Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Catapora

A catapora, também chamada de varicela, é uma doença causada pelo vírus varicela-zóster, caracterizada pelo surgimento de erupções na pele.

Vista aproximada do rosto de um menino com catapora.
A catapora apresenta como sintoma mais característico as lesões na pele.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A catapora, também conhecida como varicela, é uma doença infecciosa aguda que provoca o surgimento de lesões na pele. Ela é causada pelo vírus varicela-zóster e destaca-se por ser contagiosa e ocorrer, principalmente, na infância. A transmissão ocorre por meio da inalação de partículas virais, contato com conteúdo das lesões, pela via transplacentária e por meio de objetos contaminados.

Veja também: Herpes-zóster — uma doença provocada pela reativação do vírus varicela-zóster

Tópicos deste artigo

Resumo sobre catapora

  • Catapora ou varicela é uma doença viral, geralmente benigna.

  • A catapora é facilmente transmitida e pode ser grave em recém-nascidos, mulheres grávidas e pessoas com a imunidade comprometida.

  • O principal sintoma da catapora é o surgimento de lesões na pele acompanhadas de coceira.

  • A catapora pode levar a complicações, como infecções de pele, pneumonia, encefalite e ataxia.

  • Em geral, o tratamento da catapora é feito de modo a controlar os sintomas provocados pela doença.

  • O uso de medicamentos antivirais é recomendado para pessoas com risco de agravamento.

  • Atualmente, a catapora pode ser prevenida por meio da vacinação.

O que é a catapora?

Causada pelo vírus varicela-zóster, a catapora é uma doença viral que ocorre com maior frequência em crianças. A doença caracteriza-se por provocar lesões na pele, as quais são acompanhadas de coceira, sendo geralmente autolimitada. Essa doença é bastante contagiosa e normalmente gera surtos no final do inverno e no início da primavera.

De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que ocorram cerca de 3 milhões de casos de catapora anualmente no Brasil. Ainda de acordo com o ministério, a taxa de letalidade entre os casos hospitalizados variou de 1,0 a 4,3 no período de 2006 a 2016. Apesar de ser geralmente benigna em crianças, o ministério salienta que em adolescentes e adultos o quadro clínico é mais exuberante.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que causa a catapora?

A catapora é uma doença causada pelo vírus varicela-zóster, também conhecido como herpesvírus humano-3 (HHV-3). Trata-se de um vírus de com genoma linear de DNA dupla fita e que causa catapora durante a infecção primária.

Apresentando capacidade de estabelecer latência, o vírus permanece no organismo mesmo após a resolução da doença, podendo reativar quando há uma queda na imunidade celular. Quando há a reativação do vírus, temos um caso de herpes-zóster.

Em situações em que ocorre a reativação do vírus varicela-zóster latente no gânglio geniculado do nervo facial, temos o desenvolvimento da síndrome de Ramsay Hunt.

Quais os sintomas da catapora?

O período de incubação do vírus varicela-zóster varia, geralmente, entre dez e 21 dias. Os sintomas são bastante característicos: o surgimento de várias bolinhas vermelhas pelo corpo, que, aos poucos, tornam-se bolhas, rompem-se e dão origem a feridas.

Em um mesmo indivíduo, é possível observar várias lesões em diferentes estágios de desenvolvimento. Além das erupções da pele, a catapora pode provocar febre, desconforto, dor de cabeça, perda de apetite e grande coceira.

Mãe medindo a temperatura corporal de sua filha, que segura um ursinho de pelúcia, para saber se ela está com febre.
A febre baixa pode ser observada em alguns casos de catapora.

Apesar de bastante infrequentes, algumas complicações podem surgir, sendo as mais comuns as infecções bacterianas secundárias provocadas por Streptococcus β-haemolyticus do grupo A ou Staphylococcus aureus. Diante disso, é importante salientar a importância de não coçar as feridas e sempre manter as mãos e unhas limpas.

Podem ocorrer ainda infecções bacterianas invasivas, como pneumonia, artrite, fasciíte necrotizante e sepse. Nesse caso, temos problemas graves, os quais podem até mesmo serem fatais. Além disso, complicações neurológicas também podem ocorrer em caso de catapora, sendo algumas delas a meningite, a encefalite e a ataxia cerebelar.

Especialmente em crianças e adolescentes que fizeram uso do ácido acetilsalicílico durante a fase aguda da catapora, pode-se observar o desenvolvimento da síndrome de Reye, a qual provoca edema cerebral.

Como a catapora é transmitida?

A transmissão da catapora (ou varicela) ocorre de uma pessoa para outra por meio da inalação de partículas virais ou contato com o líquido encontrado no interior das vesículas.

Vale frisar que a transmissão também pode ocorrer pelo contato com objetos contaminados e para o feto por meio da via transplacentária. Nesse último caso, a transmissão ocorre quando a mãe adquire catapora durante a gestação.

Como a doença pode ser mais grave em recém-nascidos, mulheres grávidas e pessoas com sistema imunológico comprometido, é recomendado que pessoas com a doença não tenham contato com esses grupos.

Saiba mais: 5 doenças transmitidas por contato

Como a catapora é diagnosticada?

Apesar de existirem testes que confirmam a infecção pelo vírus varicela-zóster, em geral, o que se observa é o diagnóstico por meio da análise dos sintomas apresentados pelo paciente. De acordo com o Ministério da Saúde, alguns dos testes usados para confirmar o diagnóstico são ensaio imunoenzimático (Elisa), aglutinação pelo látex (AL) e imunofluorescência indireta (IFI).

Catapora possui tratamento?

O tratamento da catapora é feito por meio de terapias que aliviam os sintomas. O principal objetivo é diminuir a coceira provocada pelas lesões, evitando, por exemplo, que contaminações secundárias surjam em decorrência do ato de coçar. Quando ocorre a contaminação, pode ser necessário o uso de antibióticos. Além disso, para pessoas com risco de agravamento, recomenda-se a administração de antivirais.

Normalmente, a doença desaparece no período de sete a dez dias depois do início dos sintomas, e, após a recuperação, a pessoa torna-se imune à doença. O vírus, no entanto, permanece de forma latente no organismo, podendo ocorrer sua reativação.

Como podemos nos prevenir da catapora?

A catapora pode ser prevenida por vacina, a qual é fabricada por meio de vírus atenuados e possui via de aplicação subcutânea.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a vacina é recomendada para crianças com idade a partir de 12 meses e, excepcionalmente, em situações de surto, por exemplo, também para crianças menores, a partir de nove meses. A SBIm salienta ainda que todas as crianças, adolescentes e adultos suscetíveis que nunca tiveram catapora devem receber o imunizante.

Ainda segundo a SBIm, atualmente o Programa Nacional de Imunizações (PNI) disponibiliza uma dose da vacina contra catapora aos quatro anos de idade, o que corresponde à segunda dose do esquema vacinal contra essa doença. Isso porque a primeira dose é aplicada aos 15 meses, como parte da vacina conhecida como tetraviral, a qual garante proteção contra sarampo, caxumba, rubéola e catapora.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Catapora"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/catapora-varicela.htm. Acesso em 18 de maio de 2024.

De estudante para estudante