Topo
pesquisar

Branqueamento de corais

Biologia

O branqueamento de corais é um fenômeno desencadeado, principalmente, pelo aumento da temperatura da água, que afeta de maneira significativa os recifes de corais.
Os corais apresentam uma relação mutualística com as zooxantelas, e a perda dessas algas pode desencadear o branqueamento.
Os corais apresentam uma relação mutualística com as zooxantelas, e a perda dessas algas pode desencadear o branqueamento.
PUBLICIDADE

O branqueamento de corais é um problema ecológico grave relacionado principalmente com o aumento da temperatura da água dos oceanos. Esse problema pode ocorrer de forma transitória ou de forma fatal, matando o coral. No fenômeno de branqueamento, os corais tornam-se translúcidos, sendo possível verificar o esqueleto de carbonato de cálcio desses animais. Isso acontece em razão da expulsão das algas zooxantelas ou por causa da perda do pigmento dessas algas, que vivem em associação mutualística com o coral.

Recifes de corais e sua importância

Os recifes de corais são ecossistemas marinhos que apresentam grande biodiversidade e uma beleza inexplicável. Tanto a beleza quanto a biodiversidade dos recifes são extremamente exploradas pelo homem, o que acaba afetando significativamente esses ecossistemas.

Os recifes de corais podem ser definidos como estruturas rígidas que resistem à ação das ondas e correntes marinhas e são formados por organismos marinhos que possuem esqueleto calcário, como é o caso dos corais, que são animais do filo Cnidaria. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, os recifes de coral são encontrados em mais de 100 países e territórios.

Várias espécies encontram nos recifes de corais condições adequadas para o seu desenvolvimento e reprodução. Nesse local, também muitos predadores conseguem suas presas. Trata-se, portanto, de um ecossistema complexo e altamente diversificado. Para se ter uma ideia da riqueza dos recifes, estima-se que uma em cada quatro espécies marinhas vivam nesses locais.

A alta biodiversidade dos recifes é aproveitada pelo homem como fonte de alimento. A beleza desses ecossistemas é explorada pelo turismo, sendo comum a visitação dessas áreas para a realização de mergulhos. Além disso, muitas substâncias são retiradas de organismos que vivem nesses recifes para uso na indústria farmacêutica.

Todas essas formas de exploração acabam danificando os recifes de corais. Os danos podem ser causados, por exemplo, pelo grande pisoteamento decorrente da visitação, movimentação das embarcações, pesca predatória e até mesmo pelo lixo deixado nessas regiões.

Os recifes de corais são estruturas rígidas formadas por organismos que apresentam esqueleto calcário, tais como os corais.
Os recifes de corais são estruturas rígidas formadas por organismos que apresentam esqueleto calcário, tais como os corais.

Recifes de corais e as zooxantelas

Alguns corais apresentam relação mutualística (relação em que os dois organismos são beneficiados) com algas zooxantelas. Essas algas vivem nos tecidos dos corais, onde garantem a coloração desses animais e fornecem compostos orgânicos, produzidos no processo de fotossíntese, para ajudar os corais a suprirem suas necessidades energéticas. Além disso, as zooxantelas ajudam o coral a aumentar sua taxa de calcificação. Os corais, por sua vez, fornecem abrigo à alga, protegendo-as contra a herbivoria, e também gás carbônico e nutrientes inorgânicos.

Essa relação entre corais e zooxantelas é extremamente benéfica em ambientes oligotróficos, isto é, em ambientes em que os nutrientes na água são escassos. Nesses locais, a associação entre o coral e a alga permite que os corais consigam desenvolver-se.

Como o branqueamento afeta os corais?

O branqueamento é um processo observado em várias partes do mundo que se caracteriza pelo embranquecimento dos corais nos recifes. Esse fenômeno ocorre por causa da expulsão das zooxantelas ou da destruição de seus pigmentos fotossintetizantes. Em virtude da perda dessas algas e/ou de seus pigmentos, o tecido dos corais fica translúcido, sendo possível observar o esqueleto de carbonato de cálcio. Veja um coral branqueado:

O branqueamento do coral pode estar relacionado com o aumento da temperatura da água.
O branqueamento do coral pode estar relacionado com o aumento da temperatura da água.

O branqueamento é um fenômeno que apresenta relação com variações ambientais, como, grande incidência de luz, poluição, alteração na salinidade, sedimentação excessiva e temperatura. Merece atenção o aumento da temperatura das águas dos oceanos, a qual pode ocorrer normalmente ao longo do ano ou ainda em consequência do aquecimento global.

Leia também: Aquecimento global e a extinção de espécies

A principal consequência do branqueamento do coral é a morte desse animal. Isso pode ocorrer por causa da duração do branqueamento ou ainda em virtude da intensidade da alteração ambiental que causou o problema. Vale salientar, no entanto, que, após um evento de branqueamento, o coral pode ser novamente recolonizado por algas zooxantelas caso o ambiente torne-se novamente adequado, porém, mesmo após a reversão do branqueamento, esses corais apresentam menores taxas de crescimento e tornam-se mais vulneráveis a doenças.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Branqueamento de corais e o aquecimento global

O aquecimento global é um processo que se caracteriza pelo aumento da temperatura média do planeta, inclusive dos oceanos. Esse processo deve-se, principalmente, ao aumento de emissões de gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono, à atmosfera, aumento esse que intensifica o efeito estufa.

O branqueamento de corais ao redor do planeta possui relação direta com o aumento da temperatura da água dos oceanos e, portanto, apresenta relação também com o aquecimento global. Vale destacar, no entanto, que esse aumento, algumas vezes, é consequência de outros eventos sazonais, como o El Ninõ (evento climático que ocorre no Oceano Pacífico).

Leia também: Influência do El Niño no Brasil e na atividade pesqueira

O branqueamento dos corais pode afetar drasticamente a biodiversidade local.
O branqueamento dos corais pode afetar drasticamente a biodiversidade local.

O aumento da temperatura causado pelo aquecimento global pode ter consequências drásticas, pois, diferentemente dos eventos sazonais, não há retorno à temperatura adequada. Como vimos anteriormente, o aumento da temperatura expulsa as zooxantelas do tecido dos corais, acabando com a relação mutualística existente entre eles. O fim dessa relação torna o coral frágil e, dependendo da severidade do evento de branqueamento, pode resultar até mesmo na morte do coral e na redução da estrutura do recife. Com isso, todos os organismos que vivem no recife são prejudicados.

Não podemos nos esquecer ainda de que a emissão de gás carbônico está relacionada também com a acidificação da água. Esse processo enfraquece os corais pela diminuição da incorporação de carbonato de cálcio.

Como evitar o branqueamento de corais?

O branqueamento de corais é um fenômeno relacionado com mudanças no ambiente marinho, tais como o aumento da temperatura, variações na salinidade, poluição e altas taxas de sedimentação. Para prevenir o branqueamento, portanto, devemos lutar para que esses eventos estressantes não ocorram.

Leia também: Cemitério de corais

O primeiro ponto é ampliar as áreas de proteção dos corais, evitando exploração inadequada dos corais e que os índices de poluição nessas áreas aumentem. Além disso, podemos fazer a nossa parte na luta contra o aquecimento global, reduzindo nossas emissões de gás carbônico na atmosfera. Para isso, medidas simples podem ser tomadas, como evitar o uso exagerado de automóveis, optando, sempre que possível, por caminhadas, transporte público e bicicletas; não realizar queimadas e não desmatar. Também podemos exigir dos governantes políticas que visem à proteção do meio ambiente.

Branqueamento de corais no Enem

O branqueamento de corais é um tema bastante atual que apresenta relação com o aquecimento global. Nesse contexto, fica claro que o tema pode ser cobrado no Enem, uma vez que essa prova é extremamente contextualizada e sempre prioriza questões atuais. Podemos perceber a verdade dessa afirmação quando analisamos as provas dos anos anteriores, que apresentam uma grande quantidade de questões relacionadas aos problemas ambientais.

Os corais já foram abordados na prova do Enem de 2014, entretanto, o tema não era branqueamento. Veja abaixo essa questão:

(Enem 2014) Parte do gás carbônico da atmosfera é absorvida pela água do mar. O esquema representa reações que ocorrem naturalmente, em equilíbrio, no sistema ambiental marinho. O excesso de dióxido de carbono na atmosfera pode afetar os recifes de corais.

O resultado desse processo nos corais é o(a)

a) seu branqueamento, levando à sua morte e extinção.

b) excesso de fixação de cálcio, provocando calcificação indesejável.

c) menor incorporação de carbono, afetando seu metabolismo energético.

d) estímulo da atividade enzimática, evitando a descalcificação dos esqueletos.

e) dano à estrutura dos esqueletos calcários, diminuindo o tamanho das populações.

A resposta dessa questão é a letra E, que fala a respeito da destruição dos esqueletos calcários dos corais. Quando o gás carbônico dissolve-se na água, torna-a mais ácida, e essa acidez é responsável por tornar o esqueleto dos corais mais frágil. Esse processo diferencia-se do branqueamento, que ocorre pela expulsão das algas zooxantelas ou destruição dos pigmentos fotossintetizantes.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Branqueamento de corais"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/branqueamento-corais.htm. Acesso em 17 de julho de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola