Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Movimento verde-amarelo ou a escola da anta

O movimento verde-amarelo ou a escola da anta apresenta teor ultranacionalista. Foi criado no ano de 1926 e faz parte da primeira fase do modernismo brasileiro.

Silhueta de uma anta sobre as cores do movimento verde-amarelo.
O movimento verde-amarelo ficou conhecido também como escola da anta, a partir de 1927.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Movimento verde-amarelo ou a escola da anta é como ficou conhecida uma corrente literária ultranacionalista do modernismo brasileiro. Seus criadores foram os autores Cassiano Ricardo, Menotti del Picchia e Plínio Salgado. Surgido em 1926, o movimento teve seu auge em 1929, com a publicação do Manifesto nhengaçu verde-amarelo.

Além do teor nacionalista, o movimento verde-amarelo era contra a arte acadêmica e os movimentos de vanguarda europeus. Nesse contexto, produziu obras como o romance O estrangeiro, de Plínio Salgado; o épico Martim Cererê, de Cassiano Ricardo; e República dos Estados Unidos do Brasil, poemas de Menotti del Picchia.

Leia também: Semana de Arte Moderna de 1922 — marco oficial do modernismo no Brasil

Tópicos deste artigo

Resumo sobre o movimento verde-amarelo ou a escola da anta

  • O movimento verde-amarelo faz parte da primeira fase do modernismo brasileiro.

  • Ele surgiu em 1926 e chegou ao seu ápice em 1929, com a publicação do Manifesto do verde-amarelismo.

  • O movimento também é chamado de escola da anta, animal símbolo dessa corrente literária.

  • O verde-amarelo apresenta nacionalismo ufanista e critica a arte acadêmica.

  • Seus fundadores e principais representantes são os escritores Menotti del Picchia, Cassiano Ricardo e Plínio Salgado.

O que foi o movimento verde-amarelo?

O movimento verde-amarelo fez parte da primeira fase do modernismo brasileiro. Assim, ele surgiu, oficialmente, em 25 de julho de 1926, no jornal Correio Paulistano. E seus criadores foram os escritores modernistas Cassiano Ricardo, Plínio Salgado e Menotti del Picchia.

O movimento atingiu seu auge com a publicação, em 17 de maio de 1929, do Manifesto nhengaçu verde-amarelo, também conhecido como Manifesto do verde-amarelismo ou da escola da anta, assinado pelo Grupo da Anta. O manifesto foi publicado no jornal Correio Paulistano.

Essa corrente literária defendia o nacionalismo ufanista, radical e conservador. Ideologicamente, prenunciava o integralismo, um movimento político de cunho fascista. No entanto, assim como os movimentos pau-brasil e antropofágico, o movimento verde-amarelo também valorizava o primitivismo indígena.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Contexto histórico do movimento verde-amarelo

O movimento verde-amarelo se consolidou, em 1929, com a publicação do Manifesto nhengaçu verde-amarelo, ou Manifesto do verde-amarelismo ou da escola da anta. Tal movimento modernista apareceu às vésperas da Era Vargas, iniciada em 1930. Esse período da história brasileira foi marcado pelo autoritarismo e por uma aproximação ao fascismo, que surgiu na Itália no ano de 1919.

Veja também: Segunda fase do modernismo no Brasil — a arte no contexto da ditadura e da guerra

Movimento verde-amarelo ou escola da anta?

A anta era o símbolo do movimento verde-amarelo. Isso porque o animal faz parte da tradição tupi, como totem. Por esse motivo, em 1927, o movimento verde-amarelo, criado um ano antes, passou a ser chamado de escola da anta. Portanto, o movimento verde-amarelo e a escola da anta são uma coisa só.

A anta é o símbolo do movimento verde-amarelo.
A anta é o símbolo do movimento verde-amarelo.

É preciso destacar que tal movimento literário precedeu (ou prenunciou) o integralismo ou Ação Integralista Brasileira. Esse movimento político de extrema-direita, de caráter fascista, era liderado pelo escritor Plínio Salgado. E foi fundado no ano de 1932, ou seja, depois da criação do movimento verde-amarelo.

Características do movimento verde-amarelo

  • Valorização do primitivismo brasileiro.

  • Rejeição à tradição de caráter europeu.

  • Nacionalismo ufanista.

  • Antiacademicismo.

  • Crítica aos movimentos de vanguarda europeus.

  • Análise da realidade brasileira.

Quem participou do movimento verde-amarelo?

Autores integrantes do movimento verde-amarelo ou escola da anta.
Menotti del Picchia, Plínio Salgado e Cassiano Ricardo. [1]

Os principais integrantes do movimento são os autores:

  • Menotti del Picchia (1892–1988);

  • Cassiano Ricardo (1895–1974);

  • Plínio Salgado (1895–1975).

Principais obras do movimento verde-amarelo

  • O estrangeiro (1926), romance de Plínio Salgado

  • A anta e o curupira (1927), manifesto de Plínio Salgado

  • Martim Cererê (1928), poema épico de Cassiano Ricardo

  • República dos Estados Unidos do Brasil (1928), poemas de Menotti del Picchia

  • A República 3000 (1930), romance de Menotti del Picchia

Saiba mais: Macunaíma — romance modernista que enaltece a diversidade cultural brasileira

O que dizia o Manifesto do verde-amarelismo ou da escola da anta?

O Manifesto nhengaçu verde-amarelo, ou Manifesto do verde-amarelismo ou da escola da anta, foi publicado em 1929. Nesse documento, o indígena não é considerado como um povo independente, mas como parte diluída do processo de miscigenação brasileira:

Os tupis desceram para serem absorvidos. Para se diluírem no sangue da gente nova. Para viver subjetivamente e transformar numa prodigiosa força a bondade do brasileiro e o seu grande sentimento de humanidade. Seu totem não é carnívoro: Anta. É este um animal que abre caminhos, e aí parece estar indicada a predestinação da gente tupi.

Dessa forma, os tupis só existiriam “subjetivamente” na “gente nova”, ou seja, os brasileiros. Afinal, como diz o manifesto: “Toda a história desta raça corresponde [...] a um lento desaparecer de formas objetivas e a um crescente aparecimento de forças subjetivas nacionais.”

Assim, o manifesto não vê como algo negativo a aculturação indígena: “O jesuíta pensou que havia conquistado o tupi, e o tupi é que havia conquistado para si a religião do jesuíta.” E considera uma influência abstrata desse povo sobre o português: “[...]; e o português transformou-se, e ergueu-se com fisionomia de nação nova contra metrópole: porque o tupi venceu dentro da alma e do sangue do português”.

Está evidente, no manifesto, a ideia de que o tupi fez uma contribuição para o surgimento da raça brasileira, mas a partir da aceitação do domínio estrangeiro: “O tapuia isolou-se na selva, para viver; e foi morto pelos arcabuzes e pelas flechas inimigas. O tupi socializou-se sem temor da morte; e ficou eternizado no sangue da nossa raça. O tapuia é morto, o tupi é vivo.”

Não há crítica ao processo de colonização, mas a aceitação do processo “civilizatório” como sendo algo positivo:

O nacionalismo tupi não é intelectual. É sentimental. E de ação prática, sem desvios da corrente histórica. Pode aceitar as formas de civilização, mas impõe a essência do sentimento, a fisionomia irradiadora da sua alma. Sente Tupã, Taniandaré ou Aricuta através mesmo do catolicismo. Tem horror instintivo pelas lutas religiosas, diante das quais sorri sinceramente: pra quê?

No manifesto, o tupi faz parte da nacionalidade brasileira, mas apenas como mais um integrante do processo de formação do povo brasileiro:

A Nação é uma resultante de agentes históricos. O índio, o negro, o espadachim, o jesuíta, o tropeiro, o poeta, o fazendeiro, o político, o holandês, o português, o índio, o francês, os rios, as montanhas, a mineração, a pecuária, a agricultura, o sol, as léguas imensas, o Cruzeiro do Sul, o café, a literatura francesa, as políticas inglesa e americana, os oito milhões de quilômetros quadrados...

A questão subjetiva do tupi, segundo o manifesto, está relacionada ao desaparecimento desse indivíduo, de forma que a raça tupi teria sobrevivido subjetivamente na cultura brasileira. Dessa forma, o indígena é apenas símbolo, mas desconsiderado enquanto povo independente:

O movimento da Anta baseava-se nesse princípio. Tomava-se o índio como símbolo nacional, justamente porque ele significa a ausência de preconceito. Entre todas as raças que formaram o Brasil, a autóctone foi a única que desapareceu objetivamente. Em uma população de 34 milhões não contamos meio milhão de selvagens. Entretanto, é a única das raças que exerce subjetivamente sobre todas as outras a ação destruidora de traços caracterizantes; [...]; é a raça transformadora das raças, e isso porque não declara guerra, porque não oferece a nenhuma das outras o elemento vitalizante da resistência.

O manifesto também apresenta caráter idealizador ou negacionista, já que não reconhece a existência de preconceito racial e religioso no Brasil:

Não há entre nós preconceitos de raças. Quando foi o 13 de Maio, havia negros ocupando já altas posições no país. E antes, como depois disso, os filhos de estrangeiros de todas as procedências nunca viram os seus passos tolhidos.

Também não conhecemos preconceitos religiosos. O nosso catolicismo é demasiadamente tolerante, e tão tolerante, que os próprios defensores extremados dele acusam a Igreja Brasileira de ser uma organização sem força combativa (v. Jackson Figueiredo ou Tristão de Athayde).

Todo o momento, o manifesto repete o fato de o indígena estar “subjetivamente” no povo brasileiro e reforça a aceitação acerca da dominação desse povo:

Assim, também o índio é um termo constante na progressão étnica e social brasileira; mas um termo não é tudo. Ele já foi dominado, quando se agitou entre nós a bandeira nacionalista, — o denominador comum das raças adventícias. Colocá-lo como numerador seria diminuí-lo. Sobrepô-lo será fadá-lo ao desaparecimento. Porque ele ainda vive, subjetivamente, e viverá sempre como um elemento de harmonia entre todos os que, antes de desembarcar em Santos, atiraram ao mar, como o cadáver de Zaratustra, os preconceitos e filosofias de origem.

No entanto, o grupo da escola da anta, que assina o manifesto, insiste em falar em igualdade e liberdade:

O grupo “verdamarelo”, cuja regra é a liberdade plena de cada um ser brasileiro como quiser e puder; cuja condição é cada um interpretar o seu país e o seu povo através de si mesmo, da própria determinação instintiva; — o grupo “verdamarelo”, à tirania das sistematizações ideológicas, responde com a sua alforria e a amplitude sem obstáculo de sua ação brasileira. Nosso nacionalismo é de afirmação, de colaboração coletiva, de igualdade dos povos e das raças, de liberdade do pensamento, de crença na predestinação do Brasil na humanidade, de fé em nosso valor de construção nacional.

Créditos da imagem

[1] Wikimedia Commons (adaptado)

Fontes

ABAURRE, Maria Luiza M.; PONTARA, Marcela. Literatura brasileira: tempos, leitores e leituras. 3. ed. São Paulo: Editora Moderna, 2015.

CARVALHO, Alexandre Douglas Zaidan de. O fascismo e o populismo entre a história global e a teoria política. Sociedade e Estado, v. 36, n. 1, jan./ abr. 2021.

CRUZ, Natalia dos Reis. O governo Vargas e o fascismo: aproximação e repressão. Boletim do Tempo Presente, n. 4, 2013.

PICCHIA, Menotti del et al. Nhengaçu verde-amarelo (Manifesto do verde-amarelismo ou da escola da anta). Disponível em: https://icaa.mfah.org/s/es/item/781033#?c=&m=&s=&cv=&xywh=-2001%2C-1102%2C6551%2C3666.

REISS, Regina Weinfield. Integralismo (o fascismo brasileiro na década de 30). Revista de Administração de Empresas, v. 14, n. 6, dez. 1974.

ZEM EL-DINE, Lorenna Ribeiro. A alma e a forma do Brasil: o modernismo paulista em verde-amarelo (anos 1920). 2017. 220 f. Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2017.

ZEM EL-DINE, Lorenna Ribeiro. Ensaio e interpretação do Brasil no modernismo verde-amarelo (1926-1929). Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 32, n. 67, 2019.

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Movimento verde-amarelo ou a escola da anta"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/movimento-verde-amarelo-ou-a-escola-da-anta.htm. Acesso em 26 de maio de 2024.

De estudante para estudante


Artigos Relacionados


Macunaíma

Leia a análise do livro “Macunaíma”. Conheça seu enredo, características e personagens. Saiba um pouco sobre a vida de seu autor, Mário de Andrade.
Literatura

Menotti del Picchia

Saiba quem foi o escritor modernista Menotti del Picchia. Conheça as principais características de suas obras e, além disso, leia algumas frases do autor.
Biografia

Modernismo no Brasil

Saiba mais sobre o Modernismo no Brasil, seu contexto histórico, suas influências europeias e rupturas propostas. Confira suas fases, principais obras e artistas.
Literatura

Movimento antropofágico

Clique aqui, descubra o que foi o movimento antropofágico e saiba quais são as suas principais características.
Literatura

Movimento pau-brasil

Clique aqui e entenda o que foi o movimento pau-brasil. Saiba quais são as suas principais características e descubra quem foram seus participantes.
Literatura

O negro na literatura brasileira

Entenda como as disparidades raciais brasileiras têm reflexos na literatura e como as obras canônicas retratam personagens negras. Saiba mais sobre literatura negra!
Literatura

Primeira fase do modernismo brasileiro

Conheça a primeira fase do modernismo brasileiro. Veja o contexto histórico em que ela esteve inserida. Saiba quais foram seus principais autores e obras.
Literatura

Semana de Arte Moderna de 1922

Entenda o que foi a Semana de Arte Moderna de 1922. Saiba quais artistas participaram, o que aconteceu em cada dia e por que esse evento foi tão importante.
Literatura

Vanguardas europeias

Clique aqui e veja quais são as principais características das vanguardas europeias. Saiba como surgiram e qual objetivo tinham.
Literatura