close
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Paralelismo

O paralelismo corresponde a uma sequência simétrica que integra uma oração. Ele tem como objetivo o aprimoramento da coesão e coerência textuais.

O paralelismo pode ser compreendido como uma direção estilística na composição do texto.
O paralelismo pode ser compreendido como uma direção estilística na composição do texto.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

O paralelismo é a relação de simetria no texto, seja em seu aspecto morfossintático, seja semântico. Ele estabelece nexo entre textos no plano linguístico, isto é, por meio dos elementos de coesão e coerência formalizados na escrita. Não se trata necessariamente de uma regra da gramática, e sim de uma diretriz de ordem estilística.

Leia também: Textualidade — conjunto das características capazes de garantir que algo seja percebido como texto

Tópicos deste artigo

Resumo sobre paralelismo

  • O paralelismo é a diretriz estética que promove simetria de ideias, estruturas verbais ou segmentos textuais.

  • As relações simétricas no texto podem ocorrer no âmbito da função (morfossintaxe) ou no sentido (semântica).

  • Alguns dos problemas mais comuns envolvendo o paralelismo se dão quanto à utilização de termos de uso duplo e quanto ao uso de tempos verbais.

  • O paralelismo não constitui propriamente uma regra gramatical. Assim, na literatura e nas artes, por exemplo, o seu uso/não uso visa produzir determinados efeitos de sentido no texto.

O que é paralelismo?

Segundo a Gramática Houaiss da Língua Portuguesa, paralelismo é a relação de correspondência ou simetria no texto feita entre ideias, estruturas verbais ou segmentos textuais que funcionam de maneira coordenada na composição de um enunciado.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em outras palavras, o paralelismo estabelece uma relação de simetria no texto, podendo ocorrer em sua composição morfossintática ou semântica. Vejamos os exemplos a seguir:

É impossível entender a legislação porque ora ela concede autonomia ao sujeito e em determinados momentos parece cercear as escolhas de cada um.

É impossível entender a legislação porque ora ela concede autonomia ao sujeito ora ela parece cercear as escolhas de cada um.

Nesse exemplo, a quebra na estrutura da oração ocorre quando, ao estabelecer um elo de coordenação com ideia de alternância, usam-se dois elementos distintos (“ora” e “em determinados momentos”) em vez da repetição da coordenada alternativa (“oraora…”), que promove simetria.

Meu sonho é: estudar, trabalhar e descanso.

Meu sonho é: estudar, trabalhar e descansar.

Nesse segundo exemplo, ao enumerar os sonhos em questão, temos uma perda da simetria a partir do uso de classes gramaticais distintas — verbo (estudar e trabalhar) e substantivo (descanso). O ideal seria que todas as palavras na enumeração fossem verbos, como se verifica no segundo caso.

Veja também: O que é um período composto por coordenação?

Tipos de paralelismo

De acordo com o gramático Cegalla, o paralelismo pode ser classificado nos seguintes tipos:

→ Paralelismo sintático

Paralelismo sintático é entendido como a perfeita correlação na estruturação sintática da frase em uma sequência de enumeração ou exemplificação.

  • Exemplos:

O formulário está disponível no endereço eletrônico e sede da loja.

Acima, a construção apresenta-se sem paralelismo sintático, visto que a preposição no é utilizada em um determinado momento e não em outro, provocando assimetria.

O formulário está disponível no endereço eletrônico e na sede da loja.

Ao adequar a sentença acima, percebe-se uma organização simétrica dentro dos aspectos coesivos que formulam o trecho.

→ Paralelismo morfológico

Paralelismo morfológico é entendido como o perfeito uso de classes gramaticais na frase em uma sequência de enumeração ou exemplificação.

  • Exemplos:

Proibido fumar e comida no local.

O exemplo acima apresenta uma sentença com duas classes gramaticais diferentes (verbo e substantivo, respectivamente), não havendo um paralelismo morfológico.

Proibido fumar e comer no local.

O paralelismo pode ser obtido ao transformar o substantivo em verbo (comida — comer). Há ainda uma segunda possibilidade:

Proibido fumar e entrar com comida no local.

→ Paralelismo semântico

Paralelismo semântico é a correlação entre um conjunto de ideias considerando a composição lógico-semântica na frase.

  • Exemplos:

Amo Beatles, Legião Urbana e Machado de Assis.

O enunciador da frase acima estabelece um campo de significação que envolve o universo de gostos musicais (Beatles e Legião Urbana), mas acrescenta um elemento estranho e ausente ao grupo semântico, o escritor Machado de Assis.

Amo Beatles, Legião Urbana e Pink Floyd.

Uma alternativa seria trocar o termo destoante (Machado de Assis) por outro que componha a associação de significados estabelecidos (Pink Floyd), mantendo a ligação com o universo musical. Porém, outra possibilidade seria marcar, por meio do uso de verbos, a diferença entre os elementos, o que passaria a ser um paralelismo morfológico:

Amo ouvir Beatles e Legião Urbana e ler Machado de Assis.

Vejamos a seguir outra situação de paralelismo semântico:

Eles ganharam o jogo e perderam a cabeça.

Na oração acima, há uma quebra no sentido ao estabelecer uma relação física (jogar uma partida de futebol) e psicológica (perder a concentração e brigar). Portanto, não há igualdade entre os termos da sentença.

Eles ganharam o jogo e levantaram a taça.

De forma distinta do exemplo anterior, as ideias de vencer uma partida e uma competição estão semanticamente conectadas.

→ Videoaula sobre paralelismo sintático, morfológico e semântico

Alguns casos frequentes de paralelismo

Abaixo, listamos uma série de casos comuns em que ocorre ausência de paralelismo e sua substituição por meio de uma relação de simetria nas frases.

→ Casos envolvendo termos

  • tanto… quanto

O curso foi direcionado tanto aos jovens e aos mais velhos. (sem paralelismo)

O curso foi direcionado tanto aos jovens quanto aos mais velhos. (com paralelismo)

  • quer… quer

Quer o governo queira ou não, a população vai às ruas em protesto. (sem paralelismo)

Quer o governo queira, quer ele não queira, a população vai às ruas em protesto. (com paralelismo)

  • por um lado… por outro

Por um lado, venceram a competição, mas perderam a amizade. (sem paralelismo)

Por um lado, venceram a competição, por outro, perderam a amizade. (com paralelismo)

  • não… nem

A audiência não ocorrerá na próxima semana e na outra. (sem paralelismo)

A audiência não ocorrerá na próxima semana, nem na outra. (com paralelismo)

→ Casos envolvendo tempos verbais

  • Pretérito imperfeito do subjuntivo e futuro do pretérito do indicativo

O pretérito imperfeito do subjuntivo (contasse, pensasse, ajudasse) tem o seu uso adequado quando junto do futuro do pretérito do indicativo (contaria, pensaria, ajudaria). Em algumas situações, a relação pretérito imperfeito do subjuntivo — futuro do pretérito do indicativo não é utilizada, provocando assimetria.

Se eu te contasse, você não acredita. (sem paralelismo)

Se eu te contasse, você não acreditaria. (com paralelismo)

  • Futuro do subjuntivo e futuro do presente

Seguindo a mesma lógica, o futuro do subjuntivo (estudarmos, pensarmos) estabelece um paralelo com o futuro do presente (estudarei, pensarei).

Quando nós estudarmos, passamos na prova. (sem paralelismo)

Quando nós estudarmos, passaremos na prova. (com paralelismo)

Paralelismo na literatura e nas produções artísticas

O paralelismo não constitui propriamente uma regra gramatical rígida. Na verdade, ele é uma diretriz de ordem estilística. Há, portanto, uma série de usos/não usos propositais a fim de se obter determinado efeito de sentido com o enunciado.

Assim, a literatura e as artes fazem lançam mão (ou não) do paralelismo a fim atingir certas reações de seu receptor. A música e a poesia, por exemplo, fazem associações rítmicas e repetições entre palavras produzindo efeitos de sequencialidade e dando tons de musicalidade ao texto.

O vento varria as folhas,

O vento varria os frutos,

O vento varria as flores...

E a minha vida ficava

Cada vez mais cheia

De frutos, de flores, de folhas.

(“Canção do vento e da minha vida”, Manuel Bandeira)

No poema de Manuel Bandeira há uma série de repetições:

  • de termos (vento, varria, frutos, folhas e flores);

  • de estrutura (O vento varria…);

  • de conteúdos fônicos (-ava, -eia, -as, -os);

  • de tempos verbais (varria, ficava, cheia).

No trecho acima, percebemos que o uso proposital da repetição de estruturas sugere uma ideia de ciclo. Assim, à medida que o tempo se esvai no poema, mais a plenitude da vida é evidenciada.

Se você gritasse,

se você gemesse,

se você tocasse

a valsa vienense,

se você dormisse,

se você cansasse,

se você morresse...

Mas você não morre,

você é duro, José!

(“E agora, José?”, Carlos Drummond de Andrade)

No poema de Carlos Drummond de Andrade, há a construção de uma sequência rítmica por meio da terminação dos verbos no subjuntivo em -sse. Seu uso sequencial transmite uma ideia de compasso.

O exemplo acima, junto do anterior, corresponde ao uso do paralelismo a partir dos seus elementos morfossintáticos para a produção de novos efeitos. Há, ainda, o uso semântico, que proporciona uma assimetria proposital. Vejamos o exemplo do trecho abaixo:

Eduardo e Mônica era nada parecido

Ela era de Leão e ele tinha dezesseis

(“Eduardo e Mônica”, Legião Urbana)

A canção, ao tratar das diferenças de cada uma das partes, evidencia que Mônica era do signo de leão e Eduardo tinha 16 anos. A sentença trata de conceitos distintos; sendo assim, do ponto de vista semântico, deveria ser considerada incorreta.

Porém, como dito anteriormente, o paralelismo é de ordem estilística. Nesse contexto, portanto, a música citou conteúdos diferentes para evidenciar a assimetria entre os personagens.

 

Por Rafael Camargo de Oliveira
Professor de Redação 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

OLIVEIRA, Rafael Camargo de. "Paralelismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/paralelismo.htm. Acesso em 19 de maio de 2022.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

Considerando que a materialização de um texto se dá mediante o encadeamento lógico de ideias justapostas e ordenadas entre si, comente acerca das relações paralelísticas necessárias ao discurso.

Exercício 2

(FUVEST-SP)

“Amantes dos antigos bolachões penam não só para encontrar os discos, que ficam a cada dia mais raros. A dificuldade aparece também na hora de trocar a agulha, ou de levar o toca-discos para o conserto”.
                                                                         (Jornal da Tarde, 22/10/1998)

a) Tendo em vista que no texto acima falta paralelismo sintático, reescreva-o em um só período, mantendo o mesmo sentido e fazendo as alterações necessárias para que o paralelismo se estabeleça.

b) Justifique as alterações necessárias.

Estude agora


Lygia Fagundes Telles

Nesta videoaula, você conhecerá um pouco mais sobre a vida de Lygia Fagundes Telles, uma importante escritora da...

Franz Kafka

Nesta videoaula, você conhecerá um pouco mais sobre a vida e a obra de Franz Kafka, um dos escritores mais...