Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Romance

Literatura

PUBLICIDADE

 O romance é um longo texto narrativo, portanto apresenta:

  • narrador;

  • personagens;

  • ação;

  • espaço; e

  • tempo.

Surgido no século XVIII, ele se diferencia da epopeia, pois narra os eventos em forma de prosa, e não mais em verso (estrutura típica dos poemas épicos). Além disso, pode ser classificado como monofônico, polifônico, fechado, aberto, linear, vertical ou psicológico.

Leia também: Crônica narrativa – gênero que conta histórias ágeis sobre fatos cotidianos

O que é romance?

O romance é um subgênero literário; portanto, integra o gênero narrativo.
O romance é um subgênero literário; portanto, integra o gênero narrativo.

A origem do romance está no século XVIII, quando esse gênero textual adquiriu popularidade e substituiu a antiga forma de narrativa conhecida como epopeia ou poema épico. Esse tipo de narrativa era escrito em versos e apresentava a figura de um herói. Já o romance é escrito em prosa e a figura heroica pode ser dispensada.

Além disso, ele se diferencia da novela e do conto no que se refere à sua extensão, pois é a narrativa mais longa. Um conto é uma narrativa curta, e a novela possui uma extensão intermediária entre o conto e o romance. Isso significa que o romance, por ser mais amplo, possui também a chance de apresentar tramas e personagens mais complexos.

Quanto à temática, o romance pode ser classificado de diversas formas: infantojuvenil, policial, romântico, realista, naturalista, modernista, regionalista, homoerótico, erótico, de aventura, de ficção científica, de terror, de fantasia. Enfim, são inúmeras as possibilidades temáticas desse gênero de texto literário.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Principais características do romance

  • Ação: acontecimentos.

  • Espaço: lugar da ação.

  • Tempo:

- cronológico: associado ao espaço, logo linear;

- psicológico: relacionado ao mundo interior das personagens, aos seus pensamentos e reflexões; portanto, não linear.

  • Personagem:

- plana: simples e previsível;

- redonda ou esférica: complexa e imprevisível.

  • Enredo: a história.

  • Narrador:

- personagem: participa da história e narra em primeira pessoa;

- observador: não possui conhecimento de todos os fatos e narra em terceira pessoa;

- onisciente ou onipresente: narra em terceira pessoa e conhece todos os fatos, além dos pensamentos e desejos íntimos de cada personagem.

Leia também: Angústia: romance de Graciliano Ramos

Tipos de romance

  • Romance monofônico

A narrativa está centrada em uma personagem, como no romance Senhora, de José de Alencar (1829-1877), que conta a história de Aurélia Camargo:

“Há anos raiou no céu fluminense uma nova estrela.
Desde o momento de sua ascensão ninguém lhe disputou o cetro; foi proclamada a rainha dos salões.
Tornou-se a deusa dos bailes; a musa dos poetas e o ídolo dos noivos em disponibilidade. Era rica e formosa.
[...]
Quem não se recorda da Aurélia Camargo, que atravessou o firmamento da Corte como brilhante meteoro, e apagou-se de repente no meio do deslumbramento que produzira o seu fulgor? Tinha ela dezoito anos quando apareceu a primeira vez na sociedade. Não a conheciam; e logo buscaram todos com avidez informações acerca da grande novidade do dia.”

  • Romance polifônico

A narrativa não está centrada em uma personagem apenas, mas em várias, como no romance Capitães da areia, de Jorge Amado (1912-2001), que mostra o drama de cada uma destas crianças de rua: Pedro Bala, Sem-Pernas, Boa-Vida, Dora, Volta Seca, Gato, Pirulito e Professor.

Capa do livro Capitães da areia, de Jorge Amado, publicado pela editora Companhia das Letras.[1]
Capa do livro Capitães da areia, de Jorge Amado, publicado pela editora Companhia das Letras.[1]
  • Romance fechado

O narrador não deixa lacunas para serem preenchidas pelo(a) leitor(a). Como exemplo desse tipo de romance, é possível citar algumas obras da escritora inglesa Agatha Christie (1890-1976), em que o narrador, ao final, revela sempre a identidade do assassino ou assassina:

  • Assassinato no campo de golfe;

  • Assassinato no expresso do Oriente;

  • Morte no Nilo;

  • Morte na praia e tantos outros.

  • Romance aberto

O narrador deixa lacunas para serem preenchidas pelo(a) leitor(a). Como exemplo desse tipo de romance, é possível citar o livro Orlando, da escritora inglesa Virginia Woolf (1882-1941), em que o personagem Orlando nasce homem, mas se transforma em mulher, além de viver durante séculos. Em nenhum momento, o narrador nos explica por que Orlando vive tanto tempo ou o motivo de sua transformação repentina:

“Ficamos então agora inteiramente sozinhos no quarto com o adormecido Orlando e os trombeteiros. Os trombeteiros, organizando-se lado a lado, sopram um terrível toque: — “A VERDADE!” — e com isso Orlando despertou.
Espreguiçou-se. Levantou-se. Ficou de pé completamente despido diante de nós, e enquanto as trombetas soavam Verdade! Verdade! Verdade! não temos escolha senão confessar — ele era uma mulher.”|1|

  • Romance linear ou progressivo

Esse tipo de romance está centrado na ação, e não na reflexão, como bem ilustra a obra Cartas na rua, do escritor estado-unidense Charles Bukowski (1920-1994):

“Dei a volta pela lateral da igreja e topei com uma escada que descia. Atravessei uma porta aberta. Você sabe o que eu vi? Uma fila de banheiros. E chuveiros. Mas estava escuro. Todas as luzes apagadas. Como, diabos, esperam que um homem encontre uma caixa de correspondência no escuro? Então avistei o comutador. Apertei a chave e as luzes da igreja se acenderam, dentro e fora. Avancei até a sala seguinte e havia batinas de padres estendidas numa mesa. Havia também uma garrafa de vinho.”|2|

  • Romance vertical ou analítico

Nesse tipo de romance, a ação leva a uma reflexão, como podemos observar no livro Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (1839-1908):

“[...]. Talvez por isso entraram os objetos a trocarem-se; uns cresceram, outros minguaram, outros perderam-se no ambiente; um nevoeiro cobriu tudo, — menos o hipopótamo que ali me trouxera, e que aliás começou a diminuir, a diminuir, a diminuir, até ficar do tamanho de um gato. Era efetivamente um gato. Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel...
[...]
Já o leitor compreendeu que era a Razão que voltava à casa, e convidava a Sandice a sair, [...].
Mas é sestro antigo da Sandice criar amor às casas alheias, de modo que, apenas senhora de uma, dificilmente lha farão despejar. É sestro; não se tira daí; há muito que lhe calejou a vergonha. Agora, se advertirmos no imenso número de casas que ocupa, umas de vez, outras durante as suas estações calmosas, concluiremos que esta amável peregrina é o terror dos proprietários. No nosso caso, houve quase um distúrbio à porta do meu cérebro, porque a adventícia não queria entregar a casa, e a dona não cedia da intenção de tomar o que era seu. Afinal, já a Sandice se contentava com um cantinho no sótão.”

Acesse também: Graciliano Ramos – grande nome da prosa modernista brasileira

  • Romance psicológico

No romance de viés psicológico, sobressai o monólogo interior, os chamados fluxos de consciência, que revelam o universo íntimo das personagens. O enredo fica em segundo plano, pois o que importa não é a ação, mas a análise psicológica. Isso pode ser verificado na obra A paixão segundo G.H., de Clarice Lispector (1920-1977):

“Abaixei rapidamente os olhos. Ao esconder os olhos, eu escondia da barata a astúcia que me tomara — o coração me batia quase como numa alegria. É que inesperadamente eu sentira que tinha recursos, nunca antes havia usado meus recursos — e agora toda uma potência latente enfim me latejava, e uma grandeza me tomava: a da coragem, como se o medo mesmo fosse o que me tivesse enfim investido de minha coragem. Momentos antes eu superficialmente julgara que meus sentimentos eram apenas de indignação e de nojo, mas agora eu reconhecia — embora nunca tivesse conhecido antes — que o que sucedia é que enfim eu assumira um medo grande, muito maior do que eu.”

Notas

|1|Tradução de Laura Alves.

|2|Tradução de Pedro Gonzaga.

Crédito da imagem

[1] Companhia das Letras (reprodução) 

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Romance"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/romance.htm. Acesso em 25 de setembro de 2021.

Artigos Relacionados
Saiba mais sobre os diferentes gêneros literários! Aprenda as principais características da novela.
Acesse para saber o que é um conto. Aprenda sua estrutura e principais elementos. Compreenda, além disso, o que é o conto fantástico e o conto de fadas.
Saiba o que é um conto fantástico. Conheça sua estrutura. Descubra quais são os principais autores da literatura fantástica no Brasil e no mundo.
Entenda como reconhecer uma crônica narrativa, e aprenda mais sobre suas características, estrutura e representantes da literatura brasileira.
Saiba o que é o gênero narrativo. Conheça a estrutura da narrativa e os subgêneros narrativos. Veja quais são os tipos de narrador e de discurso narrativo.