Topo
pesquisar

Governo Castello Branco

História do Brasil

O Governo de Humberto Castello Branco estendeu-se de 1964 a 1967 e ficou caracterizado por implantar as bases da política de repressão da Ditadura Militar.
PUBLICIDADE

O marechal Humberto Castello Branco foi o primeiro presidente brasileiro durante o período da Ditadura Militar. Seu governo iniciou-se a partir da escolha do marechal para presidente em eleição indireta realizada em 11 de abril de 1964 e estendeu-se até 1967. O governo de Castello Branco foi o responsável por implantar as bases do aparato repressor que se estabeleceu durante o que ficou conhecido como “anos de chumbo”.

Posse de Castello Branco

Humberto Castello Branco assumiu a presidência do Brasil em 15 de abril de 1964 e substituiu Ranieri Mazzilli, que presidiu o país de maneira provisória após a destituição de João Goulart com o Golpe Civil-Militar de 1964. Na eleição indireta realizada em abril de 1964, Castello Branco concorreu com Juarez Távora e Eurico Gaspar Dutra, mas saiu vencedor, recebendo praticamente 99% dos votos.

Acesse também: Quantos golpes de Estado houve no Brasil desde a Independência?

AI-1 e o início da repressão

Castello Branco já assumiu o governo com o Brasil regido pelo decreto conhecido como Ato Institucional nº 1. O AI-1, como também se chama esse ato, cumpria exatamente o objetivo de justificar a deposição de João Goulart e de criar o aparato jurídico para permitir que a ditadura impusesse a repressão e a perseguição aos seus opositores políticos.

O AI-1 não anulou a Constituição de 1946, mas realizou modificações pontuais na Carta Constitucional do país. Ele deu poderes para que o governo de Castello Branco realizasse inúmeros expurgos tanto nos meios militares quanto nos meios civis. O historiador Boris Fausto fala que, em números conservadores, a repressão iniciada a partir do AI-1 resultou no expurgo de cerca de 1400 pessoas da burocracia civil e cerca de 1200 nas Forças Armadas|2|.

No campo político, 41 parlamentares tiveram seus direitos políticos cassados – a maioria era composta por políticos do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Também foram cassados os mandatos de governadores notoriamente nacionalistas que não haviam compactuado com o golpe, como foi o caso dos governadores de Pernambuco, Sergipe e Goiás (Miguel Arraes, Seixas Dória e Mauro Borges, respectivamente).

Leia também: O que é Golpe de Estado?

Com o AI-1, também se iniciou uma forte repressão aos movimentos sociais. Os dois grandes alvos foram o movimento estudantil e o movimento dos camponeses. A sede da UNE foi invadida e incendiada e logo a organização foi colocada na clandestinidade. Outro movimento que sofreu foram as Ligas Camponesas, que foram duramente reprimidas e também colocadas na ilegalidade.

O historiador Marcos Napolitano aponta que a repressão instaurada a partir do governo de Castello Branco tinha os seguintes objetivos: “acabar com a elite reformista de esquerda e centro-esquerda, dissolver os movimentos sociais organizados e reorganizar o Estado na direção de uma nova etapa de acumulação de capital”|3|.

Um dos mecanismos mais importantes da repressão que surgiram com o AI-1 foram os Inquéritos Policiais Militares (IPM). Os IPMs eram mecanismos de investigação e repressão que a ditadura utilizava para combater os opositores, chamados de subversivos. Eram realizados, em geral, por coronéis radicais. Logo após o golpe, mais de 10 mil pessoas tornaram-se réus pelos IPMs|4|.

O AI-1 tinha data de validade para funcionar, pois, em 31 de janeiro de 1966, o decreto perderia sua validade. Até outubro de 1965, novas eleições deveriam ser realizadas. Isso dava esperanças para muitos de que a normalidade da democracia retornasse ao país, mas o regime militar possuía outros planos.

AI-2 e AI-3

O Ato Institucional nº 2 foi decretado no final de 1965 e foi uma resposta da insatisfação que existia nas Forças Armadas com o governo de Castello Branco. O presidente brasileiro era enxergado como muito moderado, e as pressões levaram o presidente a endurecer mais ainda o regime. O AI-2 fortaleceu o poder do Executivo e decretou que a escolha dos presidentes aconteceria a partir de eleições indiretas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quadros conservadores bastante influentes da sociedade romperam abertamente com a Ditadura Militar. Destacaram-se os nomes de Carlos Lacerda e Ademar de Barros, mas principalmente o primeiro por ter fundado um grupo político que repercutiu consideravelmente na época: Frente Ampla.

A Frente Ampla foi criada por Carlos Lacerda como movimento de oposição à Ditadura Militar. O jornalista e político demandava o retorno das eleições presidenciais diretas e defendia a continuidade do projeto de desenvolvimento econômico do país. Lacerda procurou seus antigos desafetos, Juscelino Kubitschek e João Goulart, e convenceu ambos a aderir ao seu movimento. A Frente Ampla foi colocada na ilegalidade no começo de 1968.

Veja também: Governo de Juscelino Kubitschek e Governo de João Goulart (Jango)

O Ato Institucional nº 3 foi decretado em fevereiro de 1966 e estipulou o sistema bipartidário no país. Houve então o surgimento da Aliança Renovadora Nacional (Arena) e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), este conhecido como oposição consentida. O AI-3, além disso, decretou que eleições para governadores e prefeitos também seriam indiretas.

Outros destaques que podem ser feitos a respeito do governo de Castello Branco foi a criação do Serviço Nacional de Informação (SNI), além da Lei de Segurança Nacional e o decreto do AI-4, que autorizou a redação de uma nova Constituição para o Brasil, outorgada em março de 1967. No entanto, o enfraquecimento de Castello Branco nas Forças Armadas resultou na escolha de Artur Costa e Silva como o novo presidente do país.

Política econômica

Na política econômica, o governo de Castello Branco ficou caracterizado pela adoção de uma política de austeridade que tinha como objetivos principais o controle da inflação e o combate ao endividamento público. Exatamente para isso foi criado o Plano de Ação Econômica do Governo (PAEG).

O PAEG buscava exatamente reduzir o endividamento do governo, principalmente a partir do controle dos gastos. Com o PAEG, foi decretada uma nova política de reajuste salarial, na qual o governo criou um cálculo para que o reajuste do salário do trabalhador sempre fosse menor que a inflação do ano anterior. Assim, o caráter de austeridade da política econômica do governo tornava-se perceptível com o controle sobre os salários.

O governo de Castello Branco também criou uma série de exigências para permitir que uma greve fosse realizada. Na prática, a Lei de Greve tornava praticamente impossível a realização de greves no país. Por fim, também foram facilitadas as condições de demissão de funcionários com a criação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

A política de austeridade implantada por Castello Branco deu resultados, e a inflação no país cedeu e reduziu-se a partir de 1965. De toda forma, o PAEG é enxergado por muitos historiadores como uma ação do governo para atender aos interesses do grande empresariado que havia apoiado o Golpe de 1964, pois arrochou salários e criou mecanismos que facilitavam a demissão dos trabalhadores.

O único ponto do governo que desagradou fortemente ao empresariado nacional foi o controle sobre a liberação de crédito. Essa política, no entanto, foi revogada durante o governo de Costa e Silva. Considera-se que a política de austeridade de Castello Branco abriu o caminho para o que ficou conhecido como “Milagre Econômico”.

|1| Ato Institucional nº 1. Para acessar, clique aqui.
|2| FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2013, p. 399.
|3| NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2016, p. 71.
|4| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 457.

*Créditos da imagem: FGV/CPDOC

Por Daniel Neves
Graduado em História

À direita na imagem, está Humberto Castello Branco, presidente do Brasil de 1964 a 1967.*
À direita na imagem, está Humberto Castello Branco, presidente do Brasil de 1964 a 1967.*

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Governo Castello Branco"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/castelo-branco.htm. Acesso em 14 de dezembro de 2019.

Lista de Exercícios
Questão 1

O Golpe de 1964 destituiu o presidente João Goulart e transmitiu o poder para uma Junta Militar, que elegeu Humberto Castello Branco como primeiro presidente militar do Brasil. Com o governo Castello Branco, o aparato repressor começou a ser implantado no país, e os primeiros casos de tortura e censura começaram a ser registrados. Na questão partidária, o Brasil foi organizado com um modelo de bipartidarismo. Os dois partidos que surgiram eram:

a) PSD e PMDB

b) Arena e MDB

c) PTB e Arena

d) PSD e PDS

e) MDB e PMDB

Questão 2

No governo de Castello Branco, foram implantadas medidas econômicas de austeridade para conter os gastos governamentais e congelar os salários para impedir o crescimento da inflação e garantir o desenvolvimento econômico do país. O projeto econômico aplicado no governo Castello Branco recebeu o nome de:

a) Programa de Ação Econômica do Governo (PAEG)

b) Milagre Econômico

c) Reformas de Base

d) Plano Salte

e) Plano de Metas

Mais Questões
Os Atos Institucionais desmantelaram as liberdades democráticas no interior do país.
História do Brasil Os atos institucionais
A Constituição Federal de 1967 foi elaborada e aprovada durante o governo do general Castelo Branco
História do Brasil Constituição de 1967
O governo Figueiredo marcou a saída dos militares do poder
História do Brasil Governo Figueiredo
Artur Costa e Silva foi o segundo presidente da Ditadura Militar e governou o Brasil entre 1967 e 1969*
História do Brasil Governo Costa e Silva
Na imagem estão Humberto Castello Branco (1964-67) e Ernesto Geisel (1974-79), dois presidentes militares durante o período da ditadura.*
História do Brasil Ditadura Militar no Brasil
Governo Médici: A euforia de um país
História do Brasil General Medici
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola