamente 3 cm de comprimento e 1,5 cm de largura. Elas estão situadas na cavidade pélvica, de ambos os lados do útero, logo abaixo das tubas uterinas. Os ovários representam as gônadas femininas, correspondendo, dessa forma, aos testículos. Essas estruturas são responsáveis pela liberação do óvulo (gameta feminino), além de atuar como glândulas endócrinas, secretando diversos hormônios necessários para a fertilidade, menstruação e maturação sexual das mulheres. Saiba mais sobre os ovários clicando aqui.

  • Tubas uterinas

Anteriormente conhecidas como trompas de Falópio, são estruturas tubulares, musculares e ocas, com cerca de 12 centímetros de comprimento. Localizam-se em ambos os lados do corpo, conectando os ovários à parte superior do útero. Durante a ovulação, as tubas apresentam movimentos ativos graças à musculatura lisa e, em conjunto com as fímbrias presentes (prolongamentos em forma de franjas), ajudam a direcionar o óvulo ao útero, onde ele pode se implantar na parede uterina.

Importante: A laqueadura, também conhecida por ligadura de trompas, é um procedimento cirúrgico utilizado para fins contraceptivos. As tubas uterinas são obstruídas, impedindo que o óvulo desça em direção ao útero, bem como o espermatozoide atravesse as tubas em direção ao óvulo. Para saber mais sobre esse procedimento, clique aqui.

Laqueadura em trompas uterinas do sistema reprodutor feminino.
A laqueadura é um método contraceptivo que consiste na obstrução das tubas uterinas.
  • Útero

Esse órgão em forma de pera está localizado na pelve, entre a bexiga urinária e o reto. Sua extremidade superior é chamada de fundo, enquanto a inferior, projetando-se na vagina, é denominada colo. O útero é constituído por três camadas: endométrio, miométrio e perimétrio.

O endométrio, camada interna, é onde ocorre a implantação do óvulo fertilizado, e sua descamação mensal resulta na menstruação na ausência de uma gravidez. O miométrio, camada muscular intermediária, é responsável pelas contrações uterinas durante o parto e contribui para a expulsão do feto. O perimétrio, camada externa, envolve e protege o útero.

Além de sua função gestacional, o útero está envolvido na regulação hormonal, influenciando outros órgãos do sistema reprodutivo. Para saber mais sobre esse órgão, clique aqui.

  • Vagina

Constitui um canal muscular flexível que conecta o colo do útero aos órgãos genitais externos. Apresenta aproximadamente 10 centímetros de comprimento, podendo expandir durante a excitação sexual e o parto devido a características elásticas que se adaptam às mudanças durante esses eventos. Durante a relação sexual, a vagina atua como canal de passagem para o pênis durante a penetração. É também o canal de parto durante o parto normal.

O hímen é uma fina membrana localizada na abertura vaginal, podendo variar em forma e elasticidade. Apesar de estar ligado ao conceito de virgindade há séculos, sua presença não determina se uma pessoa é virgem ou não. O hímen pode estar ausente em algumas pessoas, e sua ruptura pode ocorrer até mesmo durante a prática de atividade física.

A vagina abriga diversas bactérias benéficas, constituindo a flora vaginal. A manutenção do equilíbrio da flora vaginal é essencial para a saúde ginecológica, uma vez que essas bactérias auxiliam na prevenção de infecções e mantêm um ambiente ácido, protegendo contra organismos patogênicos. Saiba mais sobre esse órgão clicando aqui.

→ Órgãos externos do sistema reprodutor feminino

A genitália externa, conhecida como vulva, é composta pelo clitóris, pequenos lábios, grandes lábios e pelas aberturas vaginal e uretral. As aberturas da vagina e uretra estão situadas em uma região chamada vestíbulo, que corresponde à abertura externa da vagina. Adicionalmente, na vulva, encontram-se pequenas glândulas que se abrem no vestíbulo.

Esquemas ilustrativos da vulva e de um corte lateral do sistema reprodutor feminino e de seus órgãos vizinhos.
Esquemas ilustrativos da vulva e de um corte lateral do sistema reprodutor feminino e de seus órgãos vizinhos.
  • Clitóris: Essa estrutura é constituída por tecido erétil e possui uma alta concentração de terminações nervosas, tornando-a extremamente sensível à estimulação. O clitóris e o pênis são estruturas homólogas em termos de origem embrionária e histológica, desempenhando um papel significativo no prazer sexual.
  • Pequenos lábios: Também conhecidos como lábios menores, essas estruturas formam duas dobras que delimitam a região onde se localizam as aberturas da vagina e uretra. Desprovidos de pelos, os pequenos lábios podem variar em tamanho, forma e cor de uma pessoa para outra.
  • Grandes lábios: Conhecidos como lábios maiores, essas estruturas constituem as dobras externas de pele da genitália feminina e parcialmente cobrem os pequenos lábios. Com uma quantidade significativa de tecido adiposo, a superfície externa dos grandes lábios apresenta pelos. Eles circundam a vulva e contribuem para a proteção das demais estruturas na região.
  • Vestíbulo: Essa fenda ou região, localizada entre os pequenos lábios, engloba as aberturas vaginal e uretral. É crucial ressaltar que a abertura vaginal é por onde o bebê nasce durante o parto e a menstruação é eliminada, sendo também o local de penetração do pênis durante uma relação sexual. A abertura uretral, por sua vez, é o local de eliminação da urina. No vestíbulo, ainda se encontram as glândulas de Bartholin, responsáveis pela lubrificação vaginal.

Problemas relacionados com o sistema reprodutor feminino

Devido à complexidade desse sistema, várias condições clínicas podem afetar os órgãos do sistema reprodutor feminino. Portanto, é importante consultar um ginecologista (médico especializado na saúde e doenças do sistema reprodutor feminino) pelo menos uma vez por ano para realizar um check-up, de modo a prevenir problemas ginecológicos e manter a saúde e o funcionamento adequado dos órgãos do sistema reprodutivo.

Alguns dos principais problemas que afetam a saúde do sistema reprodutor feminino são:

→ Candidíase

Infecção causada por fungos, sendo o mais comum o Candida albicans. Esse fungo normalmente coexiste em pequenas quantidades no organismo feminino em equilíbrio com a flora vaginal. No entanto, fatores como baixa imunidade, uso de antibióticos, anticoncepcionais, corticosteroides e infecção por HPV podem desequilibrar esse ambiente, levando ao aumento da população fúngica e desencadeando sintomas como coceira intensa, corrimento espesso esbranquiçado ou amarelado e ardor ao urinar ou durante o sexo.

Medidas preventivas incluem manter a saúde em boas condições, evitar roupas apertadas e absorventes internos constantes, além de urinar após as relações sexuais. O tratamento pode envolver o uso de pomadas antifúngicas locais e, quando necessário, medicamentos orais prescritos pelo médico. Para saber mais sobre esse problema, clique aqui.

→ Endometriose

Doença caracterizada pela presença de tecido endometrial fora de sua localização usual, geralmente ocorrendo durante os anos reprodutivos. A endometriose pode causar cólicas menstruais intensas, dor pélvica crônica, dor durante o sexo, diarreia e, em alguns casos, infertilidade. O diagnóstico combina sintomas e exames de imagem, como ultrassonografia.

O tratamento frequentemente inclui o uso de contraceptivos hormonais, cirurgias para remoção das lesões e, para mulheres que desejam engravidar, tratamentos de reprodução assistida, como a fertilização in vitro. Saiba mais sobre essa doença clicando aqui.

→ Papilomavírus humano (HPV)

Infecção sexualmente transmissível (IST) que pode causar verrugas genitais e, a longo prazo, levar ao câncer do colo do útero. O câncer de colo do útero é o terceiro câncer mais comum em mulheres e a quarta causa de morte por câncer no Brasil.

Verrugas genitais do HPV, doença que afeta o sistema reprodutor feminino.
O HPV é caracterizado pelo aparecimento de verrugas genitais, especialmente quando a imunidade está baixa.

A melhor forma de prevenção contra o vírus é o uso de preservativos durante o sexo e a vacinação contra o HPV, que é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Fazer o exame Papanicolau também ajuda a prevenir e antecipar o desenvolvimento do câncer de colo do útero devido à presença do vírus no organismo. Para saber mais sobre HPV, clique aqui.

→ Síndrome dos ovários policísticos (SOP)

Esse distúrbio geralmente se manifesta durante a puberdade ou adolescência, afetando cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva. A SOP é caracterizada pela presença de inúmeros cistos nos ovários. As pessoas com SOP geralmente têm ciclos menstruais irregulares, dificuldade em ovular, crescimento de pelos no rosto e corpo, queda de cabelo e manchas escuras no pescoço e axilas.

A SOP não tem cura, e o tratamento varia de acordo com o quadro clínico. Normalmente, anticoncepcionais são indicados para o tratamento, juntamente com a adoção de hábitos de vida saudáveis. Entenda mais sobre esse problema clicando aqui.

Sistema reprodutor feminino afetado pela síndrome dos ovários policísticos.
A presença de cistos no ovário afeta a saúde reprodutiva feminina.

Menstruação e ciclo menstrual

A partir da menarca, o momento que marca a primeira menstruação (geralmente entre 11 e 16 anos de idade), o sistema reprodutor feminino passa por modificações cíclicas em sua estrutura e atividade. A cada ciclo, o corpo se prepara para uma possível gravidez. O termo "menstruação" refere-se à eliminação periódica da parede uterina (endométrio) quando não ocorre gravidez no ciclo.

O ciclo menstrual médio tem uma duração de cerca de 28 dias, correspondendo ao intervalo entre o primeiro dia do sangramento até o próximo primeiro dia de sangramento. Esse fenômeno biológico envolve quatro hormônios principais (hormônio folículo-estimulante, ou FSH; hormônio luteinizante, ou LH; estrogênio e progesterona) e é dividido em três fases:

Etapas do ciclo menstrual no sistema reprodutor feminino.
O ciclo menstrual tem duração de aproximadamente 28 dias, podendo variar entre 21 e 35 dias.

→ Fase folicular

Essa fase tem início no primeiro dia do ciclo e se estende por aproximadamente 14 dias. No início, os níveis de estrogênio e progesterona são baixos, estimulando a produção do FSH, que, por sua vez, promove o crescimento dos folículos ovarianos que abrigam os óvulos.

Nessa fase, ocorre o sangramento menstrual, que normalmente dura entre três a sete dias, podendo vir acompanhado de sintomas como cólicas, fadiga e dor de cabeça. À medida que a fase folicular avança, um dos folículos se torna dominante e continua a amadurecer, suprimindo o crescimento dos demais, e continua a produzir estrogênio.

O crescimento dos folículos contribui para o aumento dos níveis de estrogênio. Esse hormônio tem dois papéis principais: estimular a produção de muco nas glândulas do colo do útero, facilitando a passagem de espermatozoides para a cavidade uterina na fase ovulatória, e aumentar a espessura do endométrio, criando um ambiente favorável à implantação do embrião.

→ Fase ovulatória

O aumento dos níveis de estrogênio, provenientes do folículo dominante, estimula a produção do LH pelo cérebro. O LH estimula o rompimento do folículo e o óvulo é liberado, um processo conhecido como ovulação. A ovulação ocorre nas proximidades das tubas uterinas e tem uma duração de cerca de 16 a 32 horas, marcando o momento de maior probabilidade de engravidar.

O período fértil se estende além desse intervalo, uma vez que os espermatozoides permanecem viáveis no trato genital do sistema reprodutor feminino por vários dias, enquanto o óvulo permanece ativo por cerca de 24 horas.

→ Fase lútea

Na última fase do ciclo, após a liberação do óvulo, o folículo se transforma em uma estrutura conhecida como corpo lúteo, o qual atua no aumento da produção de progesterona. A progesterona promove modificações no endométrio, tornando-o propício para a possível implantação do embrião, caso ocorra fecundação.

No entanto, se o óvulo não for fecundado, o corpo lúteo regredirá, cessando a produção de hormônios e sendo posteriormente reabsorvido e resultando na formação do corpus albicans. Com a queda dos níveis de estrogênio e progesterona, o endométrio se descama, dando início à menstruação, o que encerra essa fase, que geralmente dura até 14 dias e termina com o início do próximo ciclo menstrual.

No final desse período, é comum a ocorrência da tensão pré-menstrual (TPM), caracterizada por diversos sintomas desagradáveis, como dores de cabeça, nas pernas, ansiedade, irritabilidade, alterações no sono, inchaço e dores nas mamas e no abdômen.

Saiba mais: Por que a infecção urinária afeta mais mulheres do que homens?

Menopausa

A menopausa é o estágio em que o sistema reprodutor feminino gradualmente cessa a produção dos hormônios envolvidos no ciclo menstrual, marcando o fim da ovulação e da menstruação, assim como da fase reprodutiva. Ela é estabelecida após um ano completo sem menstruação.

Antes dessa fase, é comum a ocorrência de ciclos menstruais irregulares, acompanhados de ondas de calor e redução da lubrificação vaginal, um período conhecido como climatério. Normalmente, a menopausa ocorre após os 40 anos, mas se ocorrer antes, é chamada de menopausa precoce. Para saber mais sobre esse estágio, clique aqui.

Exercícios resolvidos sobre sistema reprodutor feminino

1. (Unesp)

Método de contracepção definitiva começa a se popularizar no país

Consagrado nos Estados Unidos há quase uma década, o Essure é um procedimento feito em ambulatório, que dispensa cortes. O Essure consiste de dois dispositivos metálicos com 4 centímetros, instalados no início das tubas uterinas por meio de um equipamento bem fino, que é introduzido no canal vaginal. Em algumas semanas, as paredes das tubas recobrem os microimplantes, obstruindo as tubas e fazendo do Essure um método contraceptivo permanente.

(Diogo Sponchiato. Revista Saúde, maio de 2012. Adaptado.)

Considerando o modo pelo qual o dispositivo mencionado no texto leva à contracepção, é correto afirmar que ele impede
 

a) a locomoção do espermatozoide da vagina para o útero, e deste para as tubas uterinas, com resultado análogo ao provocado pelos cremes espermicidas.

b) que o embrião seja conduzido da tuba uterina até o útero, com resultado análogo ao provocado pela camisinha feminina, o Femidom.

c) a implantação do embrião no endométrio, caso o óvulo tenha sido fecundado, com resultado análogo ao provocado pelo dispositivo intrauterino, o DIU.

d) que ocorra a ovulação, com resultado análogo ao provocado pela pílula anticoncepcional hormonal.

e) que o espermatozoide chegue ao ovócito, com resultado análogo ao provocado pela laqueadura.

Resposta: E. Ao obstruir as tubas uterinas, o procedimento Essure impede o encontro dos gametas. A mesma lógica é utilizada para laqueadura.

2. (UEL) Em um experimento para determinar a importância dos hormônios hipofisários na reprodução de mamíferos, procedeu-se à remocão da hipófise (hipofisectomia) de um grupo de ratas adultas. Após a hipofisectomia, os animais receberam doses fisiológicas de hormônio folículo-estimulante (FSH) e hormônio luteinizante (LH). Como resultado desse procedimento experimental, espera-se que:

a) Os ovários permaneçam inativos.

b) Não ocorra mais ovulação.

c) Ocorra liberação de estrógenos e ovulação.

d) Ocorra atrofia uterina.

e) Desapareçam as características sexuais secundárias.

Resposta: C. A administração de FSH e LH estimulará a ovulação e a produção de estrógenos mesmo após a hipofisectomia, uma vez que esses hormônios continuariam atuando nos ovários.

Fontes

JUNQUEIRA, L.C. & CARNEIRO, J. Histologia básica. 12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. 538 p.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Câncer do colo do útero. In: Biblioteca Virtual em Saúde MS. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/cancer-do-colo-de-utero/

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Vacina contra o HPV: a melhor e mais eficaz forma de proteção contra o câncer de colo de útero. In: Biblioteca Virtual em Saúde MS. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/vacina-contra-o-hpv-a-melhor-e-mais-eficaz-forma-de-protecao-contra-o-cancer-de-colo-de-utero/#:~:text=

VARELLA BRUNA, M.H. Endometriose. 2011. In: Portal Drauzio Varella. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/mulher/endometriose/

VARELLA BRUNA, M.H. Síndrome do Ovário Policístico - Entrevista. 2012. In: Portal Drauzio Varella. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/mulher/sindrome-do-ovario-policistico-entrevista/

VARELLA BRUNA, M.H. Candidíase. 2011. In: Portal Drauzio Varella. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/mulher/candidiase/

VARELLA BRUNA, M.H. HPV (Papilomavírus Humano). In: Portal Drauzio Varella. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/mulher/hpv-papilomavirus-humano/

VARELLA, M. Vulva. In: Portal Drauzio Varella. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/corpo-humano/vulva/

Escritor do artigo
Escrito por: Heloísa Fernandes Flores Bacharela, licenciada e mestre em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo. Atualmente, é doutoranda em Entomologia e cursa uma especialização em Gestão Escolar na mesma instituição. Desenvolve pesquisas com análise de conteúdo de livro didático e evolução de insetos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FLORES, Heloísa Fernandes. "Sistema reprodutor feminino"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/aparelho-reprodutor-feminino.htm. Acesso em 29 de fevereiro de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas


Artigos Relacionados


Câncer do colo do útero

Clique aqui e amplie seus conhecimentos a respeito do câncer do colo do útero, um tipo de câncer que pode ser prevenido por meio de vacinação.
Doenças e patologias

Estrogênio

O que você sabe sobre o estrogênio? Clique aqui para conhecer as características do estrogênio e suas funções. Compreenda também por que ele é chamado de hormônio sexual feminino, as consequências de sua redução para o corpo da mulher, o que é a reposição hormonal e o papel desse hormônio nas pílulas anticoncepcionais.
Biologia

Fisiologia

Compreenda o que é Fisiologia, conheça um pouco do desenvolvimento dessa área ao longo da história e entenda o que se estuda na Fisiologia Humana e Vegetal.
Biologia

Gravidez

Aprenda um pouco mais sobre todos os eventos que acontecem em uma gravidez e conheça também alguns sinais de alerta durante a gestação.
Biologia

HPV

Aprenda mais a respeito do HPV, um vírus que infecta pele e mucosas. Neste texto, falaremos a respeito dos tipos de HPV, como ocorrem sua transmissão e diagnóstico e como é realizado o tratamento. Falaremos ainda sobre os sintomas da infecção pelo HPV e a relação entre esse vírus e o câncer de colo do útero.
Biologia

Menopausa

Entenda o que é menopausa. Aprenda qual é a diferença entre menopausa, climatério e perimenopausa. Veja os sintomas da menopausa e os tratamentos disponíveis.
Saúde e Bem-estar

Menstruação

Clique aqui e entenda o que é menstruação. Saiba quanto tempo ela dura. Descubra também qual é a sua importância.
Biologia

Ovários

Saiba mais a respeito da estrutura dos ovários e suas funções para o organismo feminino.
Biologia

Vagina

A vagina é um importante órgão do sistema reprodutor feminino. Clique aqui e descubras suas principais características e funções.
Biologia

Útero

Clique neste link e aprenda mais sobre o útero! Conheça suas características, partes e função. Saiba também sobre o colo do útero e o útero retrovertido!
Biologia