Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Carlos Marighella

História

Carlos Marighella foi um dos principais nomes da guerrilha urbana atuante nos anos 1960, no Brasil.
Charge de E. S. Valtman, de 1961, satirizando o espelhamento da esquerda brasileira no exemplo de Fidel Castro
Charge de E. S. Valtman, de 1961, satirizando o espelhamento da esquerda brasileira no exemplo de Fidel Castro
PUBLICIDADE

O baiano Carlos Marighella (1911-1969) foi o principal nome da guerrilha comunista no Brasil durante o Regime Militar (1964-1985), tendo sido considerado o inimigo número um do país na segunda metade da década de 1960. A trajetória de Marighella sempre dividiu opiniões entre jornalistas e intelectuais brasileiros, tanto na direita quanto na esquerda política (e inclusive dentro da própria esquerda houve muita oposição às suas propostas revolucionárias).

O ingresso de Carlos Marighella na atividade política ocorreu no início da década de 1930, quando, ainda na cidade de Salvador, abandonou a carreira de estudante de engenharia para ser militante profissional do PCB (Partido Comunista Brasileiro). Nesse mesmo período, Marighella saiu da capital baiana com destino a fixar residência no Rio de Janeiro. Quando houve a instalação dos Estado Novo (modelo ditatorial adotado por Getúlio Vargas e inspirado no fascismo europeu), em 1937, Marighella, como outros comunistas da mesma época, foi por duas vezes preso e torturado, mas acabou por ser liberado, em 1945, com o fim do regime varguista.

Com o início do período democrático em 1945, Marighella foi eleito deputado federal pelo PCB da Bahia. Todavia, com o clima nascente da Guerra Fria, o Partido Comunista foi colocado na ilegalidade pelo governo de Eurico Gaspar Dutra, e Marighella passou a atuar na clandestinidade. Na década de 1950, o Comitê Central Comunista Chinês convidou Marighella para uma estadia no país oriental, onde permaneceria durante o biênio de 1953-54 para conhecer in loco o modelo revolucionário chinês. No início da década de 1960, a América Latina como um todo passou a viver ainda mais acirradamente as divergências político-ideológicas da Guerra Fria após a realização da Revolução Cubana em 1959.

Do comunismo cubano, que se instalou naquele país a partir de táticas de guerrilha, espalhou-se para toda a América Latina o modelo do “foquismo”, isto é, a teoria do foco guerrilheiro elaborada por Che Guevara, que consistia em instalar vários pontos de guerrilha no continente com o objetivo de instaurar múltiplos regimes comunistas, ou “muitos Vietñas”, nas palavras do próprio Guevara. No caso específico do Brasil, o modelo da guerrilha já vinha sendo organizado muito antes do Golpe de 1964. Em 1961, Francisco Julião já havia montado as chamadas Ligas Camponesas, em Pernambuco, e viajara a Cuba para estabelecer articulações com os revolucionários daquele país.

Quando o regime militar foi instaurado, Marighella já havia se mostrado avesso à postura que o PCB vinha adotando no Brasil. O PCB preservava a perspectiva da chamada “revolução burguesa”, isto é, a de que o Brasil deveria primeiro industrializar-se e formar uma nítida separação de classes entre burgueses e operários para que a Revolução pudesse acontecer de fato. Diante das circunstâncias apresentadas em 1964, Marighella optou pela ruptura com o PCB e pela adoção do “foquismo” guevarista. Em 1967, após ter participado de uma reunião da OLAS (Organização Latino-Americana de Solidariedade) em Cuba, o revolucionário baiano fundou a ALN (Ação Libertadora Nacional), que se tornaria a maior organização promotora de ações terroristas de guerrilha urbana no Brasil, como assaltos, emboscadas e sequestros, tendo inclusive cooperado com ações de outras organizações, como a do sequestro do embaixador Charles B. Elbrick, idealizada pelo grupo carioca Dissidência da Guanabara.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O discurso teórico da ALN seguia o quase uníssono discurso da esquerda revolucionária latino-americana da época, que incluía o anti-imperialismo (relativo aos Estados Unidos) e a utopia da construção de uma sociedade “autogestionária” e sem classes, tal como pregada pelo credo marxista. Marighella foi o responsável pela disseminação dessas ideias associadas a táticas de luta armada por meio de seus escritos panfletários. Entre os escritos nos quais expôs suas análises sobre a situação política do Brasil estavam: “Por que resisti à prisão” e “A crise brasileira”. Entre aqueles que versavam sobre a teorização da luta armada estavam: “Algumas questões sobre a guerrilha no Brasil”, “Chamamento ao povo brasileiro”, “Pronunciamento do Agrupamento Comunista”, “Quem samba fica, quem não samba vai embora”, “Sobre a organização dos revolucionários”. Além desses, havia ainda o “Manual do Guerrilheiro Urbano”, pelo qual Marighella se tornou conhecido mundialmente e “louvado” por intelectuais de esquerda, como Jean-Paul Sartre, que chegou a publicar trechos do “Manual” e entrevistas com Marighella em sua revista “Les Temps Modernes”.

No “Manual”, Marighella faz recomendações radicais, tais como esta: É claro que o conflito armado do guerrilheiro urbano também tem outro objetivo. Mas aqui nos referimos aos objetivos básicos, sobre tudo às expropriações. É necessário que todo guerrilheiro urbano tenha em mente que somente poderá sobreviver se está disposto a matar os policiais e todos aqueles dedicados à repressão, e se está verdadeiramente dedicado a expropriar a riqueza dos grandes capitalistas, dos latifundiários, e dos imperialistas. (Manual do Guerrilheiro Urbano, Sabotagem, Ed. 2003 p. 7). Uma das “expropriações” mais famosas da ALN foi o assalto ao trem pagador, que percorria a linha da estrada de ferro Santos-Jundiaí, ocorrido em 10 de agosto de 1968. Marighella participou pessoalmente dessa ação.

A morte de Marighella ocorreu no ano seguinte (1969) em uma emboscada preparada pelo sistema de repressão de São Paulo e comandada pelo delegado Sérgio Fleury, conhecido como chefe do grupo de extermínio daquele estado. A emboscada de Fleury partiu de informações obtidas a partir da tortura de freis dominicanos que tinham conexão com a ALN.


Por Me. Cláudio Fernandes

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "Carlos Marighella"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historia/carlos-marighella.htm. Acesso em 23 de setembro de 2021.

Artigos Relacionados
Entenda como ocorreu, em 1969, o sequestro de Charles Burke Elbrick, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil.
Saiba o que foi a ALN – Ação Libertadora Nacional, quais eram as suas propostas e quais foram as suas principais ações.
Um dos mais conhecidos terroristas de todo o século XX.
Conheça aqui qual é a motivação ideológica das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Farc.
Osama Bin Laden - O radical muçulmano que abalou a solidez do império norte-americano.