Topo
pesquisar

Machado de Assis

Literatura

Machado de Assis foi o maior escritor e cronista brasileiro, muito conhecido por ter dado início ao realismo no Brasil entre 1839 a 1908.
PUBLICIDADE

Joaquim Maria Machado de Assis, mais conhecido como Machado de Assis, foi precursor do realismo brasileiro e fundador e presidente da Academia Brasileira de Letras, sendo esse um de seus maiores e mais importantes feitos.

Publicou mais de 200 contos, 10 romances e demais publicações de diversos gêneros, como folhetins, peças teatrais, contos e crônicas, tornando-se grande referência como cronista de sua época. O autor presenciou acontecimentos históricos, como a abolição da escravidão e a passagem do Brasil Império para Brasil República.

 

Leia também: Poemas de Machado de Assis

Carreira

Machado de Assis e Joaquim Nabuco fundaram a Academia Brasileira de Letras (foto de Augusto Malta / Biblioteca Nacional)
Machado de Assis e Joaquim Nabuco fundaram a Academia Brasileira de Letras (foto de Augusto Malta / Biblioteca Nacional)

Sua carreira foi marcada por grandes feitos, sendo suas crônicas um deles. Machado falava muito sobre a sociedade local da época, tendo mais de 40 anos de observação e crítica da sociedade, o que resultou na produção de um total de mais de 600 crônicas. Ainda em vida conseguiu ascender socialmente, tendo em vista que era nascido de família humilde. Tornou-se um homem muito respeitado, ocupando diversos cargos públicos. Foi nomeado cavaleiro e, posteriormente, oficial da Ordem da Rosa.

O escritor epilético, gago e descendente de escravos, nascido em 21 de Junho de 1839 no Morro do Livramento, Rio de Janeiro, viveu 69 anos, morrendo em 1908. Machado de Assis é considerado até hoje o maior escritor brasileiro.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Biografia

Para conferir uma análise biográfica detalhada de Machado de Assis, recomendamos a leitura deste texto: Biografia de Machado de Assis.

Características

O autor criticou vários valores burgueses por meio de ironias e metalinguagens. Precedendo não só o próprio realismo, instaurou o realismo psicológico, claramente visto em seus romances por fazer diálogos diretos com o leitor e também por conta de pensamentos pontuais que surgem ao longo da narrativa como uma reflexão sobre os acontecimentos que se passam no romance, similar à quebra da quarta parede no teatro, quando o ator cria um diálogo direto com o espectador.

Machado tratava com frequência sobre a ascensão social e a manutenção das aparências sociais por meio de críticas à burguesia, dando luz ao realismo brasileiro. Suas obras, recheadas de ironias, abordam o que o autor observava na sociedade da época. O Rio de Janeiro do Brasil passava por uma transição da falta de infraestrutura, ganhando planejamento baseado no urbanismo de Paris, na França: sofisticação para satisfazer a proeminente parcela burguesa da população da época. Estima-se que de 200 mil cidadãos cariocas, 100 mil eram escravos e, desse total, apenas 20% eram letrados, configurando uma população em que 80% eram analfabetos.

Sua carreira pode ser dividida em duas fases, sendo a primeira caracteristicamente mais romântica, predominando obras como seu primeiro romance, ‘Ressureição’; sua primeira peça, ‘Queda que as mulheres têm pelos tolos’; e o livro de poesias ‘Crisálidas’. A fase romântica perdurou entre 1864 e meados de 1878.

Sua segunda fase teve início com a publicação do livro ‘Memórias póstumas de Brás Cubas’, livro escrito logo após ser internado devido ao seu quadro de epilepsia, que o forçava a tomar remédios fortes, que lhe desgastavam a saúde. Ainda internado, chegou a enviar alguns capítulos do romance à sua esposa, Carolina Augusta Xavier de Novais. Como um marco entre uma fase e outra, percebe-se que, nessa nova fase, Machado apresenta fortes traços de pessimismo e ironia, que se tornam grandes características da obra do autor, acompanhando-o até seus últimos dias.

Leia também: Capitu traiu Bentinho?

Obras

Com uma carreira cheia de publicações dos mais variados gêneros, Machado de Assis publicou 10 romances, 10 peças teatrais, 200 contos, 5 coletâneas de poemas e sonetos e mais de 600 crônicas. São exemplos:

  • O poema ‘Ela’ (1855), seu primeiro poema publicado;

  • As peças teatrais de comédia ‘O protocolo’ e ‘O caminho da porta’ (1863);

  • Seu primeiro livro de versos, ‘Crisálidas’ (1864);

  • Seu primeiro romance, ‘Ressurreição’ (1872);

  • O livro de contos ‘Histórias da meia-noite’ (1873);

  • O romance ‘Iaiá Garcia’ (1878);

  • Um dos mais importantes livros de sua carreira: ‘Memórias póstumas de Brás Cubas’ (1881);

  • O romance ‘Quincas Borba’ (1891);

  • O romance ‘Dom Casmurro’ (1899);

  • O romance ‘Esaú e Jacó’ (1904).
     

Por Me. Fernando Marinho

Machado de Assis tornou-se um dos grandes ícones da literatura nacional
Machado de Assis tornou-se um dos grandes ícones da literatura nacional

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MARINHO, Fernando. "Machado de Assis "; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/biografia-machado-assis.htm. Acesso em 21 de setembro de 2019.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(UFPI-PI)

“Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria”.

O enunciado acima se refere a uma das obras de Machado de Assis intitulada:

a - Dom Casmurro
b – Memorial de Aires
c – Memórias póstumas de Brás Cubas
d - Quincas Borba
e – Esaú e Jacó

Questão 2

ESAM-RN

“gosto dos epitáfios; eles são, entre a gente civilizada, uma expressão daquele pio e secreto egoísmo que induz o homem a arrancar à morte um farrapo ao menos da sombra que passou. Daí, vem, talvez, a tristeza inconsolável dos que sabem os seus mortos na vala comum; parece-lhes que a podridão anônima os alcança a eles mesmos.”

Podemos dizer que o trecho acima pertence ao Realismo, já que apresenta as seguintes características:

a – dúvida em torno da validade da religião; descaso pelo homem como ser socializado; apologia dos sentimentos nobres.

b –descrença dos sentimentos humanos; morbidez em face do amor; conformismo diante da fragilidade do ser humano;

c –apologia do materialismo; desprezo pela atitude místico-religiosa dos homens; passividade diante da contínua presença da morte;

d –visão materialista do mundo; desprezo pelos valores sociais estabelecidos; desprezo pelo homem e pela vida;

e –ausência de visão sentimentalista do mundo; descrença em valores religiosos, consciência da fragilidade oral e física do ser humano.

Mais Questões
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola