Topo
pesquisar

Câncer do colo do útero

Doenças e patologias

O câncer do colo do útero tem íntima relação com a infecção por HPV.
O câncer do colo do útero acomete uma região também chamada de colo do útero ou cérvix
O câncer do colo do útero acomete uma região também chamada de colo do útero ou cérvix
PUBLICIDADE

O câncer do colo do útero, também conhecido por cervical, é o segundo tipo de tumor mais frequente nas mulheres brasileiras, perdendo apenas para o câncer de mama. Ele é responsável por diversas mortes todo ano e, portanto, é considerado um grave problema de saúde pública.

Esse câncer atinge mulheres na faixa etária de 40 a 60 anos principalmente. Um fato intrigante a respeito desse tipo de câncer é que ele está intimamente ligado com o nível socioeconômico, acometendo geralmente mulheres de nível social baixo. Isso pode estar ligado ao fato de que muitas dessas mulheres não possuem acesso aos serviços de saúde.

Muitos fatores de risco estão relacionados com o câncer do colo do útero, entre eles a conduta sexual das mulheres. Múltiplos parceiros e início da atividade sexual muito jovem aumentam o risco de desenvolvimento desse tipo de tumor. Isso ocorre porque o vírus do Papiloma Humano (HPV) apresenta-se como o principal responsável pela transmissão da doença. Ele apresenta diversos subtipos, sendo o 16 e o 18 relacionados com esse tipo de tumor.

Existem pesquisadores que consideram o uso de contraceptivos orais como um fator de risco. Entretanto, sabe-se que pessoas que fazem uso desse tipo de prevenção contra a gravidez utilizam menos métodos de barreira, como a camisinha. Isso faz com que elas estejam mais frequentemente em contato com o HPV e, consequentemente, aumentam-se os riscos de transmissão. Pesquisas comprovam também que mulheres que fazem uso de anticoncepcionais orais vão mais ao médico, por isso é mais fácil identificar os tumores nesse grupo.

O uso de cigarros e doenças como diabetes mellitus, lúpus e AIDS também se associam à doença.

Como maneira de prevenção, destacam-se o sexo seguro, com uso de preservativos em todas as relações sexuais, alimentação saudável e diminuição da exposição ao cigarro.

O câncer do colo de útero é uma doença silenciosa e de progressão lenta. Os sintomas, quando ocorrem, são pouco específicos, como sangramentos vaginais, dor e corrimento. É um tipo de tumor que geralmente não causa metástase.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A visita regular ao ginecologista pode contribuir para um diagnóstico precoce, fator que é extremamente importante para a cura. Quando identificado e tratado corretamente, a paciente possui 100% de chances de recuperação.

Durante a visita ao médico, deve ser solicitado o exame de Papanicolau, teste em que é possível identificar a doença ainda na sua fase inicial. Ele é realizado através da coleta de material do colo do útero através de uma espátula ou escovinha. Após a coleta, o material é colocado em uma lâmina e enviado para análise em laboratórios. Normalmente é um exame que não causa dor.

Esse exame deve ser realizado pelo menos uma vez por ano em mulheres com idade entre 25 a 59 anos, porém, quando se obtêm dois exames negativos consecutivos, sugere-se que o exame seja realizado a cada três anos. Em mulheres que se encaixam em fatores de risco, o ideal é realizar o Papanicolau anualmente. É importante destacar que tanto gestantes como mulheres que nunca tiveram relações sexuais podem realizar o exame.

Mulheres que vão realizar o Papanicolau devem ficar atentas a alguns detalhes para obter melhores resultados:

-Não utilizar duchas vaginais pelo menos 48 horas antes da coleta;

-Exames como ultrassonografia endovaginal também não devem ser realizados;

-Relações sexuais, uso de lubrificantes, diafragma e espermicidas devem ser suspensos pelo menos 48 horas antes da realização do exame;

-Esse exame não pode ser realizado durante o período menstrual.

O tratamento normalmente consiste na cirurgia e radioterapia. No método cirúrgico, pode ocorrer a retirada apenas da região lesionada ou de todo o útero, tubas uterinas e ovário. É importante destacar que o tratamento dependerá do estágio em que a doença se encontra e de algumas questões pessoais, como a vontade da mulher de ter filhos.


Por Vanessa dos Santos
Graduada em Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Câncer do colo do útero"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/doencas/cancer-colo-utero.htm>. Acesso em 15 de novembro de 2018.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola