Topo
pesquisar

Desmatamento no Brasil: uma questão histórica

Geografia do Brasil

Ao longo dos mais de 500 anos de história do Brasil (após a colonização pelos europeus), o país sofre com um processo de desmatamento ininterrupto.
PUBLICIDADE

Em um artigo recente, publicado neste site, alertamos sobre “A cautela e o real desmatamento da Amazônia”. Não existe nenhum mérito neste artigo em matéria de previsão, pois o que se disse foi que a sociedade deveria olhar com mais atenção e cautela sobre os índices de diminuição de desmatamento divulgados pelo governo com alarde e alegria. Órgãos do governo e a mídia, precipitadamente, correram a divulgar a notícia como um feito grandioso – esse sim, cheio de mérito – e até mesmo permanente.

Para quem conhece (ou estuda) um pouco a História do Brasil, saberia que os poucos mais de 500 anos de existência do país (pelo menos na história ocidental, não contando os “naturais” que aqui já estavam, claro) foram, sem dúvida, constituídos à mercê e sorte da Mata Atlântica e parte da Amazônia. Os chamados “ciclos econômicos”  da História do Brasil mostram-nos essa realidade: que o desmatamento e a utilização dos recursos naturais do país são de uso sistemático, predatório, perdulário e histórico.

No passado, o estado de São Paulo (final do século XIX, início do XX), por exemplo, teve durante o período cafeeiro de sua economia (para nós foi uma das maiores intervenções na paisagem natural da história humana) alguns defensores da melhoria do plantio de cafeeiros e a melhor utilização dos solos, florestas etc. Queriam implantar o que chamavam de “Moderna Agricultura” em oposição à “Agricultura Tradicional”, a derrubada e queimada de largos espaços florestados para o cultivo econômico, também chamadas de coivara.

O fato a que se assiste no presente não é tão diferente do passado. Primeiro surgem os madeireiros que exploram as árvores de madeiras mais nobres e, portanto, mais valorizadas e caras, depois vêm os pecuaristas e fazendeiros, derrubam a floresta, queimam, e lá está o campo desbravado, semipronto para a sua utilização comercial.

É nesse sentido que toda a sociedade deve se orientar, faltam educação (em todos os níveis, também, de educação ambiental), consciência, fiscalização, recursos humanos e financeiros e vontade política. Há um mundo de problemas que fazem do meio ambiente, em diversos lugares, ser um assunto de segunda ou terceira importância. Dados como os de janeiro último, que entre julho de 2006 a julho de 2007, 11 mil quilômetros quadrados (novo recorde do período) de florestas foram devastados na Amazônia, deveriam estarrecer políticos, mídia e a todos os cidadãos – deve-se acreditar na reunião de emergência do presidente do país sobre a questão?

Assim, é bastante oportuna e pertinente a leitura do livro do historiador Warrean Dean: “A Ferro e Fogo: A história e a devastação da Mata Atlântica” (o historiador é americano). Suas conclusões salientam que os livros didáticos e manuais de história aprovados pelo Ministério da Educação deveriam começar com a seguinte frase: “Crianças, vocês vivem em um deserto; vamos lhes contar como foi que vocês foram desertadas”.

Por Amilson Barbosa
Colunista Brasil Escola

 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DANTAS, Tiago. "Desmatamento no Brasil: uma questão histórica"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/brasil/o-desmatamento-no-brasil-uma-questao-historica.htm>. Acesso em 31 de julho de 2016.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA