Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

O amor acaba: crônicas líricas e existenciais

“O amor acaba: crônicas líricas e existenciais” é um livro do escritor brasileiro Paulo Mendes Campos e traz uma seleção de 74 crônicas do autor.

Capa do livro “O amor acaba”, de Paulo Mendes Campos, publicado pela editora Companhia das Letras. [1]
Capa do livro “O amor acaba”, de Paulo Mendes Campos, publicado pela editora Companhia das Letras. [1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

  O amor acaba: crônicas líricas e existenciais, de Paulo Mendes Campos, é um livro de crônicas publicado após a morte do autor. A seleção dos 74 textos foi feita pelo jornalista Flávio Pinheiro. Eles tematizam o cotidiano com humor, senso crítico e muito lirismo. A crônica que dá título ao livro trata o amor de forma não idealizada ao constatar o seu inevitável fim.

Leia também: Bons dias! — um livro de crônicas do escritor realista Machado de Assis

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a obra O amor acaba: crônicas líricas e existenciais

  • O amor acaba é uma obra do escritor mineiro Paulo Mendes Campos.

  • O autor fez parte da terceira geração do modernismo brasileiro (ou pós-modernismo).

  • O livro contém 74 crônicas poéticas e existenciais.

  • Elas apresentam temas do cotidiano com humor, ironia e lirismo.

  • Os textos falam do amor, da beleza e da morte, entre outros assuntos.

Análise da obra O amor acaba: crônicas líricas e existenciais

Crônicas da obra O amor acaba

O livro O amor acaba é composto pelas seguintes crônicas:

  1. “A aurora”

  2. “Receita de domingo”

  3. “O amor acaba”

  4. “Folclore de Deus”

  5. “Ser brotinho”

  6. “O cego de Ipanema”

  7. “O medo”

  8. “Por que bebemos tanto assim?”

  9. “Réquiem para os bares mortos”

  10. “Anatomia do tédio”

  11. “A arte de ser infeliz”

  12. “A Luxúria”

  13. “Rondó de mulher só”

  14. “Lindas e feias”

  15. “Da mulher nua à mulher vestida”

  16. “Achando o amor”

  17. “De Gonzaga para Marília”

  18. “Olhar de mulher”

  19. “Bom gosto e vulgaridade”

  20. “Um homenzinho na ventania”

  21. “Prosa primitiva”

  22. “De repente”

  23. “Sobrevoando Ipanema”

  24. “Lua de mel”

  25. “O homem liberto”

  26. “Canto fúnebre do carioca”

  27. “Despertar de José”

  28. “Cuidado com os velhos”

  29. “Maturidade”

  30. “Um domingo”

  31. “Fim de semana em Cabo Frio”

  32. “O cão na catedral”

  33. “Três sujeitos íntimos”

  34. “Juventude de hoje, ontem e amanhã”

  35. “A puberdade abstrata”

  36. “Poesia do Natal”

  37. “Os reis magos”

  38. “Pequenas ternuras”

  39. “O inimigo”

  40. “Dentro da noite”

  41. “Gente boa e gente inútil”

  42. “Música, doce música”

  43. “O acidente”

  44. Le monocle de mon oncle

  45. “O vendedor de gravidade”

  46. “A Idade da Comunicação”

  47. “Congo”

  48. “Encenação da morte”

  49. “A emulação do desastre”

  50. “Memorando de um dia”

  51. “Metamorfose às avessas”

  52. “Para Maria da Graça”

  53. “Nutrição: notas de um diletante”

  54. “Perfil a lápis”

  55. “Como disse o homem”

  56. “Últimos apelos”

  57. “Depoimento”

  58. “Desquitados que se amam”

  59. “Aparição”

  60. “Em face dos mortos”

  61. “O reino das lembranças”

  62. “Uma casa kafkiana”

  63. “Sono e insônia”

  64. “Buro(câncer)cracia”

  65. “A vida, a morte, o amor, o dinheiro”

  66. “Imagens”

  67. “Fascinação da bagatela”

  68. “Amanhecer e anoitecer”

  69. “Versos em prosa”

  70. “Discurso à beira do caos”

  71. “Declaração de males”

  72. “Tens em mim tua vitória”

  73. “Na praia”

  74. “Coriscos”

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características da obra O amor acaba: crônicas líricas e existenciais

Pertencente à terceira geração do modernismo, conhecida também como pós-modernismo, Paulo Mendes Campos ficou bastante conhecido pelas suas crônicas. Elas apresentam temáticas do cotidiano com humor e lirismo. Os textos do escritor também são marcados pela síntese e presença de elementos intertextuais.

O livro O amor acaba, cujo subtítulo é “crônicas líricas e existenciais”, possui 74 crônicas de Paulo Mendes Campos. Ele foi publicado após a morte do autor. Assim, os textos, cuja linguagem mescla coloquialismo com discurso erudito, foram selecionados pelo jornalista Flávio Pinheiro.

Veja também: A hora da estrela — outra obra que faz parte da terceira geração modernista

Crônica “O amor acaba”

A crônica que dá título ao livro “O amor acaba” foi publicada, pela primeira vez, na revista Manchete, em 16 de maio de 1964. Seu tema principal é o amor, e nela, o cronista afirma que esse sentimento “acaba”. Portanto, o autor é realista e nada romântico. Assim, o fim do amor se torna mais um acontecimento cotidiano, já que, todos os dias, ele acaba de diversas maneiras.

Além disso, Paulo Mendes Campos utiliza o ponto-final apenas no fim da crônica, de forma a sugerir definitivamente o fim do amor:

O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o escarlate das unhas; na acidez da aurora tropical, depois duma noite votada à alegria póstuma, que não veio; e acaba o amor no desenlace das mãos no cinema, como tentáculos saciados, e elas se movimentam no escuro como dois polvos de solidão; [...] às vezes o amor acaba como se fosse melhor nunca ter existido; mas pode acabar com doçura e esperança; uma palavra, muda ou articulada, e acaba o amor; na verdade; o álcool; de manhã, de tarde, de noite; na floração excessiva da primavera; no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba.

CAMPOS, Paulo Mendes. O amor acaba. In.: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trechos da obra O amor acaba: crônicas líricas e existenciais

Trecho da crônica “A aurora”

Abençoado seja o Sol. Abençoado seja o dia. Abençoado seja o descanso. Abençoados sejam os pássaros diurnos e noturnos. Abençoadas sejam as criaturas de todo o mundo. Abençoado o fogo; a terra; o ar; a água. Abençoada seja a aurora. Que me perdoa de meus pecados.

CAMPOS, Paulo Mendes. A aurora. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônica “Receita de domingo”

Noite pesada. À luz da lâmpada, viajamos. O livro precisa dizer-nos que o mundo está errado, que o mundo devia, mas não é composto de domingos. Então, como uma espada, surgir da nossa felicidade burguesa e particular uma dor viril e irritada, de lado a lado. Para que os dias da semana entrante não nos repartam em uma existência de egoísmos.

CAMPOS, Paulo Mendes. Receita de domingo. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônica “Folclore de Deus”

Mas Deus é também o grande boêmio: ele passou por tua noite quando bebias teu penúltimo copo de vinho; talvez não o viste, mas todos os teus sentidos se alertaram, e bebeste um gole inquieto e enxugaste teus lábios com o dorso da mão e sentiste saudade de tua casa.

CAMPOS, Paulo Mendes. Folclore de Deus. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônica “Por que bebemos tanto assim?”

Chesterton foi um louco que perdeu tudo, menos a razão; é claro, por isso mesmo, que a criatura humana é o princípio da degradação de todas as coisas sobre a Terra. O álcool é inocente. Só um típico alcoólico anônimo seria incapaz de entender a inocência do álcool e a inescrutável malícia dos homens.

CAMPOS, Paulo Mendes. Por que bebemos tanto assim? In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônica “Anatomia do tédio”

O psicólogo Maynard Shelly, da Universidade de Kansas, conceitua o tédio como estímulo inadequado; o problema do tédio é que nós nos adaptamos ao grande número das formas de estímulos. Os filmes que excitavam ou chocavam na década de 40 não provocam mais nada, talvez provoquem tédio. Daí, o sexo e a violência. Quando a economia baqueia, quando falta gasolina, o tédio piora. E, com ele, a onda de crimes.

CAMPOS, Paulo Mendes. Anatomia do tédio. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônicaOlhar de mulher”

[...]: quem ama o feio tem senso estético; quem ama o bonito tem senso social. Por isso mesmo, os concursos de beleza não deveriam ser julgados por um júri limitado, mas pela multidão; o membro do júri corre o risco de projetar na escolha o seu próprio senso estético (caso o possua), mas a multidão não errará nunca, escolhendo fatalmente a mulher encantadora, a mulher que fala ao erotismo da maioria de uma cidade, de um país, de uma raça.

CAMPOS, Paulo Mendes. Olhar de mulher. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônica “Sobrevoando Ipanema”

Mas, em sua viagem, ela absorvera alguma coisa mais simples do que a água e mais pura do que o peixe de cada dia, alguma coisa que está na cor e não é a cor, está na forma dos objetos e não é a forma, está no oceano, na luz solar, no vento, nas árvores, no marechal, na sombra que se desloca, mas que não é a sombra, o marechal, o vento, a luz solar, o oceano. Alguma coisa infinitamente sensível e unânime, que se esvai ao ser tocada, alguma coisa indefinidamente acima da compreensão das gaivotas.

CAMPOS, Paulo Mendes. Sobrevoando Ipanema. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônicaCongo”

No Congo, violência, vingança, o ídolo vetusto que se estraçalha, o pântano de sangue, o voo do corvo, o rio da raiva, a garra do belga, a madrugada de carvão, a cova de Cristo, a luz de Lumumba. Na Bélgica, a suavidade dos canais, meu amor.

CAMPOS, Paulo Mendes. Congo. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Trecho da crônica “Sono e insônia”

Só os ricos poderiam dormir. Mas não dormem. Alguns porque, ainda mais intensamente, foram lançados no círculo infernal da competição; outros, sensíveis, porque não estão em boa paz com as suas consciências; outros…

CAMPOS, Paulo Mendes. Sono e insônia. In: _____. O amor acaba: crônicas líricas e existenciais. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Vida de Paulo Mendes Campos

Paulo Mendes Campos nasceu em 28 de fevereiro de 1922, na cidade de Belo Horizonte. Mais tarde, atuou como bibliotecário na Diretoria de Saúde Pública de Minas Gerais. Tentou investir em várias carreiras. Iniciou estudos em Odontologia, Aviação, Direito e Veterinária, mas não concluiu nenhum deles.

Estátua de Paulo Mendes Campos, na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, em Belo Horizonte. [2]
Estátua de Paulo Mendes Campos, na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, em Belo Horizonte. [2]

O autor escreveu para diversos periódicos, como os jornais O Diário, Folha de Minas, Correio da Manhã, Jornal do Brasil e a revista Manchete. No Rio de Janeiro, dirigiu o Departamento de Obras Raras da Biblioteca Nacional, além de ter feito traduções e também ter escrito para a televisão. Faleceu em 1 de julho de 1991, no Rio de Janeiro.

Créditos de imagem

[1] Grupo Companhia das Letras (reprodução)

[2] Wikimedia Commons (reprodução)

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura  

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "O amor acaba: crônicas líricas e existenciais"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/paulo-mendes-campos.htm. Acesso em 23 de maio de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

(UFMT - 2006)

“Chatear” e “encher”

Um amigo meu me ensina a diferença entre “chatear” e “encher”. Chatear é assim: você telefona para um escritório qualquer na cidade.

— Alô, quer me chamar por favor o Valdemar?
— Aqui não tem nenhum Valdemar.
Daí a alguns minutos você liga de novo.
— O Valdemar, por obséquio.
— Cavalheiro, aqui não trabalha nenhum Valdemar.
— Mas não é do número tal?
— É, mas aqui nunca teve nenhum Valdemar.
Mais cinco minutos, você liga o mesmo número:
— Por favor, o Valdemar já chegou?

— Vê se te manca palhaço. Já não lhe disse que o diabo desse Valdemar nunca trabalhou aqui?
— Mas ele mesmo me disse que trabalhava aí.

— Não chateia.

Daí a dez minutos, ligue de novo.

— Escute uma coisa: o Valdemar não deixou pelo menos um recado?

O outro dessa vez esquece a presença da datilógrafa e diz coisas impublicáveis.

Até aqui é chatear. Para encher, espere passar mais dez minutos, faça nova ligação:
— Alô! Quem fala? Quem fala aqui é o Valdemar! Alguém telefonou para mim?

Paulo Mendes Campos, in Para gostar de ler - Crônicas

Na crônica são construídas relações envolvendo narrador e personagens. Sobre o assunto, assinale a afirmativa correta.

a) A fala – É, mas aqui nunca teve nenhum Valdemar. sinaliza o início da perda de paciência da pessoa que atende ao telefone.

b) Desde o início do texto, a pessoa que telefona mostra-se irritada com quem fala.

c) O uso do artigo o antes de Valdemar revela o distanciamento entre Valdemar e a pessoa que o procura.

d) O autor cria uma relação lúdica entre Valdemar e os funcionários do escritório.

e) A presença da datilógrafa é motivo para que o funcionário que atende ao telefone mantenha, durante a conversa, comportamento polido.

Exercício 2

(UFMT – 2006)

“Chatear” e “encher”

Um amigo meu me ensina a diferença entre “chatear” e “encher”. Chatear é assim: você telefona para um escritório qualquer na cidade.

— Alô, quer me chamar por favor o Valdemar?
— Aqui não tem nenhum Valdemar.
Daí a alguns minutos você liga de novo.
— O Valdemar, por obséquio.
— Cavalheiro, aqui não trabalha nenhum Valdemar.
— Mas não é do número tal?
— É, mas aqui nunca teve nenhum Valdemar.
Mais cinco minutos, você liga o mesmo número:
— Por favor, o Valdemar já chegou?

— Vê se te manca palhaço. Já não lhe disse que o diabo desse Valdemar nunca trabalhou aqui?
— Mas ele mesmo me disse que trabalhava aí.

— Não chateia.

Daí a dez minutos, ligue de novo.

— Escute uma coisa: o Valdemar não deixou pelo menos um recado?

O outro dessa vez esquece a presença da datilógrafa e diz coisas impublicáveis.

Até aqui é chatear. Para encher, espere passar mais dez minutos, faça nova ligação:
— Alô! Quem fala? Quem fala aqui é o Valdemar! Alguém telefonou para mim?

Paulo Mendes Campos, in Para gostar de ler - Crônicas

Sobre a linguagem utilizada por Paulo Mendes Campos, assinale a afirmativa correta.

a) Os dêiticos aqui (linhas 4, 7, 9, 12 e 19) e aí (linha 13) são entendidos pelo leitor por referenciarem lugares em que estão os participantes do diálogo.

b) A crescente irritação do funcionário que atende ao telefone é percebida pelos impropérios proferidos ao longo da conversa.

c) O texto traz vocábulos e expressões caracteristicamente regionais: por obséquio; datilógrafa; cavalheiro; Vê se te manca, palhaço.

d) A linguagem utilizada no texto é predominantemente formal, adequada a um diálogo entre desconhecidos.

e) A fala – Aqui não tem nenhum Valdemar., reescrita na modalidade escrita padrão, fica: Nesse escritório, não tem Valdemar.

Artigos Relacionados


As horas nuas

Clique aqui e leia uma análise da obra “As horas nuas”, de Lygia Fagundes Telles. Conheça seu enredo e suas principais características.
Literatura

Grande sertão: veredas

Leia a análise da obra “Grande sertão: veredas” e conheça as características dessa narrativa. Saiba também um pouco sobre a vida do autor da obra, Guimarães Rosa.
Literatura

Campo geral – Guimarães Rosa

Leia a análise do livro “Campo geral”. Conheça seu enredo, características e personagens. Saiba um pouco sobre a vida de seu autor, João Guimarães Rosa.
Literatura

Clarice Lispector

Saiba quem é a escritora brasileira Clarice Lispector. Conheça as principais características de suas obras. Além disso, leia algumas frases da autora.
Biografia

Fernando Sabino

Conheça o escritor mineiro Fernando Sabino. Saiba quais são as principais características de suas obras. Além disso, veja algumas frases desse autor.
Biografia

Guimarães Rosa

Saiba mais sobre Guimarães Rosa. Leia sua biografia, conheça suas obras e prêmios, suas características literárias e seu grande romance, Grande sertão: veredas.
Literatura

José J. Veiga

Clique aqui e conheça José J. Veiga, autor brasileiro vinculado ao realismo mágico. Entenda as características de suas obras. E leia algumas frases do autor.
Literatura

Lygia Fagundes Telles

Saiba quem foi Lygia Fagundes Telles. Conheça as características de suas obras. Leia algumas frases da autora.
Literatura

Millôr Fernandes

Conheça o escritor e desenhista Millôr Fernandes. Saiba quais são as principais características de suas obras e leia algumas das famosas frases do autor.
Literatura

Modernismo no Brasil

Saiba mais sobre o Modernismo no Brasil, seu contexto histórico, suas influências europeias e rupturas propostas. Confira suas fases, principais obras e artistas.
Literatura