Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Exu

Exu é um Orixá primordial ligado à ordem, ao movimento, à comunicação e à fecundação, responsável por abrir caminhos, vigiar mercados e habitar encruzilhadas.

Ilustração de Exu, um dos Orixás mais conhecidos.
Exu é um Orixá essencial nas religiões de matriz africana.
Crédito da Imagem: shutterstock
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Exu é um Orixá primordial ligado à ordem, ao movimento, à comunicação e à fecundação, responsável por abrir caminhos, vigiar mercados e habitar encruzilhadas. A figura de Exu é complexa e antiga, sendo um dos primordiais na criação divina. As histórias sobre sua origem variam, mas ele é considerado o primórdio da criação suprema.

O sincretismo com Santo Antônio foi uma estratégia para as pessoas continuarem praticando suas tradições africanas durante a proibição imposta pela Igreja Católica. Suas características incluem cores, sendo as principais preta e vermelha; símbolo do Ogó, associado ao órgão masculino; e elementos como a laterita.

As características atribuídas aos filhos de Exu variam, mas se destaca que categorizar as pessoas baseando-se no Orixá pode ser limitante. Oferendas a Exu incluem o padê, uma farinha macerada com dendê, enquanto as orações variam de acordo com a necessidade específica.

Para compreender essa figura essencial e complexa das religiões de origem africana, fomos conversar com Eduardo Carvalho, também chamado, dentro da religião da Casa de Ifá, como Èṣùgóroyè. Ele foi iniciado no candomblé aos 12 anos e hoje, mais de 30 anos depois, é membro da religião da Casa de Ifá.

Leia também: Iemanjá — a Orixá conhecida como a mãe de todos os Orixás

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Exu

  • Exu é um Orixá primordial ligado à ordem, ao movimento, à comunicação e à fecundação, responsável por abrir caminhos, vigiar mercados e habitar encruzilhadas.

  • Exu é considerado o primórdio da criação suprema.

  • A história de Exu inclui desavenças com Obatalá, mas revela uma amizade profunda entre os dois.

  • Foi sincretizado com o santo católico Santo Antônio.

  • O símbolo de Exu é o ogó e sua saudação é Laroyê Exu.

  • Existem diferentes tipos de Exu, variando conforme a diáspora africana, mas todos representam o mesmo Orixá.

  • Os filhos de Exu costumam ser vistos como pessoas inteligentes, sensuais e capazes de se adaptar a situações adversas.

  • Uma das oferendas que pode ser dada a Exu é o padê, um prato à base de farinha, dendê e pimenta.

  • Na umbanda, entidades como Tranca-Rua e Zé Pelintra, embora chamadas de Exu, não são consideradas Orixás.

  • Na semana, o dia de Exu é segunda-feira. Por ter sido associado com Santo Antônio, é celebrado anualmente no dia 13 de junho.

Quem é Exu?

Estátua nigeriana de Exu.
Exu é um dos Orixás primordiais. [1]

Exu é o Orixá da ordem, do movimento, da comunicação, da fecundação; ele é quem abre os caminhos, vigia os mercados e habita as encruzilhadas. Entretanto, não é possível resumir Exu a essas funções e posições, pois ele é uma figura muito complexa e antiga. Para compreender essa figura essencial e complexa das religiões de origem africana, fomos conversar com Eduardo Carvalho, também chamado, dentro da religião da Casa de Ifá, como Èṣùgóroyè. Ele foi iniciado no candomblé aos 12 anos e hoje, mais de 30 anos depois, é membro da religião da Casa de Ifá.

Para nos explicar com maiores detalhes quem é Exu, Eduardo começou dizendo que Exu é um ser de criação divina. Em seguida, ele explicou um pouco sobre a origem dos Orixás de uma forma geral.

Segundo ele, Olodumaré criou os Orixás para auxiliá-lo na organização e criação do universo. Dessa forma, o que se tem de mais antigo sobre Exu é que ele é primordial, um dos primeiros Orixás, mas a sua criação passa por uma série de mitos.

Em algumas histórias ele é filho de Oxum, em outras ele é simplesmente criado. Não temos exatidão do princípio de Exu, mas, em suma, ele é o primórdio da criação suprema.

Eduardo diz que há muita confusão feita em torno da figura de Exu; um dos motivos para isso é porque ele é o mais ambíguo de todos os Orixás. Eduardo explica:

Exu é o Orixá do movimento? Sim. Ele é o Orixá da criação? Sim. Ele é Orixá da fecundação? Sim. Ele é Orixá da ordem? O que a gente pode dizer com mais assertividade sobre Exu é que, na verdade, ele é o Orixá da ordem.

Por isso ele é o primeiro cultuado, por isso ele é cultuado em todas as terras da África, porque ele é Orixá da ordem, ele é quem vai dar ordem, organizar tudo, colocar tudo no seu devido lugar.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

História de Exu

Assim como outros Orixás, Exu tem sua origem na África. Mas, diferente dos outros, Exu está presente na cultura de várias regiões. Ele é uma representação ancestral dos povos africanos, que tem a sua manifestação cultural e religiosa variando de acordo com a sociedade em que se está inserido.

Nas estórias (itãs), há várias versões sobre a origem de Exu; em algumas ele simplesmente sempre existiu, em outras ele é criado por Olodumaré, e ainda há versões em que ele surge junto com o universo, sendo a ordem imposta ao caos inicial da criação.

Pedimos a Eduardo Carvalho que nos contasse uma história de Exu, ele escolheu a seguinte:

É sobre os primórdios, sobre o comecinho do mundo / As pessoas sabem porque Oxalá usa branco / Mas não sabem o porquê / Nos primórdios da criação / Houve uma discussão entre Exu e Obatalá / Obatalá considerou Exu insolente / E bateu com seu cajado, o Opaxorô, em Exu / Exu ficou mole / Mas, se reconstitui em fração de segundos / Obatalá se ofendeu novamente e bateu uma segunda vez / Exu praticamente desmancha no chão / Mas, novamente, se reconstitui / Obatalá, mais ofendido / Bate uma terceira vez, ainda mais forte / Exu quase se torna água e se esparrama todo pelo chão / Dessa vez, Exu reconstitui-se e retorna irritado / Levanta seu Ogó (Instrumento de madeira associado a Exu) / E bate em Obatalá / Obatalá perde toda a sua cor e vira Orixá funfun (branco).

Depois da história, Eduardo nos diz que, mesmo com desavenças, Exu e Obatalá são melhores amigos. Então, conta-nos outra história que revela um pouco a mais sobre essa relação entre os dois.

Ele diz que quando Obatalá foi incumbido de criar as pessoas, de fazer os corpos dos seres humanos, Exu ficou na esquina de sua casa atendendo a todos que queriam falar com Obatalá, recebendo as oferendas para Obatalá, para evitar que ele fosse atrapalhado.

A história diz que foram 16 anos desse jeito. Isso explicaria também por que Exu é um dos Orixás mais próximos dos humanos, apesar de os corpos serem criados por Obatalá. Afinal, ele assistiu à criação de todos os humanos.

Sincretismo de Exu com Santo Antônio

Estátua de Santo Antônio, o santo católico associado a Exu.
Santo Antônio é o santo católico associado a Exu.

Eduardo Carvalho (Èṣùgóroyè) nos conta que o sincretismo dos Orixás com os santos católicos se deu por conta da proibição das religiões de matriz africana imposta pela Igreja Católica.

Os povos africanos não podiam cultuar os deuses africanos, então procuravam alguma semelhança entre os santos e os deuses para estabelecer relações simbólicas. Dessa forma, praticavam a sua religião de maneira disfarçada, para não sofrerem com as perseguições. Devido a isso, Exu foi associado a Santo Antônio. Em relação a isso, Eduardo disse:

Como o candomblé e a umbanda são religiões em diáspora, que atravessaram o oceano, atravessaram o mundo, essa coisa do sincretismo acabou ficando muito latente na cabeça das pessoas. Exu pode ser sincretizado com qualquer santo católico, assim como boa parte das pessoas sincretiza Oyá com Santa Bárbara, Ogum com São Jorge, Oxóssi com São Sebastião; mas era um disfarce, na verdade, para que os africanos pudessem continuar cultuando seus deuses à sua maneira.

Acesse também: Iansã (Oyá) — detalhes sobre a Orixá associada a Santa Bárbara

Características de Exu

Cores de Exu

As cores de Exu são o preto e o vermelho. Eduardo diz que, dependendo da casa, Exu pode aparecer com todas as cores, mas as principais são o preto e o vermelho.

Símbolos de Exu

Um dos símbolos de Exu é o Ogó, instrumento de madeira que representa o órgão sexual masculino. Eduardo Carvalho (Èṣùgóroyè) conta que a ignorância dos povos que escravizaram os africanos é a responsável pela sexualização e demonização de Exu e seu Ogó.

Na perspectiva africana, não há uma imagem de promiscuidade, de perversidade associada às genitálias. O símbolo de Exu é o falo, pois ele é o Orixá da fecundação e representa a fertilidade masculina.

Elementos de Exu

Pedra de laterita, usada para cultuar Exu em todas as terras da África.
A laterita é usada para cultuar Exu em todas as terras da África.

Um elemento primordial, até hoje usado para cultos, é a laterita, uma pedra especial que é um tipo de minério utilizado para cultuar Exu em todas as terras da África.

Domínios de Exu

Os domínios de Exu são a comunicação, movimento, ordem, criação e a transformação; praticamente tudo que é necessário ao surgimento e permanência da vida.

Saudação de Exu

A principal saudação de Exu é Laroyê Exu. Eduardo conta que há outras, porém essa é a mais popular.

Acesse também: Xangô — o Orixá dos raios e da justiça, considerado jovem, forte, ágil, bondoso e justo

Tipos de Exu

Os tipos de Exu, conforme Eduardo Carvalho (Èṣùgóroyè) nos contou, estão relacionados, também, com a diáspora dos povos africanos. Pois Exu é louvado em diversos lugares e, consequentemente, recebe vários nomes; também pode ser conhecido Legba, Elegba, Bará, entre outros.

No que tange as qualidades dos Orixás, mais especificamente de Exu, Eduardo nos explica que isso tem a ver com ancestralidade e tradição africana. Ele explica com um exemplo:

Os Orixás, quando vieram para a Terra, iam passando por cidades e iam ajudando as pessoas, curando doenças, resolvendo problemas que as famílias tinham: de não ter sorte, de não conseguir ter filhos, de não conseguir ter trabalho; uma série de coisas. Então, na verdade, as qualidades estão atreladas a sobrenomes africanos.

Então, disse: Ah! Exu Odara é Exu da alegria. Porque quando Exu passou por aquela família, que vivia triste, tinha problemas de tristeza, ele conseguiu resolver o problema daquela família. Ah! Então Exu Odara. Depois, Exu foi para outra terra resolver outro problema, então Exu Lalú…

Trata-se do mesmo Orixá, porém ele apresenta alguns aspectos mais destacados quando a gente cultua como Exu Odara, como Exu Lalú, como Exu Agelú, Como Exu Akesan. Cada um traz uma qualidade em específico mais preponderante, mas é o mesmo Orixá.

Características dos filhos de Exu

Existem características atribuídas a filhos de todos os Orixás. Os filhos de Exu costumam ser vistos como pessoas inteligentes, sensuais e capazes de se adaptar a situações adversas. Também são atribuídas outras características, como a de serem pessoas competitivas e subversivas.

Apesar dessas características, Eduardo Carvalho (Èṣùgóroyè) diz que esse é um jeito de ver as coisas que põe as pessoas em categorias que não necessariamente lhes cabem. Ele explica seu ponto de vista:

É uma questão, que vem através da colonização, de colocar as pessoas em caixinhas e dizer: Ah! Fulano é assim, porque fulano é de Exu. Nesses 34 anos que eu venho de santo, já vi uns paradoxos malucos. Foi isso que quebrou essa ideia que eu também tinha.

Ele conclui dizendo que essas características variam de pessoa para pessoa, e não têm nada a ver com o Orixá.

Vamos nos tornar o mesmo ser igualzinho, então? Seremos todos brigões, todos teimosos, todos super inteligentes ou vamos todos ricos? Não, isso não tem nada a ver, isso tem mais a ver com Ori (cabeça) do que com Orixá em si.

Oferendas a Exu

Padê, a principal oferenda feita a Exu.
O padê é a principal oferenda feita a Exu.

As oferendas a Exu vão depender da cultura e da religião em que a pessoa está inserida. Segundo Eduardo Carvalho (Èṣùgóroyè), “Exu é o Orixá que tudo come”. Ele conta que Exu já comeu o mundo todo, todos os peixes, plantas, carnes, etc.

Porém, Eduardo diz que, por uma questão diaspórica, a oferenda mais famosa para Exu é o padê, uma farinha macerada com dendê que pode vir acompanhada de pimenta, mel, cachaça, água.

Em alguns lugares servem camarão, em outros lugares oferecem ovos. Eduardo diz que são elementos energéticos para despertar aspectos de Exu e resolver as necessidades que se tem.

Confira também: Ogum — o Orixá que recebe como oferendas feijoada (com feijão-preto), farofa de feijão-fradinho e inhame

Oração a Exu

Eduardo nos conta que existem diversas orações que podem ser feitas para Exu. Ele diz que cada uma tem a função de despertar uma característica diferente do Orixá. Eduardo explicou:

Quando você precisa que Exu se mostre de forma mais calma, você reza de uma forma; quando você precisa de Exu para vencer uma guerra, tem outra reza para isso; quando você precisa de Exu para resolver problemas, tem outra reza; quando você precisa que Exu lhe dê o poder da fecundação, para você conseguir ter filhos, é outra reza que você faz.

Entretanto, Eduardo diz que não acha correto compartilhar essas rezas publicamente, pois são segredos da religião, e segredo é um dos fundamentos da crença.

Exu na umbanda

Conga de Zé Pelintra, uma das entidades de Exu na umbanda.
Conga de Zé Pelintra, uma das entidades de Exu na umbanda. (Créditos: Tiago Vechi | Brasil Escola)

Ao se falar sobre tipos de Exu, pode ser que você pense em nomes famosos como Tranca-Rua, Zé Pelintra, Marabô, entre outros. Entretanto, esses, apesar de receberem o nome de Exu, não são Orixás.

Esses muitos nomes conhecidos como exu são entidades cultuadas dentro da umbanda, pois em muitos terreiros de umbanda não há a figura do Exu Orixá. Então eles utilizam esse nome para classificar espíritos de homens que têm a função de proteger os terreiros e seus membros.

Esses Exus também possuem representação em outras religiões de matriz africana, mas em nenhuma delas eles são entendidos como Orixás. São homens que tiveram lições valiosas na vida e vêm ensinar e proteger aqueles que estão no mundo terreno.

Dia de Exu

  • Na semana: o dia de Exu é segunda-feira. Eduardo nos diz que, na África, a semana tem quatro dias e que os Orixás são distribuídos dentro desses dias.

  • No Brasil: no país, a interpretação é outra. Como Exu é o Orixá da ordem, ele é cultuado no começo da semana, para que tudo ocorra bem nos dias seguintes. Isso também pode mudar de casa para casa.

Crédito de imagem

[1] Sailko / Wikimedia Commons (reprodução)

Fonte

Entrevista realizada com Eduardo Carvalho, também chamado, dentro da religião da Casa de Ifá, como Èṣùgóroyè.

Escritor do artigo
Escrito por: Tiago Vechi Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VECHI, Tiago. "Exu"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/religiao/exu-1.htm. Acesso em 25 de julho de 2024.

De estudante para estudante