Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Jorge Amado

O escritor modernista Jorge Amado é um dos principais nomes da Geração de 30. Suas obras possuem características realistas, elementos regionais e crítica social.

Retrato do escritor Jorge Amado, um dos principais nomes da Geração de 30.
Retrato do escritor Jorge Amado, um dos principais nomes da Geração de 30.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Jorge Amado foi um escritor brasileiro. Ele nasceu em 10 de agosto de 1912, na cidade baiana de Itabuna. O escritor fez faculdade de Direito, no Rio de Janeiro, mas não exerceu a profissão de advogado. Durante alguns anos, viveu no exterior, por questões políticas. E fez sucesso mundial com seus romances.

O romancista faz parte da Geração de 1930 do modernismo brasileiro. Suas obras, portanto, valorizam a cultura regional e apresentam crítica sociopolítica. O romance Gabriela, cravo e canela é um dos livros mais famosos desse autor, que faleceu em 6 de agosto de 2001, em Salvador.

Leia também: Capitães da areia — análise de uma das principais obras de Jorge Amado

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Jorge Amado

  • O escritor brasileiro Jorge Amado nasceu em 1912 e faleceu em 2001.

  • Além de romancista, também foi deputado federal por São Paulo.

  • O autor é integrante da Geração de 1930 do modernismo brasileiro.

  • Suas obras apresentam crítica sociopolítica e elementos regionais.

  • Um de seus livros mais famosos é o romance Gabriela, cravo e canela.

Videoaula sobre Jorge Amado

Biografia de Jorge Amado

Jorge Amado nasceu em 10 de agosto de 1912, em Itabuna, Bahia. Seu pai era fazendeiro, produtor de cacau. Com um ano de idade, o escritor foi morar em Ilhéus. Mais tarde, estudou no colégio Antônio Vieira e no ginásio Ipiranga, na cidade de Salvador, onde trabalhou no Diário da Bahia.

No ano de 1923, seu professor, o padre Luiz Gonzaga Cabral (1866-1939), descobriu que o menino tinha talento como escritor, ao ler uma de suas redações. A partir daí, passou a estimular o pequeno Jorge a ler clássicos da literatura mundial. Dois anos depois, o rapaz fugiu do colégio interno e viajou até Sergipe, onde estava a casa de seu avô paterno.

Em 1931, publicou seu primeiro livro, o romance O país do carnaval. Era o início de uma carreira literária de grande sucesso. Dois anos depois, se casou com Matilde Garcia Rosa (1913-1986). Desse relacionamento, nasceu sua filha Lila. No Rio de Janeiro, em 1935, o autor se formou em Direito.

Era comunista e, por isso, foi preso e teve seus livros queimados em praça pública. Assim, fugindo da perseguição do Estado Novo, viveu na Argentina e no Uruguai durante os anos de 1941 e 1942, quando voltou ao Brasil e foi novamente preso. Solto, foi mantido sob vigilância.

Então, escreveu para a Folha da Manhã, de São Paulo, além de atuar como secretário do Instituto Cultural Brasil-União Soviética. Em 1943, voltou a publicar romances no Brasil, após seis anos de proibição de suas obras. Já em 1944, o casamento com Matilde chegou ao fim.

No ano seguinte, foi eleito deputado federal por São Paulo, como membro do Partido Comunista Brasileiro. Ainda no ano de 1945, ele se casou com a escritora Zélia Gattai (1916-2008). Como deputado, Jorge Amado criou a lei que protege a liberdade de culto religioso.

Estátua do escritor Jorge Amado ao lado de sua esposa, a também escritora Zélia Gattai, em Salvador, na Bahia. [1]
Estátua do escritor Jorge Amado ao lado de sua esposa, a também escritora Zélia Gattai, em Salvador, na Bahia. [1]

Mas, com a volta à ilegalidade do PCB, em 1947, o escritor, a esposa e o filho foram viver na França. Assim, quando a primeira filha do autor faleceu, em 1949, ele não pôde comparecer ao enterro. No ano seguinte, foi expulso da França, por ser comunista. Era o início da Guerra Fria.

Então, se mudaram para Praga, onde nasceu sua segunda filha. Voltaram ao Brasil em 1952 para viver no Rio de Janeiro. Nos Estados Unidos, durante o macarthismo, a entrada do autor e de suas obras foi proibida naquele país. Em 1955, o romancista decidiu se afastar da política e se dedicar apenas à literatura.

Com a venda dos direitos, para o cinema, do romance Gabriela, cravo e canela, em 1961, o escritor mandou construir sua casa em Salvador, onde residiu de 1963 até a sua morte, em 6 de agosto de 2001. Era o fim de uma vida marcada pela atuação política e pelo sucesso mundial como romancista.

Jorge Amado e a Academia Brasileira de Letras

 Jorge Amado na Academia Brasileira de Letras. [2]
 Jorge Amado na Academia Brasileira de Letras. [2]

Jorge Amado foi o quinto ocupante da cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é o escritor José de Alencar (1829-1877). Eleito em 6 de abril de 1961, o autor tomou posse em 17 de julho do mesmo ano.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Prêmios, títulos e homenagens de Jorge Amado

Prêmios de Jorge Amado

  • Graça Aranha (1936)

  • Internacional Stalin (1951) — Moscou

  • Machado de Assis (1959)

  • Jornal do Comércio (1959)

  • Luísa Cláudio de Souza (1959)

  • Carmem Dolores Barbosa (1959)

  • Paula Brito (1959)

  • Jabuti (1959)

  • Juca Pato (1970)

  • Latinidade da Academia do Mundo Latino (1971)

  • Iila (1976) — Itália

  • Fernando Chinaglia (1982)

  • Nestlé de Literatura Brasileira (1982)

  • Brasília de Literatura (1983)

  • Internacional Dag Hammarskjöld (1983) — Portugal

  • Moinho Santista de Literatura (1984)

  • Personalidade Literária do Ano (1984)

  • Nonino (1984) — Itália

  • BNB de Literatura (1985)

  • Dimitrof (1986) — Bulgária

  • Pablo Picasso (1988) — Unesco

  • Pablo Neruda (1989) — Moscou

  • Etruria de Literatura (1989) — Itália

  • Mundial Cino del Duca (1990)

  • Agogô de Ouro (1992)

  • Vitaliano Brancatti (1995) — Itália

  • Luís de Camões (1995) — Portugal

  • Dai Grandi (1995) — Itália

  • Ministério da Cultura (1997)

Títulos de Jorge Amado

  • Ogan de Oxossi (1927)

  • Obá Otum Arolu (1959)

  • Cidadão Carioca (1959)

  • Cidadão Paulistano (1961)

  • Amigo do Livro (1961)

  • Cidadania Honorária da República do Livro (1962)

  • Cidadão da Cidade de Estância (1963)

  • Cavaleiro do Clube da Madrugada (1971)

  • Cidadão Sergipano (1973)

  • Benemérito da Cidade de Ilhéus (1975)

  • Cavaleiro Benemérito da Ordem da Literatura de Cordel (1976)

  • Cavaleiro Benemérito da Ordem dos Cantadores (1976)

  • Comendador da Ordem das Artes e Letras (1979) — França

  • Grande Oficial da Ordem de Santiago da Espada (1980) — Portugal

  • Doutor honoris causa pela Universidade Federal da Bahia (1980)

  • Doutor honoris causa pela Universidade Federal do Ceará (1981)

  • Grande Oficial da Ordem do Mérito da Bahia (1981)

  • Presidente Honorário da Academia Antero de Quental (1982)

  • Comendador da Cultura Popular da Ordem Brasileira dos Poetas da Literatura de Cordel (1982)

  • Comendador da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho (1983)

  • Cidadão da Cidade de Salvador (1984)

  • Commandeur de la Légion d’Honneur (1984) — Paris

  • Cidadão Honorário da Cidade de Guimarães (1985)

  • Cidadão da Cidade de São Paulo (1985)

  • Grão-Mestre da Ordem do Rio Branco (1985)

  • Cidadão de Honra da Comunidade de Mirabeau (1985) — França

  • Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (1986) — Portugal

  • Comendador da Ordem do Congresso Nacional (1986)

  • Cavaleiro e Comendador da Ordem dos Cantadores (1986)

  • Doutor honoris causa pela Universidade Lumiére Lyon II (1987) — França

  • Chevalier de Beaugolais (1989) — França

  • Doutor honoris causa pela Universidade de Israel (1990) — Israel

  • Doutor honoris causa em Língua e Literatura da Universidade Dagli Studi de Bari (1990)

  • Doutor honoris causa pela Universidade do Sudoeste (1992)

  • Cidadão de Fortaleza (1994)

  • Cidadão de Ipiaú (1994)

  • Cidadão Cachoeirano (1995)

  • Doutor honoris causa pela Universidade de Pádua (1995) — Itália

  • Cidadão Honorário de Cascais (1996) — Portugal

  • Doutor honoris causa pela Université de Sorbonne, Paris III (1996)

  • Doutor honoris causa pela Universidade de Pádua (1996) — Itália

  • Cidadão de Ilhéus (1997)

  • Cidadão Honorário de Brasília (1997)

  • Doutor honoris causa pela Universidade Moderna de Lisboa (1998) — Portugal

  • Doutor honoris causa pela Universidade de Bolonha (1998) — Itália

  • Doutor honoris causa pela Universidade de Brasília (1999)

  • Cidadão Honorário do Concelho de Cascais (2000) — Portugal

Homenagens de Jorge Amado

  • Medalha do Centenário de Castro Alves (1947)

  • Medalha Comemorativa do Centenário de João Ribeiro (1960)

  • Medalha Ordem dos Trovadores do Grêmio Brasileiro de Trovadores (1960)

  • Diploma e Medalha de Bronze pelos serviços prestados ao desenvolvimento da Radiodifusão Educativa Cultural. (1961)

  • Diploma de Reconhecimento e Medalha de Prata da Editora Italiana, Belo Horizonte (1962)

  • Diploma de Honra ao Mérito da Organização de Pesquisas de Opinião Pública (1967)

  • Diploma de Honra ao Mérito do Culto Afro-Brasileiro Xangô das Pedrinhas (1977)

  • Homenagem da Câmara de Vereadores de Itabuna (1978)

  • Medalha de Prata de Mérito Turístico (1982) — Portugal

  • Diploma e Medalha do Mérito Cultural Castro Alves (1983)

  • Diploma de Membro da The Hispanic of America (1983)

  • Medalha Tomé de Souza (1984)

  • Medalha Anchieta (1985)

  • Medalha Ipiranga (1985)

  • Medalha da Cidade de São Paulo (1985)

  • Diploma de Honra ao Mérito da Ordem Brasileira dos Poetas da Literatura de Cordel (1986)

  • Comenda da Ordem do Congresso Nacional (1987)

  • Medalha de Vermeil (1988) — França

  • Diploma de Honra ao Mérito da Associação Internacional dos Amigos de Ferreira de Castro (1989)

  • Medalha da Cidade de Cassis (1991) — França

  • Medalha e Troféu das Terras d’Ouro (1992)

  • Troféu Gabriela de Ouro (1992)

  • Comenda de Ordem do Mérito de São Jorge dos Ilhéus (1992)

  • Medalha de Ouro da Cidade de Coimbra (1993)

  • Certificado Especial de Reconhecimento do Congresso dos Estados Unidos (1993) — Filadélfia

  • Troféu Roda Rotária (1993)

  • Troféu Axé de Turismo (1994)

  • Medalha da Ordem de São Jorge dos Ilhéus (1995)

  • Medalha do Mérito Jornalístico (1996)

  • Medalha de Ouro Simon Bolívar (1997) — Unesco

  • Troféu Filme de Ouro (1997)

  • Troféu Primeira Página (1998)

  • Diploma e Medalha da Cidade de Paris (1998)

  • Comenda do Mérito da Ordem de São Jorge dos Ilhéus (1998)

Principais características da obra de Jorge Amado

O escritor Jorge Amado faz parte da Geração de 1930 do modernismo brasileiro. As obras de autores dessa geração apresentam as seguintes características:

  • Neorregionalismo: elementos da cultura regional; no caso de Jorge Amado, da cultura baiana.

  • Ausência de idealizações: ao contrário do regionalismo romântico, as obras da Geração de 30 não apresentam caráter idealizador.

  • Neorrealismo: as narrativas são realistas, mas, ao contrário do realismo do século XIX, apresentam parcialidade por parte do narrador.

  • Crítica sociopolítica: a obra mostra os problemas sociais e a negligência das autoridades políticas.

  • Determinismo: o destino de alguns personagens é determinado pelo meio em que vivem, mas, ao contrário do determinismo naturalista, no modernismo, o narrador vê solução para o problema, caso haja uma transformação do meio.

  • Valorização do espaço: o meio se torna imprescindível para a construção do personagem.

  • Linguagem objetiva: o texto é claro e direto, visando ao entendimento imediato do(a) leitor(a).

  • Narrativa envolvente: por possuir uma intenção política, o narrador busca envolver os leitores no enredo, para que eles não abandonem a leitura.

Veja também: Graciliano Ramos — outro grande nome da Geração de 1930 do modernismo brasileiro

Obras de Jorge Amado

  • O país do carnaval (1931) — romance.

  • Cacau (1933) — romance.

  • Suor (1934) — romance.

  • Jubiabá (1935) — romance.

  • Mar morto (1936) — romance.

  • Capitães da areia (1937) — romance.

  • A estrada do mar (1938) — poesia.

  • ABC de Castro Alves (1941) — biografia.

  • O Cavaleiro da Esperança (1942) — biografia.

  • Terras do sem fim (1943) — romance.

  • São Jorge dos Ilhéus (1944) — romance.

  • Bahia de Todos os Santos (1945) — guia.

  • Seara vermelha (1946) — romance.

  • O amor do soldado (1947) — peça de teatro.

  • O mundo da paz (1951) — relato de viagem.

  • Os subterrâneos da liberdade (1954) — romance.

  • Gabriela, cravo e canela (1958) — romance.

  • A morte e a morte de Quincas Berro d’Água (1961) — romance.

  • Os velhos marinheiros ou O capitão de longo curso (1961) — romance.

  • Os pastores da noite (1964) — romance.

  • Dona Flor e seus dois maridos (1966) — romance.

  • Tenda dos milagres (1969) — romance.

  • Teresa Batista cansada de guerra (1972) — romance.

  • O gato Malhado e a andorinha Sinhá (1976) — infantojuvenil.

  • Tieta do Agreste (1977) — romance.

  • Farda, fardão, camisola de dormir (1979) — romance.

  • Do recente milagre dos pássaros (1979) — contos.

  • O menino grapiúna (1982) — memórias.

  • A bola e o goleiro (1984) — infantil.

  • Tocaia grande (1984) — romance.

  • O sumiço da santa (1988) — romance.

  • Navegação de cabotagem (1992) — memórias.

  • A descoberta da América pelos turcos (1994) — romance.

  • O milagre dos pássaros (1997) — fábula.

  • Hora da guerra (2008) — crônicas.

Análise da obra Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado

Capa do livro “Gabriela, cravo e canela”, de Jorge Amado, publicado pela editora Companhia das Letras.
Capa do livro Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado, publicado pela editora Companhia das Letras. [3]

Gabriela é a personagem principal dessa obra de Jorge Amado, uma heroína que traz em si a sensualidade baiana. Na cidade de Ilhéus, Gabriela se torna cozinheira do sírio Nacib, dono do bar Vesúvio. A moça é de origem pobre, pele escura, bela, sensual, uma jovem que gosta do prazer e da liberdade.

Logo os dois iniciam um relacionamento sexual. Apaixonado pela moça, Nacib tem medo de ser abandonado por ela, que é desejada por muitos homens. A solução que ele encontra é se casar com Gabriela. Mas o casamento não traz felicidade à moça, pois acaba com sua liberdade e a obriga a assumir um papel social que lhe desagrada.

Paralelamente à história de amor entre Grabriela e Nacib, a obra também traz elementos políticos da década de 1920. No fim da República Velha, o coronel Ramiro Bastos é quem detém poder político na região. Até que Mundinho Falcão, um exportador de cacau, passa a exercer grande influência em Ilhéus. Falcão e Nacib se tornam sócios, em um restaurante.

Gabriela trai Nacib com o sedutor Tonico Bastos, filho do coronel. O marido surpreende os amantes e agride a mulher, pancadas que deixam manchas roxas na pele “cor de canela” de Gabriela. Sem coragem de matar a esposa, Nacib dá um jeito de anular o casamento. Mas, no final, Nacib e Gabriela reatam o relacionamento e voltam a se encontrar como antes.

Videoaula sobre a obra Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado

Poema de Jorge Amado

A estrada do mar, publicado em 1938, é o único livro de poesias de Jorge Amado, mas é uma obra rara e pouco se sabe sobre seu conteúdo. O único poema conhecido do autor é “Canção da judia de Varsóvia’’, que tem como temática o Holocausto (genocídio cometido por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial):

Meu nome, já não o sei...
Só de Judia me chamam.
Meu rosto já foi bonito, na primavera em Varsóvia.
Um dia, chegou o inverno,
Trazido pelos nazistas;
E nunca mais quis ir embora.

Um dia já fui bonita,
Tive noivo, e tive sonhos.
Trazidos pelos nazistas
Veio o terror, veio a morte.

[...]

Em campo de concentração
São mil judias comigo, mas nenhuma nome tem.
Só, sobre o peito, uma marca feita com ferro em brasa,
Como um rebanho de gado
Para os açougues dos nazis.

[...]

Disseram que em outras terras,
Judias e não judias, moças que nem
Nome têm,
Em armas se levantaram,
Que guerrilheiras se chamam, que
Matam nazis nas noites,

[...]

Porque... se fosse verdade, mulheres
Matando nazis,
Nesse campo desgraçado uma alegria eu teria,

[...]

Frases de Jorge Amado

Vamos ler, a seguir, algumas frases de Jorge Amado, extraídas de seu romance Mar morto:

  • “O mar é mistério que nem os velhos marinheiros entendem.”

  • “Dificilmente um homem da terra entende o coração dos marinheiros.”

  • “Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte.”

  • “O amor cresce de um beijo e termina numa sentida lágrima.”

  • “No amor há música, estrelas, bonança.”

Créditos de imagem

[1] coelhomochileiro / Shutterstock

[2] Arquivo Nacional / Wikimedia Commons (reprodução)

[3] Grupo Companhia das Letras (reprodução)

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Jorge Amado"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/jorge-amado.htm. Acesso em 05 de março de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

(Enem – 2010)

Texto I

Logo depois transferiram para o trapiche o depósito dos objetos que o trabalho do dia lhes proporcionava. Estranhas coisas entraram então para o trapiche. Não mais estranhas, porém, que aqueles meninos, moleques de todas as cores e de idades as mais variadas, desde os
nove aos dezesseis anos, que à noite se estendiam pelo assoalho e por debaixo da ponte e dormiam, indiferentes ao vento que circundava o casarão uivando, indiferentes à chuva que muitas vezes os lavava, mas com os olhos puxados para as luzes dos navios, com os ouvidos
presos às canções que vinham das embarcações... 

AMADO, J. Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 (fragmento).

Texto II

À margem esquerda do rio Belém, nos fundos do mercado de peixe, ergue-se o velho ingazeiro – ali os bêbados são felizes. Curitiba os considera animais sagrados, provê as suas necessidades de cachaça e pirão. No trivial contentavam-se com as sobras do mercado.

TREVISAN, D. 35 noites de paixão: contos escolhidos. Rio de Janeiro: BestBolso, 2009 (fragmento).

Sob diferentes perspectivas, os fragmentos citados são exemplos de uma abordagem literária recorrente na literatura brasileira do século XX. Em ambos os textos,

a) a linguagem afetiva aproxima os narradores dos personagens marginalizados.

b) a ironia marca o distanciamento dos narradores em relação aos personagens.

c) o detalhamento do cotidiano dos personagens revela a sua origem social.

d) o espaço onde vivem os personagens é uma das marcas de sua exclusão.

e) a crítica à indiferença da sociedade pelos marginalizados é direta.

Exercício 2

(UFPE)

Os comentários a seguir foram publicados na imprensa por ocasião da morte de um romancista brasileiro famoso. Analise-os.

1) "Mais do que qualquer outro autor, ele deixou um legado literário, detentor de enorme carisma. Suas tramas parecem puxar um prazeroso fio condutor de imagens que remetem às praias, ladeiras e paisagem humana, gente, mitos africanos e sabores de seu estado natal." (Schneider Carpegiani /JC)
2) "Apesar de estar o autor situado dentro do Romance Regional de 30, esse gênero não o limita, pois é um enorme guarda-chuva, abarcando várias facções. Diferente dos demais autores desta fase, suas narrativas trazem uma mínima tensão entre mundo e personagem. Estes se resolvem bem, sabendo adaptar-se às situações." (Lourival de Holanda / UFPE)

3) "Quem nasceu primeiro, a mulher brasileira, tal como é divulgada, ou essa imagem retratada em vários personagens desse criador admirado pelas suas criaturas adoráveis, sensuais, brejeiras, que viraram mulheres-símbolos de uma nação cuja variedade racial é a maior característica?" (Flávia de Gusmão /JC)

O autor em questão é:

a) José Lins do Rego

b) Gilberto Freyre

c) Jorge Amado

d) Guimarães Rosa

e) Graciliano Ramos

Artigos Relacionados


Capitães da areia

Leia a análise do livro Capitães da areia. Conheça seu enredo, estrutura, personagens e crítica social. Saiba também um pouco sobre a vida de seu autor.
Literatura

Erico Verissimo

Conheça o escritor modernista Erico Verissimo. Saiba quais são as principais características de suas obras. Além disso, leia algumas frases desse autor.
Literatura

Graciliano Ramos

Leia a biografia de Graciliano Ramos. Entenda as características literárias de suas obras. Veja trechos e frases famosas do autor sobre a vida e a literatura.
Literatura

José Lins do Rego

Conheça o escritor modernista José Lins do Rego. Descubra quais são as características de suas principais obras. Veja um resumo de seu livro “Fogo morto”.
Literatura

João Cabral de Melo Neto

Saiba quem foi João Cabral de Melo Neto, ícone da poesia brasileira. Entenda suas características literárias, descubra suas principais obras e leia frases do autor.
Literatura

Modernismo no Brasil

Saiba mais sobre o Modernismo no Brasil, seu contexto histórico, suas influências europeias e rupturas propostas. Confira suas fases, principais obras e artistas.
Literatura

Mário Quintana

Saiba quem foi Mario Quintana. Conheça as características de sua poesia. Leia algumas frases interessantes desse autor.
Literatura

Pré-modernismo

Conheça mais sobre o pré-modernismo brasileiro e as vanguardas europeias: seus autores, obras, e principais características.
Literatura

Rachel de Queiroz

Acesse para conhecer a biografia de Rachel de Queiroz. Veja, também, quais foram os principais livros da autora.
Biografia

Segunda fase do modernismo brasileiro

Conheça a segunda fase do modernismo brasileiro. Veja o contexto histórico em que ela esteve inserida. Saiba quais foram seus principais autores e obras.
Literatura