Topo
pesquisar

Colesterol

Saúde na escola

PUBLICIDADE

O colesterol é um tipo de esteroide, ou seja, faz parte de um grupo de lipídios caracterizado por apresentar um esqueleto carbônico formado por quatro anéis fusionados. Apesar de ser fundamental para o funcionamento do nosso corpo, o seu excesso está relacionado a uma série de problemas de saúde.

A seguir conheceremos mais sobre esse importante esteroide, compreendendo melhor sua importância, como ele é transportado pelo corpo, a relação existente entre LDL, HDL e aterosclerose, e conhecendo os níveis adequados de colesterol que nosso organismo deve apresentar.

Veja também: Composição química do colesterol

Função do colesterol

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, o colesterol é essencial para o funcionamento adequado do nosso organismo e sem ele nossa sobrevivência não seria possível. Ele é um componente importante da membrana plasmática das células, das membranas das organelas celulares e da bainha de mielina dos neurônios, atua como precursor dos sais biliares e da vitamina D e também é utilizado na síntese de alguns hormônios.

O colesterol é um lipídio importante, porém seu excesso pode causar problemas.
O colesterol é um lipídio importante, porém seu excesso pode causar problemas.

Transporte de colesterol: lipoproteínas

O colesterol é transportado no sangue por meio de lipoproteínas, que são partículas formadas por moléculas de lipídeos ligadas a uma proteína.

As lipoproteínas podem ser classificadas em cinco grupos distintos: quilomícrons (Qm), lipoproteínas de muito baixa densidade (VLDL), lipoproteínas de densidade intermediária (IDL), lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e lipoproteínas de alta densidade (HDL). As duas principais lipoproteínas são a LDL e a HDL, as quais serão abordadas a seguir:

  • LDL

LDL (low-density lipoprotein) é uma lipoproteína que garante o transporte de colesterol do fígado e intestino até as membranas ou local de síntese de outros esteroides. Quando em excesso, a LDL pode depositar-se na parede dos vasos e ser oxidada. Essa oxidação modifica sua estrutura, a qual passa a não ser reconhecida pelas células endoteliais, desencadeando uma ação do sistema imune.

Esse processo pode ser responsável por levar à formação da placa aterosclerótica. Essa placa faz com que a artéria fique enrijecida e seu lúmen seja estreitado, com isso pode haver a obstrução do vaso sanguíneo e, consequentemente, o desenvolvimento de problemas, como infarto e acidentes vasculares cerebrais.

Saiba mais: Diferença entre artéria, veia e capilar

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a cada 40mg/dL de colesterol LDL reduzido, a mortalidade por infarto reduz-se em 20%. Devido a essas características, o LDL é popularmente chamado de “mau colesterol”.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • HDL

HDL (high-density lipoprotein) é uma lipoproteína que capta o colesterol excedente nos tecidos e o leva em direção ao fígado, para que possa ser excretado. Além disso, estudos in vitro e em animais demonstraram que a HDL apresenta propriedade antioxidante, anticoagulante, anti-inflamatória e de proteção endotelial.

Em relação à doença aterosclerótica, observa-se uma relação inversa entre os níveis de HDL e o desenvolvimento da doença. Devido a essas características, o HDL é popularmente chamado de “bom colesterol”.

Altas concentrações de LDL e baixas concentrações de HDL no sangue estão relacionadas ao desenvolvimento de doença aterosclerótica. Entretanto, além do colesterol, é importante estar atento à pressão sanguínea, ao uso de cigarro, ao peso e ao controle da glicose. Entenda mais sobre esse tema, acessando o texto: Aterosclerose.

O aumento de LDL está relacionado ao risco de desenvolver-se doenças cardiovasculares, e o aumento do HDL, à proteção contra esse problema.
O aumento de LDL está relacionado ao risco de desenvolver-se doenças cardiovasculares, e o aumento do HDL, à proteção contra esse problema.

Colesterol e alimentação

A maior parte do colesterol presente no organismo é produzida nele próprio, enquanto uma pequena porção é fornecida pela nossa alimentação. Apesar disso, o controle dos alimentos ingeridos é fundamental para que os níveis de LDL e HDL no organismo estejam em equilíbrio. Manter as lipoproteínas em níveis adequados é essencial, uma vez que o aumento de LDL e a redução de HDL associam-se ao desenvolvimento de problemas cardiovasculares.

Os níveis de colesterol podem ser controlados por meio de uma dieta adequada, dando-se ênfase, principalmente, aos níveis de gordura. Segundo o Ministério da Saúde, um dos motivos de alteração nos níveis de colesterol é a ingestão excessiva de gorduras saturadas e gorduras trans, as quais estão presentes em alimentos de origem animal e ultraprocessados.

Desse modo, alimentos como carnes gordurosas, leite integral, queijos amarelos, bacon, torresmo, sorvete, batata frita, salgadinhos e biscoitos devem ser evitados. Deve-se inserir na dieta alimentos saudáveis, como frutas, legumes e verduras, e dar preferência às carnes brancas magras, como peixe. As frituras devem ser reduzidas, sendo a melhor escolha os alimentos grelhados e assados.

Vale destacar ainda que, para os níveis de colesterol serem equilibrados, não basta apenas uma dieta balanceada, sendo fundamental a prática de atividade física. A prática de exercícios físicos está relacionada com a redução do mau colesterol (LDL) e o aumento do bom colesterol (HDL). Recomenda-se que sejam cumpridos pelo menos 30 minutos de atividade física, de quatro a cinco dias por semana.

Dieta balanceada e prática de atividades físicas são dois requisitos básicos para manterem-se adequados os níveis de colesterol.


Leia também: Recomendações para uma alimentação saudável

Valores normais de colesterol

Alterações nos valores normais de colesterol podem estar relacionadas com o desenvolvimento de problemas cardiovasculares. Sendo assim é importante realizar exames preventivos para avaliar o perfil lipídico do indivíduo. É importante deixar claro que os níveis de colesterol podem estar altos também em pessoas magras, não sendo esse um problema que ocorre apenas em pessoas com sobrepeso ou com obesidade. Desse modo, a única forma de identificá-lo é realizando exames.

Confira uma tabela com os valores referenciais do perfil lipídico para adultos maiores de 20 anos, de acordo com a V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose, da Sociedade Brasileira de Cardiologia:

Lipídios

Valores (mg/dl)

Categoria

CT (Colesterol total)

< 200

Desejável

200-239

Limítrofe

≥ 240

Alto

 

LDL-C (Colesterol da LDL)

< 100

Ótimo

100-129

Desejável

130-159

Limítrofe

160-189

Alto

≥190

Muito alto

HDL-C (Colesterol da HDL)

> 60

Desejável

< 40

Baixo

TG (Triglicérides)

< 150

Desejável

150-200

Limítrofe

200-499

Alto

≥ 500

Muito alto

Colesterol não-HDL

< 130

Ótimo

130-159

Desejável

160-189

Alto

≥ 190

Muito alto


Curiosidade: O exame de sangue capaz de determinar a quantidade de lipídios na circulação sanguínea é denominado: lipidograma ou perfil lipídico.

Veja também: Sistema cardiovascular – responsável por garantir a circulação sanguínea

 

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Colesterol"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/colesterol.htm. Acesso em 20 de novembro de 2019.

Assista às nossas videoaulas
Os hormônios atuam apenas em tecidos-alvo
Biologia Hormônios
Lipídios são substâncias que apresentam baixa solubilidade em água
Biologia Lipídios
Veja acima uma representação de como a HDL e a LDL atuam no sistema cardiovascular
Biologia HDL e LDL
Criança com raquitismo: doença decorrente à deficiência de vitamina D, causando distúrbio na mineralização óssea, bem evidente nos membros inferiores
Biologia Vitamina D
Saúde e Bem-estar Aterosclerose
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola