close
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Escravidão Africana no Brasil

Escravidão africana no Brasil se estabeleceu, na década de 1560, por meio do tráfico negreiro. Aqui os escravizados africanos encontraram uma rotina de violência.

Os primeiros registros apontam que os primeiros africanos escravizados chegaram ao Brasil na década de 1560.
Os primeiros registros apontam que os primeiros africanos escravizados chegaram ao Brasil na década de 1560.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

A escravidão africana no Brasil foi uma prática que se estendeu por mais de três séculos, sendo responsável pela escravização de milhares de pessoas. Os registros oficiais apontam que os primeiros africanos escravizados chegaram ao Brasil na década de 1560, e a rotina deles era permeada pela violência.

Acesse também: A escravização de índios no Brasil

Tópicos deste artigo

Resumo sobre escravidão africana no Brasil

  • Considera-se que a escravidão africana no Brasil se iniciou na década de 1550, mas os primeiros registros remetiam à década seguinte.

  • Os africanos escravizados se consolidaram como mão de obra alternativa aos índios escravizados.

  • Vários fatores, como a diminuição da oferta de escravizados indígenas, contribuíram para o crescimento da escravização de africanos no Brasil.

  • Os africanos escravizados eram trazidos para cá nos tumbeiros, as embarcações por meio das quais acontecia o tráfico negreiro.

  • No Brasil, eles encontraram uma rotina de violência, sendo obrigados a trabalharem de forma desumana.

Quando se iniciou a escravização de africanos no Brasil?

A escravização de pessoas no Brasil foi uma das grandes marcas da colonização portuguesa, e essa prática se perpetuou em nosso país depois de conquistada a independência. Durante boa parte da colonização, a escravização de pessoas aqui se voltava contra índios e africanos, mas, a partir de meados do século XVIII, a dos indígenas foi proibida.

Isso fez com que a escravidão no Brasil fosse voltada exclusivamente contra africanos, trazidos para cá por meio do tráfico negreiro. A escravização de africanos em nosso país se iniciou por volta de 1550, embora o historiador Luiz Felipe de Alencastro afirme que o primeiro desembarque de africanos escravizados tenha sido registrado apenas na década de 1560.|1|

Os motivos que explicam essa transição da mão de obra indígena para a africana foram e ainda são intensamente debatidos pelos historiadores. Alguns sugerem que o tráfico negreiro atendia a uma demanda lucrativa para a metrópole, mas outros historiadores apontam questões relativas aos interesses brasileiros.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Entre essas questões, está a diminuição da população indígena por conta da grande mortalidade sofrida pelos indígenas aqui. Essa mortalidade acontecia, principalmente, por questões biológicas, isto é, pela transmissão de doenças por meio do contato com os portugueses. Uma dessas doenças era a varíola.

O historiador Stuart Schwartz afirma que, entre os fatores que explicam o início da escravização de africanos, estava o fato de os indígenas se rebelarem constantemente com o trabalho na lavoura, as restrições criadas pelos jesuítas para a escravização de indígenas, a consideração de que os africanos eram melhores trabalhadores, e a tendência pela priorização do escravizado africano.|2|

A transição definitiva para os escravos africanos se deu quando o preço médio deles barateou, e foi somente na década de 1720 que a sua população no Brasil ultrapassou a de indígenas.

  • Videoaula sobre escravidão no Brasil

Tráfico negreiro

Ilustração de africanos escravizados em um tumbeiro.
Os africanos escravizados eram trancafiados nos porões dos tumbeiros em viagens que poderiam se estender por 60 dias.

Os escravizados africanos eram trazidos para o Brasil por meio do tráfico negreiro. Esse comércio de compra deles se iniciou no século XV, quando os portugueses começaram a ter contato com diferentes povos africanos. Esse contato, naturalmente, estabeleceu-se em vias comerciais, e uma das mercadorias incluídas nos negócios eram esses trabalhadores.

As historiadoras Lilia Schwarcz e Heloisa Starling afirmam que os primeiros contatos comerciais entre europeus e africanos fizeram com que a escravização de africanos já se popularizasse na península Ibérica. Elas apontam para o fato de que, no século XVI, Lisboa e Sevilla eram cidades que possuíam populações expressivas de africanos escravizados. Nesses locais, eles se dedicavam aos trabalhos domésticos.|3|

A expansão do negócio açucareiro no Brasil aumentou consideravelmente a necessidade por mão de obra escrava. Com isso, o fluxo de africanos escravizados começou a crescer rapidamente nas últimas décadas do século XVI. O grande impeditivo nesse momento ainda era o preço, uma vez que um escravo africano era cerca de três vezes mais caro que um indígena.|4|

Os africanos escravizados eram obtidos pelos traficantes por meio de emboscadas realizadas no interior do continente africano ou também por meio da venda direta, caso o escravo fosse um prisioneiro de guerra ou alguém vendido para a escravização como punição por algum delito, como roubo ou adultério.

Os escravos eram trazidos ao Brasil em embarcações conhecidas como tumbeiros, cujas condições eram horríveis. Eles traziam de 300 a 500 africanos, que eram aprisionados nos porões por um período de 35 a 60 dias. As péssimas condições de viagem faziam com que uma parte expressiva dessas pessoas morresse durante o trajeto.

Muitos deles embarcavam nos navios negreiros no porto de Luanda, em Angola. Nos primeiros dias da viagem, eram extremamente mal alimentados, e isso acontecia com o propósito de diminuir a possibilidade de eles se rebelarem. Em média, ¼ dos africanos que embarcavam nos navios negreiros morria durante o trajeto.|5|

Acesse também: Revolta dos Malês, a maior revolta de escravizados da história do Brasil

Rotina de trabalho dos escravizados africanos no Brasil

 Pintura de pessoas negras escravizadas trabalhando na terra.
A escravidão africana no Brasil se estendeu por mais de 300 anos e ficou marcada pela violência.

A rotina dos africanos escravizados no Brasil era muito dura, e eles poderiam ser colocados para trabalhar em uma jornada que de até 20 horas. Sua escravização era justificada na época como algo que cumpria um papel civilizatório para os africanos, e a obediência deles era obtida por meio da violência.

Schwarcz e Starling apontam que a escravidão de africanos no Brasil pode ser definida como uma arqueologia da violência, uma vez que a rotina de trabalho e o trato que os africanos recebiam traziam uma gama de violências diárias. Elas afirmam que o trabalho era exaustivo e as punições, como o açoitamento, eram símbolos dessa violência.|6|

Além da obediência obtida por meio da violência, a sociedade colonial colocava o africano escravizado como uma figura marginalizada e inferior, uma vez que ele não tinha autonomia sobre sua vida, sendo proibido de escolher o seu trabalho e empregador. Além disso, ele não podia acumular posses, não recebia pelo seu trabalho etc.

A violência pela qual eles eram tratados motivava-os a procurarem formas de resistência à escravidão. Assim, entre as formas praticadas, estavam o suicídio, as fugas e as rebeliões, por exemplo. A formação de quilombos foi uma das formas de resistência dos africanos mais comuns aqui, sendo o Quilombo dos Palmares o mais famoso deles.

No Brasil, os escravos residiam em um local chamado senzala. Essa era uma construção que ficava à parte da casa grande e que servia como local de repouso. Nesses locais eles se reuniam à noite para dormir, e, geralmente, as senzalas eram trancadas, com o objetivo de evitar a fuga dos escravizados.

A alimentação dos escravos era muito pobre, e muitos historiadores apontam que esse era um dos motivos que faziam com que a vida dessas pessoas fosse bastante curta. Muitos tinham de complementar a própria alimentação cultivando alguns alimentos. A comida era distribuída pelos senhores de escravos, assim como a roupa que os escravizados usavam.

Notas

|1| ALENCASTRO, Luiz Felipe de. África, números do tráfico atlântico. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 57.

|2| SCHWARTZ, Stuart B. Escravidão indígena e o início da escravidão africana. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 216-221.

|3| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 80.

|4| SCHWARTZ, Stuart B. Escravidão indígena e o início da escravidão africana. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 219.

|5| RODRIGUES, Jaime. Navio Negreiro. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 347.

|6| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 80.

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Escravidão Africana no Brasil"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/escravos.htm. Acesso em 21 de maio de 2022.

De estudante para estudante


Qual a situação político-econômica do Brasil na época de Irineu Evangelista de Sousa?

Por Luiz Gustavo Winkel Franz
Responder
Ver respostas

Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

(IF sul-riograndense) Leia o excerto a seguir.

“O Brasil, em razão da sua dimensão e da ausência de preocupação com a reprodução biológica dos negros, foi o maior importador de escravos das Américas. Estudos recentes estimam em quase 10 milhões o número de negros transferidos para o Novo Mundo, entre o século XV e XIX. Para o Brasil teriam vindo em torno de 3,6 milhões.”

SILVA, J. M. da. Raízes do conservadorismo brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. p. 374.

Sobre a temática abordada pelo autor no excerto acima, afirma-se, EXCETO que

a) com a Lei Eusébio de Queirós, de 1850, e o fim do tráfico transatlântico de cativos, o Brasil foi um dos primeiros países a abolirem o comércio negreiro.

b) o Bill Aberdeen, de 1845, permitia que as autoridades da Inglaterra aprisionassem navios que transportassem escravos para o Brasil.

c) a Lei Nabuco de Araújo, de 1854, previa sanções para as autoridades que encobrissem o contrabando de trabalhadores escravizados.

d) a Lei Feijó, de 1831, proibiu o tráfico negreiro, mas não foi respeitada, já que o número de trabalhadores que vieram da África se intensificou nos anos seguintes.

e) a Lei Áurea, de 1888, aboliu o trabalho escravo do Brasil.

Exercício 2

(Fadesp) O “abolicionismo”, segundo o Dicionário Houaiss da língua portuguesa, significa “conjunto de princípios e medidas adotados para extinguir a escravidão”. Neste sentido, o abolicionista é aquele que “prega ou defende o abolicionismo”. No Brasil, e em especial entre os anos de 1871 até 1888, houve um forte movimento abolicionista. São características deste movimento:

a) pregar uma abolição ilimitada e irrestrita de toda forma de escravidão, indígena ou negra de matriz africana, sendo seus principais nomes Joaquim Nabuco, José Bonifácio e Mário de Andrade.

b) lutar por direitos e cidadania para os libertos do ventre e lutar por liberdade para escravos de matrizes africanas, sendo seus líderes todos negros ou mestiços, como José do Patrocínio, Euclides da Cunha e Zumbi dos Palmares.

c) lutar por liberdade para os escravos e princípios educacionais para ex-escravos de origem africana, e alguns, como Joaquim Nabuco, pensavam em uma liberdade lenta e gradual sem a participação dos negros, enquanto outros, como Luiz Gama, pregavam uma participação maior dos negros.

d) solicitar ao parlamento brasileiro mais liberdade aos libertos e povos indígenas e uma lenta e gradual liberdade aos escravos de origem africana, sem dar a eles a cidadania brasileira, com a instauração de um regime de segregação racial, sendo seu líder maior o imperador Pedro II e sua filha Isabel.

e) nenhuma das alternativas acima.

Estude agora


O que é o G-20?

Assista à nossa aula e entenda o que é o G-20. Saiba quais são os objetivos dessa importante associação e suas...

Cruz e Sousa

Nesta videoaula, você conhecerá um pouco mais sobre a vida e a obra de Cruz e Sousa, um importante poeta do...