Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Linfa

Linfa é o nome dado ao líquido intersticial após entrar no sistema linfático. Apresenta composição semelhante à do plasma sanguíneo, porém com poucas proteínas.

Representação 3D do sistema linfático do corpo humano, o qual transporta a linfa.
O sistema linfático garante a reabsorção de fluidos presentes no espaço intersticial.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Linfa é o nome dado a um líquido transparante e viscoso que circula em nosso corpo pelo sistema linfático. Esse sistema garante o retorno de substâncias importantes para a corrente sanguínea e, além disso, está relacionado com a defesa do nosso organismo.

A linfa circula de maneira lenta pelo nosso corpo, uma vez que o sistema linfático, diferentemente do cardiovascular, não conta com um órgão que ajuda no bombeamento desse líquido. Ela se forma do fluido intersticial e apresenta uma composição semelhante à do plasma sanguíneo, diferenciando-se por possuir baixa concentração de proteínas.

Leia também: Afinal, o colesterol é um vilão?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre linfa

  • Linfa é um líquido que circula no sistema linfático e apresenta uma composição que a assemelha ao plasma sanguíneo.

  • Linfa é o nome dado ao fluido intersticial após ele passar para o interior do sistema linfático.

  • A linfa apresenta concentração baixa de proteínas.

  • Falhas no sistema de drenagem do fluído intersticial provocam o acúmulo de fluído intersticial entre os tecidos e cavidades que formam nosso corpo, um problema conhecido como edema.

  • A drenagem linfática auxilia no tratamento de edemas.

O que é linfa?

Linfa é um líquido que circula no sistema linfático e apresenta uma composição que se assemelha ao plasma sanguíneo. É um líquido transparente e viscoso que, diferentemente do sangue, corre de maneira lenta pelo nosso corpo por não apresentar nenhuma estrutura que garanta seu bombeamento de forma rápida. Para a linfa circular, faz-se necessário diferentes fatores, tais como a contração de músculos próximos aos vasos linfáticos, a pulsação das artérias e o peristaltismo visceral e respiratório.

O sistema linfático é formado, além da linfa, por vasos linfáticos e órgãos linfáticos. Ele garante que o líquido presente nos espaços intersticiais retorne ao sangue e atua também diretamente na nossa imunidade. Os linfonodos, por exemplo, atuam como filtros, e, à medida que a linfa passa em seu interior, as partículas estranhas e micro-organismos são atacadas por células do sistema imunológico. A linfa, além de transportar células do sistema imunológico, garante o transporte de algumas vitaminas lipossolúveis e de lipídios.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Diferença entre linfa e sangue

A linfa é um líquido formado do líquido intersticial e que apresenta uma composição muito semelhante à do plasma sanguíneo. Diferencia-se, no entanto, por possuir uma quantidade menor de proteínas. Destaca-se ainda por apresentar uma alta concentração de leucócitos, principalmente linfócitos.

Como a linfa é formada?

Como salientado, linfa é o nome dado ao fluído intersticial assim que ele passa para o interior do sistema linfático. Esse fluído se forma quando substâncias como água, oxigênio e nutrientes saem do capilar e desembocam no interstício. A passagem dessas substâncias presentes no sangue para o espaço existente entre os tecidos ocorre quando a pressão do sangue é maior que a pressão osmótica.

Estrutura dos capilares, vasos sanguíneos e linfáticos, nos quais o fluido intersticial se transforma em linfa.
Quando o fluido intersticial entra no sistema linfático, passa a ser chamado de linfa.

O fluido intersticial apresenta substâncias essenciais para o metabolismo celular, e, na medida em que ocorre a troca de substâncias entre as células e o sangue, sua constituição muda. Parte desse fluido é recolhida pelo próprio sistema cardiovascular, mais precisamente pelos capilares venosos. Isso ocorre quando a pressão intersticial é maior do que a existente no capilar.

Uma porção do fluido, no entanto, não é absorvida pelos capilares, sendo absorvida pelo sistema linfático. Quando o fluido entra no sistema linfático, passa a ser chamado de linfa. A linfa flui pelos vasos linfáticos e é despejada no sistema cardiovascular por meio de ductos.

Veja também: Trombose venal profunda — um problema causado pela má circulação do sangue

O que são edemas?

Quando o sistema de drenagem do fluido intersticial apresenta alguma falha, observa-se o acúmulo de fluido intersticial entre os tecidos e cavidades que formam nosso corpo, um problema conhecido como edema ou inchaço. Diferentes fatores podem estar relacionados com a formação dos edemas, indo desde lesões teciduais até a obstrução dos vasos linfáticos, como observado no caso da filariose.

Drenagem linfática

A drenagem linfática é uma técnica que influencia diretamente na drenagem do fluido intersticial, ajudando, por exemplo, na redução dos edemas. A drenagem pode ser feita manualmente ou de forma mecânica, e, de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, tem como objetivo aumentar o volume e a velocidade da linfa, a ser transportada pelos vasos e ductos linfáticos, por meio de manobras que imitam o bombeamento fisiológico.

Técnica da drenagem linfática sendo aplicada manualmente na região da panturrilha.
A drenagem linfática ajuda a melhorar a circulação da linfa.

Ainda de acordo com a Sociedade, são indicações da drenagem linfática: tecidos edemaciados, circulação sanguínea de retorno comprometida, edema no período gestacional e tensão pré-menstrual, tratamento de pré e pós-cirurgia plástica, tratamento pós-lipoaspiração, celulite, cicatrizes hipertróficas e queloidianas, relaxamento de pessoas tensas, entre outras indicações.

Vale salientar que é fundamental que a drenagem linfática seja feita apenas por profissionais capacitados. Somente assim o paciente conseguirá um melhor resultado e evitará complicações que podem surgir devido a uma prática inadequada.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Linfa"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/linfa.htm. Acesso em 24 de maio de 2024.

De estudante para estudante