Mangue Beat

Cultura

PUBLICIDADE

O mangue beat foi um movimento de contracultura que surgiu em Pernambuco, no começo da década de 1990. Idealizado por Chico Science, esse movimento buscava denunciar as desigualdades e a pobreza de Pernambuco e, ao mesmo tempo, promover uma renovação cultural e artística em todo o estado. Teve no caranguejo e na parabólica na lama os seus dois grandes símbolos.

Acesse também: Chico Buarque - um dos artistas mais conhecidos do Brasil

Contexto do movimento

No começo da década de 1990, a cidade de Recife era uma das piores capitais brasileiras, e a população padecia com a pobreza e a desigualdade social. Além disso, culturalmente, havia uma enorme lacuna a ser preenchida, uma vez que o estado não possuía uma cena cultural muito forte. A estagnação do cenário cultural em Pernambuco tem relação com o movimento armorial.

Recife, capital de Pernambuco, foi o local de origem do mangue beat.
Recife, capital de Pernambuco, foi o local de origem do mangue beat.

Esse movimento foi idealizado, na década de 1970, por nomes como Herom Vargas e Ariano Suassuna e procurava fazer uma preservação da cultura nordestina, mantendo-a intocada e sem influências da cultura estrangeira. Esse movimento foi entendido como conservador e como o responsável direto pelo fraco cenário cultural de Pernambuco no começo da década de 1990.

Apesar disso, o fechamento da cultura em Pernambuco não foi absoluto e o cenário da abertura democrática do Brasil, na década de 1980, permitiu que algumas mudanças acontecessem. O fim da ditadura militar e o relaxamento da censura possibilitaram maior contato da população com elementos da cultura pop.

Isso permitiu um crescimento do cenário artístico de Recife. O contato com a cultura pop e o cenário político do Brasil incentivaram o desenvolvimento de um cenário artístico e cultural adepto das ideias de protesto.

Entendendo o mangue beat

O caranguejo, crustáceo que reside nos manguezais, tornou-se um dos símbolos do mangue beat.
O caranguejo, crustáceo que reside nos manguezais, tornou-se um dos símbolos do mangue beat.

O mangue beat é um movimento de contracultura que surgiu na cidade de Recife, no começo da década de 1990, especificamente no ano de 1991. Esse movimento surgiu em um contexto de renovação cultural e teve como precursor Chico Science, o responsável por nomeá-lo como “mangue”. Outros idealizadores foram Fred Zero Quatro, Mabuse, Héder Aragão e Renato L.

O mangue beat fazia a mescla de elementos da cultura regional de Pernambuco, como o maracatu, o coco e a ciranda, com elementos da cultura pop, como o hip-hop e o rock. O objetivo dessa proposta era promover uma revitalização do cenário cultural pernambucano pela mistura de elementos tradicionais com elementos modernos.

A ideia de nomear esse movimento como mangue partiu do próprio Chico Science, vocalista da banda que melhor o representou: Chico Science e Nação Zumbi. A ideia era estabelecer um estilo que reunisse novas batidas musicais e novas ideias culturais. O objetivo de Chico Science era agitar o cenário musical e cultural de Recife.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Chico Science afirmou que o mangue seria um movimento que instalaria uma parabólica na lama, sendo esse símbolo a expressão da união do tradicional com o moderno, mas que também apontaria uma crítica ao inovador (as tecnologias) estabelecendo-se em meio à miséria existente em Pernambuco.

O mangue beat também trazia formas de manifestar-se visualmente, e, além do ritmo inovador, as roupas usadas por seus representantes mesclavam vestimentas modernas (óculos escuros, camisas estampadas etc.) com vestimentas tradicionais (chapéu de palha, muito comum em Pernambuco). O mangue beat não ficou resumido à música e estendeu-se para outras artes, como o cinema, fotografia, teatro etc.

As canções das músicas do mangue beat eram, em geral, canções de protesto e questionavam a pobreza e a desigualdade social que afetavam Pernambuco e o Nordeste brasileiro. O manifesto que representou o mangue beat deixa bem claro essa inconformidade de seus integrantes com a desigualdade social.

  • Manifesto Caranguejo com Cérebro

O manifesto, conhecido como Caranguejo com Cérebro, foi escrito por Fred Zero Quatro, vocalista da banda Mundo Livre S/A. O documento faz uma definição de mangue, traz uma breve história da cidade de Recife (já com uma crítica aos problemas da cidade) e fala da importância de uma renovação artística e cultural na cidade.

A crítica ao marasmo cultural de Recife e a proposta que apresentava o mangue beat como um movimento de renovação podem ser identificadas no trecho seguinte:

Emergência! Um choque rápido ou o Recife morre de infarto! Não é preciso ser médico para saber que a maneira mais simples de parar o coração de um sujeito é obstruindo as suas veias. O modo mais rápido, também, de infartar e esvaziar a alma de uma cidade como o Recife é matar os seus rios e aterrar os seus estuários. O que fazer para não afundar na depressão crônica que paralisa os cidadãos? Como devolver o ânimo, deslobotomizar e recarregar as baterias da cidade? Simples! Basta injetar um pouco de energia na lama e estimular o que ainda resta de fertilidade nas veias do Recife|1|.

O mangue beat então se colocou como um movimento que desejava retirar Pernambuco de sua estagnação cultural. A cultura regionalista continuaria sendo respeitada, mas a ela seriam integrados novos elementos culturais. Essa seria uma forma de assegurar que as novas gerações tivessem interesse pelos elementos da cultura regional.

Saiba mais: Geração de 45 – experimentação estética e busca por nova expressão literária

Origem do termo

O mangue, ecossistema presente no litoral pernambucano, deu nome à renovação cultural do mangue beat.
O mangue, ecossistema presente no litoral pernambucano, deu nome à renovação cultural do mangue beat.

A origem do termo mangue beat é bastante simples. O mangue é uma referência ao manguezal, um ecossistema muito comum no Nordeste (Pernambuco incluso) e que é marcado pelo encontro das águas de rios com a água do mar. Os mangues possuem águas salobras e um solo úmido e lodoso, que é habitat de uma variedade enorme de seres vivos, como os caranguejos.

A proposta de renovação artística e cultural proposta por Chico Science foi nomeada apenas como mangue. O beat, alegam os integrantes desse movimento, foi uma adição feita pela imprensa brasileira quando o estilo ganhou notoriedade. Beat é uma palavra do idioma inglês que significa “batida”.

A referência ao mangue fez do caranguejo um dos grandes símbolos do mangue beat, uma vez que esse crustáceo é um dos seres vivos que reside nos manguezais e é capturado por moradores que sobrevivem da sua venda.

Acesse também: Folclore brasileiro – as manifestações da nossa cultura popular

Representantes do mangue beat

O mangue beat é considerado por muitos como uma das grandes inovações culturais e artísticas do Brasil durante as últimas décadas. Esse movimento popularizou-se e tornou Chico Science e Nação Zumbi conhecidos internacionalmente. Apesar da fama, comercialmente, a banda símbolo do mangue beat vendeu poucos discos.

Os grandes representantes, como mencionado, foram Chico Science e a banda Nação Zumbi, mas outros expoentes desse movimento de contracultura foram:

  • Mundo Livre S/A
  • DJ Dolores
  • Sheik Tosado
  • Mestre Ambrósio

Nota

|1| Caranguejos com Cérebro. Para acessar, clique aqui.

 

Por Daniel Neves
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Mangue Beat"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/cultura/mangue-beat.htm. Acesso em 26 de novembro de 2020.

Caetano Veloso: um dos principais artistas que integraram o movimento tropicalista
História do Brasil Tropicalismo
Álbum “Bossa Nova at Carnegie Hall” (1962)
Artes Bossa Nova
Exímio pianista, Tom Jobim exaltava seu amor pelo Rio de Janeiro nas suas canções. [1]
Biografia Tom Jobim
”Deus e o Diabo na Terra do Sol” e “Macunaíma”: dois momentos distintos do Cinema Novo
História do Brasil Cinema Novo