Topo
pesquisar

Castro Alves

Literatura

PUBLICIDADE

Castro Alves é considerado o principal poeta da Terceira Geração do Romantismo brasileiro e figura entre um dos mais renomados escritores da literatura nacional. Sua obra divide-se em dois principais eixos temáticos: a temática lírico-amorosa, na qual se percebe a influência da poesia ultrarromântica de Lord Byron e Junqueira Freire, entre outros poetas; e a temática abolicionista, cuja veia social é um traço do último período do movimento romântico.

Foram esses poemas inspirados pela revolta contra a escravatura que o tornaram célebre entre os escritores brasileiros. É hoje o patrono da cadeira nº 7 da Academia Brasileira de Letras.

Biografia

Antônio Francisco de Castro Alves nasceu em 14 de março de 1847, na vila de Curralinho (BA), lugar que hoje abriga um município com seu nome. Seu pai, médico e professor, fora convidado para lecionar na Faculdade de Medicina em Salvador, o que levou a família a mudar-se para a capital, em 1854, onde o poeta iniciou seus estudos no Ginásio Baiano, demonstrando desde cedo apreço e vocação pela poesia.

A temática abolicionista da poética de Castro Alves é de extrema importância para o contexto em que vivia.
A temática abolicionista da poética de Castro Alves é de extrema importância para o contexto em que vivia.

Foi em 1860, aos 13 anos, que Castro Alves recitou em público, pela primeira vez, um poema de sua autoria, em ocasião de festividade escolar. A aptidão para o trabalho com as letras também era percebida nas traduções de Victor Hugo, nas quais o poeta-mirim, ainda adolescente, trabalhava com afinco.

Tendo sua mãe morrido em 1859, seu pai casou-se novamente, em 1862, ano em que o casal, Castro Alves e seu irmão mudaram-se para Recife, onde o poeta iniciou o preparatório para ingressar na Faculdade de Direito da cidade. Foi reprovado duas vezes antes de conseguir matricular-se no curso.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os ideais abolicionistas e republicanos pululavam na capital pernambucana na época, e viam campo ainda mais fértil na Faculdade de Direito, onde o poeta encontrou as leituras e o respaldo teórico para suas mais célebres composições. Os estudantes estavam sempre no Teatro Santa Isabel, tido como uma extensão da própria faculdade, por sediar torneios e campeonatos – e foi lá que Castro Alves viu pela primeira vez a atriz portuguesa Eugênia Infante da Câmara, por quem, aos 16 anos, apaixonou-se perdidamente.

Data de 1863 a publicação de seu primeiro poema abolicionista, intitulado “A Canção do Africano”, publicado no jornal A Primavera. Nesse mesmo ano, seu irmão, José Antônio, foi diagnosticado com uma doença mental, e o próprio poeta começou a apresentar sintomas de tuberculose. No ano seguinte, apesar do suicídio de seu irmão e da doença, conseguiu finalmente matricular-se no curso de Direito.

Em outubro de 1864, a tuberculose complicou-se o que levou o poeta a escrever os versos “Mocidade e Morte” e a perder os exames na faculdade. No ano seguinte, no entanto, retomou os estudos, sendo convidado para falar nas solenidades do início do ano letivo, declamando ao público versos republicanos e de apelo social.

Em 1866, Castro Alves perdeu o pai e iniciou um caso amoroso com a atriz Eugênia da Câmara, que há tanto despertava seu encanto. No ano seguinte, partiram juntos para Salvador, onde ela representou no palco uma peça escrita por ele, intitulada O Gonzaga ou a Revolução de Minas. O casal despertou as fofocas e burburinhos da cidade: ele, um jovem de 20 anos; ela, uma mulher de 30 anos, separada, mãe.

Ainda em 1867, o poeta foi ao Rio de Janeiro, onde conheceu Machado de Assis, que o ajudou a ingressar nos círculos literários da época. Transferiu-se para a Faculdade de Direito do Largo São Francisco, em São Paulo, ainda sempre mais preocupado com os versos do que com a carreira de bacharel.

Em 1868, rompeu o relacionamento com Eugênia, já muito atribulado graças aos ciúmes sentidos por ambas as partes. Nesse mesmo ano, durante uma caçada, acidentou-se, ferindo o pé esquerdo com um tiro de espingarda, complicação que levou à amputação do membro.

Publica, em 1870, sua única obra editada em vida, intitulada Espumas Flutuantes, cuja temática principal é a poesia lírico-amorosa. Os poemas abolicionistas seriam publicados em outro livro, sob o título Os Escravos, mas a tuberculose impediu que o próprio poeta pudesse ver lançada essa obra. Castro Alves morreu em 6 de julho de 1871, em Salvador, aos 24 anos de idade.

Leia também: Biografia de Machado de Assis: vida de um ícone da Literatura brasileira

Contexto histórico

Castro Alves viveu entre os anos de 1847 e 1871, período do Segundo Reinado brasileiro e de diversas agitações políticas. O cenário nacional fora marcado pela Guerra do Paraguai, que se estendeu entre 1864 e 1870, conflito que durou mais tempo do que o esperado e que contribuiu para diminuir a popularidade de Dom Pedro II, fazendo crescer os ideais republicanos.

A Inglaterra, já em avançado desenvolvimento industrial, pressionava o governo brasileiro para a abolição da escravatura, promulgando leis como a Bill Aberdeen, de agosto de 1845, que autorizava os britânicos a prender qualquer navio suspeito de traficar escravos no Oceano Atlântico.

A legislação brasileira, em 1850, lançou mão da Lei Eusébio de Queirós, proibindo definitivamente o tráfico de mão de obra escrava no país. No entanto, as elites agrárias, poderosas e influentes, ainda encontravam maneiras de fazer ingressar novos escravos no Brasil. Foi apenas a partir da Lei Nabuco de Araújo, de 1854, que o governo brasileiro conseguiu fazer cumprir a Lei Eusébio de Queirós.

Retrato do convés de um navio destinado ao tráfico de escravos africanos.
Retrato do convés de um navio destinado ao tráfico de escravos africanos.

Ainda que novos africanos não pudessem ingressar no país em situação de escravidão, e ainda que o debate abolicionista estivesse em pauta, a escravatura continuava oficial no Brasil, perpetuando o ciclo desumano e racista dos tempos coloniais. Crescia lentamente uma cultura urbana e o Brasil rural via-se cada vez mais desgastado, trazendo à tona a repulsa pela política do senhor-e-servo e aumentando os anseios por um ideal democrático. Esse acalorado certame influenciou diretamente a obra de Castro Alves, cujo engajamento social debruçava-se principalmente sobre a urgente necessidade abolicionista.

Grande nome do Condoreirismo, a última geração de escritores românticos brasileiros, Castro Alves encontra pares em Tobias Barreto e Joaquim de Sousa Andrade, também engajados em questões sociais, característica principal da produção literária do período.

Saiba mais: Leis abolicionistas: o percurso percorrido até a Lei Áurea

Obras

• Poesia

♦ Espumas Flutuantes (1870)
♦ A Cachoeira de Paulo Afonso (1876)
♦ Os Escravos (1883)
♦ Hinos do Equador (1921)

•  Teatro

Gonzaga ou a Revolução de Minas (1875)

Poeta dos escravos – Navio Negreiro

O envolvimento direto de Castro Alves com a causa abolicionista rendeu-lhe o epíteto de poeta dos escravos. Foram inúmeros poemas dedicados à denúncia da situação dos negros escravizados no Brasil, material que o poeta pretendia compilar em uma publicação intitulada Os Escravos, lançada apenas em 1883, doze anos após a morte prematura do autor.

O mais conhecido poema dessa publicação chama-se “O Navio Negreiro (Tragédia no Mar)”, provavelmente o mais célebre entre os versos abolicionistas já escritos. Dividida em seis partes ou cantos, a composição possui pungentes tons de indignação e ânsia por justiça, em construção que surpreende pelas imagens, trabalhadas com afinco.

Articulando o tema da escravidão como o principal problema do Brasil recém-independente, Castro Alves partiu da cena de um navio que, em condições abjetas, trazia africanos agrilhoados para o trabalho escravo, enfatizando, ora pela dialética liberdade-escravidão, ora pelas descrições trágicas e dramáticas, a desumanidade e a injustiça da escravatura, desde o aprisionamento dos africanos até sua chegada aos portos brasileiros. Veja alguns trechos:

O Navio Negreiro

I

'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
Brinca o luar — dourada borboleta;
E as vagas após ele correm... cansam
Como turba de infantes inquieta.

[...]

Bem feliz quem ali pode nest'hora
Sentir deste painel a majestade!
Embaixo — o mar em cima — o firmamento...
E no mar e no céu — a imensidade!

[...]

III

Desce do espaço imenso, ó águia do oceano!
Desce mais ... inda mais... não pode olhar humano
Como o teu mergulhar no brigue voador!
Mas que vejo eu aí... Que quadro d'amarguras!
É canto funeral! ... Que tétricas figuras! ...
Que cena infame e vil... Meu Deus! Meu Deus! Que horror!

[...]

V

Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?!
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!

[...]

Ontem a Serra Leoa,
A guerra, a caça ao leão,
O sono dormido à toa
Sob as tendas d'amplidão!
Hoje... o porão negro, fundo,
Infecto, apertado, imundo,
Tendo a peste por jaguar...
E o sono sempre cortado
Pelo arranco de um finado,
E o baque de um corpo ao mar...

Ontem plena liberdade,
A vontade por poder...
Hoje... cúm'lo de maldade,
Nem são livres p'ra morrer. .
Prende-os a mesma corrente
— Férrea, lúgubre serpente —
Nas roscas da escravidão.
E assim zombando da morte,
Dança a lúgubre coorte
Ao som do açoute... Irrisão!...

[...]

Interior de um navio negreiro, onde os escravos sequestrados ficavam confinados nos porões.
Interior de um navio negreiro, onde os escravos sequestrados ficavam confinados nos porões.

Destaque maior se dá para a última parte, em que o poeta exibe a escravatura como um problema brasileiro, em grave lamento e revolta:

[...]

VI

Existe um povo que a bandeira empresta
P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?
Silêncio. Musa... chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto!...
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança...
Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!...

Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!
Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!

(Os Escravos)

Saiba mais: Literatura negra: a literatura produzida por negros no Brasil

Exemplos de poemas do Castro Alves

• Lírico-amoroso

Representante do compilado de poemas lírico-amorosos Espumas flutuantes, o poema a seguir apresenta características mais encontradas em outra fases do Romantismo.

A duas flores

São duas flores unidas,
São duas rosas nascidas
Talvez no mesmo arrebol,
Vivendo no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
Das duas asas pequenas
De um passarinho do céu...
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar...
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas... Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!

(Espumas Flutuantes)

• Social e abolicionista

A mãe do cativo

Ó mãe do cativo! que alegre balanças
A rede que ataste nos galhos da selva!
Melhor tu farias se à pobre criança
Cavasses a cova por baixo da relva.

Ó mãe do cativo! que fias à noite
As roupas do filho na choça da palha!
Melhor tu farias se ao pobre pequeno
Tecesses o pano da branca mortalha.

Misérrima! E ensinas ao triste menino
Que existem virtudes e crimes no mundo
E ensinas ao filho que seja brioso,
Que evite dos vícios o abismo profundo ...

E louca, sacodes nesta alma, inda em trevas,
O raio da espr'ança... Cruel ironia!
E ao pássaro mandas voar no infinito,
Enquanto que o prende cadeia sombria! ...
[...]

(Os Escravos)

 

Por L.da Luiza Brandino
Professora de Literatura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

BRANDINO, Luiza. "Castro Alves"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/castro-alvespoeta-dos-escravos.htm. Acesso em 18 de fevereiro de 2020.

Lista de Exercícios
Questão 1

Sobre a literatura produzida por Castro Alves, assinale as alternativas corretas:

I. Representa, na evolução da poesia romântica brasileira, um momento de maturidade e transição, substituindo temáticas ufanistas e de idealização do amor por temáticas mais críticas e realistas;

II. Sua produção literária estava voltada ao projeto de construção da cultura brasileira, dando destaque ao romance indianista;

III. Desprezou o rigor das regras gramaticais, aproximando a linguagem literária da linguagem falada pelo povo brasileiro;

IV. A ironia era um traço constante em sua obra, representando uma forma não passiva de ver a realidade, tecendo uma fina crítica à noção de ordem e às convenções do mundo burguês;

V. Apresenta uma linguagem voltada para a defesa de seus ideais liberais e, por isso, é grandiosa e hiperbólica, prenunciando a perspectiva crítica e objetiva do Realismo.

a) Todas as alternativas estão corretas.

b) Apenas I está correta.

c) Apenas III e V estão corretas.

d) Apenas I e V estão corretas.

c) II, III e IV estão corretas.

d) Apenas V está correta.

Questão 2

 (FUC-MT) Considerando os seguintes itens:

I. Autor da obra Cantos e Fantasias e O Estandarte Auriverde.

II. Foi chamado de “o poeta dos escravos” por seus textos contra a escravidão.

III. Autor de Juca Pirama, belo poema de inspiração indianista.

IV. Sua poesia é extremamente egocêntrica e sentimental, exprimindo um pessimismo doentio, uma descrença generalizada, um tédio de vida que impregna tudo de tristeza e desilusão.

V. Seu estilo vibrante e oratório empolgava os ouvintes, popularizando seus poemas de caráter social.

Referências a Castro Alves encontram-se apenas em:

a) I e II.

b) II e IV.

c) I, II e IV

d) II, III e V

e) II e V. 

Mais Questões
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola