Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Revolução de Outubro

A Revolução de Outubro foi o levante armado que consolidou a subida dos bolcheviques ao poder da Rússia em 1917. Isso transformou o país em uma nação socialista.

Sovietes reunidos em Petrogrado, no contexto da Revolução de Outubro.
Os sovietes foram fundamentais para o sucesso dos bolcheviques na Revolução de Outubro.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A Revolução de Outubro foi o levante armado que aconteceu em 25 de outubro de 1917 (no calendário juliano) e permitiu que os bolcheviques chegassem ao poder da Rússia. Sob a liderança de Vladimir Lenin, os bolcheviques tomaram os principais prédios governamentais russos, derrubando o governo provisório de Kerensky.

Esse acontecimento transformou a Rússia na primeira nação socialista da história e estabeleceu Lenin no poder russo. Algumas mudanças aconteceram no país, como a nacionalização das terras, reforma agrária e centralização do poder nas mãos de Lenin. Um desdobramento importante desse evento foi a Guerra Civil Russa.

Leia também: Ensaio revolucionário de 1905 — as tensões que antecederam a Revolução Russa

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a Revolução de Outubro

  • A Revolução de Outubro foi o evento responsável por transformar a Rússia na primeira nação socialista da história.

  • Nesse evento, os bolcheviques realizaram um levante armado e tomaram os principais prédios de Petrogrado.

  • Foram liderados por Lenin, que assumiu o poder da Rússia.

  • A instabilidade causada pela participação russa na Primeira Guerra Mundial possibilitou a popularização dos bolcheviques.

  • A saída da Primeira Guerra e a Guerra Civil Russa foram duas grandes consequências da Revolução de Outubro.

Contexto histórico da Revolução de Outubro

O começo do século XX foi marcado por uma crise crônica que se instalou na sociedade russa, afetando o país em vários aspectos e abrindo caminho para que os bolcheviques consolidassem o seu poder por meio da Revolução de Outubro.

A Rússia era um país economicamente atrasado, possuindo uma economia frágil e dependente da agricultura. A indústria do país era nascente e o país carecia de tecnologia em comparação com outras nações europeias. Esse atraso fazia com que o país fosse economicamente pobre, e os únicos polos industriais do país eram Moscou e São Petersburgo.

Politicamente falando, a Rússia era um caso único na Europa, pois era o último país que ainda mantinha uma monarquia aos moldes absolutistas em vigor. A monarquia czarista era representada pelos czares (imperadores) e a dinastia que comandava o país — Romanov — estava no poder desde o início do século XVII.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nessa altura o país era governado por Nicolau II, um czar tirânico que perseguia e censurava opositores. Muitos dos opositores do czar eram presos e enviados para campos de trabalhos forçados. Além disso, a monarquia czarista sustentava um status quo baseado na desigualdade social.

A nobreza e o clero eram classes privilegiadas que tinham o seu luxo sustentado na exploração desumana da classe de trabalhadores camponeses e operários russos. Ao longo do século XX, a situação do país se agravou, em especial pelos conflitos nos quais o país se envolveu: a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905) e a Primeira Guerra Mundial.

O primeiro conflito se deu por uma iniciativa de Nicolau II de reforçar a sua popularidade por meio do nacionalismo, mas o seu objetivo fracassou. O insucesso desse conflito levou à insatisfação popular, o que resultou no Domingo Sangrento e na Revolução de 1905. Já a Primeira Guerra Mundial agravou os grandes problemas do país, contribuindo para tornar o reinado de Nicolau II bastante impopular.

A continuidade do país na guerra abriu espaço para que um levante popular acontecesse em fevereiro de 1917. Nicolau II até tentou se sustentar no poder, mas abdicou do trono e um governo provisório foi formado para conduzir a Rússia até a elaboração de uma nova Constituição. No governo provisório, o país foi governado por Georgy Lvov e Aleksandr Kerensky.

Leia também: Afinal, o que é comunismo?

Causas da Revolução de Outubro

A instabilidade que afetava a Rússia em 1917 é a grande causa da Revolução de Outubro. O país continuava na guerra e passava por uma profunda crise econômica, que causava desemprego, desabastecimento e aumento inflacionário. A situação dos pobres no país era desesperadora e a fome era um problema real na sociedade russa.

A continuidade na guerra ainda tumultuava o cenário político russo, uma vez que o governo provisório estabelecido foi marcado por enorme instabilidade política, além de prejudicar o moral do país e alastrar pânico, uma vez que a Rússia acumulava derrotas para os alemães no conflito. Toda essa crise deu força política e apoio aos bolcheviques, permitindo que eles tomassem o poder.

Quais são os líderes da Revolução de Outubro?

O papel de liderança na Revolução de Outubro foi exercido por Vladimir Lenin, líder dos bolcheviques. Ele era um dos membros do Partido Operário Social-Democrata Russo e estava em exílio havia anos, pois era perseguido pelo governo czarista. Ele retornou à Rússia durante o governo provisório porque o novo governo deu anistia aos exilados.

Com o retorno à Rússia, Lênin pôde liderar o esforço revolucionários dos bolcheviques, fortalecendo os sovietes e aumentando a popularidade dos bolcheviques perante a população russa. Era defensor do lema “paz, pão e terra”, defendendo que a Rússia deveria sair da guerra e reafirmando o direito do povo de ter acesso à comida e terra.

Principais acontecimentos da Revolução de Outubro

A Revolução de Outubro aconteceu em 25 de outubro de 1917, no calendário juliano, e consolidou a subida dos bolcheviques ao poder. Ocorreu por meio de um levante armado que foi organizado pelos bolcheviques e concretizado após algumas horas de combate com as tropas do governo russo. Na ocasião, os principais prédios de Petrogrado foram atacados.

Com a ocupação dos principais prédios governamentais, os bolcheviques decidiram ocupar o Palácio de Inverno (antiga casa de Nicolau II). Aleksander Kerensky, líder do governo provisório, fugiu da Rússia e isso abriu caminho para consolidação dos bolcheviques no poder. Lenin se aproveitou da burocracia russa e renomeou os órgãos públicos para o nome de Conselho dos Comissários do Povo.

Os bolcheviques intitularam o seu governo pelo nome de Governo dos Operários e Camponeses e tomaram uma série de medidas, como a saída da Primeira Guerra Mundial, mediante o Tratado de Brest-Litovsk, em que a Rússia se rendeu à Alemanha. Nicolau II e toda a sua família foram executados pelos bolcheviques.

O governo de Lenin estabeleceu a nacionalização das terras russas, promoveu a reforma agrária, estabeleceu uma forte censura aos jornais “burgueses” e criou uma polícia política para investigar opositores. Outra ação de Lenin após assumir o poder foi enfraquecer os sovietes, centralizando o poder em si.

Importância da Revolução de Outubro

A Revolução de Outubro é um dos acontecimentos mais marcantes da história do século XX porque:

  • transformou o socialismo em uma alternativa política no mundo;

  • permitiu que a Rússia se estabelecesse em uma grande potência mundial;

  • contribuiu para a polarização do mundo no que ficou conhecido como Guerra Fria, etc.

Consequências da Revolução de Outubro

A Revolução de Outubro foi um evento divisor de águas na história russa, e entre as suas consequências estão:

  • Guerra Civil Russa;

  • centralização do poder nas mãos do Lenin;

  • estabelecimento de uma burocracia de poder na Rússia;

  • enfraquecimento dos sovietes;

  • difusão do socialismo pelo mundo.

Fontes

FREEZE, Gregory L. (org.). História da Rússia. Lisboa: Edições 70, 2017.

GILBERT, Martin. A História do Século XX. São Paulo: Planeta, 2016.

HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos: o breve século XX. 1941-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Revolução de Outubro"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/revolucao-outubro.htm. Acesso em 21 de maio de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

(PUC-RS) Em 1917, liderados por Lênin e Trotsky, os bolcheviques ganharam popularidade com as “Teses de Abril”, enunciadas na plataforma “paz, terra e pão”, que propunha:

  1. a manutenção da Rússia na Primeira Guerra Mundial, a conquista da Manchúria e a formação dos sovietes.
  2. a saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial, a instauração de uma monarquia parlamentar e a formação da Guarda Vermelha.
  3. a entrada da Rússia na Primeira Guerra Mundial, a instalação da ditadura do proletariado e a adoção de uma nova política econômica (NEP).
  4. a manutenção da Rússia na Primeira Guerra Mundial, o domínio dos estreitos de Bósforo e Dardanelos e a formação de um parlamento.
  5. a saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial, a divisão da grandes propriedades entre os camponeses e a regularização do abastecimento interno.

 

Exercício 2

(Mack) Levantou-se, então, um trabalhador, de aspecto rude, terrivelmente indignado, furibundo:

– Falo em nome dos proletários de Petrogrado, disse brutalmente. Somos pela insurreição. Vocês façam o que bem entenderem. Mas eu os previno: se deixarem que os sovietes sejam destruídos, vocês morrerão para nós.

John Reed

O texto anterior relaciona-se com:

  1. a atuação dos conselhos de representantes de trabalhadores, soldados e camponeses, na Revolução Russa de 1917.
  2. a resistência dos comunistas, integrantes do Congresso dos Sovietes da União, à eleição de Boris Yeltsin como presidente da URSS.
  3. a organização do Exército Vermelho por Stálin, durante a Revolução Russa de fevereiro de 1917.
  4. o golpe político implementado por membros do Soviete Supremo, em agosto de 1991, contra as reformas de Mikhail Gorbachev.
  5. a resistência do proletariado e militares ao programa intitulado Nova Política Econômica, defendida e posta em prática por Lênin.