Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Período Pré-Colonial

O Período Pré-Colonial correspondeu ao momento da história brasileira anterior à ocupação efetiva do Brasil pelos portugueses, sendo uma fase primária da colonização.

Ilustração de Pedro Álvares Cabral.
Pedro Álvares Cabral foi o navegador português que liderou a esquadra que chegou ao Brasil em 1500.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O Período Pré-Colonial correspondeu ao momento anterior à efetiva ocupação de Portugal em terras brasileiras. Esse período foi marcado pelas primeiras impressões dos portugueses em relação aos povos indígenas que habitavam o território. Por conta do êxito do comércio das especiarias nas Índias, os portugueses não se interessaram, de imediato, em colonizar as terras recém-descobertas.

O Período Pré-Colonial foi uma fase primária da colonização. Os portugueses extraíam pau-brasil, faziam o território de entreposto, mas a colonização efetiva ainda não tinha acontecido. Depois que o comércio nas Índias começou a entrar em declínio, os portugueses efetivaram a colonização do Brasil incentivando o povoamento e a administração do território.

Confira nosso podcast: Pau-brasil: história e exploração

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Período Pré-Colonial

  • Correspondeu ao momento entre a chegada dos portugueses ao Brasil, em 1500, até sua efetiva colonização, em 1530.

  • Não havia interesse de Portugal em começar imediatamente a colonização do Brasil porque o comércio das especiarias com as Índias era lucrativo.

  • O primeiro ciclo econômico se deu pela extração do pau-brasil e contou com o auxílio dos indígenas mediante escambo.

  • A ameaça de invasão estrangeira e a crise no comércio das especiarias fizeram com que Portugal efetivasse seu domínio no Brasil, iniciando sua colonização.

→ Videoaula sobre o Período Pré-Colonial

Antecedentes históricos do Período Pré-Colonial

O renascimento comercial fez com que a Europa resgatasse as atividades comerciais, sobrepostas às práticas agrárias durante a Idade Média. Isso fez com que as moedas voltassem a circular pelos mercados, as cidades voltassem a ser povoadas e as trocas de mercadorias ganhassem valores comerciais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

As especiarias do Oriente, em especial das Índias, ganharam espaço no mercado consumidor europeu. As pimentas e os temperos que agradavam ao paladar e conservavam os alimentos por mais tempo fizeram com que a procura por esses produtos crescesse consideravelmente, atraindo expedições de vários reinos.

As cidades da Península Itálica, Gênova e Veneza fizeram um acordo com os muçulmanos e puderam explorar as navegações pelo mar Mediterrâneo. O comerciante europeu que quisesse enriquecer com as especiarias indianas teria que pagar impostos para os genoveses e venezianos para acessarem o mercado oriental.

Por esse motivo, os preços desses produtos amentaram, exigindo dos interessados a procura por novos caminhos para se chegar até as Índias. Portugal e Espanha, localizados na Península Ibérica, foram os pioneiros nessa busca por uma nova rota comercial para as especiarias.

Enquanto espanhóis, sob o comando de Cristóvão Colombo, saíram pelo oceano Atlântico seguindo em linha reta, os portugueses traçaram uma rota pelo mesmo oceano, mas contornado o litoral da África. Dessa forma, Portugal conseguiu encontrar um caminho pelas Índias e usufruir do comércio de especiarias sem pagar impostos às duas cidades italianas.

Antes da chegada dos europeus ao Novo Mundo, do outro lado do Atlântico, essas terras já eram ocupadas, desde os tempos pré-históricos, por indígenas, cujos antepassados atravessaram o estreito de Bering, que divide a Rússia e os Estados Unidos, pelo oceano Pacífico, em busca de melhores condições de vida e um clima menos instável do que o que se encontrava na Europa e na África.

Essas tribos se estabeleceram no futuro continente denominado América, e cada uma possuía seu próprio meio de vida, suas crenças e suas tradições. Muitas delas foram dizimadas em confrontos com os europeus durante o processo de colonização.

Chegada dos portugueses ao Brasil e início do Período Pré-Colonial

A esquadra de Pedro Alvares Cabral desembarcou em terras brasileiras no dia 22 de abril de 1500. A rota original era Calicute, nas Índias, onde Portugal já tinha estabelecido entreposto comercial de especiarias.

A explicação da chegada de Cabral ocorre com base em duas vertentes históricas:

  • A primeira vertente histórica afirma que a Coroa portuguesa acreditava na existência de terras do outro lado do Atlântico, em razão de o navegador Cristóvão Colombo ter encontrado terras que pertenceriam à Espanha.

  • A segunda vertente histórica afirma que mudanças nos ventos em alto-mar fizeram Cabral desviar da rota para o Oriente e desembarcar na porção sul da América.

Os portugueses chegaram à região onde hoje é Porto Seguro, Bahia. O escrivão da esquadra de Cabral, Pero Vaz de Caminha, enviou uma carta ao rei de Portugal, fazendo não somente o anúncio da existência de terras ao sul daquelas já conquistadas pelos espanhóis como também a sua primeira descrição:

E assim seguimos nosso caminho, por este mar, de longo, até que, terça-feira das Oitavas de Páscoa, que foram 21 dias de abril, estando da dita Ilha obra de 660 ou 670, segundo os pilotos diziam, topamos alguns sinais de terra, os quais eram muita quantidade de ervas compridas, a que os mareantes chamam botelho, assim como outras a que dão o nome de rabo-de-asno. E quarta-feira seguinte, pela manhã, topamos aves a que chamam fura-buxos. Neste dia, a horas de véspera, houvemos vista de terra! Primeiramente dum grande monte, mui alto e redondo; e doutras serras mais baixas ao sul dele; e de terra chã, com grandes arvoredos: ao monte alto o capitão pôs nome — o Monte Pascoal e à terra — a Terra da Vera Cruz.|1|

A religiosidade cristã marcou a sua presença nesse primeiro momento da colonização brasileira. Vindos na embarcação de Cabral, padres jesuítas realizaram a primeira missa nas terras recém-encontradas. Caminha também registrou em sua carta a primeira celebração:

Ao domingo de Pascoela pela manhã, determinou o Capitão de ir ouvir missa e pregação naquele ilhéu. Mandou a todos os capitães que se aprestassem nos batéis e fossem com ele. E assim foi feito. Mandou naquele ilhéu armar um esperavel, e dentro dele um altar mui bem corregido. E ali com todos nós outros fez dizer missa, a qual foi dita pelo padre frei Henrique, em voz entoada, e oficiada com aquela mesma voz pelos outros padres e sacerdotes, que todos eram ali. A qual missa, segundo meu parecer, foi ouvida por todos com muito prazer e devoção.|2|

Portugal não demonstrou interesse em efetivar a colonização do Brasil por causa dos lucros obtidos com o comércio das especiarias e por não ter encontrado metais preciosos logo após o desembarque da esquadra cabralina.

Características do Período Pré-Colonial

O Período Pré-Colonial foi um curto espaço de tempo entre a chegada da esquadra de Pedro Alvares Cabral até a efetivação da colonização do Brasil. Foi um período marcado pelo reconhecimento das novas terras e da sua viabilidade econômica e pela expulsão de piratas que tentavam invadir o Brasil. Como o comércio com as Índias se mostrava vantajoso para Portugal, o Brasil não despertou, a princípio, muito interesse dos seus colonizadores.

Ao desembarcar no Brasil, em 1500, os portugueses se interessaram em verificar a existência de metais preciosos. Já se tinha conhecimento de que os espanhóis haviam encontrado ouro na região de Cuzco, atual Peru. Para responder ao rival, Portugal esperava encontrar a mesma pedra preciosa no litoral brasileiro.

Não encontrando, os portugueses extraíram o pau-brasil, árvore cuja madeira poderia ser utilizada como matéria-prima na confecção de móveis. Como o primeiro contato com os indígenas, os primeiros habitantes daquelas terras, foi cordial, para extraí-la, os colonos fizeram o escambo: os indígenas extraíram as árvores da floresta e levavam-nas até a embarcação, pela qual seriam levadas para Portugal, e, em troca, receberam espelhos e outros objetos sem valor financeiro para os portugueses.

Enquanto os portugueses não se interessavam economicamente pelo Brasil, não havia interesse em escravizar os indígenas. Ao se efetivar a colonização brasileira, a partir de 1530, a necessidade de mão de obra fez com que os portugueses tivessem tal objetivo.

Em um primeiro momento, o Brasil se tornou entreposto para as navegações de Portugal, e manteve-se o comércio do pau-brasil, apesar da procura no mercado europeu não corresponder aos anseios econômicos dos portugueses.

Esse desinteresse de Portugal colaborou para o fato de que piratas franceses, ingleses e holandeses organizaram ataques ao Brasil, o que fez com que os portugueses estudassem medidas para efetivar a colonização e afastar o perigo de invasões estrangeiras.

Fim do Período Pré-Colonial

O fim do Período Pré-Colonial correspondeu ao momento em que Portugal decidiu, de fato, iniciar a colonização do Brasil. A crise do comércio das especiarias orientais, em meados do século XVI, e as várias tentativas de invasão empreendidas por franceses, ingleses e holandeses fizeram com que a Coroa portuguesa confirmasse a sua posse sobre as terras brasileiras.

Assim, os portugueses deram início ao Período Colonial, quando as atividades econômicas se voltaram para os interesses do mercado externo, junto a isso, a mão de obra escravizada se tornou uma realidade em nosso país.

Veja também: Brasil Império — o período da história brasileira posterior à colonização portuguesa

Capitanias hereditárias

Mapa das capitanias hereditárias.
Mapa das capitanias hereditárias.

As capitanias hereditárias foram a primeira forma de se administrar o Brasil por parte de Portugal. Eram faixas litorâneas que seriam divididas para os sesmeiros nomeados pelo rei, cujas funções seriam fiscalizar a cobrança de impostos, verificar a viabilidade econômica da capitania, fazer cumprir as ordens reais e evitar invasões piratas e indígenas.

Pouco interesse foi demonstrado pelos nobres, e isso fez com que Portugal centralizasse o poder no Brasil por meio do Governo-Geral, que deu início à construção de engenhos de açúcar no litoral nordestino. Apenas duas capitanias deram certo: São Vicente, no Sul, e Pernambuco, no Nordeste. Para saber mais sobre o assunto, acesse: Capitanias hereditárias.

Notas

|1| e |2| Carta de Pero Vaz de Caminha. Leia na íntegra aqui.

 

Por Carlos César Higa
Professor de História

Escritor do artigo
Escrito por: Carlos César Higa Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

HIGA, Carlos César. "Período Pré-Colonial"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/periodo-precolonial.htm. Acesso em 20 de abril de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

Qual era o objetivo inicial dos portugueses com o seu envolvimento nas “Grandes Navegações”?

Exercício 2

Por que o período que vai de 1500 a 1530 é conhecido como o período “Pré-Colonial”? E quais as atividades desenvolvidas pelos portugueses em terras brasileiras nesse tempo?