Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Poemas de Machado de Assis

Os poemas de Machado de Assis podem ser encontrados em quatro livros escritos entre os anos de 1864 e 1901: Crisálidas, Falenas, Americanas e Poesia Completa.

Na primeira fase de sua poesia, influências árcades e românticas. Na segunda fase, Machado desenvolveu uma temática pessimista em versos parnasianos
Na primeira fase de sua poesia, influências árcades e românticas. Na segunda fase, Machado desenvolveu uma temática pessimista em versos parnasianos
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Machado de Assis é um escritor internacionalmente prestigiado e reconhecido como um dos mais importantes autores da língua portuguesa. Sua obra já foi traduzida para diversos idiomas e certamente está entre os clássicos da Literatura Universal. No Brasil, é considerado a expressão maior de nossa Literatura, e sua obra, mais de cem anos após a sua morte, continua sendo relevante e requisito indispensável para quem quer conhecer um pouco mais de nossa produção literária.

Prosador inigualável, escritor de finas e deliciosas ironias — talvez a mais interessante característica de seu discurso —, Machado de Assis também escreveu versos. Embora a poesia de Machado de Assis seja menos conhecida, são de sua autoria os livros Crisálidas, de 1864, Falenas, de 1870, Americanas, de 1875, e Poesias completas, de 1901. A verdade é que seus contos, crônicas, romances e produção teatral são amplamente difundidos ainda hoje, ao passo que sua produção poética ainda carece de ser descoberta, revisitada e apreciada. Explorando a faceta menos conhecida do Bruxo do Cosme Velho, o Brasil Escola traz cinco poemas de Machado de Assis para você conhecer e admirar. Boa leitura!

Machado e Carolina foram casados durante trinta e cinco anos. Na ocasião da morte da esposa, o escritor escreveu o poema A Carolina
Machado e Carolina foram casados durante trinta e cinco anos. Na ocasião da morte da esposa, o escritor escreveu o poema A Carolina

A Carolina

Querida! Ao pé do leito derradeiro,

em que descansas desta longa vida,

aqui venho e virei, pobre querida,

trazer-te o coração de companheiro.

Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro

que, a despeito de toda a humana lida,

fez a nossa existência apetecida

e num recanto pôs um mundo inteiro...

Trago-te flores, - restos arrancados

da terra que nos viu passar unidos

e ora mortos nos deixa e separados;

que eu, se tenho, nos olhos malferidos,

pensamentos de vida formulados,

são pensamentos idos e vividos.

ERRO

Erro é teu. Amei-te um dia 

Com esse amor passageiro 

Que nasce na fantasia 

E não chega ao coração; 

Não foi amor, foi apenas 

Uma ligeira impressão; 

Um querer indiferente, 

Em tua presença, vivo, 

Morto, se estavas ausente, 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

E se ora me vês esquivo, 

Se, como outrora, não vês 

Meus incensos de poeta 

Ir eu queimar a teus pés, 

É que, — como obra de um dia, 

Passou-me essa fantasia. 

Para eu amar-te devias 

Outra ser e não como eras. 

Tuas frívolas quimeras, 

Teu vão amor de ti mesma, 

Essa pêndula gelada 

Que chamavas coração, 

Eram bem fracos liames 

Para que a alma enamorada 

Me conseguissem prender; 

Foram baldados tentames, 

Saiu contra ti o azar, 

E embora pouca, perdeste 

A glória de me arrastar 

Ao teu carro... Vãs quimeras! 

Para eu amar-te devias 

Outra ser e não como eras...

(Crisálidas – 1864)

LIVROS E FLORES   

Teus olhos são meus livros. 

Que livro há aí melhor, 

Em que melhor se leia 

A página do amor?  

Flores me são teus lábios. 

Onde há mais bela flor, 

Em que melhor se beba 

O bálsamo do amor? 

(Falenas – 1870)

Machado de Assis, em destaque, em meio a um grupo de intelectuais, políticos e escritores. Fotografia do acervo da Biblioteca Nacional
Machado de Assis, em destaque, em meio a um grupo de intelectuais, políticos e escritores. Fotografia do acervo da Biblioteca Nacional

EPITÁFIO DO MÉXICO 

Dobra o joelho: — é um túmulo. 

Embaixo amortalhado 

Jaz o cadáver tépido 

De um povo aniquilado; 

A prece melancólica Reza-lhe em torno à cruz. 

Ante o universo atônito 

Abriu-se a estranha liça, 

Travou-se a luta férvida 

Da força e da justiça; 

Contra a justiça, ó século, 

Venceu a espada e o obus. 

Venceu a força indômita; 

Mas a infeliz vencida 

A mágoa, a dor, o ódio, 

Na face envilecida 

Cuspiu-lhe. E a eterna mácula 

Seus louros murchará. 

E quando a voz fatídica 

Da santa liberdade 

Vier em dias prósperos 

Clamar à humanidade, 

Então revivo o México 

Da campa surgirá. 

(Crisálidas – 1864)

O VERME 

Existe uma flor que encerra 

Celeste orvalho e perfume. 

Plantou-a em fecunda terra 

Mão benéfica de um nume. 

Um verme asqueroso e feio, 

Gerado em lodo mortal, 

Busca esta flor virginal 

E vai dormir-lhe no seio. 

Morde, sangra, rasga e mina, 

Suga-lhe a vida e o alento; 

A flor o cálix inclina; 

As folhas, leva-as o vento. 

Depois, nem resta o perfume 

Nos ares da solidão... 

Esta flor é o coração, 

Aquele verme o ciúme. 

(Falenas - 1870)

Por Luana Castro
Graduada em Letras

Escritor do artigo
Escrito por: Luana Castro Alves Perez Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PEREZ, Luana Castro Alves. "Poemas de Machado de Assis"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/poemas-machado-assis.htm. Acesso em 16 de julho de 2024.

De estudante para estudante