Conurbação

Geografia

PUBLICIDADE

A conurbação é um fenômeno típico de áreas urbanizadas em que há cidades com alto índice de crescimento urbano. Em suma, trata-se da junção de um município com outro, o que ocorre quando essas áreas crescem horizontalmente e expandem seus espaços de influência além dos limites municipais.

Em razão da expansão das cidades, esses limites praticamente desaparecem, formando, em muitos casos, áreas em que é quase impossível saber onde termina uma cidade e onde começa outra, sendo bastante comum em áreas populosas, grandes capitais e também nas médias cidades interioranas que são próximas geograficamente umas das outras.

Leia também: O que é urbanização?

Processo de conurbação

A urbanização é quando o meio urbano cresce mais do que o meio rural. Isso ocorre, principalmente, com a saída da população do campo para a cidade, o que chamamos de êxodo rural. Além disso, fatores como industrialização das cidades, presença de transnacionais e melhores oportunidades de emprego em áreas urbanas podem contribuir para a intensificação da urbanização.

Geralmente, a urbanização está atrelada à mudança de vida de uma sociedade. Como exemplo, citamos a urbanização brasileira. No fim do século XIX, nossa sociedade era agrária e rural, com a maioria da população vivendo no campo, e a base econômica era o café. Com o advento da indústria no século XX, mais precisamente após 1930, a sociedade brasileira tornou-se gradativamente urbana (após 1960) e industrial.

Vista aérea de São Paulo: a maior cidade do país e com grande índice de crescimento urbano.
Vista aérea de São Paulo: a maior cidade do país e com grande índice de crescimento urbano.

Há também, na expansão das cidades, o crescimento urbano. Este pode ocorrer sem que haja urbanização, uma vez que muitas áreas rurais se expandem na mesma proporção de cidades devido à importância do setor primário (agricultura e pecuária) em nossas vidas. O crescimento urbano pode ocorrer verticalmente, com a construção de prédios, e horizontalmente, com o surgimento de subúrbios e periferias.

Quando uma cidade cresce horizontalmente, em longo prazo, a tendência é que esse crescimento atinja cidades vizinhas. Estas, que também podem crescer horizontalmente, começam a ter mais proximidade umas com as outras, podendo gerar migrações pendulares, em que um habitante trabalha em uma cidade, mas mora na outra.

Assim sendo, quando os crescimentos horizontais das cidades se encontram, há conurbação, gerando uma grande mancha urbana, contígua e em que, em muitos casos, uma cidade se confunde com a outra.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Região metropolitana

As regiões metropolitanas geralmente surgem de áreas conurbadas, sendo definidas como um conjunto de municípios integrados entre si física e socioeconomicamente. Em linhas gerais, uma região metropolitana é composta por uma grande cidade, a metrópole, e demais municípios adjacentes, que podem se conurbar com a metrópole e entre si.

Uma metrópole é definida a partir de dois critérios principais: são cidades populosas e que concentram as principais indústrias, comércios e serviços da região. Assim, os municípios ao seu redor que usam esses serviços para sobrevivência e que são influenciados pela metrópole pertencem à região metropolitana dessa cidade.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), regiões metropolitanas são agrupamentos de municípios que fazem limite entre si, sendo instituídas por leis complementares estaduais, de acordo com o 25º artigo da Constituição Federal de 1988, ou seja, não basta os municípios estarem integrados em vários níveis, é preciso, também, uma lei estadual que dê o aval para a existência de uma região metropolitana.

Leia também: Cinco maiores metrópoles brasileiras

Exemplos de região metropolitana no Brasil

No Brasil, de acordo com o último censo do IBGE, que ocorreu em 2010, existem 36 regiões metropolitanas (RMs) espalhadas pelo país. Elas estão distribuídas da seguinte forma em relação às regiões do país:

Apesar de ter menos regiões metropolitanas, a região Sudeste abriga as três maiores RMs do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Somadas, as três abrigam mais de 35 milhões de pessoas, aproximadamente 15% da população brasileira.

Conurbação no Brasil: exemplos

Grande parte das regiões metropolitanas brasileiras possui áreas conurbadas. As três maiores RMs do país, que estão na Região Sudeste, possuem municípios conurbados com a metrópole principal.

A cidade de São Paulo, maior do país e, consequentemente, com a maior RM do Brasil, conurba-se com quase todos os municípios que integram sua região metropolitana. Essa região é bem extensa, com 39 municípios divididos em cinco sub-regiões: norte, leste, sudeste, oeste e sudoeste.

Outro exemplo que podemos citar, porém menor do que a RM paulista, está na cidade de Goiânia, capital de Goiás. A RM goiana abriga 19 municípios mais a capital, com destaque para as cidades de Aparecida de Goiânia, Trindade e Senador Canedo. Junto com Goiânia, esses quatro municípios concentram 90% de toda a população dessa região.

Vista aérea de Goiânia, que possui a principal RM do Centro-Oeste.
Vista aérea de Goiânia, que possui a principal RM do Centro-Oeste.

Consequências da conurbação

Com o processo de crescimento e junção das cidades, áreas conurbadas tornam-se cada vez mais frequentes nas grandes aglomerações urbanas. Essa junção pode ter lados positivos, pois os serviços feitos em uma cidade podem reverberar na outra, além de emprego, educação, saúde e lazer que podem ser compartilhados pelos habitantes das áreas conurbadas.

Há, também, as migrações pendulares, em que um habitante mora em uma cidade, trabalha na outra e aproveita o lazer de um terceiro município, por exemplo, fazendo girar a economia e contribuindo para o desenvolvimento social e econômico da área.

Entretanto, áreas conurbadas também podem trazer pontos negativos. Localidades onde é quase impossível reconhecer os limites de uma cidade em relação à outra podem gerar descaso por parte das políticas públicas. Como exemplo, uma rua em que, de um lado, é uma cidade e, do outro lado, outra cidade pode gerar um conflito entre as prefeituras para a prestação de serviços básicos, como coleta de lixo e pavimentação de ruas.

Uma prefeitura joga para a outra a responsabilidade e, com isso, quem sofre com a ausência do serviço é a população. Além disso, a arrecadação de impostos também pode gerar entraves entre os municípios em relação a empresas que estão nas áreas limítrofes.

Leia também: Cidade e município: qual é a diferença?

Exercícios resolvidos

Questão 1 - (IFSP)

Leia o texto abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna.

____________________ é a unificação da malha urbana de duas ou mais cidades, em consequência de seu cresciment geográfico. Geralmente esse processo dá origem à formação de regiões metropolitanas.”

Fonte: Dicionário Aurélio, PubliFolha, 1995.

a) Megalópole

b) Desruralização

c) Conurbação

d) Urbanização

e) Metrópole.

Resolução:

Letra C. A conurbação é a junção de duas ou mais cidades, que pode dar origem a uma região metropolitana.

_____________________

Questão 2 - (Unirv)

A palavra “cidade” é amiúde empregada para significar realidades assaz diferentes, mesmo os qualitativos mais ou menos abandonados que acompanham essa expressão são também excessivamente numerosos para que possamos reconhecer sob um mesmo vocábulo as mesmas realidades

(SANTOS, M. O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo. São Paulo: EDUSP, 2009).

Os condomínios horizontais fechados vêm se disseminando como nova forma de divisão social do espaço.
Os condomínios horizontais fechados vêm se disseminando como nova forma de divisão social do espaço.

Levando em considerações as informações inerentes à cidade, assinale V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmações:

a) Segregação socioespacial urbana refere-se ao processo de separação e marginalização social que vem ocorrendo nas cidades devido à rápida expansão urbana que estas vêm apresentando nas últimas décadas. Isso faz com que as populações de baixa renda se concentrem nas áreas periféricas, isolando-se da cidade, o que ocasiona uma diferenciação e divisão social do espaço da cidade.

b) No Brasil, toda sede de município é considerada cidade, adotando, assim, um critério meramente administrativo, independentemente do número de habitantes. Segundo o IBGE, existem no Brasil mais de 5,5 mil cidades. As maiores cidades brasileiras são: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília e Fortaleza.

c) A cidade industrial moderna é associada a um nível de complexidade na organização humana, caracterizada pela educação das massas, sistemas de classes fluidos e um tremendo avanço tecnológico que usa novas fontes de energia. O fenômeno da conurbação, que ainda não é comum no Brasil, forma regiões metropolitanas, envolvendo apenas as grandes capitais estaduais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

d) As primeiras cidades, como Ur e Babilônia, surgiram na Mesopotâmia, nos vales dos rios Tigres e Eufrates, no atual Iraque. Acredita-se que, por volta de 2500 a.C., Ur chegou a ter 50 mil habitantes e, Babilônia, 80 mil. As primeiras cidades surgiram associadas aos rios em função da necessidade de terras férteis e de irrigação para a produção de alimentos excedentes para abastecê-las.

Resolução:

A única alternativa falsa é a letra C, sendo, portanto, as demais verdadeiras. A conurbação é um processo bem comum no Brasil e pode envolver capitais e outras cidades interioranas, por isso essa alternativa não está correta.

 

Por Átila Matias
Professor de Geografia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MATIAS, Átila. "Conurbação"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/conurbacao.htm. Acesso em 27 de novembro de 2020.