Cnidários

Biologia

PUBLICIDADE

Os cnidários (filo Cnidaria) são um grupo de animais com uma organização corpórea relativamente simples, porém mais complexa do que a apresentada pelas esponjas. Nesse grupo temos o surgimento de tecidos, os quais permitem o desenvolvimento de importantes funções, como a natação e a capacidade de responder a estímulos.

Os cnidários apresentam formas sésseis e móveis, que recebem a denominação de pólipos e medusas, respectivamente. Atualmente são conhecidas cerca de 10.000 espécies de cnidários, sendo a maioria marinha. São exemplos de cnidários as anêmonas-do-mar e as águas-vivas.

Leia também: Poríferos – características gerais, fisiologia, reprodução e importância

Estrutura do corpo de um cnidário

Os cnidários, também conhecidos como celenterados, apresentam uma estrutura corporal relativamente simples, a qual lembra um grande saco. Esses animais possuem simetria radial, ou seja, partes similares do corpo estão organizadas e repetidas ao redor de um eixo central.

Observe algumas estruturas presentes no corpo de um cnidário.
Observe algumas estruturas presentes no corpo de um cnidário.

Cnidários têm, no seu interior, um compartimento chamado de cavidade gastrovascular, no qual ocorre o processo de digestão. Essa cavidade está conectada ao meio externo por uma única abertura, que atua como boca e ânus. Denomina-se de superfície oral aquela que apresenta a boca e de superfície aboral o lado oposto a ela.

Ao redor da boca do cnidário, observa-se tentáculos que ajudam a capturar alimento. Nesses tentáculos encontra-se uma grande quantidade de células especializadas chamadas de cnidócitos, que ocorrem por toda a epiderme, mas são mais numerosas nessa região. Um cnidócito caracteriza-se por ser uma célula redonda ou ovoide e possuir organelas chamadas de cnidas, que têm formato de cápsula.

Os nematocistos são o tipo mais comum de cnidas. São uma cápsula que contém um filamento enrolado, que é disparado quando estimulado quimica ou mecanicamente. Esse filamento perfura o corpo da presa e garante a injeção de uma substância urticante, que pode causar lesão dolorosa, paralisia e até mesmo a morte.

A parede do corpo do cnidário é formada por duas camadas de célula: uma epiderme mais externa, a qual é derivada da ectoderme, e uma camada mais interna, chamada de gastroderme, a qual é derivada da endoderme. Os cnidários são animais diblásticos, pois seus corpos são formados com base em dois folhetos embrionários: a ectoderme e a endoderme. Entre a gastroderme e a epiderme está presente a mesogleia, que possui consistência gelatinosa. A mesogleia, geralmente, não apresenta células.

  • Pólipos e medusas

As medusas são uma forma de vida livre e natante.
As medusas são uma forma de vida livre e natante.

A estrutura corporal dos cnidários apresenta duas variações: o pólipo e a medusa. Alguns cnidários passam toda a sua vida como apenas uma forma, ou seja, sendo pólipo ou medusa. Algumas espécies, no entanto, apresentam um estágio polipoide e outro medusoide durante o ciclo de vida.

  • Pólipo: forma de vida geralmente séssil, ou seja, que não apresenta uma movimentação ativa. Algumas espécies, no entanto, são capazes de mover-se quando ameaçadas, por exemplo. Os pólipos apresentam forma cilíndrica e estão associados ao substrato pela superfície aboral. A extremidade que não está aderida ao substrato apresenta a boca do animal, rodeada por tentáculos que o ajudam a capturar suas presas. Hidras e anêmonas-do-mar são exemplos de pólipos.

  • Medusa: forma de vida que se move ativamente. As medusas apresentam formato de sino e boca voltada para baixo bem como seus tentáculos. Apresentam uma mesogleia bem desenvolvida, diferentemente da forma polipoide. Águas-vivas são exemplos de medusas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Fisiologia dos cnidários

Os cnidários são animais de corpo muito simples, não apresentando sistemas complexos como no corpo dos vertebrados. Vejamos, a seguir, alguns dos importantes processos fisiológicos que ocorrem no corpo desses animais:

 Os corais são representantes do filo Cnidaria e responsáveis pela formação dos recifes de corais, um ecossistema muito rico.
Os corais são representantes do filo Cnidaria e responsáveis pela formação dos recifes de corais, um ecossistema muito rico.
  • Digestão nos cnidários: é extracelular e intracelular. Inicia-se no interior da cavidade gastrovascular, em que enzimas são liberadas, e depois é completada no interior de células gastrodérmicas, as quais revestem essa cavidade. O que não foi absorvido pelo animal sai para fora do corpo pela boca.

  • Excreção e trocas gasosas nos cnidários: não apresentam um sistema excretor, desse modo, a excreção dos produtos resultantes do metabolismo é feita, por difusão, pela superfície corporal. As trocas gasosas nesses animais também ocorrem na superfície dos seus corpos.

  • Percepção de estímulos nos cnidários: possuem células nervosas espalhadas por todo seu corpo. Isso permite que os impulsos sejam transmitidos em todas as direções. O sistema nervoso desses animais é chamado de sistema nervoso difuso. Os cubozoários apresentam olhos complexos, os quais possuem uma lente e um arranjo retiniforme com células sensoriais. As medusas apresentam ainda estruturas chamadas de estatocistos, responsáveis pelo sentido de equilíbrio.

Saiba mais: Animais invertebrados – caracterizam-se pela ausência de coluna vertebral e crânio

Classificação dos cnidários

Podemos classificar o filo Cnidaria em quatro classes: Hydrozoa, Scyphozoa, Cubozoa e Anthozoa.

As anêmonas-do-mar são pólipos e exemplos de antozoários.
As anêmonas-do-mar são pólipos e exemplos de antozoários.
  • Classe Hydrozoa: hidrozoários têm representantes com grande variedade de formas e ciclos de vida. A sua maioria alterna, em seu ciclo de vida, formas polipoides e medusoides. A hidra é um exemplo de hidrozoário.

  • Classe Scyphozoa: observa-se que o estágio do ciclo de vida dominante é o de medusa. Geralmente, os pólipos são pequenos e assemelham-se a medusas jovens. Em algumas espécies, a fase de pólipo não é observada. Um representante é a Aurelia.

  • Classe Cubozoa: cnidários com estágio medusoide em forma de cubo. Esse grupo possui uma das espécies mais mortais que se conhece: a vespa-do-mar (Chironex fleckeri). Essa espécie apresenta uma toxina mais potente do que o veneno de algumas espécies de cobra, a qual pode provocar dor intensa, dificuldade respiratória, parada cardíaca e morte em questão de poucos minutos.

  • Classe Anthozoa: os antozoários não têm o estágio de medusa durante o seu ciclo de vida. Os pólipos dessa classe podem estar sozinhos ou formando colônias. Anêmonas e corais pertencem ao grupo.

Leia mais: Recifes de corais – com rica biodiversidade, fornecem abrigo e proteção

Reprodução dos cnidários

Os cnidários podem reproduzir-se de maneira sexuada ou assexuada. Nas hidras, o brotamento, um tipo de reprodução assexuada, é muito comum nas estações mais quentes do ano. Nesse processo, observa-se o desenvolvimento de um broto na parede do corpo do animal, o qual se destaca e torna-se uma hidra independente. O brotamento é também observado em outras espécies de cnidários.

Observe as etapas da reprodução por brotamento.
Observe as etapas da reprodução por brotamento.

Os cnidários também reproduzem-se de maneira sexuada. Iremos exemplificar esse tipo de reprodução citando a reprodução das hidras, as quais, em sua maioria, são dioicas (possuem sexos separados).

Nesses animais, ocorre a liberação do espermatozoide na água, o qual encontra o ovo que havia sido produzido no ovário e se encontra no corpo de outra hidra. Após a fecundação, segue-se uma série de divisões celulares. À medida que essas divisões ocorrem, forma-se uma espécie de cápsula em volta do embrião. Essa cápsula rompe-se e dela emerge uma hidra jovem. Em algumas espécies de cnidários, pode formar-se uma larva plânula.

  • Alternância de geração nos cnidários

Em algumas espécies de cnidários, observa-se, no ciclo de vida, a chamada alternância de gerações ou metagênese. No hidrozoário Obelia, por exemplo, temos uma fase de pólipo assexuado e uma fase de medusa sexuada.

Nesse ciclo a fase de pólipo reproduz-se por brotamento, dando origem a várias medusas. As medusas machos produzem espermatozoide e as medusas fêmeas produzem óvulos. Os gametas encontram-se na água e formam um zigoto, que levará à formação de uma larva plânula. Essa larva fixa-se no substrato e desenvolve-se em um novo pólipo.


 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Cnidários"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/filo-cnidaria.htm. Acesso em 18 de setembro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(FUVEST-SP) A Grande Barreira de Recifes se estende por mais de 2.000 km ao longo da costa nordeste da Austrália e é considerada uma das maiores estruturas construídas por seres vivos. Quais são esses organismos e como eles formam esses recifes?

a)     Esponjas – à custa de secreções calcárias;

b)     Celenterados – à custa de espículas calcárias e silicosas do seu corpo;

c)     Pólipos de cnidários – à custa de secreções calcárias;

d)     Poríferos – à custa de material calcário terreno;

e)     Cnidários – à custa de material calcário do solo, como a gipsita.

Questão 2

(Uesb-BA) Animais do Filo Cnidaria apresentam, entre outras características:

a)     Respiração realizada pela superfície corporal;

b)     Ausência de cavidade gastrovascular;

c)     Embrião com três folhetos germinativos;

d)     Corpo com simetria bilateral;

e)     Sistema nervoso ganglionar.

Mais Questões