Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Quincas Borba

Literatura

“Quincas Borba” é um romance realista de Machado de Assis. Conta a história de Rubião, um professor que enlouquece após herdar os bens de seu amigo Quincas Borba.
Machado de Assis, autor de Quincas Borba, é um dos grandes nomes da literatura brasileira.
Machado de Assis, autor de Quincas Borba, é um dos grandes nomes da literatura brasileira.
PUBLICIDADE

Quincas Borba é um romance realista de Machado de Assis. Conta a história de Rubião, um professor de Barbacena que herda os bens de seu amigo Quincas Borba, com a condição de cuidar do cão do falecido, que possui o mesmo nome do dono, ou seja, Quincas Borba.

O novo rico, então, se muda para o Rio de Janeiro e passa a ser explorado por “amigos”, como o casal Sofia e Cristiano Palha. Assim, em meio a ironias, o narrador relata o gradual processo de enlouquecimento de Rubião, que, no final da história, acredita ser o imperador francês Luís Napoleão (1808-1873).

Leia também: Dom Casmurro — outra obra-prima de Machado de Assis

Resumo da obra Quincas Borba

  • Romance realista de 1891.

  • Autoria de Machado de Assis.

  • Critica à burguesia.

  • Apresenta narrador onisciente.

  • Espaço da narrativa: Rio de Janeiro.

  • Tempo da narrativa: século XIX.

  • Temática principal: jogo de interesses.

Videoaula com a análise literária de Quincas Borba

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Análise da obra Quincas Borba

Personagens da obra Quincas Borba

  • Angélica: comadre de Rubião.

  • Carlos Maria: amigo de Rubião.

  • Deolindo: menino salvo por Rubião.

  • D. Fernanda: prima de Carlos Maria.

  • D. Maria Augusta: tia de Sofia.

  • Dr. Camacho: amigo de Rubião.

  • D. Tonica: filha do major.

  • Freitas: amigo de Rubião.

  • Maria Benedita: prima de Sofia.

  • Maria da Piedade: irmã de Rubião.

  • Palha: marido de Sofia.

  • Quincas Borba: cão.

  • Quincas Borba: filósofo.

  • Rubião: protagonista.

  • Siqueira: o major.

  • Sofia: esposa de Cristiano Palha.

  • Teófilo: marido de D. Fernanda.

Capa do livro Quincas Borba, de Machado de Assis, publicado pela editora FTD. [1]
Capa do livro Quincas Borba, de Machado de Assis, publicado pela editora FTD. [1]

Tempo da obra Quincas Borba

A narrativa se passa na segunda metade do século XIX, mas o narrador especifica apenas estes anos:

  • 1844: Camacho se forma em Direito.

  • 1864: Cristiano Palha “adivinhou as falências bancárias”.

  • 1867: período da enfermidade de Quincas Borba, o filósofo.

  • 1870: Rubião recebe, em casa, um barbeiro que lhe deita abaixo as barbas “para lhe deixar somente a pera e os bigodes de Napoleão III”.

Espaço da obra Quincas Borba

A ação acontece em Barbacena, no estado de Minas Gerais, e, principalmente, no bairro de Botafogo e do Flamengo, na cidade do Rio de Janeiro.

Enredo da obra Quincas Borba

O livro começa quando Rubião já é um homem rico. Então, o narrador nos convida a voltar no tempo para entender como o protagonista chegou até ali: “Deixemos Rubião na sala de Botafogo, batendo com as borlas do chambre nos joelhos, e cuidando na bela Sofia. Vem comigo, leitor; vamos vê-lo, meses antes, à cabeceira do Quincas Borba”.

Assim, descobrimos que, em Barbacena, Rubião tentou casar sua irmã com o amigo Quincas Borba, mas ela acabou morrendo. O professor, como único amigo de Quincas Borba, cuidou do enfermo durante quase seis meses. Porém, Rubião tinha um rival, o cão Quincas Borba, que também ocupava o coração do filósofo.

Com a morte do filósofo Quincas Borba, Rubião foi nomeado seu herdeiro universal. Nesse ponto, a leitora e o leitor sagazes desconfiam da generosidade de Rubião ao cuidar do amigo doente e rico. Porém, o testamento indicava uma condição para que Rubião recebesse a herança, isto é, cuidar do cachorro Quincas Borba.

Rico, o protagonista se mudou para o Rio de Janeiro. No trem, ele conheceu um desonesto casal: Sofia e Cristiano Palha. Durante a viagem, o ex-professor acabou revelando ser um herdeiro. A partir de então, o casal iniciou uma forte amizade com Rubião, e Sofia, com o aval de Palha, passou a seduzir o novo rico, com o intuito de receber benefícios financeiros para o marido.

Assim, o narrador chega ao início do livro — quando Rubião está na sala de Botafogo — e passa a narrar a partir do “mesmo lugar em que o deixamos sentado, a olhar para longe, muito longe”. Então, apresenta os dois novos amigos do protagonista: o vaidoso Carlos Maria e o bajulador Freitas. Além deles, Rubião faz amizade também com o interesseiro Camacho.

No caminho do escritório de Camacho, Rubião, num impulso, salva a vida do menino Deolindo. Seu ato de heroísmo acaba parando nas páginas de um jornal, o Atalaia. Isso desperta a vaidade do protagonista, que se entrega à falsa modéstia, pouco depois de conhecer Maria Benedita, a prima de Sofia.

Na sequência, percebemos um envolvimento amoroso entre Carlos Maria e Sofia, além de ficarmos sabendo da intenção de Palha em casar seu agora sócio Rubião com Maria Benedita. Nesse ponto da história, a loucura do protagonista começa a se manifestar. E quando alguns amigos, que têm o costume de jantar em sua casa, vão apertar sua mão, “Rubião teve aqui um impulso inexplicável, — dar-lhes a mão a beijar”.

No decorrer da narrativa, Maria Benedita, auxiliada por D. Fernanda, acaba se casando com Carlos Maria. Daí em diante, a loucura de Rubião se acentua, e ele passa a acreditar que é o imperador francês Luís Napoleão. Então, quando é zombado na rua por algumas crianças, Rubião vivencia uma ironia do destino:

Um deles, muito menor que todos, apegava-se às calças de outro, taludo. Era já na Rua da Ajuda. Rubião continuava a não ouvir nada; mas, de uma vez que ouviu, supôs que eram aclamações, e fez uma cortesia de agradecimento. A surriada aumentava. No meio do rumor, distinguiu-se a voz de uma mulher à porta de uma colchoaria:

Deolindo! vem para casa, Deolindo!

Deolindo, a criança que se agarrava às calças da outra mais velha, não obedeceu; pode ser que nem ouvisse, tamanha era a grita, e tal a alegria do pequerrucho, clamando com a vozinha miúda:

Ó gira! ó gira!

A morte do protagonista também apresenta ironia, agora do narrador, que a relata desta maneira:

Antes de principiar a agonia, que foi curta, pôs a coroa na cabeça, — uma coroa que não era, ao menos, um chapéu velho ou uma bacia, onde os espectadores palpassem a ilusão. Não, senhor, ele pegou em nada, levantou nada e cingiu nada; só ele via a insígnia imperial, pesada de ouro, rútila de brilhantes e outras pedras preciosas. O esforço que fizera para erguer meio corpo não durou muito; o corpo caiu outra vez; o rosto conservou porventura uma expressão gloriosa.

Guardem a minha coroa, murmurou. Ao vencedor...

A cara ficou séria, porque a morte é séria; dois minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação.

Dessa forma, o narrador menciona a abdicação do imperador francês como metáfora para a morte de Rubião, membro da elite burguesa, com mania de grandeza e a certeza de ser merecedor de sua fortuna. Tal atitude está de acordo com a filosofia de Quincas Borba — o Humanitismo —, exemplificada por meio de uma história fictícia sobre duas tribos que disputam um campo de batatas, o que dá origem à memorável frase: “Ao vencedor, as batatas”.

→ Narrador da obra Quincas Borba

O narrador do romance Quincas Borba é um narrador onisciente, isto é, tem total conhecimento dos fatos e dos personagens. No entanto, é irônico e gosta de manipular leitoras e leitores, com quem, às vezes, dialoga.

→ Características da obra Quincas Borba

Quincas Borba, obra publicada em 1891, é um romance monofônico e psicológico, já que a narrativa está centrada no protagonista Rubião. A obra mostra, de forma analítica, o gradual enlouquecimento desse personagem. Assim, o narrador entra em sua mente, como se fosse um cientista que busca compreender a loucura.

No livro, dividido em 201 capítulos, sobressai o tempo cronológico, já que o narrador, apesar de iniciar a narrativa no momento em que Rubião está em seu auge, conta a história do protagonista, de forma gradual, desde a sua vida em Barbacena até a sua morte. Além disso, essa obra realista apresenta caráter antirromântico, análise psicológica, crítica social e ironia.

Leia também: Memórias póstumas de Brás Cubasa obra inaugural do Realismo no Brasil

Filme da obra Quincas Borba

  • Título: Quincas Borba.

  • Ano de lançamento: 1987.

  • Direção: Roberto Santos (1928-1987).

  • Roteiro: Roberto Santos.

  • Fotografia: Roberto Santos Filho.

  • Montagem: Carlos Álvaro Vera.

  • Música: Manoel Paiva e Luiz Chagas.

  • Elenco principal:

    - Helber Rangel (1944-2002) — Rubião.

    - Fúlvio Stefanini — Cristiano Palha.

    - Brigitte Broder — Sofia.

    - Paulo Villaça (1933-1992) — Quincas Borba.

Machado de Assis

Machado de Assis (Joaquim Maria Machado de Assis) nasceu em 21 de junho de 1839, no Rio de Janeiro. Era filho do brasileiro Francisco José de Assis (1806-1864) e da açoriana Maria Leopoldina Machado da Câmara (1812-1849), que viviam como agregados na chácara de Maria José de Mendonça Barroso, viúva de um senador.

O escritor, que foi tipógrafo, revisor, tradutor e funcionário público, publicou Hoje avental, amanhã luva, sua primeira peça teatral, em 1860; Crisálidas, seu primeiro livro de poesias, em 1864; Contos fluminenses, seu primeiro livro de contos, em 1870; e Ressurreição, seu primeiro romance, em 1872.

Mas foram os romances da fase realista que deram fama a Machado de Assis, um autor que iniciou sua carreira literária com obras românticas. Assim, são de sua segunda fase livros como Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891) e o famoso Dom Casmurro (1899).

Um dos raros homens negros a serem reconhecidos e consagrados como grande autor e intelectual no século XIX, Machado de Assis entrou para a história como um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, em 1896, e foi o primeiro presidente dessa instituição, antes de falecer em 29 de setembro de 1908, no Rio de Janeiro.

  • Videoaula sobre Machado de Assis

Contexto histórico de Quincas Borba

Os principais fatos históricos que levaram ao surgimento do Realismo no Brasil são:

Esses acontecimentos propiciaram o fim da decadente monarquia brasileira e do conservadorismo que ela representava. Com ela, também chegou ao fim o Romantismo, que cedia espaço a uma nova estética, mais comprometida com a realidade e disposta a fazer uma contundente crítica social.

Créditos da imagem

[1] FTD (reprodução)


Por Warley Souza
Professor de Literatura 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Quincas Borba"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/quincas-borba.htm. Acesso em 22 de setembro de 2021.

Artigos Relacionados
Leia a análise do livro A falência. Conheça seu enredo, características e personagens. Saiba um pouco sobre a vida de sua autora, Júlia Lopes de Almeida.
Entenda como Machado de Assis tornou-se o maior escritor brasileiro, saindo da condição de jovem pobre e tornando-se um dos maiores cronistas do país.
Leia a análise do livro de crônicas “Bons dias!”. Conheça as características dessa obra. Saiba um pouco sobre a vida de seu autor, Machado de Assis.
Uma análise psicológica.
Leia a análise do livro Dom Casmurro e conheça seu enredo, características, personagens e temas principais. Saiba também um pouco sobre a vida de seu autor.
Entenda como se deu a relação do maior escritor brasileiro com a sociedade de sua época que fez com que Machado de Assis criasse o realismo brasileiro.
Acesse para conhecer alguns elementos do romance Memórias póstumas de Brás Cubas. Veja o resumo, a análise da obra e uma descrição das principais personagens.
Leitura, Loucura e Dimensão Histórica em O Alienista.
Acesse para saber mais sobre o Realismo no Brasil, as principais características do movimento e suas influências. Descubra suas especificidades, principais autores e obras.